Home / Animais / Foca Monge do Mediterrâneo

Foca Monge do Mediterrâneo

A foca monge do Mediterrâneo é uma espécie de focas ameaçadas de extinção. Com um número estimado de 350 a 450 indivíduos, é um dos mamíferos mais raros da Europa.

Monachus Monachus

A principal característica das focas monge do Mediterrâneo é a barbatana caudal dupla. Na cor, essas focas são muito variáveis e fica entre cinza claro e preto amarronzado. Com um comprimento médio de 240 cm e um peso médio de 280 kg (especialmente nesse peso máximo para as fêmeas), a foca monge do Mediterrâneo é muito maior que qualquer outra foca.

As fêmeas são ligeiramente menores que os machos. Os animais jovens nascem com cerca de 80 cm e um revestimento de lanugem preta, que muitas vezes tem uma mancha branca. Tem uma pequena cabeça ligeiramente achatada e orelhas externas sem aurícula. O focinho é fornecido com alguns bigodes longos e robustos, chamados vibrícias.

A Pequena Distribuição Atual

A área da foca monge do Mediterrâneo abrangia outrora todo o Mediterrâneo, o Mar Negro, as costas atlânticas de Espanha e Portugal, Marrocos, Mauritânia, Madeira e as Ilhas Canárias. As focas também foram relatadas com frequência na costa sul da França.

As únicas espécies de focas monge do Mediterrâneo tornaram-se extremamente raras devido à perseguição. As maiores populações estão nas costas gregas e turcas, entre as regiões de Foça, Anamur e Alonnisos. Dois terços da população que vivem isolados no Parque Marinho Grego Alonnisos são considerados nativos.

Pequenas populações remanescentes vivem na costa Africana, entre Marrocos e a ponta sul da Península de Ras Nouadhibou. Também no arquipélago da Madeira no Atlântico vê-se pequeninos grupos nas áreas desérticas, bem como no estreito de Sicília em La Galite (Tunísia).

A colônia na Madeira compreende cerca de 30 animais, mas parece felizmente que a população vem aumentando nos últimos anos. Fora isso, pequeninos grupos encontrados na costa de Istria, mais ou menos na vizinhança da cidade de Pula.

Mudanças no Comportamento

A foca monge do Mediterrâneo é um comedor de peixe ativo no dia, encontrado em pequenas colônias de no máximo vinte animais. Alimenta-se de cefalópodes, lapas, moluscos e peixes, especialmente bentônicos. Essas focas se deslocam algumas dezenas de quilômetros por dia em busca de comida, com mergulhos contínuos.

Mergulhos de até 90 metros foram registrados, mas é provável que elas possam facilmente superar centenas de metros de profundidade. As focas monge do Mediterrâneo preferem caçar em espaços abertos, permitindo que usem sua velocidade de forma mais eficaz.

Monachus Monachus Dentro da Água
Monachus Monachus Dentro da Água

O habitat deste pinípede mudou ao longo dos anos. Nos tempos antigos, e até o século 20, as focas monge do Mediterrâneo eram conhecidas por congregar, dar à luz e buscar refúgio em praias abertas. Em tempos mais recentes, elas deixaram seu antigo habitat e agora só usam cavernas do mar para essas atividades.

Muitas vezes essas cavernas são inacessíveis aos seres humanos. Muitas vezes suas cavernas têm entradas subaquáticas e são frequentemente posicionadas ao longo de costas remotas ou acidentadas.

Mudanças na Reprodução

Para o parto, ela tipicamente visita cavernas que são acessíveis apenas debaixo d’água, com descrições históricas mostrando que praias abertas também foram usadas até o século 18. As fêmeas atingem a maturidade sexual aos 5 ou 6 anos, e têm um ciclo de reprodução de cerca de 12 meses. Um filhote por ano, com média de 88 a 103 cm de comprimento e peso entre 16 a 18 kg.

Pouco se sabe sobre o comportamento reprodutivo da foca monge do Mediterrâneo. Os cientistas suspeitam que a espécie adote um modo de vida polígamo. Embora os nascimentos ocorram ao longo do ano, o período reprodutivo maior parece ser em outubro e novembro. O período médio de longevidade da foca monge do Mediterrâneo fica entre 20 a 30 anos.

Reprodução da Foca do Mediterrâneo
Reprodução da Foca do Mediterrâneo

Os jovens entram na água apenas alguns dias após o nascimento. A amamentação dura até a décima segunda semana, mas a fêmea deixa o filhote sozinha após as primeiras semanas de vida, para retornar à amamentação periodicamente. Os jovens tendem a abandonar o grupo original e a se dispersar até mesmo longe do local de nascimento. Focas machos atingem a maturidade sexual em torno de 4 anos.

Uma das dificuldades está no hábito das fêmeas de procurarem cavernas subaquáticas pra se reproduzir. E, visto que muitas cavernas são inundadas por enchentes ou tempestades, um fator contribuinte para a mortalidade muito alta entre os animais jovens. Assim, a IUCN estima que dos nascidos entre setembro e Janeiro, apenas 29% sobrevivem. O período de lactação é de 134 dias em média.

Esta taxa de sobrevivência muito baixa está associada à mortalidade causada por tempestades severas, e altas marés, mas a variabilidade genética empobrecida e endogamia também podem estar envolvidos. Filhotes nascidos durante o resto do ano tiveram uma taxa de sobrevivência de 71%.

Em 2008, a lactação foi relatada em uma praia aberta, o primeiro registro desse tipo desde 1945, o que poderia sugerir que a foca pode estar começando a se sentir cada vez mais segura para retornar às praias abertas para fins de reprodução em Cabo Blanco.

Status de Conservação

A diminuição muito forte das populações, principalmente devido à intervenção humana, reduziu esses pinípedes a pequenos grupos familiares e indivíduos isolados. O único lugar no mundo onde a espécie está presente em número suficiente para formar uma colônia é Cabo Blanco, na Mauritânia.

De acordo com uma estimativa atualizada em 2017 pela ‘União Internacional para a Conservação da Natureza’, sobrevive uma população de apenas 600 a 700 espécimes: 200 concentrada no Egeu e Sudeste do Mediterrâneo, 20 a 30 no Mar Jónico, 10 a 20 no Mar Adriático, uma dúzia no Mediterrâneo central, de 10 a 20 no Mediterrâneo ocidental e menos de 300 no Atlântico. A espécie é considerada ameaçada de extinção.

Esforços de preservação têm sido feitos por organizações civis, fundações e universidades em países como Turquia e Grécia desde os anos 70. No Mar Egeu, a Grécia alocou uma grande área para a preservação da foca monge do Mediterrâneo e seu habitat. O Parque Marinho Grego Alonissos, que se estende ao redor das Ilhas Espórades Setentrionais, é o principal campo de ação.

Foca do Mediterrâneo Nadando
Foca do Mediterrâneo Nadando

Sob os auspícios da Convenção sobre Espécies Migratórias de Animais Silvestres (CMS), também conhecida como Convenção de Bonn, um Memorando de Entendimento relativo a Medidas de Conservação para as populações do Atlântico Oriental da foca monge do Mediterrâneo foi concluído e entrou em vigor em outubro de 2007.

O Memorando de Entendimento abrange quatro Estados abrangidos (Mauritânia, Marrocos, Portugal e Espanha), todos assinados, e visa proporcionar um quadro legal e institucional para a implementação do Plano de Acção para a Recuperação da foca monge do Mediterrâneo no Atlântico Oriental.

Veja também

Animais em Extinção no Brasil

É fato que o Brasil muitas vezes é reconhecido no exterior por possuir a maior …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *