Home / Natureza / Quantos Pequenos Produtores Rurais Existem no Brasil?

Quantos Pequenos Produtores Rurais Existem no Brasil?

Com a globalização dos mercados agrícolas, há uma competição crescente pelos dois principais modos de produção, que compartilham a oferta de alimentos: agricultura familiar e agricultura empresarial capitalista.

Herdeiros de histórias agrárias nacionais específicas, estes dois modos estão presentes em cada país de uma forma muito diferente mas, em escala mundial, a tendência dominante parece querer impor, em última análise, a concentração dos meios de produção levando ao enfraquecimento da a fazenda da família para o benefício da empresa com os funcionários.

Agricultura Familiar No Brasil

Ao mencionar nosso país, não nos lembramos o suficiente do dualismo de sua agricultura, como se, ao lado de seu poderoso centro de negócios, as pequenas e médias fazendas, embora muito numerosas, contassem pouco ou fossem destinadas a um quase desaparecimento. O mini fundismo, o campesinato, a “pequena produção”, a agricultura familiar, vários termos pelos quais essa “outra” agricultura é designada, vista por muitos como um setor condenado pela economia de mercado, são sinônimos no Brasil com tecnologia tradicional, para não mencionar o atraso, a pobreza rural e a marginalidade social.

Quando o Brasil foi estabelecido como uma colônia portuguesa após sua “descoberta” em 1500, seu território passou a ser o domínio da Coroa Portuguesa. A propriedade privada e o uso da terra foram definidos pela Lei das Sesmarias que a terra foi dada pela Coroa a certas pessoas consideradas “merecedoras”. Para ser confirmado em seu direito de propriedade, o esmero teve que demonstrar que melhorou as terras recebidas e prova de sua localização e seus limites.

De fato, aquele que alegou que uma sesmaria ocupou a terra, limpou-a e só mais tarde solicitou sua regularização, se o fizesse. A política de concessão de vastas áreas de terra (a sesmaria era de tamanho variável, mas era comum para chegar a 13 000 hectares) para a mesma pessoa foi destinado ao desenvolvimento da produção de açúcar para exportação.

Mas havia outro modo de se tornar um grande proprietário de terra: a ocupação pura das terras da Coroa, sem escrita inicial. O que os brasileiros chamam de posse , que pode ser traduzido como “propriedade de facto, sem título”. Essa prática de apropriação espontânea de terras públicas está tão arraigada na história do país que ainda está presente hoje, especialmente na Amazônia, conhecida como ” grilagem “, palavra que poderia ser traduzida como “usurpação”. de terra “.

Por latifúndio colonial, o modo escravo de produção foi generalizada, inicialmente através da escravização dos índios, então, quando eles foram dizimados, com escravos africanos. Percebeu-se nas ” plantações “, grandes explorações que deram ao comércio internacional sua mono produção: o açúcar, o café, o fumo ou o algodão. Outros latifúndios eram especializados em reprodução e forneciam animais de trabalho.

Plantação de Agricultura Familiar No Brasil
Plantação de Agricultura Familiar No Brasil

Outra característica fundamental da plantação no Brasil é como usar a terra. O cultivo de cana-de-açúcar ou café foi feito após a remoção da floresta primária em terrenos naturalmente fertilizados. No entanto, os métodos de cultivo estavam rapidamente esgotando os solos, daí a necessidade de mover as áreas cultivadas com frequência e permitir que a floresta recuperasse seus direitos de pousar.

A Precária Existência De Um Campesinato Pobre

Em face da plantação de escravos, havia espaço para um campesinato livre? A imigração do português pobre e o cruzamento posterior tornaram possível, em princípio, mas dificilmente havia qualquer possibilidade de colonização permanente, tendo alguns historiadores sido capazes de afirmar que “pouco ou quase nenhum espaço foi deixado para trás”.

Alguns chegaram nos imigrantes do Nordeste, no entanto, tentou limpeza de terrenos para a sua subsistência e produzir para o mercado, mas eles poderiam ser despejado sem cerimônia pelos grandes proprietários de terras e empurrados para as margens dos territórios colonizados ou estavam dispostos a trabalhar para os “senhores da terra “. Assim, os produtores de pequena tabaco e algodão, que se desenvolveu entre 1700 e 1760 sob a influência da demanda externa, foram expulsos militarmente em favor dos latifúndios açúcar.

Aqueles que continuaram a agricultura foram reduzidos a se limitarem a uma economia de subsistência em terra da qual dificilmente poderiam se tornar donos. Privados de meios financeiros e dificilmente integrados ao mercado, não tiveram chance de acumulação. Para os migrantes portugueses que se tornaram camponeses pobres, chamados caboclos pela fundação de famílias e adicionadas as comunidades de ex-escravos e índios reprimidos em seus territórios históricos, ainda mais marginalizados.

Com a abolição da escravidão, os latifundiários tiveram de estabelecer novas relações de trabalho nas plantações. No litoral açucareiro do norte, surgiu uma nova figura camponesa: o morador , uma espécie de meeiro estabelecido com sua família na terra do “senhor do engenho “, o engenho que designa a usina de açúcar, mas também a unidade de produção. organização agroindustrial em torno desta.

Agricultor Familiar Pobre
Agricultor Familiar Pobre

Pago pela metade do valor da cana colhida, de acordo com um preço arbitrariamente fixado pelo latifundiário, ele devia cerca de trinta dias de trabalho livre na propriedade, especialmente para a manutenção dos pastos que a plantação precisava para produzir e manter seus animais de tração. A plantação tinha uma loja para o fornecimento dos moradores aos quais eles estavam endividados.

Uma situação semelhante foi criado nas fazendas de café nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, etc. Nesta economia pós-escravidão do açúcar e café latifúndios, as prevalecentes relações sociais, semelhante a parceria, foram os que permitiram que os latifúndios o menor custo de mão de obra, reduzir o salário.

Quantos Pequenos Produtores Rurais Existem No Brasil?

Herdeiros dos pequenos produtores caboclos existentes nos interstícios dos latifúndios durante o período da escravidão, muitos agricultores familiares independentes continuaram a existir no período que se seguiu à abolição da escravatura e até hoje. Geralmente localizadas nas piores terras, muitas vezes ocupantes sem título, eles produziram primeiro para fornecer comida para a família, mas também estavam envolvidos no comércio.

Durante o século 20, o Brasil foi palco de uma extensão considerável de sua terra cultivada na fronteira agrícola, localizada no centro-oeste e da Amazônia, sobre o qual foi criado muitas fazendas familiares. Para além deste tipo de iniciativa estatal, migrações espontâneas eram obra de famílias de camponeses que não conseguiam encontrar seus países de origem pousar eles precisavam para se estabelecer.

Em linhas gerais, apesar de todas as dificuldades e perspectivas sombrias, os pequenos produtores rurais hoje são maioria no Brasil. Segundo estimativa recente do IBGE, eles representam nada menos que quase 90% do que é considerado área de agropecuária em atividade no país. Em números, isso pode representar cerca de cinco milhões e meio de pequenas propriedades rurais, ocupando mais de 350 milhões de hectares em território brasileiro.

Veja também

O Que é Leveduriforme? Presença de Células Leveduriformes

Nossa sociedade nos dias de hoje falha muito quando o assunto é fazer exames regulares …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *