Home / Natureza / Quais São as Principais Características do Núcleo da Terra?

Quais São as Principais Características do Núcleo da Terra?

O centro da Terra é um ponto focal extremamente quente e excepcionalmente espesso do nosso planeta. O centro moldado em forma de bola encontra-se debaixo de um casco frio e frágil e o manto, na sua maioria, mais resistente. O centro encontra-se a cerca de 2.900 quilômetros abaixo da superfície da Terra, e tem um varrimento de cerca de 3.485 quilômetros.

No ponto em que a Terra foi moldada há cerca de 4,5 bilhões de anos atrás, ela era um maço uniforme de pedra quente. A podridão radioativa e o calor extra do desenvolvimento planetário (o impacto, o crescimento e a pressão das rochas) fizeram com que a bola ficasse significativamente mais quente.

Núcleo da Terra
Núcleo da Terra

No final, após cerca de 500 milhões de anos, a temperatura do nosso jovem planeta aqueceu para o propósito de liquefação do ferro — cerca de 1.538° Celsius. Este cruzamento crítico na história da Terra é conhecido como o desastre do ferro.

O desastre do ferro permitiu um desenvolvimento mais notável e cada vez mais rápido do material líquido e áspero da Terra. Material moderadamente leve — por exemplo, silicatos, água e até mesmo ar — permaneceram nas proximidades do exterior do planeta.

Estes materiais transformaram-se no manto primitivo que fica na parte exteroir da terra. Já o ferro, níquel e outros metais substanciais inclinados para o ponto focal da Terra, transformaram-se. Hoje, é mais fácil encontrá-los no centro do planeta. Esse procedimento significativo é chamado de separação planetária.

Como é o Centro da Terra?

O centro da Terra é o aquecedor do ângulo geotérmico. A inclinação geotérmica quantifica a expansão do calor e do peso no interior da Terra. A inclinação geotérmica é de cerca de 25° Celsius por quilômetro de profundidade.

Os sustentadores essenciais do calor no centro são a podridão dos componentes radioativos, o calor extra do desenvolvimento planetário e o calor descarregado à medida que os cimentos fluidos do centro externo se aproximam do seu limite com o centro interno.

Dissimilar à camada externa rica em minerais e manto, o centro é feito essencialmente de metal — explicitamente, ferro e níquel. O estenógrafo utilizado para os compostos ferro-níquel do centro são, basicamente, as imagens de substância dos componentes — NiFe.

Os componentes que se decompõem em ferro, chamados siderófilos, são igualmente encontrados no centro. Uma vez que estes componentes são descobertos mais raramente no exterior da Terra, numerosos siderófilos são chamados de “metais valiosos”. Os componentes siderófilos incorporam ouro, platina e cobalto.

Centro da Terra
Centro da Terra

Outro componente chave no centro da Terra é o enxofre — na realidade, 90% do enxofre na Terra é encontrado no centro. A revelação afirmada de tais medidas imensas de enxofre esclareceu um enigma geológico: Se o centro era principalmente NiFe, por que razão não era mais pesado?

Os geocientistas estimaram que componentes mais leves, por exemplo, oxigênio ou silício, poderiam estar disponíveis. A quantidade de enxofre, outro componente moderadamente leve, clarificou o problema.

Apesar do fato de percebermos que o centro é a peça mais ardente do nosso planeta, suas temperaturas exatas são difíceis de definir.

As temperaturas flutuantes no centro dependem da pressão, da revolução da Terra, e da organização mutável dos componentes do centro. Quando tudo isso é calculado, as temperaturas vão de cerca de 4.400° Celsius a cerca de 6.000° Celsius.

O centro é feito de duas camadas: o centro externo, que se estende para além do manto, e o centro interno.

Núcleo Externo

O centro externo, com cerca de 2.200 quilômetros de espessura, é na sua maioria feito de ferro líquido e níquel. A amálgama NiFe do centro externo é excepcionalmente quente, na faixa dos 4.500° e 5.500° Celsius.

O metal fluido do centro externo tem uma espessura excepcionalmente baixa, o que significa que é facilmente distorcido e maleável. É o local de convecção viciosa. O metal agitador do centro externo faz e suporta o campo atrativo da Terra.

A peça mais quente do centro da terra consegue alcançar a marca de 6.000° Celsius — tão sufocante quanto o exterior do sol.

Núcleo Externo da Terra
Núcleo Externo da Terra

Núcleo Interior

O centro interior é um feixe quente e grosso de ferro (geralmente). Tem uma varredura de cerca de 1.220 quilômetros. A temperatura no centro interior é de cerca de 5.200° Celsius. O peso é de quase 3,6 milhões de ambiente (atm).

A temperatura do centro de entrada está muito acima da finalidade dissolvente do ferro. No entanto, em contraste com o centro externo, o centro interno não é fluido ou mesmo líquido. O peso extremo do centro interno — todo o resto da terra e o seu clima — mantém o ferro dissolvido.

O peso e a espessura são basicamente inacreditáveis para que as partículas de ferro se movam para um estado fluido. Em vista desta situação irregular, alguns geofísicos gostam de decifrar o centro interior não como um forte, mas como um plasma agindo como um forte.

O centro externo fluido isola o centro interno do resto da Terra e, portanto, o centro interno gira um pouco melhor do que o resto do planeta. Ele gira em direção ao leste, semelhante à superfície, mas é um pouco mais rápido, fazendo uma volta adicional em intervalos regulares.

Os geocientistas imaginam que as pedras preciosas de ferro no centro interno são orquestradas num desenho (hexagonal fechado). As pedras preciosas se ajustam de norte a sul, ao lado do centro do pivô e do campo atrativo da Terra.

A direção da estrutura de pedras preciosas implica que as ondas sísmicas — a abordagem mais confiável para contemplar o centro — viajam mais rapidamente enquanto vão de norte a sul do que enquanto vão de leste a oeste. As ondas sísmicas viajam quatro segundos mais rápido do que através da linha do Equador.

Desenvolvimento no Núcleo Interior

À medida que a Terra inteira esfria gradualmente, o centro interno desenvolve-se cerca de um milímetro de forma consistente. O centro interno desenvolve-se como pedaços do centro externo do fluido, que se define ou toma forma. Outra palavra para isso é “congelamento”, apesar de lembrar que o ferro é um ponto de solidificação de mais de 1.000° Celsius.

O desenvolvimento do centro interno não é uniforme. Acontece em protuberâncias e feixes, e é impactado pelo movimento no manto.

O desenvolvimento é progressivamente focalizado em torno de zonas de subducção — locais onde placas estruturais estão escorregando da litosfera para o manto, um grande número de quilômetros sobre o centro. As placas subduzidas retiram calor do centro e diminuem a temperatura da região envolvente, causando a expansão das ocasiões de cimentação.

Núcleo Interior da Terra
Núcleo Interior da Terra

O desenvolvimento é menos focado em torno de “superplumas”. Essas massas de rocha sobreaquecidas provavelmente impactam o vulcanismo da “área problemática” na litosfera, e se somam a um centro externo progressivamente fluido.

O centro nunca “congelará”. O procedimento de cristalização é moderado, e o apodrecimento radioativo constante do interior da Terra alivia-o significativamente mais para trás. Os pesquisadores estimam que levaria cerca de 91 bilhões de anos para o centro endurecer totalmente — ainda assim o sol se desgastará em uma pequena quantidade desse tempo (cerca de 5 bilhões de anos).

Veja também

Gastrodia Agnicellus

Qual a Flor Mais Feia que Existe?

Para os amantes de flores hoje vamos falar de um assunto bem delicado, será que …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.