Home / Plantas / Principais Doenças do Alecrim e Fungos: Como Resolver?

Principais Doenças do Alecrim e Fungos: Como Resolver?

O alecrim é uma planta que teve origem no mediterrâneo e atualmente é extremamente famosa no Brasil, principalmnete por conta da grande abrangência de uso dela, indo desde o uso medicinal até os cosméticos e na responsabilidade para produção do mel, já que ele é uma planta melífera.

Essa é uma planta que gosta de ambientes quentes, sendo que o ápice de seu desenvolvimento ocorre em locais considerados secos, principalmente em terra com aspecto arenoso rica em calcário; isso significa que você não pode molhar muito o alecrim.

Além de tudo isso, a tradição diz que o alecrim é uma planta que tem a capacidade de espantar pragas da plantação, o que significa que ele funciona como um protetor das plantas ao redor dele, sendo por isso muito utilizado em jardins.

Porém, a verdade é que até mesmo o alecrim pode acabar atraindo uma doença ou fungos para si, e nesse caso você precisa saber o que fazer para que o seu alecrim se cure logo e as plantas ao redor dele não fiquem desprotegidas. Por isso, vamos ver agora doenças que afetam o alecrim e como resolver o problema.

Doença Oídio

O oídio é também conhecido pelo pó branco e pode também afetar plantações de soja. Essa é uma doença causada pelo parasita Erysiphe diffusa extremamente comum no Brasil.

É muito simples perceber se o seu alecrim ou qualquer outra planta está sendo afetado pelo parasita ou não: quando a planta está com oídio, uma penugem ou manchas brancas aparecem nas folhas, e é por isso que a doença também é conhecida como pó branco.

Doença Oídio

Esse parasita é bem mais comum em áres úmidas, já que os fungos gostam de umidade; além disso, ele tende a ocorrer mais durante a estação da Primavera por conta dos dias quentes com muita chuva, que criam uma condição perfeita para o parasita.

Caso você tenha percebido essa doença no seu alecrim, não se preocupe! Existe uma solução para a doença e até mesmo formas de evitá-la.

Oídio – Como Resolver

Como dissemos, você pode tanto prevenir quanto remediar o oídio. Por isso, primeiro vamos ver como prevenir que a doença apareça nas suas plantas.

  • Prevenção

A prevenção deve ser feita evitando umidade excessiva na planta. Dessa forma, você deve molhar o alecrim apenas pela terra e nunca jogar água na planta; isso fará com que ela não fique úmida, criando um ambiente não tão bom para o parasita.

Além disso, deixar uma planta mais separada da outra é uma ótima ideia, pois assim seu alecrim poderá ter maior circulação de ar ao redor e isso também evita a umidade.

  • Cura

Caso seu alecrim já esteja com oídio, também há uma solução; e quanto mais cedo você cuidar da planta, melhor e mais fácil será! Por isso, você deve fazer uma mistura feita de bicarbonato de sódio – siga o passo a passo.

  1. Pegue 4L de água e 1 colher de sopa de bicarbonato de sódio;
  2. Misture os dois ingredientes e coloque 2 gotas de detergente (aquele usado para lavar a louça);
  3. Misture os ingredientes e adicione 1 colher de chá de algum óleo vegetal de sua preferência. Misture bem tudo e adicione a um recipiente spray;
  4. Pulverize seu alecrim (também nas folhas) até que a planta melhore.

Essa solução irá alterar o pH da planta e vai acabar com a doença.

Fungo Rhizoctonia

Além de oídio, o alecrim também pode sofrer com a ação do fungo Rhizoctonia. Diferente da doença anterior, esse fungo não ocorre diretamente na planta por meio de um parasita, mas aparece no solo e acaba atingindo o alecrim.

Fungo Rhizoctonia

Assim, o alecrim que está sob ação desse fungo tende a ficar sem vida, murcho e apodrece. Nesse caso, a única alternativa para o alecrim seria prevenir a ação de futuros fungos na plantação, já que a planta morta muito provavelmente não irá melhorar.

Fungo – Como Resolver

Caso o alecrim ainda esteja podre mas não esteja morto, você pode utilizar a mistura que demos anteriormente, já que ela também irá ajudar a alterar o pH da planta podre e fará com que o seu alecrim comece a melhorar.

Caso o alecrim já tenha morrido, a única coisa que você pode fazer é prevenir novos ataques de fungos à sua planta, e é isso que vamos te ensinar agora.

Utilizar ingredientes caseiros é uma das melhores maneiras de cuidar do seu alecrim, já que todo o processo sairá barato e você também não irá encher a sua planta de produtos químicos, o que a longo prazo acaba sendo ruim.

Por isso, já te passamos uma receita de bicarbonato de sódio e agora passaremos uma de alho, ambos são ingredientes que todos temos em casa e com certeza essas receitas serão muito úteis. Siga o passo a passo:

  1. Amasse duas cabeças de alho sem casca inteiras;
  2. Adicione 3 colheres de sopa do óleo vegetal que você preferir;
  3. Misture bem e deixe essa mistura descansando por um dia;
  4. Pegue a mistura após 24 horas e adicione 2 colheres de chá de melaço de cana;
  5. Misture tudo isso e adicione em 1 litro de água ou a quantidade necessária para diluir tudo;
  6. Aplique no seu alecrim até que ele fique melhor, essa receita também pode ser utilizada em outras plantas.

Essa receita também é essencial para quem quer ter uma horta sauvádel e livre de fungos, por isso com certeza vale a pena testar e ver a qual você se adapta mais para cuidar do seu alecrim.

Você já conhecia alguma dessas receitas? Sabia como cuidar do seu alecrim que acabou ficando doente com ingredientes caseiros? Qual receita você irá utilizar na sua plantação de alecrim? Conta para a gente pois queremos saber qual foi sua experiência com as receitas!

Quer saber um pouco mais de informações sobre plantações e cuidados que você precisa ter com suas plantas e não apenas com o alecrim e não sabe onde encontrar bons textos? Não tem problema, temos o texto para você! Leia também em nosso site: Árvore de Morango: Plantação de Pés de Morango e Dicas

 

Veja também

Boca-de-Leão

Flor Boca-de-Leão: Significado e Por que do seu Nome

A boca-de-leão é uma planta angiospérmica pertencente à família Plantaginaceae. Seu nome científico é antirrhinum …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *