Home / Animais / Hábitat do Caranguejo: Onde Eles Vivem?

Hábitat do Caranguejo: Onde Eles Vivem?

Os caranguejos são crustáceos pertencentes à ordem taxonômica Brachyura. Esses animais na verdade se apresentam como muitas espécies que possuem características anatômicas padronizáveis, tais como a carapaça, o abdômen reduzido e voltado para o interior do cefalotórax, os cinco pares de patas (também chamados de pereópodes) com unhas pontiagudas (dos quais o primeiro par é formado basicamente pelas pinças), e os olhos na extremidade da cabeça dispostos em estruturas semelhantes a antenas.

Os caranguejos são altamente apreciados na culinária. É até difícil acreditar que esses animais possuam cerca de 180 milhões de espécies, e até mesmo quase 7 mil espécies de crustáceos.

A história da origem dos caranguejos no planeta Terra está diretamente relacionada à origem dos oceanos, remontando ao período pré-histórico Jurássico. Na costa brasileira, mais precisamente da região Nordeste, estes animais chegaram aproximadamente quando houve a formação do Oceano Atlântico, ou seja, durante a separação entre a América e a África. No entanto, os caranguejos só começaram a ser catalogados no século XVII.

Por ser incrivelmente apreciado na culinária, a extração de caranguejo da natureza tem se tornado uma fonte de renda para aqueles que retiram o animal de seu ecossistema natural com fins de comercialização. Lembrando que essa prática deve obedecer a princípios básicos de manejo sustentável.

Neste artigo, você conhecerá algumas importantes características sobre esse crustáceo, incluindo a descrição do seu hábitat/ local em que vive.

Então venha conosco e boa leitura.

Caranguejos: Classificação Taxonômica

A classificação taxonômica dos caranguejos obedece a seguinte ordem abaixo descrita:

Reino: Animalia;

Divisão: Arthropoda;

Subdivisão: Crustacea;

Classe: Malacostraca;

Subclasse: Decapoda;

Infraclasse: Pleocyemata;

Ordem: Brachyura.

Algumas Espécies de Caranguejos

Caranguejo Amarelo

Caranguejo Amarelo na Areia
Caranguejo Amarelo na Areia

Esta espécie possui nome científico de Gecarcinus lagostoma e pertence à família taxonômica dos gecarnicídeos. Sua carapaça é de cor amarela e as patas alaranjadas. É endêmico nas ilhas brasileiras de Fernando de Noronha e Trinidade, apesar de estar ameaçado de extinção.

Caranguejo Uçá

Caranguejo Uçá
Caranguejo Uçá

Essa espécie possui coloração verde-azulada no dorso e pernas de cor vermelha. Também pode ser chamado de caranguejo verdadeiro ou uçaúna. É endêmico na faixa que se estende ao estado da Flórida até o Sul do Brasil. Possui nome científico de Ucides cordatus, e pertence à família taxonômica dos ocipodídeos.

Caranguejo-do-Rio

Caranguejo-do-Rio
Caranguejo-do-Rio

Este caranguejo não corresponde a uma espécie unitária, mas a um gênero pertencente à família taxonômica Trichodactylidae, conhecido por abrigar caranguejos de água doce.

Este gênero é prevalente em alguns pontos específicos do estado da Bahia, assim como em córregos e riachos de água doce de todo o país.

A carapaça é alta e arredondada, com coloração marrom-escura e avermelhada, totalizando cerca de 5 centímetros de comprimento.

Caranguejo Maria-Farinha

Este caranguejo possui a carapaça quadrada de coloração branco-amarelada. É um animal dentritívoro que vive em buracos posicionados acima da linha da maré alta. É encontrado desde a costa leste dos Estados Unidos até o litoral brasileiro.

Padrões Alimentares

Caranguejo Comendo Camarão
Caranguejo Comendo Camarão

Algumas espécies de caranguejos podem ser herbívoras, enquanto que outras são carnívoras. As espécies carnívoras costumam adotar estratégias de caça para a captura de animais menores, tais como peixes, pequenos invertebrados e até mesmo filhotes de tartaruga. No entanto, também há outras categorias alimentares entre esses animais, visto que certas espécies podem apresentar hábitos dentritívoros (ou seja, alimentar-se de material orgânico em decomposição), onívoros (dieta mista entre carne e vegetais) ou carniceiros (ou seja, aproveitadores de restos de comida).

Características Reprodutivas

Os caranguejos adotam a reprodução sexuada. As fêmeas costumam liberar sinais químicos para atrair a atenção do macho. Quando há mais de um macho envolvido na trama, eles disputam entre si para descobrir qual deles é o mais forte, em um processo chamado de “corte”.

A quantidade de ovos liberada pelas fêmeas é exorbitante, atingindo a marca de 300 a 700 mil. Esses ovos são incubados e, ao eclodirem, os filhotes recém-nascidos se dirigem imediatamente para a água em um processo chamado de “andada”.

Hábitat do Caranguejo: Onde Eles Vivem?

Caranguejo na Lama
Caranguejo na Lama

A maioria das espécies de caranguejos são encontrados em áreas de manguezal, as quais são consideradas ambientes de transição entre os biomas terrestres e aquáticos.

O solo dessas áreas e manguezal é caracterizado como um solo lodoso, úmido, salgado, com carência de oxigênio e alta concentração de nutrientes, em decorrência da disposição de matéria orgânica em decomposição, fator que também possibilita um forte odor no local. Boa parte do litoral brasileiro é formado por áreas de mangue.

Outra parcela das espécies de caranguejo também pode ser encontrada no mar, assim como no ambiente terrestre ou de água doce. Nos mares, costumam viver parcialmente ou completamente enterrados, também podem ocupar cavidades existentes em fundos rochosos.

Os Caranguejos e a Ameaça de Extinção

A extração de caranguejos dos mangues é uma prática recorrente, no entanto a mesma deve obedecer princípios de manejo sustentável, de modo que haja preservação e continuidade das espécies.

No estado brasileiro de Pernambuco, acredita-se que pelo menos quatro espécies estejam ameaçadas de extinção. Essas espécies estão citadas na lista de invertebrados aquáticos do Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção.

Além de a diminuição populacional estar relacionada com a extração irregular, espécies que habitam manguezais vêm sofrendo as consequências do crescimento dos centros urbanos e destruição do sue ecossistema natural. Neste contexto, se enquadram espécies como o caranguejo amarelo, o guaiamum e o caranguejo uçá.

O Caranguejo na Culinária

É necessário cozinhar bem esse animal antes de consumi-lo, visto que, caso contrário, é provável que haja um quadro de intoxicação alimentar. A conservação do animal cru deve ser realizada em ambiente refrigerado. Além do cozimento, é importante lavar o animal em água corrente para retirar o excesso de lama e sujeira.

Algumas espécies podem demandar tempo de cozimento e absorção dos temperos maior, em decorrência de carapaças mais duras, assim como polpas de carne mais grossas.

O caranguejo possui importante valor nutricional, visto que é rico em minerais como o Cobre, Cálcio, Ferro e Zinco, assim como em vitaminas do complexo B (principalmente a vitamina B12).

*

Agora que você já conhece importantes características sobre o caranguejo, incluindo qual o seu hábitat, continue conosco e visite também outros artigos do site.

Até as próximas leituras.

REFERÊNCIAS

LOURENÇO, L. Biologia Marinha. Espécies de caranguejos. Disponível em: <http://lorenebiologa.blogspot.com/2012/12/especies-de-caranguejos.html>;

Sua Pesquisa. Caranguejo. Disponível em: <https://www.suapesquisa.com/mundoanimal/caranguejo.htm>;

PASCOAL, J. V. Curiosamente. Paixão nordestina: tudo o que você precisa saber sobre os caranguejos. Disponível em: <http://curiosamente.diariodepernambuco.com.br/project/paixao-nordestina-tudo-q-voce-precisa-saber-sobre-caranguejos/>.

Veja também

Lobo do Ártico: Tamanho, Peso e Nome Científico

Você já ouviu falar do lobo do ártico? Pois bem, o lobo do ártico (nome …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *