Home / Animais / Como Explicar a Simetria Radial em Echinodermata?

Como Explicar a Simetria Radial em Echinodermata?

Equinodermos (Filo Echinodermata) são considerados os primeiros animais que antes da formação da boa, apresentam a formação do ânus. Vivem em substratos, sendo animais marinhos. Quando perdem parte dos seus braços, podem regenerá-los.

Apresentam como características específicas simetria pentarradial, endoesqueleto espinhoso, brânquias dermais (ou pápulas), sistema hidrovascular e pedicelárias.

O Filo Echinodermata é composto com os animais mais conhecidos do litoral, como os pepinos do mar, lírios do mar, bolacha da praia, estrelas do mar, ouriços do mar e serpentes do mar, que são marinhos e, a maioria, também bentônico.

O Filo contém 13 mil espécies extintas, que são conhecidas graças a fósseis que datam a era geológica cambrianas.  Atualmente, são cerca de 7 mil espécies vivas que ainda compõem o Filo.

E dentre as diversas habilidades dos Echinodermatas está a Simetria Radial. Que tal entender mais sobre ela? Como ela ocorre e quais suas funções?

Então, fique por aqui e saiba Como Explicar a Simetria Radial em Echinodermata, além de outras informações super interessantes!

Origem e Desenvolvimento da Simetria Pentâmera nos Echinodermata

Assim como os deuterostômios de maneira geral, o desenvolvimento dos Equinodermos inclui origem enterocélica das cavidades celômicas, clivagem radial e desenvolvimento regulador.

Para cada grupo de Equinodermos, a diplêurula planctotrófica adota uma morfologia única, ainda assim, em contraste com a simetria radial do adulto,  todos apresentam simetria bilateral.

Os padrões da metamorfose dos Equinodermos diferem em cada grupo e até mesmo entre espécies em torno do novo eixo, por esse motivo, é complicado generalizar. Esse processo inclui duas etapas principais, uma torcedura ou torção do corpo em torno do novo eixo e uma mudança do eixo do corpo.

Há pouca dúvida de que a mudança na simetria do corpo ao longo do desenvolvimento reflita uma mudança evolutiva similar no passado remoto, ainda que os detalhes da metamorfose difiram entre os grupos de Echinodermata.

Echinodermata

A explicação para a simetria pentâmera dos Equinodermos é que o Equinodermo ancestral era um animal suspensívoro séssil, mesmo vindo de um bilatério que se deslocava de forma livre. São características primitivas de equinodermos retidas pelos crinóides viventes a alimentação de partículas e a vida séssil.

A volta secundária dos Equinodermos outrora sésseis à motilidade é o passo final no cenário evolutivo. Atualmente, favorecendo a simetria bilateral, todos os principais grupos viventes são parcialmente móveis. Porém, poucos Equinodermos adotaram a simetria bilateral novamente.

Outras Características Interessantes Sobre os Echinodermatas

Além de saber Como Explicar a Simetria Radial em Echinodermata, não perca outras características sensacionais sobre esses animais!

Estrutura corporal: Seus corpos são formados por um disco central achatado e para formar os braços, dele saem cinco raio. Envolta por um tecido membranoso macio, a boca fica na parte ventral do disco. O sistema ambulacral (ou vascular) está localizado na ponta de cada braço e pode apresentar espinhos móveis a sua volta para proteção.

É possível encontrar minúsculas pedicelárias (estruturas com formato de pinça movimentadas por músculos) nos espinhos que estão localizados na parte dorsal. Relacionadas com a respiração, temos as pápulas, que nada mais são do que projeções da cavidade celômica que se estendem entre os ossículos.

Formado por placas calcárias ou ossículos que se mantém juntos pela ação do tecido conjuntivo de colágeno, temos o endoesqueleto, que fica localizado abaixo da epiderme. Variando entre o estado sólido e líquido a mando do sistema nervoso, esse tecido  faz com que os animais modelam suas formas sem gastar energia.

Sistema circulatório: O sistema circulatório dos Equinodermos é conhecido como hidrovascular. Ele é formado pelos ossículos, pés e canais ambulacrais. Na parte dorsal do animal pelo madreporito, se dá a abertura externa do sistema. A água chega ao canal radial e a partir daí é levado para as vesículas e para cada um dos braços, que regulam a pressão interna do sistema e guardam o líquido. Canais laterais conectam os canais radiais com os pés ambulacrais, que são estruturas musculares ocas podendo ou não conter ventosas nas pontas.

Locomoção e mobilidade: Pressionado pelos músculos dos pés ambulacrais, o líquido da cavidade celômica se enrijeça e possa se movimentar. As ventosas ajudam na fixação em substratos rígidos como rochas.

 Sistema digestivo: A boca é acompanhada pelo esôfago e estômago que se encontram no disco central dos animais. Para ajudar na captura de alimentos, a parte mais baixa do estômago, o estômago cardíaco, pode ser revertida para o meio. Enquanto isso, conectada aos cecos pilóricos, (glândulas digestivas), se encontra a parte mais alta do estômago, o estômago pilórico. A digestão é normalmente extracelular, porém também pode acontecer de forma intracelular nos cecos pilóricos. A partir do cecos continua o intestino e então o ânus com uma abertura dorsal.

 Sistema respiratório e excretor: Também é formado pelas estruturas que constroem o sistema ambulacral. A excreção da amônia e a troca gasosa acontecem através da difusão dos pés ambulacrais e nas paredes das pápulas.

Echinodermata Características

Sistema hemal: Acredita-se que esse sistema tenha relação com circulação dos fluidos corporais e  absorção de nutrientes, apesar de não ser exatamente definido pelos pesquisadores.

Sistema reprodutor: Através de uma fertilização externa, onde macho e fêmea liberam gametas no ambiente, ocorre a fertilização assexuada. Inclusive, essa reprodução pode acontecer a partir do destaque de um dos braços para algumas espécies. De forma indireta, passando pelo estágio larval, ocorre o desenvolvimento da maioria dos Equinodermos.

 Sistema nervoso: A partir de um anel nervoso que é formado por um nervo radial que tem em cada braço pela boca, temos o sistema nervoso. Esses sistemas são conectados a todos as demais estruturas do corpo a partir de um  conjunto de nervos. Os órgãos sensoriais são aqueles que se limitam a ocelos em cada braço e órgão táteis espalhados pelo corpo.

Sistemática: Existem cinco classes no filo Echinodermata: Holothuroidea (pepinos do mar),  Echinoidea (ouriços), Ophiuroidea (serpentes do mar), Asteroidea (estrelas do mar) e Crinoidea (lírios do mar).

Classificação Cientifica

  • Domínio: Eukaryota
  • Reino: Animalia
  • Sub-reino: Eumetazoa
  • Superfilo: Deuterostomia
  • Filo: Echinodermata
  • Classes:
  1. Eleutherozoa
  2. Echinoidea
  3. Holothuroidea
  4. Ophiocistioidea
  5. Asteroidea
  6. Ophiuroidea
  7. Somasteroidea
  • Subfilo: Pelmatozoa e Crinoidea

Veja também

Alimentação do Castor: O que Eles Comem?

Os castores são mamíferos, roedores, de hábitos semi-aquáticos, conhecidos pela curiosa habilidade para construção, inclusive …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *