Home / Animais / Lagosta vs Cavaca ou Cavaquinha: Quais as Diferenças?

Lagosta vs Cavaca ou Cavaquinha: Quais as Diferenças?

Os crustáceos do grupo da lagosta e da cavaquinha são bem conhecidos em todo o mundo, graças às suas qualidades inegáveis de sabor. Ambos são intensivamente pescados e atingem altos valores nos mercados.

Ainda há muita falta de dados sobre diversos crustáceos dessas famílias. Quanto mais difuso seu habitat, mais complicado a exploração. Na Nova Caledônia, por exemplo, estima-se cerca de 11 espécies diferentes de lagostas e 06 grandes espécies de cavacas, mas apenas alguns dentre esses são conhecidos ou pescados.

Diferenças Entre Lagostas e Cavacas

As lagostas e as cavacas pertencem ao grupo de crustáceos decápodes. Crustáceo significa que eles têm um esqueleto exterior calcificado, a carapaça; decápodes porque estas espécies têm cinco pares de pernas torácicas. Mas as antenas são fortes e muito desenvolvidas em lagostas, por vezes espinhosas, exceto nas cavacas onde estão em forma de paletes.

Vamos nos delongar um pouco nas descrições e características de cada espécie a fim de perceber as evidentes diferenças entre uma e outra; diferenças que são perceptíveis mesmo a meros curiosos, independente de lagostas e cavacas pertencerem ao mesmo clado. Seguimos então com suas descrições e fotos a seguir:

Definição das Lagostas

As lagostas são animais que só saem à noite, o que não facilita o estudo de seu comportamento. Eles passam o dia escondido em fendas rochosas, ou dentro de tocas reais, que eles enterram na areia ou na lama. Este último, mais compacto, permite a construção de inúmeras galerias, e foram observadas tocas com até cinco aberturas. A areia, por outro lado, mais instável, permite arranjar só depressões (isto é partes oco com respeito a uma superfície). Uma rocha geralmente serve como teto de abrigo.

A lagosta é uma escavadora infatigável e sua principal atividade diurna consiste em um incessante retrabalho interno de sua toca. De fato, depois de ter quebrado o sedimento usando suas garras como uma tesoura, ele limpará a lama com a ajuda de seus anexos torácicos, assim como um cachorro com as patas dianteiras para enterrar um osso.

Esse comportamento anda de mãos dadas com o outro: o animal estende seu abdômen sobre o sedimento e sacode vigorosamente seus apêndices abdominais, chamados “pleópodes”. Essas duas ações são destinadas a causar uma varredura real das partículas montadas. Os materiais são então jogados em uma pequena nuvem bem atrás da lagosta.

A lagosta é um animal solitário que defende ferozmente seu território. Fora da época de reprodução, os casos de coabitação entre congêneres em um espaço pequeno são raros. O animal é mais freqüentemente agressivo, ou mesmo canibal, para o desespero dos aquicultores que tentam criá-lo!

A lagosta captura sua presa com suas garras, muito habilidosa e poderosa. Cada grampo é especializado em um tipo de função. Um, comumente chamado de “alicate de corte” ou “cinzel”, é cônico e afiado. Ele corta as pernas dos caranguejos atacados e também pode pegar um peixe imprudente.

Quando as presas são privadas de movimento, a lagosta as agarra com sua segunda pinça, chamada “martelo” ou “britador”, mais curta e mais grossa, e as mói antes de se alimentar de sua carne. As vítimas são então cortadas, dilatadas, mas não mastigadas, por múltiplas partes da boca, antes de serem ingeridas.

A ausência de mastigação na boca é compensada por um estômago infalível, composto de duas partes. O primeiro anterior (coração), tem 3 grande dentes (uma parte traseira e duas laterais, que convergem para o centro), accionado pelos potentes músculos da parede do estômago. Esses dentes formam um verdadeiro moinho gástrico que mói os alimentos.

A parte posterior (pilórica) desempenha o papel de uma câmara de triagem. Possui sulcos de cerdas que orientam as partículas de alimentos de acordo com seu tamanho. Os menores são direcionados para o intestino, enquanto os maiores são retidos no estômago cardíaco para posterior tratamento.

Definição das Cavacas

As cavaquinhas são geralmente achatadas e sempre tem uma borda lateral clara. Nelas, vários sulcos, rebarbas ou dentes podem ser encontrados, geralmente granulados. O rostro é bastante pequeno e coberto pelo “pás de antenas”. Os olhos estão localizados nas órbitas oculares perto da borda frontal da carapaça.

O primeiro abdominal tem apenas uma pleura muito curta, assim os do segundo são os maiores de toda a pleura. No verso, os somitos têm um sulco transversal. O télson (a peça quitinosa do exosqueleto) é dividido em duas partes. A região anterior é calcificada e tem a superfície típica da carapaça e abdomen. A região posterior é semelhante à cutícula e provida de dois sulcos longitudinais.

Os três segmentos da base do primeiro par de antenas (pedúnculo antenular) são cilíndricos, os flagelos são relativamente curtos. O quarto segmento do segundo par de antenas é grandemente ampliado, largo e plano e geralmente provido de dentes em sua borda externa. O último segmento que forma a antena longa em outros decápodes é muito mais curto, largo e plano. Estes dois segmentos formam as típicas antenas em forma de concha de caranguejos.

Os espécimes são de atividades noturnas e vivem em todos os mares tropicais e subtropicais. São cerca de 90 espécies dos quais cerca de 15 fossilizados e variam desde até dez centímetros de comprimento aos com mais de 30 centímetros de comprimento como os da espécie do Mediterrâneo, os scyllarus latus.

As cavaquinhas são tipicamente moradores de fundo das plataformas continentais, encontradas em profundidades de até 500 metros. Elas comem uma variedade de moluscos, incluindo lapas, mexilhões e ostras, bem como crustáceos, poliquetas e equinodermes. Cavacas crescem lentamente e vivem até uma idade considerável.

Crustáceo Cavaquinha
Crustáceo Cavaquinha

Elas não são verdadeiras lagostas mas estão relacionadas. Elas não têm os neurônios gigantes que permitem que outros crustáceos decápodes façam algo tipo “asa-delta” e precisam confiar em outros meios para escapar de um ataque de predador, como o enterro em um substrato e a dependência ao seu exoesqueleto fortemente blindado.

O Valor Comercial de Ambos

Independente das diferenças ou semelhanças morfológicas nessas espécies de crustáceos, um ponto em que certamente são bem iguais está no grande interesse comercial que algumas delas apresentam pra culinária e, portanto, o quanto acabam visadas para capturas desenfreadas mar à dentro.

Apesar de serem pescados onde quer que sejam encontrados, as cavaquinhas não são objeto de pescarias tão intensas como lagostas. Os métodos usados para capturá-las variam dependendo da ecologia da espécie. Aquelas que preferem substratos moles são frequentemente capturados pelo arrasto, enquanto aquelas que preferem fendas, cavernas e recifes são geralmente capturados por mergulhadores.

As lagostas são capturadas usando armadilhas unidirecionais com isca, com uma bóia de marcação codificada por cores para marcar as gaiolas. A lagosta é pescada na água entre 2 e 900 metros, embora algumas lagostas vivam a 3.700 metros. Gaiolas são de aço galvanizado revestido de plástico ou madeira. Um pescador de lagosta pode ter até 2.000 armadilhas.

Apesar de não ter disponível nenhuma estimativa recente para relatar, certamente podemos dizer que anualmente mais de 65.000 toneladas de cavaquinhas são retiradas dos mares para atender a demanda comercial. A lagosta é ainda mais visada e certamente mais de 200.000 toneladas anuais são iscadas dos mares pelo mundo.

Veja também

História da Ariranha e Origem do Animal

Os cientistas descobriram lontras gigantes do tamanho de lobos que viviam em águas pré-históricas há …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *