Home / Animais / Arara Azul Grande: Curiosidades, Fotos e Nome Científico

Arara Azul Grande: Curiosidades, Fotos e Nome Científico

Agora vamos falar da arara azul, mas não uma ararinha azul qualquer não. É da arara azul grande, um pássaro que pode chegar a quase um metro de comprimento do bico à cauda. Essa grande espécie merece mesmo um artigo só dela…

Arara Azul Grande – Nome Científico

Anodorhynchus hyacinthinus. Este é o nome científico de nossa grande arara azul. Uma espécie de ave que pertence à família de Psittacidae. Esta ave vive principalmente no Brasil: cerrado, pantanal e regiões vizinhas da Bolívia e do Paraguai. Talvez também da Colômbia.

Plumagem azul-cobalto, área amarela nua ao redor do olho e mandíbula inferior do bico, azul é ligeiramente mais escuro nas asas, cauda inferior e asas enegrecidas. Extremamente poderoso bico, preto, íris marrom escuro, pernas cinza escuro. Anodorhynchus hyacinthinus tem uma voz muito poderosa.

É uma espécie robusta, uma vez bem aclimatada. A arara-azul-selvagem tem um bico muito poderoso, mesmo destrutivo (pressão do nariz: 15 kg / cm²). Um terço de seus músculos está na cabeça. Adulto, que tem um tamanho de 1,30 m a 1,50 m para um peso de entre 1,4 e 1,7 kg. É o maior de todos os psitacídeos.

O médico inglês, ornitólogo e artista John Latham descreveu pela primeira vez a arara-azul-grande em 1790 sob o nome binomial de Psittacus hyacinthinus, com base em um espécime taxidermico enviado para a Inglaterra. É uma das duas espécies existentes e provavelmente extintas do gênero Anodorhynchus, da América do Sul.

Arara Azul Grande – Curiosidades e Fotos

Essas araras também são muito equilibradas e podem ser mais calmas que as outras araras, sendo conhecidos como “gigantes gentis”. Um veterinário participante deve estar ciente das necessidades nutricionais específicas e das sensibilidades farmacológicas ao lidar com elas. Possivelmente devido a fatores genéticos ou limitações da criação em cativeiro, esta espécie pode se tornar neurótica/fóbica, o que é problemático.

A maioria da dieta da arara-azul é castanha-do-pará, de palmeiras nativas, como as palmeiras acuri e bocaiuva. Eles têm bicos muito fortes para comer os grãos de nozes e sementes duras. Seus fortes bicos são capazes de quebrar cocos, as grandes castanhas-do-brasil e a noz de macadâmia. Os pássaros também possuem línguas secas e lisas com um osso dentro deles, o que os torna uma ferramenta eficaz para a digestão de frutas.

Arara Azul Grande Voando
Arara Azul Grande Voando

A noz de acuri é tão dura que os papagaios não podem se alimentar até que ela tenha passado pelo sistema digestivo do gado. Além disso, eles comem frutas e outras matérias vegetais. A arara-azul geralmente come frutas, nozes, néctar e vários tipos de sementes. Além disso, eles viajam pelo mais saboroso dos alimentos em uma vasta área. No Pantanal, as araras se alimentam quase exclusivamente das nozes das palmeiras acrocomia aculeata e attalea phalerata.

Conforme explicou um naturalista inglês: As araras azuis grandes voam em pares e se alimentam das nozes duras de várias palmeiras, mas especialmente da Mucuja (acrocomia lasiospatha). Essas castanhas, que são tão difíceis de serem quebradas com um martelo pesado, são esmagadas até a polpa pelo poderoso bico desta arara.

Uma curiosidade sobre o comportamento de alimentação dessas araras com essas nozes é o uso de ferramentas. O uso limitado de ferramentas tem sido observado em araras-azuis selvagens e em cativeiro. Araras muitas vezes incorporam esses itens quando se alimentam de nozes mais duras. Seu uso permite que as nozes que as araras comem permaneçam em posição (evitando escorregar) enquanto elas roem.

Não se sabe se isso é um comportamento social aprendido ou um traço inato, mas a observação de araras em cativeiro mostra que as araras criadas à mão exibem esse comportamento também. As comparações mostram que as araras mais velhas conseguiram abrir as sementes com mais eficiência.

Arara Azul Grande – Distribuição e Habitat

A arara-azul sobrevive hoje em três populações principais em América do Sul: No pantanal brasileiro, e ao lado leste da Bolívia e nordeste do Paraguai, no cerrado brasileiro (Maranhão, Piauí, Bahia, Tocantins, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais), e nas áreas relativamente abertas associadas ao rio Tocantins, rio Xingu, rio Tapajós e a ilha de Marajó, na Bacia Amazônica Oriental do Brasil.

Populações menores e fragmentadas podem ocorrer em outras áreas. Prefere pântanos de palmeiras, florestas e outros habitats semi-arborizados. Geralmente evita a floresta densa e úmida e, em regiões dominadas por esses habitats, geralmente é restrita à borda ou a seções relativamente abertas (por exemplo, ao longo de grandes rios). Em diferentes áreas do seu alcance, esses psitacídeos são encontrados em pastagens de savana, na floresta de espinhos secos conhecida como caatinga, e em palmeiras, particularmente a mauritia flexuosa.

Arara Azul Grande – Conservação e Ameaças

A arara-azul é uma espécie em extinção devido ao comércio de aves de gaiola e perda de habitat. Na década de 1980, estima-se que 10.000 aves foram retiradas da natureza e pelo menos 50% foram destinadas ao mercado brasileiro. Em toda a extensão da arara, o habitat está sendo perdido ou alterado devido à introdução da pecuária e da agricultura mecanizada, além do desenvolvimento de esquemas hidrelétricos.

Incêndios anuais de gramíneas criados pelos agricultores podem destruir os ninhos, e as regiões anteriormente habitadas por esta arara agora são inadequadas também devido à agricultura e plantações. Localmente, tem sido caçado por comida, e os índios Kayapó de Gorotire, no centro-sul do Brasil, usam penas para fazer cocares e outros ornamentos.

Embora em geral seja bastante reduzido em número, permanece localmente comum no Pantanal brasileiro, onde muitos proprietários de fazendas agora protegem as araras em suas terras. A arara-azul é protegida por lei no Brasil e na Bolívia, e a exportação comercial é proibida. Vários estudos de longo prazo e iniciativas de conservação estão em vigor. Hoje a arara azul grande não está mais listada como espécie ameaçada de extinção, mas como espécie vulnerável. E sua população atualmente, graças a muitos esforços de proteção e conservação, encontra-se estimada em quase 5.000 indivíduos.

Será que a arara azul grande e a ararinha azul são a mesma espécie? Que esforços tem sido feitos para se obter sucesso na reprodução dessas araras em extinção? Qual a diferença entre arara e papagaio?

Continue navegando aqui em nosso blog e descubra estes e muitos outros fatos interessantes e curiosidades sobre as araras

Veja também

Galinha Modern Game: Características, Ovos, Como Criar e Fotos

Não, não estamos falando de um joguinho de vídeo game, e nem de algum novo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *