Home / Animais / Foca Anelada Características

Foca Anelada Características

O nome foca anelada é baseado no fato de que essa foca possui manchas escuras em um fundo cinza, manchas como brasãoes brilhantes anelados que cercam seu corpanzil.

Pusa Hispida ou Phoca Hispida

As focas aneladas adultas possuem em média 135 cm de comprimento e 70 kg de peso, embora tenha subespécies que ultrapssam essa marca. As focas aneladas do Mar Báltico, por exemplo, chegam a ultrapassar os 140 cm de comprimento e pesar mais de 100 kg.

Os machos são geralmente um pouco maiores que as fêmeas. Geralmente, as focas aneladas possuem boa visão e excelentes sentidos auditivos e olfativos. É a menor e mais comum espécie de foca do Ártico, com uma cabeça pequena, um focinho curto semelhante a um gato e um corpo rechonchudo.

Suas pequenas nadadeiras frontais têm garras com mais de 2,5 cm de espessura que são usadas para manter os orifícios de respiração através de gelo de espessura de 2,0 m.

Quatro subespécies possuem habitats muito diferentes, mas todas estão em regiões polares ou subpolares. A subespécie P.h. hispida é a mais comum do Pólo Norte, onde se sente em casa à deriva no gelo. A subespécie P.h. botnica vive nas zonas frias do Mar Báltico, incluindo as costas da Suécia, Finlândia e Estónia.

Existem duas subespécies notáveis ​​de água doce: a subespécie P. h. ladogensis, geralmente no lago russo Ladoga e a subespécie P. h. saimensis, geralmente no lago finlandês Saimaa. Uma população especial de água doce volta e meia é vista no Lago Nettilling na Ilha Canadense de Baffin.

Estilo Geral de Vida

As focas aneladas não formam colônias, mas vivem como solitários. É comum vê-las ocasionalmente em grupos soltos pelo mar. Essas focas são muito bem adaptadas a viver o ano todo no Oceano Ártico. Como já dito, elas usam as garras de suas barbatanas dianteiras para manter os buracos de gelo abertos, mesmo que o gelo ao redor tenha mais de dois metros de espessura. O hábito consiste em expandir os buracos existentes e não criar os seus próprios.

A comida consiste em crustáceos, peixes menores e krill. A frequência e quantidade de alimentação é reduzida nos períodos de parto ou nos períodos de troca de pêlo. A expectativa de vida da foca anelada é especulada em mais de 40 anos.

As focas aneladas ficam debaixo d’água por dois a cinco minutos em média, mas se necessário elas também podem mergulhar por 45 minutos e até 90 metros sem ter que respirar. É uma espécie que não só se beneficia de uma alta porcentagem de glóbulos vermelhos, mas também da capacidade de ajustar a circulação sanguínea e diminuir a freqüência cardíaca de 10 a 20 AVCs, geralmente de 80 a 90 batimentos por minuto.

Foca Anelada Deitada na Pedra
Foca Anelada Deitada na Pedra

A maturidade sexual ocorre entre os cinco e dez anos de idade. A partir daí, a fêmea tem fertilidade total. A época de acasalamento é comumente em abril, mas a implantação do óvulo fertilizado ocorre apenas cerca de 80 dias depois, com um período de gravidez de nove meses. Em geral, a fêmea da foca anelada costuma parir um filhote por gestação.

O nascimento geralmente ocorre em meados de março até o início de abril (nas subespécies de água doce em maio) e a foca gestante habitualmente busca cavidades naturais (cavernas no gelo sólido) e escava um nicho adequado em um monte de neve acima de um respiradouro no gelo.

O bebê é alimentado apenas pela mãe e amamentado por cinco a oito semanas, período em que deve aprende a mergulhar o quanto antes, pois é a única maneira de escapar de raposas ou ursos polares, predadores naturais que sempre os seguem. Assim que o gelo quebra, sempre entre a segunda quinzena de junho e a primeira quinzena de julho, é a hora da mãe foca deixar seu filhote seguir seu próprio destino.

As Específicas Subespécies

Estima-se que sete milhões da subespécie P.h. hispida vivam no Oceano Ártico, geralmente na vizinhança imediata de águas abertas, no gelo flutuante, onde colunas e polínias fornecem rotas de fuga e aberturas para respirar e escapar de seus predadores naturais.

Phoca Hispida Fotografada do Alto
Phoca Hispida Fotografada do Alto

No século 19, centenas de milhares da subespécie P.h. botnica viveu na Finlândia e no Golfo de Bótnia. Mas o abate em massa levou essas focas à beira da extinção. Mesmo depois de as focas terem sido protegidas, a população continuou a declinar. E a causa agora passou a ser a descarga de materiais venenosos no mar báltico, tornando as focas inférteis.

Atualmente, a população é estimada em 7.000 a 10.000 focas dessa subespécie. O problema das descargas venenosas persiste, especialmente perto das costas russas. Nas costas finlandesas e suecas, as ações estão mostrando sinais de recuperação.

A subespécie P. h. ladogensis, do Lago Ladoga, também estão ameaçadas por descargas venenosas, além de redes de pesca, das quais são vítimas repetidas vezes. Elas estão totalmente protegidos desde os anos 80, mas com os pescadores locais vendo as focas como adversários na indústria pesqueira, há um número recorde de mortes ilegais. Estima-se sua população em 5000 focas aneladas.

P. h. Ladogensis
P. h. Ladogensis

A subespécie P. h. saimensis, do lago Saimaa, foram colocadas sob proteção em 1955 e, assim, foram salvas da extinção. Por conta de descargas de mercúrio no lago além de caça massiva, esta subespécie chegou a ter sua população reduzida para apenas 180 indivíduos. Mas após o estabelecimento de dois parques nacionais nos anos 80 e o aumento dos esforços de proteção, a população atualmente cresce a uma taxa média de 2% ao ano. Já existem mais de 250 indivíduos e ainda são considerados extremamente vulneráveis.

Riscos Preocupantes

Em especial as subespécies de água doce são as que oferecem hoje maior preocupação. Mas também o iminente aquecimento do Mar Báltico reduzirá a vida útil das plataformas de gelo nas próximas décadas, e ainda não está claro até que ponto o estoque de focas P.h. botnica será afetado.

P.h. Botnica
P.h. Botnica

Este degelo desregulado do mar Báltico tem que feito com que os filhotes das focas tentem mergulhar mais cedo do que o habitual e, com efeito, muitos enfrentam a morte devido à fome e congelamento (pois ainda não possuem a camada protetora de gordura adequada).

A subespécie P. h. saimensis do lago Saimaa são ameaçadas pelos invernos quentes. Quando a neve derrete cedo demais, os filhotes podem ser enterrados em suas cavernas de neve em colapso, ou podem perder sua proteção contra os predadores antes de aprenderem a nadar e mergulhar.

Veja também

Queimadura de Piolho de Cobra

A Lei da Selva Desde de que a vida surgiu no planeta Terra, há 3,5 …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *