Home / Animais / Alimentação dos Animais da Caatinga

Alimentação dos Animais da Caatinga

O bioma da Caatinga semiárido no Nordeste do Brasil ocupa cerca de 845.000 km² e está distribuídos por dez estados. A climatologia da região é uma das mais complexas do mundo. A maior parte da área está localizada em uma depressão que, devido à predominância de massas de ar estáveis, cria um ambiente único em que a precipitação é impedida de atingir o bioma.

O bioma Cerrado e o bioma Mata Atlântica que são adjacentes à Caatinga em dois lados longitudinais recebem chuvas muito mais altas. Além disso, há um alto grau de variação ano-a-ano nas chuvas da Caatinga, onde a estação chuvosa dura geralmente de 3 a 5 meses, e períodos severos de seca que duram de 3 a 5 anos ocorrem a cada três ou quatro décadas.

Altas temperaturas médias anuais são outra característica marcante da Caatinga, com valores entre 25 e 29°C. Em comparação com outras regiões do Brasil, essa região apresenta várias características meteorológicas extremas, como a maior radiação solar, baixa nebulosidade, a maior temperatura média anual, a menor umidade relativa e a maior evapotranspiração potencial.

Diante de todo esse ambiente delicado vem a pergunta: como é possível criar e alimentar animais ali?

Ecologia: Solos e Vegetação

Os solos da região da Caatinga são pedregosos e rasos, com muitos afloramentos de rochas maciças. As principais ordens de solo são ultisols, alfisols e latossolos. Em geral, estes solos são de potencial agrícola médio. Erosão do solo é um problema sério no bioma, sendo que os utisols e os alfisols são particularmente propensos à erosão severa.

O principal tipo de vegetação do bioma é uma floresta caducifólia, composto por florestas arbóreas ou arbustivas, principalmente árvores baixas e arbustos. Muitos deles têm espinhos e algumas características xerofíticas. A taxa de crescimento de uma vegetação nativa manejada está correlacionada principalmente com a precipitação anual, enquanto outros fatores como uso passado, qualidade do solo e intensidade de pastagem contribuem com 11% a 39% de crescimento.

A Caatinga tem uma rica diversidade de plantas.sendo 4.320 espécies de angiospermas no bioma, das quais 744 foram descritas como endêmicas. As famílias botânicas mais freqüentes são cactaceae, caesalpinaceae, mimosaceae, euphorbiaceae e fabaceae, sendo os gêneros principais senna, mimosa e pithecellobium. As espécies lenhosas mais comuns são amburana cearensis, anadenanthera colubrina, aspidosperma pyrifolium, poincianella pyramidalis, cnidoscolus quercifolius, commiphora leptophloeos, myracrodruon urundeuva, schinopsis brasiliensis e handroanthus impetiginosus.

Possibilidade de Forrageamento

As atividades pecuárias no bioma Caatinga concentram-se em uma região que se assemelha a um cerrado, com abundante vegetação herbácea e arbustos arbóreos, cobrindo cerca de 20%, e a densidade arbórea variando de 0 a 300 plantas por hectare. Cerca de 70% das espécies arbóreas da Caatinga são forrageiras, algumas mais forrageiras como folhosas e outras como serapilheira nos períodos de seca.

Pecuária no bioma são principalmente bovinos, ovinos e caprinos. Nas florestas nativas sem manejo, elas derivam mais de 70% de sua dieta da vegetação lenhosa, mas é inferior a 10% da biomassa produzida porque a maior parte da folha produzida na época das chuvas não é acessível aos animais e na estação seca a biomassa é de qualidade inferior e é menos preferida pelos animais.

Durante a estação seca, que é a estação do estresse nutricional, a vegetação da Caatinga tem pouca ou nenhuma forragem na “zona de forragem bípede” (acessível aos animais em pé sobre duas patas traseiras e apoiada na árvore) e a serapilheira é o componente dominante da forragem disponível. A serapilheira da maioria das árvores de folha caduca contém 10% de proteína bruta durante toda a estação seca, e cabras são melhor adaptadas do que outros animais para aproveitar este recurso.

O grau de sobreposição alimentar entre ovinos e caprinos é maior na estação seca e quase complementar na estação chuvosa. Durante o ano, as ovelhas passam muito mais tempo do que as cabras que cultivam a vegetação herbácea, enquanto as cabras tendem a preferir a matéria-prima. É provável que durante a estação seca, quando a oferta de forragem é menor, ambas as espécies de animais tendem a se alimentar das mesmas fontes de forragem.

Gerindo os Recursos da Caatinga

Manejo de florestas nativas: A capacidade de suporte da vegetação de arbustos arbóreos sem manejo para apoiar a produção animal é muito baixa. Uma área de cerca de 10 hectares é necessária para suportar uma unidade de estoque de vida de gado e 2 hectares para ovelhas ou cabras. Assim, o manejo adequado da floresta nativa é um passo importante para o uso sustentável dos recursos.

Desbaste: O desbaste da arvore da árvore abre o dossel de sobreestório e ajuda a transmitir mais luz solar ao sub-bosque, aumentando assim a produção e a disponibilidade de plantas herbáceas de sub-bosque para bovinos e ovinos. Uma consideração importante para este manejo é decidir quais árvores (de espécies diferentes, bem como indivíduos da mesma espécie) devem ser removidas versus retidas.

Coppicing: Refere-se ao corte de galhos ou troncos das árvores a uma altura baixa, geralmente 20 a 30 cm acima do solo, para facilitar o rebrotamento vigoroso de novos tiros em um estrato acessível para os animais, aumentando a qualidade da dieta dos animais. Coppicing não deve ser feito uniformemente para todas as espécies de árvores; a taxa em que as árvores rebrotam varia consideravelmente entre as espécies. Alguns rebrotam vigorosamente, enquanto alguns não reúnem e morrem quando são cortados.

Plantio de enriquecimento: Refere-se à prática de introduzir plantas adicionais em um stand existente de plantas, aumentando a produtividade global da terra. As espécies utilizadas no enriquecimento do componente gramíneo são: cenchrus ciliaris, cynodon dactylon, urochloa mosambicensis e andropogon gayanus.

Outras técnicas de manejo de vegetação incluem banco de forragem, recursos de alimentação não convencionais, sistemas especiais para pequenas e médias explorações agrícolas e conversão de pomares.

Prioridades de Gestão Eficiente

As práticas de manejo silvopastoril na Caatinga são basicamente semelhantes às de muitas regiões áridas. No entanto, o nível inerentemente alto de biodiversidade da Caatinga oferece várias possibilidades para o arranjo de vários componentes de (árvores, arbustos e grama), de acordo com as necessidades e hábitos de pastoreio dos animais.

O conhecimento baseado em pesquisa sobre a biodiversidade local e o manejo específico de cada componente, enquanto cultivados em combinação com outras espécies de plantas, e o escopo para o desenvolvimento de variedades da Caatinga e de outras regiões são duas importantes prioridades de pesquisa relacionadas à gestão. Coppicing e desbaste em uma floresta com o número adequado de animais pode criar um sistema ainda mais sustentável que aumentaria o crescimento do componente de grama e a acessibilidade do banco de forragens.

Alimentação dos Animais da Caatinga
Alimentação dos Animais da Caatinga

A especificidade ambiental e ecológica do bioma Caatinga é uma de suas características únicas, o que restringe a comparação e extrapolação do manejo utilizado no bioma para outras regiões quentes semiáridas. No entanto, os estudos limitados na região, enfocando as interações entre animais e vegetação (comportamento e resposta dos animais à vegetação nativa e vice-versa), ajudaram a desenvolver estratégias de manejo para melhorar a produtividade e a sustentabilidade dos sistemas.

Veja também

Animais em Extinção no Brasil

É fato que o Brasil muitas vezes é reconhecido no exterior por possuir a maior …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *