Home / Natureza / Tudo Sobre o Vulcão Sakurajima

Tudo Sobre o Vulcão Sakurajima

Em 13 de setembro de 2016, uma equipe de especialistas da Universidade de Bristol e do Centro de Pesquisas do Vulcão Sakurajima no Japão sugeriu que o vulcão poderia ter uma grande erupção dentro de 30 anos. Será?

Sakurajima está na caldeira de 25 km de extensão de Aira, que se formou em uma enorme erupção 22.000 anos atrás. Várias centenas de quilômetros cúbicos de cinzas e pedra – pomes foram ejetados, fazendo com que a câmara de magma sob as aberturas em erupção desmoronasse. A caldeira resultante é superior a 20 km de diâmetro. Detritos vulcânicos caíram a 1.000 km do vulcão. Sakurajima é um respiradouro ativo atual do mesmo vulcão de caldeira de Aira.

História do Sakurajima

Sakurajima hoje é resultado de consequente atividade dentro da caldeira, começando cerca de 13.000 anos atrás. Fica a pouco menos de 10 km do centro da caldeira, no lado sul. E isso começou assim, segundo a história, com a erupção registrada em 963 AD. A maioria de suas erupções são estrombolianas, afetando apenas as áreas do cume, mas erupções plinianas maiores ocorreram também.

A atividade vulcânica em Kita-dake terminou há cerca de 4.900 anos: as últimas erupções foram centradas em Minami-dake. Desde 2006, a atividade centrou-se na cratera Showa, a leste da cúpula de Minami-dake.

A Erupção de 1914

A erupção de 1914 começou em janeiro. Foi a mais poderosa do Japão do século XX. O vulcão esteve dormente por mais de um século até 1914. Quase todos os moradores deixaram a ilha nos dias anteriores, em resposta a vários terremotos que os avisaram de que uma erupção era iminente. Inicialmente, a erupção foi muito explosiva, gerando colunas de erupção e fluxos piroclásticos, mas depois de um grande terremoto em janeiro de 1914, que matou 35 pessoas, tornou-se efusivo, gerando um grande fluxo de lava.

Os fluxos de lava transbordaram no estreito estreito entre a ilha e o continente, transformando-o em uma península. Fluxos de lava são raros no Japão; a alta sílica, o conteúdo dos magmas significa que as erupções explosivas são muito mais comuns, mas os fluxos de lava em Sakurajima continuaram durante meses. A ilha cresceu, engolindo várias ilhas menores nas proximidades, e acabou se tornando conectada ao continente por um estreito istmo. Partes da baía de Kagoshima ficaram significativamente mais rasas, e as marés foram afetadas, tornando-se maior como resultado.

Caldeira de Aira
Caldeira de Aira

Já próximo de cessar a força dessa erupção, o centro da Caldeira de Aira caiu em seu nível por mais de 50 centímetros, devido ao afundamento abrupto em consequência do derrame e escoamento da câmara de magma subjacente. Esse afundamento abrupto bem no meio da caldeira, e bem em cima ao invés de embaixo, deixou claro que o vulcão Sacurajima retém seu magma no mesmo lugar antigo das atividades pré históricas onde hoje é a caldeira.

A erupção inspirou em parte um filme de 1914, A Ira dos Deuses, centrando-se numa maldição familiar que ostensivamente causa a erupção. Sakurajima também tornou-se o título de um famoso conto japonês, escrito em 1946, pelo japonês Haruo Umezaki, sobre um oficial da Marinha desiludido estacionado na ilha do vulcão no final da Segunda Guerra Mundial, enquanto aviões da força aérea americana bombardeavam o Japão.

Um Vulcão da Década

O vulcão Sakurajima passou a ser mais recorrente a partir de 1955, e suas atividades eruptivas passaram a ser frequentes desde então. Passaram a ocorrer atividades explosivas aos milhares todos os anos, com cinzas sendo lançadas a quilômetros de altura acima da montanha. O Observatório do Vulcão Sakurajima foi criado em 1960 para monitorar essas erupções.

O monitoramento do vulcão e as previsões de grandes erupções são particularmente importantes porque estão em uma área densamente povoada, com mais de 700 mil habitantes da cidade de Kagoshima a poucos quilômetros do vulcão. A cidade realiza exercícios regulares de evacuação, e vários abrigos foram construídos onde as pessoas podem se refugiar de detritos vulcânicos em queda.

Muitas terras agrícolas dentro de Sakurajima tem sido danificadas, e colheitas agrícolas como laranjas, nêspera, pêssego, cevada, rabanete, etc, foram quase completamente aniquiladas. Muitas das fazendas se extinguiram porque o cultivo se tornou difícil, e cerca de dois terços dos ilhéus migraram para fora da ilha por causa das erupções com destino a Tanegashima, Península de Osumi, além de outros lugares por todo o Japão e a península coreana também.

Lavas de Vulcão no Japão
Lavas de Vulcão no Japão

Além disso, a aldeia de Arimura, Higashi e Seto, todas em Sakurajima foram todas danificadas por correntes de lava, além da aldeia de Yokoyama, Koike, e outras. Até mesmo o escritório de meteorologia da vila Sakurajima, que ficava localizado na aldeia Yokoyama foi enterrado pelo fluxo de lava, precisando ser transferido provisóriamente para outro ponto a oeste de Fujino.

À luz dos perigos que apresenta para as populações próximas, Sakurajima foi designado um Vulcão da Década em 1991, identificando-o como digno de estudo particular como parte da Década Internacional das Nações Unidas para a Redução de Desastres Naturais.

As Atividades Mais Recentes

Em março de 2009, Sakurajima entrou em erupção, enviando detritos até 2 km. Uma erupção foi esperada após uma série de explosões menores no fim de semana. Não se pensa que houve algum dano causado.

Em 2011 e 2012, Sakurajima experimentou várias erupções significativas; a atividade vulcânica continuou em 2013. Um fotógrafo americano chegou a capturar uma imagem rara de raios dentro da nuvem de cinzas em janeiro de 2013 durante uma ejeção de magma, que era uma foto astronômica da NASA do dia em março de 2013.

Em agosto de 2013, o vulcão entrou em erupção na cratera Showa e produziu sua mais alta nuvem de cinzas desde 2006, subindo 5.000 metros de altura e causando escuridão e cinzas significativas na parte central da cidade de Kagoshima. A erupção foi a 500ª erupção do ano.

Em agosto de 2015, a agência meteorológica do Japão emitiu um alerta de emergência de nível 4, que insta os moradores a se prepararem para a evacuação. Os cientistas alertaram que uma grande erupção poderia ocorrer em breve no vulcão. Eventualmente explodiu em fevereiro de 2016.

Depois de uma longa pausa de erupções no respiradouro, as erupções abruptamente pararam e voltaram para a cratera Showa, em abril de 2016, cerca de 8 a 9 dias antes dos grandes terremotos na Linha Tectônica Mediana perto de Kumamoto, no Japão. Então, três meses depois, em julho, ele vomitou cinzas vulcânicas 5.000 m no ar.

Em julho desse ano de 2018, o sakurajima expeliu fumaça há mais de 4.000 metros de altura por duas vezes, forçando o escritório de meteorologia a elevar seu grau de risco para o nível 3 de alerta, onde permanece até o momento.

Veja também

Principais Características do Agroecossistema

Como bem sabemos, todo o setor agropecuário é a base da nossa alimentação desde muitos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *