Home / Animais / O Que é Uma Carapaça de Crustáceo?

O Que é Uma Carapaça de Crustáceo?

O que é uma carapaça de crustáceo? Qual a sua função? De que essa estrutura tão importante para a sobrevivência desses animais é composta?

Basicamente, carapaça é um nome dado na zoologia à estrutura anatômica mais ou menos dura que cobre todo ou parte do corpo de muitos animais. E em alguns casos, essa carapaça é composta de diversos elementos que estão mais ou menos interconectados, criando estruturas morfológicas bastante diversas.

Nos crustáceos, a carapaça é feita de quitina (como quase todos os exoesqueletos são), um material bastante eficiente para a cobertura do cefalotórax, na região da frente; local geralmente contendo muitos órgãos sensoriais.

Nas tartarugas, por exemplo – fugindo um pouco do tema dos crustáceos –, as carapaças são ósseas e cobertas com uns tipos de escamas de queratina (o mesmo material que compõe as unhas e o pelo dos mamíferos) que recobrem todo o corpo do animal.

E essa cobertura deixa apenas umas pequenas aberturas na cabeça e nos membros; com exceção das tartarugas com carapaças moles – que não possuem essa constituição.

Já nos insetos, a carapaça é denominada de “elitro”. E como uma curiosidade, sabemos que a carapaça do caranguejo é uma fonte exuberante de quitina.

No Brasil, as principais áreas de criação e produção de crustáceos estão concentradas nas regiões norte e nordeste; o que representa 70% de toda a produção doméstica. E o “Caranguejo-ucá” – Ucides cordatus cordatus – é o segundo maior crustáceo a habitar os ecossistemas de mangues mais adaptados ​​para o consumo humano.

O que é e quais as Utilizações Dessas Carapaças de Crustáceos?

Vários métodos vem sendo desenvolvidos para recuperar componentes químicos, como proteínas, quitina e carotenoides de resíduos do processamento de artrópodes e crustáceos.

Em Fortaleza – CE, por exemplo, centenas de quilos de cascas de caranguejo são jogados fora pelos restaurantes todos os dias. E como resultado disso, surge a preocupação em utilizar as carapaças desses animais para estudos em várias áreas, incluindo a produção de biomassa tendo a quitina como base – ou mesmo para o seu uso em alimentos e para a produção de cosméticos

Tão ou mais importante que saber o que é uma carapaça de crustáceo, é saber da viabilidade de um processo simples e eficiente para a transformação das carapaças de caranguejos em quitosana e utilizar resíduos que não possuem valor agregado para novas funções.

Carapaça de Crustáceo

E com relação a essa quitosana, sabemos que ela é uma fibra derivada da quitina; que por sua vez é a substância de que se constitui as carapaças de lagostas, camarões, caranguejos, entre outras espécies; uma fibra química que muito lembra a celulose, e que tem a capacidade de ligar-se a uma molécula de gordura, atuando como uma “esponja” no aparelho digestivo, impedindo que esta gordura seja absorvida pelo sangue em grandes quantidades.

E como as fibras vegetais não podem ser digeridas, não há valor calórico sendo agregado. E independentemente da quantidade de quitosana consumida, o balanço calórico tende a ser sempre insignificante.

Produção de Suplementos Alimentares

As cabeças de camarões, as cascas de lagostas e as carapaças de caranguejos lançados em abundância pela indústria pesqueira do Ceará não têm mais como destino final os lixões do estado.

Esse material agora é convertido em suplementos alimentares na forma de cápsulas e comprimidos que ajudam a diminuir o colesterol ruim, a perder peso e a controlar doenças relacionadas com o seu excesso.

Agora que já sabemos o que é uma carapaça de crustáceos, sabemos, também, que a quitina e a quitosana obtidas a partir dela possuem dois biopolímeros com importantes propriedades químicas e biológicas.

Elas são substâncias presentes nos resíduos de cascas e carapaças, e de acordo com estudos realizados nos EUA e no Japão, a quitosana obtida a partir delas consegue capturar e remover gorduras através do mecanismo de excreção biliar.

Mas agora, além da saúde que ela proporciona, a quitosana também pode ser utilizada como ingrediente nos processos de tratamento e purificação de água, produção de lentes de contato, na indústria de cosméticos, para a produção de shampoos, hidratantes e protetores solares, além de inúmeras outras utilizações só recentemente descobertas por pesquisadores.

O Filo dos Crustáceos

Como vimos, dentro do filo dos artrópodes existe um subfilo, o dos crustáceos, que caracteriza-se por abrigar espécies que são constituídas por uma carapaça dura (daí o seu nome “crusta” ou “carapaça dura”), que forma todo o seu exoesqueleto quitinoso e rígido.

Essa quitina, de que se constitui a sua carapaça, é o resultado de um curioso acúmulo de carbonato de cálcio, o que acaba tornando-a uma matéria-prima formidável para a produção de uma excelente fibra animal, a quitosana.

Porém não terminam aí as singularidades físicas e biológicas desses animais. Não mesmo!

Pois eles ainda chamam a atenção por apresentarem apêndices segmentados e articulados (antenas, patas e birremes), além de outras subdivisões da sua divisão básica: cabeça e corpo. Esse último, subdividido em cefalotórax e abdômen.

Filo dos Crustáceos

Dentre as principais características dos crustáceos, está também o fato de eles serem animais marinhos, com alguns indivíduos habitantes de ecossistemas terrestres, e com uma maior variedade encontrada em ambientes exclusivamente doces – e ainda com enorme variedade de formas e de papéis ecológicos na natureza.

E dentre os tipos mais conhecidos, podemos destacar os caranguejos, lagostas, siris e camarões, que, curiosamente, tornaram-se iguarias apreciadíssimas nos quatro cantos do mundo.

No entanto, existem também os menos populares, como as cracas, os fitoplânctons, bichos-de-contas, tatuzinhos-de-jardins, entre outras espécies tão ou mais exóticas, e que também ajudam a compor uma comunidade com quase 70.000 espécies com as mais diversas características.

Espécies que são o retrato vivo da formação da fauna do planeta há algumas centenas de milhões de anos! Que até hoje habitam o planeta, executando os seus respectivos papéis ecológicos de forma verdadeiramente formidável! Além de cercadas pelas mais singulares crenças, controvérsias e mistérios que podem brotar da mente humana em contato com essa exuberância da fauna do planeta.

Esse artigo foi útil? Ele respondeu às suas dúvidas? Tem algo que queira acrescentar? Deixe a resposta na forma de um comentário, logo abaixo. E continue compartilhando, questionando, discutindo, refletindo e aproveitando-se dos nossos conteúdos.

Veja também

Alimentação do Dachshund: o Que Eles Comem?

O nome dessa raça é Dachshund, mas muitos chamam de salsichinha ou salsicha. É uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *