Home / Natureza / Qual a Função do Cobre nas Plantas? Pra Que Ele Serve?

Qual a Função do Cobre nas Plantas? Pra Que Ele Serve?

O Trabalho do Cobre na Cultura Vegetal

O cobre é básico para o desenvolvimento das plantas. Além de outras coisas, tem um impacto em algumas formas de catalisador e é crítico para a disposição da clorofila.

O cobre (Cu) é um dos micronutrientes requeridos em pequenas quantidades pelas plantas. A faixa comum no meio em desenvolvimento é de 0,05-0,5 ppm, enquanto em muitos tecidos a faixa típica está entre 3-10 ppm.

Em correlação, o intervalo perfeito para o ferro no tecido é várias vezes maior do que o do cobre. Apesar de que as inadequações ou toxicidade do cobre raramente acontecem, é ideal evitar qualquer um dos dois extremos, pois ambos podem afetar negativamente o desenvolvimento e a qualidade da cultura.

Cobre na Cultura Vegetal
Cobre na Cultura Vegetal

Capacidade do Cobre

O cobre produz algumas proteínas em plantas que estão envolvidas com a amalgamação da lignina e é básico em algumas estruturas químicas.

É igualmente necessário durante o tempo gasto na fotossíntese, é fundamental na respiração das plantas e ajuda a digestão vegetal de açúcares e proteínas. O cobre também serve para aumentar o sabor e o sombreamento em vegetais e o sombreamento em flores.

Falta

O cobre é estacionário, o que significa que as suas manifestações de falta acontecem nas folhas mais correntes. Os efeitos secundários flutuam em função do rendimento. Regularmente, os efeitos secundários começam como medição e uma ligeira clorose de toda a folha ou entre as veias das novas folhas.

Dentro das regiões cloróticas da folha, pequenas manchas necróticas podem se formar, particularmente nas bordas das folhas. À medida que os efeitos secundários progridem, as folhas mais atualizadas são menores, perdem o seu brilho e de vez em quando as folhas podem encolher.

Os meristemas apicais podem ficar necróticos e passar, dificultando o desenvolvimento dos ramos laterais. As plantas têm normalmente uma aparência conservadora, pois o comprimento do caule entre as folhas abrevia-se. O sombreamento das flores é frequentemente mais leve do que o normal.

Abundância de potássio, fósforo ou diferentes micronutrientes pode, por implicação, causar a falta de cobre. Da mesma forma, se o pH do meio em desenvolvimento for alto, isto pode acionar uma insuficiência de cobre, uma vez que é menos acessível para a absorção da planta.

Perigo

Abundância de cobre no meio em desenvolvimento pode limitar o desenvolvimento radicular ao consumir as pontas radiculares e, desta forma, causar uma superabundância do desenvolvimento radicular lateral.

Níveis significantes de cobre podem enfrentar a absorção de ferro pela planta e, em alguns casos, de molibdênio ou zinco. O novo desenvolvimento pode vir a ser, à primeira vista, mais verde do que o típico, exibindo, nessa altura, manifestações de falta de ferro ou potencialmente outras insuficiências de micronutrientes.

Se não for revisto, a qualidade venenosa do cobre pode diminuir a ventilação e, inevitavelmente, a decomposição das plantas segue-se.

Cobre, como a maioria dos micronutrientes é progressivamente acessível quando o pH do meio em desenvolvimento é baixo, então se a nocividade do cobre está acontecendo, teste o pH do meio em desenvolvimento.

Da mesma forma, certos fungicidas têm o cobre como sua fixação dinâmica, pelo que é fundamental eliminar a folhagem antes de testar o tecido. Os legumes serão, em geral, as plantas mais delicadas para a qualidade venenosa do cobre.

Níveis de Cobre na Planta
Níveis de Cobre na Planta

Onde encontrar o cobre?

O cobre é totalmente dado pela maioria dos solventes de água e estrume de descarga controlada, desde que sejam aplicados a taxas sugeridas. Alguns fungicidas têm o cobre como sua fixação dinâmica e alguns serão retidos através das folhas.

A água do sistema de água dá regularmente algum cobre e, em casos pouco comuns, pode dar cobre em excesso. Tente verificar a quantidade de cobre e os diferentes componentes que a água dá.

Na hipótese de ser necessário mais cobre, prescrevemos a utilização de um total de estrume micronutriente para não dar um excesso de cobre e instigar a falta de outro micronutriente.

Um componente solitário de sulfato de cobre ou um tipo quelatado de cobre pode ser utilizado, no entanto tenha cuidado, pois existe uma linha frágil entre o excesso de pouco ou muito cobre. Aplique o item como um pano e não como um salpico foliar, já que pode singelejar a folhagem.

Exclusivo

O cobre metálico do progresso é básico para todos os seres vivos, mas a superabundância do cobre é venenosa devido à criação de radicais livres por meio de sua estrutura livre. Assim, os graus de cobre são absolutamente gerenciados em uma célula.

Sob condições de drenagem do cobre, a declaração de Cu/Zn superóxido dismutase (SOD) é desregulada e a sua capacidade é paga pelo Fe SOD em cloroplastos de plantas superiores.

Introduzimos prova de que um microRNA, miR398, está envolvido com esta desregulação das qualidades de Cu/Zn SOD em Arabidopsis thaliana quando desenvolvido a baixos níveis de cobre, relativo a menos de 1 µM Cu em meios de cultura de tecidos.

Em qualquer caso, uma alga verde, Chlamydomonas reinhardtii, aclima à exaustão do cobre alterando o conjunto fotossintético mecânico de cobre contendo plastocianina para prensa contendo citocromo c6.

Durante o desenvolvimento as plantas ajustaram um dos procedimentos fundamentais para reagir à falta de cobre com maior probabilidade de se ajustar a várias condições metálicas.

Planta Rica em Cobre
Planta Rica em Cobre

Frases de captação: cobre, ferro, microRNA, superóxido dismutase, plastocianina, cloroplastos.

O cobre é um micronutriente fundamental e está envolvido em alguns processos metabólicos.

Nas plantas superiores, a proteína de cobre mais rica é a plastocianina, que está associada ao transporte fotossintético de elétrons no lúmen tilacoide dos cloroplastos. Outra proteína significativa do cobre, Cu/Zn SOD, limita o citoplasma (CSD1), o estroma dos cloroplastos (CSD2) e ainda os peroxissomas (CSD3), e está associada à ruminação de espécies de oxigênio receptivas.

Apesar da sua importância fisiológica, a superabundância de cobre é prejudicial para as plantas como resultado do seu potencial suporte na resposta de Fenton.

Para limitar os danos pelo cobre de sobre abundância e, além disso, reagir à insuficiência de cobre, as plantas mais altas possuem algumas técnicas, lembrando a diretriz de absorção de cobre pelas células-raiz, o manuseio severo do cobre por meio de ATPases tipo P e chaperonas de cobre ou diretriz dos graus de proteínas de cobre devido a um ajuste na disponibilidade do metal.

O que há mais plantas que reagem à inadequação do cobre comunicando as proteínas eletivas do ferro que suplementam a capacidade das proteínas de cobre.

Entre as eucariotas fotossintéticas, a alga verde unicelular, Chlamydomonas reinhardtii, é mais bem concentrada no instrumento subatômico da homeostase do cobre. Sob condições de baixo teor de cobre, a Chlamydomonas corrompe a plastocianina e sua capacidade é suplantada pelo citocromo c6 que contém ferro.

Um fator transcripcional, assume um trabalho crítico na troca do aparelho fotossintético e muito provavelmente também na detecção do cobre.

No entanto, plantas mais altas provavelmente não vão codificar o homólogo utilitário do citocromo algal c6.

Veja também

Arminho Gigante Existe? Qual o Seu Tamanho? Onde Vive?

Você conhece ou já ouviu falar sobre o arminho? Pois bem, este animal é um …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *