Home / Plantas / Plantas da Amazônia Em Extinção

Plantas da Amazônia Em Extinção

É difícil determinar com exatidão o número de plantas da floresta tropical amazônica em ameaça de extinção, mas pode-se dizer seguramente que muitas estão de fato vulneráveis ou em iminente estágio de perda. Entre as principais causas do problema estão predadores de plantas ornamentais como orquídeas, a extração desenfreada de madeira e o desmatamento ora visando terra cultivável, ora para outros fins de urbanização.

Plantas da Amazônia em Extinção

Orquídeas da amazônia: As orquídeas estão entre as plantas da floresta tropical amazônica mais ameaçadas. Existem mais de 25.000 espécies de orquídeas e todas elas estão em perigo ou ameaçadas. Muitas espécies já estão extintas. Estas são as maiores plantas com flores do mundo e vêm em uma ampla variedade de cores e formas. Uma flor de orquídea pode ser maior que uma mão humana e pode crescer até vários metros de altura.

Rafflesia arnoldii: esta gigantesca flor da floresta tem sido classificada não só como uma planta rara como também uma das mais ameaçadas mundialmente. É uma planta pesada, podendo chegar a quase três quilos mas de altura mediana.  Com sua cor vermelha vibrante e pétalas abertas bem espalmadas, lembra muito aqueles cogumelos de historinhas de magia, como aquelas que cantaram com a Alice no País das Maravilhas.

Árvores de mangue: tais composições arbóreas de manguezal circundam a área longilínea as margens da bacia amazônica, cuja função é impedir a erosão ao protrair o derrame de sedimentos enquanto se desenvolve ao longo de rios e córregos, protegendo o litoral da floresta tropical.

Mafumeira: as tribos nativas ao longo do rio Amazonas colhem fibras de mafumeira ou sumaúma para envolver seus dardos de zarabatana. As fibras criam uma vedação que permite que a pressão force o dardo através do tubo. As flores dessa árvore são uma importante fonte de néctar e pólen para as abelhas. A fibra de sumaúma é leve, muito flutuante, resiliente e resistente à água. Seus galhos emaranhados e folhas formam uma copa útil para muitos animais.

Mafumeira
Mafumeira

Bromeliaceae: existem quase 3.000 espécies dessa família na floresta amazônica, e 30% delas em média estão ameaçadas de extinção. A folhagem da maioria das plantas dessa família das bromélias cresce para formar uma roseta onde a água é capturada e armazenada. Suas folhas geralmente são espinhosas e produzem frutas parecidas com bagas em suas flores.

A maioria das plantas deste grupo são epífitas, embora algumas tenham evoluído ou se adaptado às condições terrestres. Sua subfamília apresenta a maioria dos tipos de plantas que são comumente cultivadas por pessoas, incluindo o abacaxi.

Estimativas em Números

As estimativas do número e, preferencialmente, da identidade de espécies que serão ameaçadas pela mudança no uso da terra e a perda de habitat são uma ferramenta inestimável para estabelecer prioridades de conservação.

Usando os mapas de distribuição, estimamos então as taxas de perda de habitat e as probabilidades de extinção associadas devido a mudanças no uso da terra, conforme modelado em dois cenários de perturbação. Prevemos que, até 2050, as práticas de uso da terra humana reduzirão o habitat disponível para espécies de plantas da Amazônia em 12 a 24%, resultando em 5% a 9% de espécies se tornando “comprometidas com a extinção”, significativamente menos do que outras estimativas recentes.

Ao contrário de estudos anteriores, o principal determinante da perda de habitat e risco de extinção não é o tamanho do alcance de uma espécie, mas a sua localização. As estimativas de risco de extinção resultantes são uma ferramenta de conservação valiosa porque indicam não apenas a porcentagem total de espécies de plantas amazônicas ameaçadas de extinção, mas também o grau em que espécies e habitats individuais serão afetados por mudanças atuais e futuras no uso da terra.

O desenvolvimento contínuo da Amazônia, incluindo a produção de gás natural e petróleo, pecuária em grande escala, soja, redes estendidas de estradas melhoradas e as várias atividades sinérgicas que invariavelmente acompanham o aumento do acesso (fogo, caça, extração de madeira, etc.) causando a rápida perda e degradação do habitat natural. Para estabelecer prioridades de conservação e desenhar estratégias apropriadas de mitigação, é importante estimar o número e, de preferência, a identidade das espécies que serão ameaçadas pelas mudanças atuais e futuras no uso da terra.

Espécies Arbóreas em Risco de Extinção

Mais da metade das espécies de árvores na Amazônia poderia estar em extinção. Entre as espécies que deverão sofrer quedas significativas em números estão a castanha-do-pará, e o cacau silvestre e açaí, todos importantes fontes de alimento.

A floresta mais diversificada do mundo suportou décadas de desmatamento, com madeireiros, fazendeiros e mineiros responsáveis ​​pela remoção de 12% de sua área. Se isso continuar nas próximas décadas, 57% das 15.000 espécies de árvores estarão em perigo.

No entanto, se as áreas protegidas e os territórios indígenas existentes em toda a vasta área não sofrerem mais danos, o número de espécies em risco seria restrito a um terço do total. As florestas na Amazônia estão em declínio desde a década de 1950, mas até agora havia um entendimento ruim de como isso afetou as populações de espécies individuais.

Áreas protegidas e territórios indígenas cobrem agora mais da metade da bacia amazônica. Mas florestas e reservas ainda enfrentam uma enxurrada de ameaças, desde construção de barragens e mineração até incêndios florestais e secas intensificadas pelo aquecimento global.

Algo Ainda Pode ser Feito

O Brasil, que detém 60% da floresta amazônica, reduziu drasticamente suas taxas de desmatamento na última década. Mas em outros lugares o sentimento continua sem controle e está aumentando na Bolívia e no Peru . No geral, uma área do tamanho de cerca de 4.500 campos de futebol ainda está sendo perdida todos os dias.

Se o Brasil puder restringir seu desmatamento aos níveis atuais e outros países melhorarem, as áreas protegidas poderão permanecer praticamente intocadas. Mas a grande maioria das áreas protegidas na Amazônia não tem plano de gestão ou orçamento e poucos funcionários qualificados residentes.

Além disso, a demanda por carne bovina, soja e óleo de palma, que impulsiona muito o desmatamento, deve aumentar rapidamente à medida que a população mundial cresce, aumentando a pressão para desmatar mais florestas.

Nos últimos 10 anos, os cientistas tiveram os recursos para colocar 1.275 espécies de plantas da América do Sul tropical em listas vermelhas. A abordagem mais ampla adotada na nova pesquisa fornece fortes evidências de que o número de árvores e plantas amazônicas listadas na lista deve ser 10 vezes maior.

Veja também

Como Plantar Cravos por Estaca

A Grande Mudança da Nossa Espécie Os seres humanos, conhecidos cientificamente como Homo sapiens, é …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *