Home / Natureza / Como Cuidar da Flor Hortênsia, Fazer Mudas e Podar?

Como Cuidar da Flor Hortênsia, Fazer Mudas e Podar?

A hortênsia é, sem dúvida, uma das espécies florais mais delicadas e ao mesmo tempo rústicas da flora brasileira. As suas origens estão no Japão e na China, onde desenvolve-se como uma espécie arbustiva, capaz de atingir entre 1,5 e 2,5 m de altura, como um membro da família Hydrangeaceae e do gênero Hydrangea.

Essa comunidade pode ser encontrada em países de clima subtropical e temperado de praticamente todo o planeta; e em todas essas regiões ela pode ser conhecida como “hidranja”, “hidrângea”, “novelão”, entre outras denominações não menos curiosas.

A importância de saber como cuidar dessa comunidade das hortênsias está no fato de que o desenvolvimento dos seus belíssimos tons de rosa e azul, entre outras combinações, dependem, exclusivamente, das características do pH do solo.

Mas também chama a atenção nessa espécie a presença de algumas substâncias consideradas tóxicas em sua composição, como a hidrangina, os cianogênicos e os glicosídeos.

Tais substâncias, quando ingeridas em excesso, podem causar terríveis desconfortos abdominais, náuseas, vômitos; e até mesmo convulsões, cianose, entre outros distúrbios razoavelmente graves.

Outra coisa que chama a atenção nas hortênsias são as características das suas inflorescências. Estas, além do rosa e do azul belíssimos, ainda podem variar em agradáveis tons de branco até o vermelho intenso; o que faz dessa espécie um verdadeiro espetáculo para a composição de jardins, praças, parques, canteiros, jardineiras, ou simplesmente vasos em apartamentos.

Uma Comunidade Extravagante

As hortênsias, como dissemos, são arbustos semilenhosos, de onde pendem flores robustas, imensas e bastante chamativas (uma das suas principais características), com destaque para espécies como a Hydrangea macrophylla, Hydrangea arborescens, Hydrangea paniculata, Hydrangea quercifólia, entre outras que fazem com que seja uma verdadeira “missão impossível” identificar a mais bela, extravagante e exótica dentro dessa comunidade.

Aliás, ainda com relação às substâncias presentes na planta, impressiona a variedade de compostos fitoterapêuticos que essa comunidade apresenta.

Como, por exemplo, os compostos fenólicos isucumarina, hidrangeno, ácido hidrangeico, as filodulcinas, entre outras substâncias com incríveis potenciais para o controle da diabetes, hipertensão, para o tratamento da malária, diminuição do triglicérides, entre outras funções que tornam as hortênsias quase como verdadeiras parceiras do coração.

Flor Hortênsia

As suas espécies costumam ser cultivas pelo método da estaquia, no qual um galho ou ramo de um arbusto com cerca de 8 a 12 cm é separado, tem todas as suas folhas retiradas até a metade desse ramo e, finalmente, fixado em um bom substrato com todas as características exigidas por esse tipo de espécie.

Mas para que se obtenha os melhores resultados com o plantio dessas hortênsias, recomenda-se o cultivo sob um clima que oscile entre os 11 e 20 °C, em um ambiente onde elas recebam meia sombra ou sol pleno (em algumas horas do dia); e ainda em um solo úmido, rico em matéria orgânica e não sujeito a encharcamento.

E caso tais exigências sejam observadas, o que você terá é uma verdadeira explosão de inflorescências, que poderão ornamentar desde vasos em apartamentos, passando por parques e jardins, a até mesmo encostas em avenidas e autoestradas.

O que mostra que estamos falando aqui de uma espécie que consegue, surpreendentemente, demonstrar as qualidades da delicadeza, suavidade, força, robustez, resistência e exoticidade em um equilíbrio verdadeiramente impressionante.

Como Cuidar e Cultivar Hortênsias

As melhores práticas e cuidados indicados para hortênsias não fogem muito do que são recomendados para as demais espécies florais do planeta. Tirando, obviamente, o fato de que é preciso observar as especificidades e peculiaridades dessa comunidade floral.

No caso delas o recomendado é o equilíbrio! Isso significa oferecê-las sol direto durante as primeiras horas da manhã (até por volta das 11h:00) e meia sombra no período da tarde (entre 11h:00 e 16h:00).

Isso é importante porque as hortênsias, como típicas espécies de clima temperado e subtropical, não suportam bem a intensidade dos períodos de sol do Brasil; e o resultado da sua exposição excessiva irá surgir na forma de flores ressequidas, murchas e inevitavelmente mortas.

Mas o excesso de sombra é da mesma forma prejudicial para essas plantas. Nesse caso, elas ainda ficarão expostas ao ataque de micro-organismos patológicas, que aproveitam-se justamente dessa deficiência do calor necessário para que a planta não sofra com o excesso de umidade.

É importante lembrar, também, que as hortênsias são plantas “acidófilas”. Isso quer dizer que elas precisam de um solo mais ácido (abaixo de 7).

Por isso certifique-se de que poderá oferecer a elas valores entre 5 e 6,5; e caso isso não seja possível, você ainda terá a opção de adquirir, em lojas de jardinagem, substratos especialmente produzidos com elevados níveis de acidez.

Elas também são exigentes quanto a regas, principalmente quando plantadas em regiões com baixa umidade.

Hortênsias em Vaso

Nessas situações, elas acabam exigindo até 5 ou 6 regas por semana (1 por dia), de preferência uma “irrigação localizada”, na qual a água atinge com maior intensidade as raízes, mas sem o perigo de agredi-las por meio das “águas calcárias” que resultam do método da “aspersão”.

As Singularidades do seu Cultivo

Cuidar, podar e fazer mudas de hortênsias, assim como de qualquer outra espécie floral, pode ser considerada um arte! Uma arte para poucos! Apenas para os que verdadeiramente amam essa prática e sentem-se realmente recompensados com o seu desenvolvimento paulatino.

Isso porque o solo onde ela deverá ser plantada irá exigir um tratamento à base de sulfato de ferro ou de alumínio, que é o que garante a acidez necessária para que desenvolvam a beleza e a exuberância das suas cores.

Chega a ser curioso observar como uma hortênsia vai perdendo a sua belíssima coloração azul quando ocorre um processo de alcalinidade do solo, tornando-a singularmente roxa, rosa, violeta, entre outras variações dessas colorações.

Ou então o contrário, quando ela vai passando de um rosa para um tom azul, como um aviso de que agora uma boa nutrição à base de sulfato de cálcio (ou de ferro) será necessário para reequilibrar a acidez do solo.

As podas são outras dessas inúmeras estratégias com as quais terá que se preocupar caso pretenda manter um jardim de hortênsias com todas as suas características.

E isso quer dizer a retirada dos ramos que desenvolveram-se nos últimos 12 meses, as flores ressequidas durante o verão, livrá-la de ramos e galhos adoecidos.

Ou até mesmo uma poda radical, na qual cerca de 50% da planta deverá ser sacrificada, com o objetivo de garantir que ela desenvolva-se como um arbusto contido, com belas inflorescências e um aspecto sóbrio e saudável.

O Efeito das Podas

Poda de Hortênsias
Poda de Hortênsias

As podas estão entre as ferramentas mais importantes (se não a mais) quando o assunto é o florescimento de toda e qualquer espécie floral.

Isso porque são elas que tratam de retirar todos os galhos, ramos, folhas e demais partes aéreas da planta que não se desenvolverão corretamente, mas que irão consumir boa parte da água e dos nutrientes requeridos por todo o conjunto da planta.

O outono costuma ser o momento mais indicado para a poda dos ramos e folhagens; enquanto o verão é a estação certa para a poda das flores que não se desenvolveram e nem se desenvolverão a contento.

A Propagação das Hortênsias

Já quando o assunto é a propagação de hortênsias, o mais indicado mesmo, como dissemos, é o método da estaquia. E para tal, basta retirar um ramo novo, forte e saudável (que desenvolveu-se nos últimos 12 meses) e retirar toda a folhagem da metade para baixo.

Talvez seja necessário mergulhar esse pequeno ramo em um enraizador, a fim de estimular o crescimento das suas raízes. Feito isso, é só fincá-lo num substrato adequado, geralmente à base de areia, vermiculita, musgo de turfa, ou mesmo cascas de arroz carbonizadas.

Você poderá cobrir essa estaca com um saco plástico e regá-la diariamente; até que, por volta de 30 dias, já tenha uma estaca repleta de raízes e pronta para ser transplantada para um jardim, canteiro, vaso, jardineira ou onde quer que a sua criatividade possa levá-lo.

Como Cultivar E Cuidar De Hortênsias Em Vasos

O cultivo de hortênsias em vasos é uma estratégia ideal para quem tem pouco espaço. Se quiser conferir a um apartamento uma ar meio exótico e ao mesmo tempo suave e delicado essa é a escolha certa!

Mas também se o objetivo é obter esse resultado num escritório, num estabelecimento comercial, ou em qualquer outra estrutura cujo ponto forte não seja espaço de sobra, da mesma forma você será premiado com todas as características que essa espécie é capaz de apresentar.

Talvez você tenha que dispensar a elas mais atenção do que precisaria se as cultivasse num jardim, por exemplo. Mas o resultado será tão ou mais satisfatório. Elas se desenvolverão da mesma maneira. Com todas essas suas explosões de cores e de formas consideradas únicas entre as espécies florais conhecidas.

Comece essa empreitada escolhendo um viveiro bem avaliado na sua cidade e dê preferência a um exemplar com um tamanho reduzido – são essas que conseguem n-se no ambiente restrito de um vaso de forma adequada.

Hortênsias Em Vasos
Hortênsias Em Vasos

Escolha um vaso forte, com um bom tamanho (com pelo menos uns 6 cm a mais de largura e comprimento em relação ao que trouxe do viveiro) e com alguns furos de drenagem.

No fundo desse vaso acrescente uma boa camada de terra vegetal, junte um bom fertilizante próprio para esse tipo de espécie, retire com cuidado o exemplar da hortênsia adquirida no viveiro, posicione-a no centro do vaso e circunde-a com o restante da terra a fim de que seja mantida da mesma forma como a trouxe do estabelecimento.

Os Cuidados Com a Flor Hortênsia Plantada Em Vasos

Mas antes de seguir com os cuidados, não esqueça de acrescentar sobre o vaso uma última camada de pó de serra ou cascalho, a fim de evitar a umidade e também criar um visual diferente, rústico e exótico – como será a característica do ambiente ornado com esses exemplares de hortênsias.

A partir daí, cuide para que a planta seja corretamente irrigada. É necessário que as regas sejam diárias, ou na frequência ideal para que a terra jamais fique completamente seca. E cuide, também, para que esse vaso seja exposto ao sol do período da manhã (até às 11h:00) e à sombra durante a tarde.

Sem esquecer que estamos falando de uma espécie típica dos climas subtropicais, mediterrâneos e temperados; o que significa dizer que hortênsias cultivadas na região nordeste do Brasil, por exemplo, receberão altas umidades; e por isso as regas deverão ser moderadas, mas o suficiente para aliviá-las de temperaturas que podem atingir facilmente os 35°C na sombra.

Já nas regiões sudeste e sul, as regas poderão ser mais intensas; porém tendo em mente que as temperaturas baixas dessas regiões facilitam o encharcamento da planta; o que certamente irá torná-la um verdadeiro paraíso para um sem número de micro-organismos patológicos que apreciam sobremaneira um solo encharcado.

Mantendo as Melhores Condições Possíveis

Cuidar, fazer mudas e podar hortênsias, como dissemos, pode ser uma prática com o status de uma verdadeira arte! E para que essa arte saia a contento, você não poderá descuidar das minúcias que cercam esse tipo de empreitada.

Saiba, por exemplo, que essa planta costuma requerer a aplicação periódica de um adubo líquido, especialmente durante o período primavera/verão.

Sabe-se que as hortênsias costumam dar flores mensalmente durante a fase mais intensa do seu crescimento. E é justamente o verão que acaba fazendo com que a planta requeira doses cada vez maiores dos nutrientes que são retirados em abundância do solo.

Também é necessário proteger as hortênsias das intempéries. Ventos muitos vigorosos, chuvas de granizo, geada, entre outros fenômenos semelhantes, que são como uma verdadeira sentença de morte para esse gênero de plantas.

Por isso, a dica aqui é abrigá-las durante os períodos de frio intenso, e somente levá-las para um ambiente externo quando o clima tornar-se mais ameno; como no período primavera/verão, quando elas, certamente, solicitarão os raios vigorosos e revigorantes do período matutino.

Hortênsias no Canteiro da Estrada
Hortênsias no Canteiro da Estrada

Enquanto a meia sombra do período da tarde irá protegê-las da maior incidência do sol; e assim você garante que elas desenvolvam-se adequadamente, com as suas belíssimas inflorescências que destacam-se singularmente do conjunto da planta.

Com os seus tufos rosas, azuis, púrpuras, violetas, entre outras colorações e combinações que são um verdadeiro encanto, independentemente da forma de cultivo.

Fazendo Mudas De Hortênsias

Produzir mudas de hortênsias não é uma tarefa das mais difíceis. Na verdade é até bastante fácil, tal a sua capacidade de adaptar-se aos mais diversos tipos de climas; desde o incrivelmente quente e úmido nordestino, passando pelo subtropical da região sul, a até mesmo o singularíssimo equatorial e tropical úmido da região norte.

Só o que elas precisarão mesmo é encontrar, na maior parte do tempo, temperaturas que oscilem entre 11 e 20°C; pois somente dessa forma as suas mudas de hortênsias se desenvolverão magnificamente, até darem origem a um imenso arbusto capaz de atingir vertiginosos 2,5 metros de altura!

Elas desenvolverão uma folhagem exuberante, com folhas imensas, em um verde bastante vivo e reluzente, que competem em extravagância com os seus imensos tufos de flores semelhantes a cabeças que se destacam de forma singular e exótica do todo da planta.

Mas há uma coisa importante a saber na hora de fazer as suas mudas de hortênsias; e é que os resultados costumam ser melhores quando essa operação é realizada no período outono/inverno (os mais frios).

Isso vale também para o transplante, que dificilmente dará certo caso o faça nos períodos mais quentes do ano.

Na verdade o aconselhável mesmo é produzir essas mudas durante o outono. E o procedimento também é bastante simples: escolha uma estaca saudável (ramo ou galho), com cerca de 8 a 12cm (com pelo menos 3 pares de folhas) e retire as folhas até a metade do ramo.

Certifique-se, também, de que o ramo ou galho escolhido foi retirado da base da planta, pois estes são mais saudáveis, cresceram nos últimos 12 meses e possuem uma coloração verde bastante vistosa e chamativa.

Plante essa estaca em um substrato (como o citado acima), cubra-a com um saco plástico e aguarde cerca de 30 dias.

E então terá uma muda formidável e pronta para ser transplantada para um vaso, jardim, jardineira, canteiro, parque, calçadas, acostamento, entre outras inúmeras possibilidades às quais essa planta, delicada e ao mesmo tempo tão rústica, se presta magnificamente.

Os Cuidados Exigidos

Muda produzida, agora só o que resta mesmo é transplantá-la. Mas, para tal, você precisará garantir que ela receba um solo bastante rico em material orgânico, suficientemente úmido (não encharcado), com características arenoso-argilosas e razoavelmente profundo.

Cave um buraco que seja pelo menos duas vezes maior do que o diâmetro das raízes, coloque a muda no centro, envolva-a com a terra de forma que ela mantenha-se fofa ao redor da planta, aperte levemente a parte de cima e execute regas diárias durante a fase de germinação.

Já com relação à adubação, o que se recomenda são intervalos de 3 semanas durante os primeiros meses de desenvolvimento. E o adubo ideal é aquele rico em potássio mas com doses moderadas de fósforo e nitrogênio.

Isso é importante por que esse potássio será responsável, entre outras coisas, por ativar enzimas que promovem o vigor e o aspecto saudável das suas folhas e inflorescências. Enquanto o fósforo e nitrogênio, indispensáveis para o crescimento das plantas, são pouco requisitados pelas hortênsias.

Não esquecendo que durante o período outono/inverno será necessário proceder a uma adubação com matéria orgânica.

E o recomendado é uma mistura de torta de mamona, farinha de osso e esterco de galinha; pois essa é uma composição que contribui para o crescimento da planta durante essa fase tão controversa, mas sem competir com o potássio nas funções de produção enzimática.

Ainda Sobre as Podas

Podas De Hortênsias
Podas De Hortênsias

Mais uma vez, cabe aqui falar da importância de uma boa rotina de podas para a manutenção da sua hortênsia com todas aquelas belíssimas características que conhecemos.

E essas podas funcionam melhor quando realizadas após cada floração, e de preferência dos ramos que deram flores, a fim de que as demais mantenham-se em condições de produzir as suas florações como de costume.

E o curioso é que você ainda poderá aproveitar essa poda para retirar novas estacas para a produção de novas mudas.

Lembrando, ainda, que essas estacas devem ser as mais saudáveis, jovens, fortes e com um verde bastante chamativo. E retiradas da base das hortênsias, com um comprimento que oscile entre 8 e 12 cm e sem a folhagem até a metade do ramo.

Além Dos Cuidados, Produção De Mudas E Podas, O Segredo Das Cores Das Hortênsias

As cores e formas das hortênsias são, sem dúvida, os seus principais cartões de visita.

Não há como passar despercebido diante da exuberância dos imensos tufos de flores que distribuem-se em cabeças que surgem isoladas em meio a uma folhagem não menos exuberante; com folhas entre 7 e 20 cm de comprimento em um belíssimo tom de verde bastante chamativo e vibrante.

Mas a principal curiosidade acerca da coloração das hortênsias diz respeito ao fato de que ela é apenas o resultado do maior ou menor nível de acidez do solo; o que significa dizer que, na verdade, não existem hortênsias de várias cores – esse é um fenômeno que pode ser obtido a partir de qualquer variedade de muda.

Na prática, é você quem escolhe a cor das hortênsias que terá em seu jardim; seja ela um rosa delicado, um azul bastante suave, ou mesmo um branco, creme, púrpura, vermelho, amarelo, entre outras colorações surpreendentemente obtidas a partir do uso de fertilizantes industriais capazes de alterar essa acidez do solo.

Cores Das Hortênsias
Cores Das Hortênsias

Sabe-se, também, que o acréscimo de sulfato de alumínio ou de ferro, a distribuição de co-pigmentos, a regulação do pH vacuolar, entre outros fatores, permitem, por exemplo, que você tenha um jardim multicolorido a partir de uma única muda; em um dos fenômenos mais curiosos entre as espécie florais do planeta.

Mais Sobre a Multiplicidade De Cores Das Hortênsias

Para obter a cor azul, por exemplo – uma das cores que mais caracterizam as hortênsias – , você terá que garantir um solo altamente ácido.

E para tal, basta utilizar-se de expedientes caseiros, como uma mistura à base de sulfato de ferro, pedra ume e sulfato de alumínio (25 g cada), por exemplo.

Dilua esse produto em 6 litros de água e realize regas periódicas (de 2 a 3 vezes por semana), de preferência uns 45 dias antes de cada floração.

Dessa forma, você irá garantir um desenvolvimento vigoroso de tufos com coloração azul, que poderão evoluir para uma tonalidade mais intensa, entre o carmesim e o violeta, a partir do aumento da quantidade de sulfato de alumínio.

Mas essa cor mais intensa também poderá ser obtida por meio de um expediente bastante simples: deixe palhas de aço dentro de um balde d’água até que esta adquira uma coloração enferrujada. Logo após, passe a regar periodicamente (não mais do que 1 vez por semana) a planta com essa água; e aí então é só observar o acontecimento “mágico!”.

A suas hortênsias simplesmente se desenvolverão com uma extravagante tonalidade violeta!, ou até mesmo um púrpura e carmesim quase místicos!, em combinação com uma folhagem exuberante, capaz de oferecer a um espaço uma característica de rusticidade aliada à suavidade como poucas espécies florais conseguem oferecer na natureza.

A Produção De Flores Rosas

Mas pode ser que você prefira mesmo é um conjunto de hortênsias em um delicado tom de rosa a partir das espécies que já possui em seu jardim com outras tonalidades.

Mas será que é possível obter hortênsias em tons rosados a partir de espécies azuis, púrpuras, violetas, etc.?

Sim, isso é totalmente possível! E para obter tal resultado você terá que tornar o solo mais alcalino e realizar uma poda bastante vigorosa, na qual praticamente toda a folhagem seja retirada, a fim de eliminar os resíduos de ferro e alumínio que porventura a planta ainda contenha.

Como próximo passo você terá que dirigir-se até uma boa loja de jardinagem ou viveiro de plantas e adquirir cerca de 300 g de calcário dolomítico (um material responsável por diminuir a acidez do solo), misturá-los em cada m2 de terra e replantar as hortênsias nesse material.

Hortênsia Cor de Rosa
Hortênsia Cor de Rosa

O resultado será um verdadeiro espetáculo de florações em suaves tons de rosa, e que poderão variar para tons mais claros, até atingirem tons de creme e branco, a depender do aumento da quantidade desse calcário aplicado – quanto mais calcário dolomítico, mas clara será a tonalidade das hortênsias.

E esse é, sem dúvida, um dos fenômenos mais exóticos entre as espécies florais conhecidas. Um conjunto de técnicas que funcionam como verdadeiras terapias em grupos. O que faz do cultivo de hortênsias uma das práticas mais indicadas para os mais diversos tipos de tratamentos com espécies florais.

Ainda sobre o pH do solo, de um modo geral podemos dizer que um solo com pH entre 4 e 5,5 é considerado ácido; ideal para o desenvolvimento de hortênsias em tons de rosa até o violeta.

Já o pH entre 6 e 7 é típico de um solo alcalino; e aqui serão as tonalidades entre o branco e o rosado que você poderá obter.

Como podemos perceber, fica por sua conta manipular “magicamente” o solo, e com isso produzir os mais variados tipos de efeitos para o seu jardim. Inclusive a sua transformação num ambiente multicolorido – nesse caso, um fenômeno mais facilmente obtido quando a essas misturas acrescenta-se o carbonato de sódio.

Lembrando sempre que resultados satisfatórios só podem ser obtidos com o uso moderado dessas variações de acidez e alcalinidade. Com medidas e dosagens corretas e exatas, sob pena de inviabilizar o cultivo de hortênsias e produzir verdadeiras aberrações.

E até mesmo transformá-las em alvos fáceis para os mais diversos tipos de pragas que, como se sabe, também beneficiam-se de determinadas condições do solo para proliferarem-se incontrolavelmente.

O Controle Da Principais Pragas Das Hortênsias

As hortênsias não estão entre as espécies florais mais vulneráveis ao ataque de micro-organismos patológicos. Longe disso!

Na verdade elas caracterizam-se justamente pela resistência, aliada à beleza das suas formas; o que faz com que esse gênero esteja entre os que melhor conseguem apresentar essas duas características em igual medida.

Mas, apesar disso, cuidar, fazer mudas, realizar podas e demais manutenções em hortênsias requerem, antes de mais nada, a observação de alguns dos tipos de parasitas mais comuns dentro dessa comunidade.

A aranha-vermelha e o pulgão, por exemplo, são alguns deles – e que podem transformar-se em verdadeiros flagelos para um jardim de hortênsias.

Mas os fungos também não ficam atrás quando o assunto é devastar um canteiro, vaso, jardineira ou qualquer outra forma de cultivo dessa planta.

Por isso, o recomendado aqui é dar preferência às formulas de pesticidas naturais, realizar podas mais radicais, escolher corretamente as mudas nas lojas de jardinagem, moderar as regas, expô-las adequadamente ao sol e luminosidade, entre outras práticas que, antes de combatê-las, já fazem um excelente trabalho de prevenção do surgimento dessas pragas.

Atenção Redobrada

Especialmente durante a formação de mudas (a partir de estacas) é preciso redobrar a atenção a uma possível proliferação de doenças, pois é nessa fase que a planta fica mais vulnerável, em especial à manifestação do oídio, do mofo-cinzento e de alguns tipos de ácaros.

Para esses casos, a solução é só mesmo a limpeza; a retirada de galhos, folhas e ramos adoecidos, com consequente aplicação de fungicidas naturais como forma de evitar novas ocorrências.

E com relação aos ácaros, já existem excelentes opções de acaricidas vendidos em viveiros de plantas e lojas de jardinagem, e que inclusive atuam preventivamente contra praticamente todo o tipo de ocorrência.

Atenção e Cuidados

Também atente para a oxigenação da planta, pois o excesso de touceiras, ramos, galhos e outras partes aéreas costumam ser fatores determinantes para a proliferação de parasitas nas plantas.

E aqui são os fungos que mais apreciam tal situação, em especial a Podridão-cinzenta, o Oídio-branco, entre outras espécies que podem ser evitadas com podas regulares a fim de que a planta receba corretamente o oxigênio do meio ambiente.

Cuidados Com Hortênsias
Cuidados Com Hortênsias

Mas um solo deficiente em ferro e alumínio também poderá ser um ambiente perfeito para a manifestação de pragas nas suas hortênsias.

E a Clorose é uma delas! Uma ocorrência observada sempre que o solo torna-se demasiadamente calcário (alcalino); resultando no amarelecimento das folhas, que tornam-se murchas e ressequidas até que a planta morra por completo.

Aqui a solução é, obviamente, a correção do solo com doses moderadas de sulfato de alumínio e ferro, para que as suas hortênsias recebam o solo ácido que elas tanto apreciam; e com a ajuda do qual consigam exibir a sua incrível variação de cores, e ainda mantê-las sempre belas e vistosas como é comum nesse gênero de plantas.

Já os pulgões podem se combatidos com soluções à base de água e sabão preto, em borrifadas periódicas (1 ou 2 vezes ao dia), até perceber que a planta foi curada.

Mas você deve atentar, também, para a ocorrência de caracóis, caramujos, lagartas, lesmas, pequenos roedores, entre outras espécies que só esperam o início do surgimento da folhagem para fazer dela uma refeição apreciadíssima e suficiente para a garantia das suas sobrevivências.

E aqui as técnicas de combate mais indicadas são as naturais. Soluções à base de água, alecrim, lavanda, algas e hortelã, por exemplo, em borrifadas periódicas, serão suficientes para combatê-las.

Mas até mesmo a distribuição de cascas de carvalho e de ovos, em volta da planta, podem ser suficientes para o combate e prevenção do surgimento desse tipo de parasita em sua formação de hortênsias.

Algumas Das Principais Ações Para O Combate

Não há como cultivar, cuidar e fazer mudas de hortênsias sem atentar para alguns dos principais parasitas desse tipo de espécie.

O Oídio, por exemplo, apresenta-se, primeiramente, como um conjunto de manchas esbranquiçadas na superfície e na parte inferior das folhas; e tal manifestação pode evoluir para tons mais escuros até que elas sequem e caiam por completo.

Para o combate, recomenda-se suspender as regas, manter a hortênsia adoecida separada das demais e realizar aplicações de fungicidas naturais, ou mesmo uma mistura de 100 g de bicarbonato de sódio e 10 l de água.

Esse preparado deverá ser aplicado em pulverizações sobre a planta; sempre no início da manhã e no horário do crepúsculo; com o objetivo de fazer com que os resultados possam ser percebidos mais rapidamente.

O Nematoide-das-galhas (Meloidogyne incognita) é outra dessas pragas bastantes comuns em jardins, vasos, canteiros, jardineiras, entre outras formações de hortênsias.

Nematoide-Das-Galhas
Nematoide-Das-Galhas

E para cuidar, cultivar e fazer mudas desse tipo de planta, é necessário atenção sobre micro-organismos como esses, que atacam as flores e as folhas, tornando-as mais volumosas, deformadas e com manchas brancas; além de, em alguns casos, consumir as extremidades dos galhos e ramos.

A dica aqui é realizar a poda de todas as partes atacadas e proceder à administração de uma mistura à base de Sulfato de Cobre, água e cal virgem.

A mistura consiste em 100 gramas de Sulfato de Cobre, 10 litros de água e 100 gramas de cal virgem em um recipiente de plástico; e ela deve ser preparada da forma como indicada por um especialista, a fim de que se possa obter os resultados esperados.

Mas o Phoma costaricensis (ou “Seca-de-ponteiros”) também deve entrar aqui nessa lista com as principais pragas às quais as hortênsias são suscetíveis, independentemente da região de plantio.

Phoma Costaricensis
Phoma Costaricensis

E ela se manifesta por meio da podridão escura das extremidades dos ramos, que acabam sendo totalmente comprometidos, até atingir as demais partes aéreas da planta e levá-la à morte.

Nesse caso, o recomendado é a produção de uma pasta à base de oxicloreto de cobre para ser aplicada nos ramos adoecidos que foram cortados, como forma de prevenir o surgimento de outras manifestações na planta.

E para todos esses casos, a prevenção ainda é a dica praticamente infalível quando o assunto é proteger espécies florais do ataque de micro-organismos patológicos.

E essa prevenção pode ser feita a partir de medidas simples, como oferecer à planta uma boa jornada de sol, luminosidade e a meia sombra que ela tanto aprecia.

Além de fazer da irrigação um componente quase sagrado para a manutenção da planta, sem excesso e nem deficiência, e de acordo com as características de cada uma.

Como Podar Hortênsias

As podas são, sem dúvida, as principais ferramentas para a garantia de um crescimento vigoroso das plantas.

Por meio delas serão retirados os galhos, ramos, folhas, frutos, flores e demais partes aéreas que não se desenvolveram (ou não se desenvolverão) adequadamente, mas continuarão competindo com as partes saudáveis pela água e pela nutrição presentes no solo.

Por isso mesmo as podas devem fazer parte da rotina de cuidados para praticamente todas as espécies. E com as hortênsias não é diferente!

Todos os anos, no início da primavera, é necessário pôr esses cuidados em prática. Mas é necessário saber como elas (as hortênsias) se desenvolvem estruturalmente – na forma de madeiras velhas ou novas.

As novas, como se subentende, são hortênsias cujas flores brotaram a partir de rebentos surgidos no último ano. Enquanto as hortênsias de madeira velha apresentam florações surgidas a partir de rebentos que se desenvolveram em anos anteriores.

No caso das madeiras velhas, certifique-se de que conhece o tipo de espécie, e aí então é só aguardar a metade do verão (quando as flores caem) para retirar as mais antigas e as ressequidas; além de remover os caules velhos na sua base a fim de estimular a produção de outros mais vigorosos.

E então quando perceber o início da próxima floração, elimine os ramos em pelo menos 30% do seu tamanho. Isso é importante pois irá oxigenar a planta, permitir o desenvolvimento de novos ramos e caules mais fortes, além de garantir que somente as partes mais fortes consumam a água e os nutrientes do solo.

As Hortênsias De Madeira Nova

Aqui, da mesma forma, será necessário certificar-se de que são os novos rebentos que produzem as flores – que é o que caracteriza uma hortênsia de madeira nova.

Só que, nesse caso, é durante o inverno que essa poda deverá ser posta em prática, em uma remoção de pelo menos 30% de todos os caules que darão origem a novas florações, com o objetivo de que, no início da primavera, a planta já possua condições ideais para desenvolver-se adequadamente.

Com a sua tesoura de poda, faça uma completa remoção de toda a sorte de caules adoecidos, ramos secos, galhos mortos, ente outras formações que certamente comprometerão a oxigenação da planta. Mas sem esquecer de deixar alguns ramos e rebentos mais antigos, para que ela tenha algum suporte para o seu crescimento.

Hortênsias De Madeira Nova
Hortênsias De Madeira Nova

Dessa forma, você estará garantindo o desenvolvimento da planta com todas as suas principais características.

E enquanto a poda garante o seu crescimento, a correção da acidez irá garantir a diversificação das cores dessas hortênsias.

E tudo isso em concomitância com o combate a algumas das suas principais pragas.

Como uma verdadeira “mãos à obra” que deverá ser levada a cabo somente por quem tem talento para esse tipo de empreendimento e prazer em cuidar de espécies florais.

Fontes:

https://blog.plantei.com.br/como-cultivar-hortensia/

https://revistajardins.pt/7-passos-cultivar-hortensias-sucesso/

https://www.bonde.com.br/casa-e-decoracao/dicas/aprenda-como-plantar-e-ter-diferentes-cores-de-hortensias-239882.html

https://lifestyle.sapo.pt/casa-e-lazer/decoracao-e-jardins/artigos/7-passos-para-cultivar-hortensias-com-sucesso

http://www.plantasonya.com.br/cultivos-e-cuidados/plantando-hortensias-em-vasos.html

https://www.grupocultivar.com.br/artigos/o-segredo-das-hortensias-hydrangea-macrophylla

https://www.greenme.com.br/significados/6834-hortensia-significado-espiritual/

Veja também

Uso de Drogas

Quanto Tempo Demora Para Limpar o Sangue das Drogas?

Quando se fala em drogas, logo pensamos nas drogas ilícitas que são fabricadas, vendidas e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *