Home / Plantas / Alface Classificação Taxonômica

Alface Classificação Taxonômica

Alface (lactuca sativa), planta herbácea pertencente ao gênero lactuca, na família asteraceae, amplamente cultivadas por sua folhas vegetais, geralmente consumidas em saladas. As variedades são amplamente diversificadas, naturais e geneticamente modificadas.

Gênero Lactuca

No sentido botânico, são espécies de plantas anuais da família asteraceae, com algumas espécies cultiváveis para consumo em saladas. Este g~enero inclui mais de cem espécies, sendo o alface a cultivar mais popular.

O gênero lactuca é assim nomeado pelo fato de que suas espécies contêm costumeiramente um látex branco, lactucarium, ao se lesionar seus caules. Alguns da espécie, incluindo a própria alface, são conhecidas por suas qualidades soporíferas. As principais espécies conhecidas são:

Lactuca altaica, lactuca biennis, lactuca bracteata, lactuca canadensis, lactuca dissecada, lactuca dolichophylla, lactuca dregeana, lactuca graciliflora, lactuca hirsuta, lactuca indica, lactuca lessertiana, lactuca livida, lactuca muralis, lactuca orientalis, lactuca perennis L., a alface perene, lactuca quercina, lactuca raddeana, lactuca saligna, lactuca sativa, lactuca scarioloides, lactuca serriola, lactuca sibirica, lactuca stephania, lactuca tatarica, lactuca tenerrima, lactuca undulata, lactuca viminea e lactuca virosa.

Família Asteraceae

Uma grande família botânica de plantas de folha larga que inclui o gênero lactuca, família também conhecida como compositae. Incluem cerca de 23.500 espécies divididas, tornando-se a segunda maior família de plantas e plantas com flores no mundo, atrás da família orchidaceae mas na frente da família fabaceae.

Os principais representantes dessa família crescem principalmente em áreas propensas à seca, além da competição de árvores de florestas tropicais. A maioria dessas plantas são herbáceas, embora a família também inclua árvores, arbustos ou cipós.

A sistemática dessa família permanece delicada entre as espécies devido à ação conjunta da apomixia, hibridização e poliploidia

Nesta grande família, alguns gêneros são comestíveis, incluindo a lactuca (alface), o cicorium (endívia e escarola), a cynara (alcachofra), o tragopogon (salsinha), o smallanthus (pêra da terra), o helianthus (alcachofra de Jerusalém), e a gundelia tournefortii (comido como vegetal no Oriente Médio). Há também alguns gêneros oleaginosos, incluindo o helianthus (girassol).

Mais de 200 gêneros são cultivados como plantas ornamentais (aster, crisântemo, etc.). Algumas espécies fornecem um inseticida feito de piretrinas. A artemísia é conhecida por ser um repelente de roedores e outras plantas do mesmo gênero são utilizados na fabricação de licores como absinto ou génépi.

Ordem Asterales

Esta ordem inclui plantas dicotiledóneas. Existem discussões em torno das família que compõem essa ordem devido as classificações filogenética. Enquanto não há um denominador em comum, as famílias usualmente aceitas nessa ordem incluem:

Família alseuosmiaceae, família argophyllaceae, família asteraceae, família calyceraceae, família campanulaceae, família lobeliaceae, família carpodetaceae, família donatiaceae, família goodeniaceae, família menyanthaceae, família pentaphragmataceae, família phellinaceae, família rousseaceae e família stylidiaceae.

Classe Magnoliopsida

Grupo taxonómico de plantas para flores, ou angiospermas, na classificação evolutiva. Ao contrário das monocotiledôneas, esse táxon não é holofílico, pois não contém todos os descendentes de seu último ancestral comum.

Em geral, as magnoliopsida têm uma muda de cotilédones, o que as diferencia das monocotiledôneas (como gramíneas), que geralmente têm apenas uma. As folhas têm veias reticulares e os estômatos são geralmente orientados aleatoriamente no membro inferior. As flores compartilham com a implantação das folhas uma simetria de ordem 4 ou 5. A flor típica tem quatro verticilos (sépalas, pétalas, estames e carpelos). Na maioria das espécies, a raiz é rotacional.

Classificação Taxonômica

Desde Linnaeus e a primeira edição de Species Plantarum (1753), o nome científico de uma planta contém sempre pelo menos duas palavras, o gênero e a espécie , expressos em latim. Embora proibindo para a grande maioria das pessoas, esta língua morta confere ao campo científico essa neutralidade tão procurada nas comunicações.

Assim, para ordenar adequadamente as cerca de 250.000 espécies naturais, os taxonomistas agruparam gêneros em famílias, famílias em ordens e assim por diante. e permitiu subdivisões das espécies (subespécies, variedades, formas). O todo é chamado sistema de classificação taxonômica.

A distinção em famílias, gêneros e espécies é baseada na teoria da evolução pela qual fenômenos complexos de hereditariedade e mutações se manifestam. Uma família é composta de indivíduos com genes e traços comuns, porque todos eles vêm dos mesmos pais. Uma família geralmente engloba vários gêneros e espécies.

Existem vários sistemas de classificação, já que há vários taxonomistas interessados ​​na coisa, o que às vezes causa confusão no nível das famílias. Por exemplo, algumas pessoas pensam que fabaceae, cesalpinaceae e mimosaceae são famílias distintas, enquanto outras simplesmente as agrupam em subfamílias em uma única família, a fabaceae (ou leguminosae).

Outra fonte de confusão vem dessas plantas descritas e nomeadas duas vezes, ou desse nome erroneamente atribuído de ano para ano a uma planta que não corresponde à descrição oficial.

Além disso, após extensos estudos, um gênero pode ser subdividido em vários gêneros, ou subespécies elevadas ao nível de espécies. É então necessário alterar os nomes das plantas, por vezes bem conhecidas, o que muitas vezes gera muita confusão e frustração. Esses nomes antigos se tornam sinônimos e aparecerão após o nome válido da seguinte forma: crisântemo x grandiflorum (= crisântemo x morifolium).

As regras de nomenclatura botânica são estabelecidos em congressos internacionais, realizado a cada seis anos, o primeiro tendo ocorrido em Paris em 1867. Cada conferência traz uma revisão do Código Internacional de Nomenclatura Botânica, de certa forma, a Bíblia dos taxonomistas.

Código Internacional Para a Nomenclatura de Plantas Cultivadas

O primeiro código de culturas (Wageningen), publicado em 1953, foi seguido por sete edições sucessivas, em 1958 (Utrecht) de 1961 (update 1958), de 1969 (Edinburgh), 1980 (Seattle), 1995 (Edinburgh) e 2004 (Toronto).

Código Internacional de Nomenclatura Botânica
Código Internacional de Nomenclatura Botânica

De acordo com a estrutura do Código Botânico, o Código de Planta Cultivada é um conjunto inicial de Princípios seguido por Regras e Recomendações divididas em artigos. As alterações das culturas de código são levantadas por simpósios internacionais sobre taxonomia de plantas cultivadas que permitam a adopção de regras com base em propostas da Comissão Internacional de Nomenclatura de Plantas Cultivadas. Cada edição de culturas código inclui um resumo das alterações à versão anterior e essas mudanças foram resumidos para o período de 1953 a 1995.

Se quiser saber mais sobre alface especificamente, basta escrever a palavra alface aqui na busca do blog que será direcionado pra uma imensa lista de temas decorrentes sobre a alface. O que não faltam são artigos aqui sobre o assunto. Aproveite!

Veja também

Mandioca Brava Nome Científico

Especula-se que mandioca é uma planta cuja origem iniciou-se no Brasil. De fato, já foi …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *