Home / Plantas / Existe Ameixa Para Clima Quente? Quais Tipos e Variedades?

Existe Ameixa Para Clima Quente? Quais Tipos e Variedades?

Não há o que se possa chamar exatamente de um tipo ou variedade de ameixa de clima quente. O que há são variedades que conseguem tolerar melhor temperaturas mais elevadas, como as variedades Kelsey, Reubennel, Japonesas, entre outras, que vão bem em temperaturas superiores a 10°C.

Como se sabe, clima e solo são fatores essenciais para o desenvolvimento de ameixas. Estas podem ser atingidas de forma estrutural na qualidade dos seus frutos, tempo de maturação, surgimento das inflorescências, resistência a pragas, entre outras características que fazem toda a diferença em uma variedade comercial.

Logo, para o bem desse tipo de cultura, você terá que certificar-se da possibilidade de que no local ocorram geadas (consideradas fatais para esse tipo de cultivar), temperaturas abaixo de 8°C, de que o solo seja mais para o argiloso, entre outras necessidades exigidas pela maioria das variedades conhecidas no mundo.

Já para os tipos e variedades de ameixas de clima mais quente, também recomenda-se o plantio em locais que não sejam atingidos por geadas, com poucas horas de frio durante o dia, com alguma incidência de sol, boa luminosidade, entre outras características que podem ser encontradas com maior facilidade nos estados de Minas Gerais e São Paulo.

O clima ideal para esse tipo de espécie (de clima quente) é, portanto, aquele com verões secos e quentes, outono/inverno ameno, primavera agradável, com ausência de geadas, umidade, chuvas de granizos e nevoeiros (que dificultam a polinização e facilitam o desenvolvimento de fungos), entre outras características.

Mas o objetivo dessa artigo é fazer uma lista com alguns desses tipos ou variedades de ameixas que toleram bem um clima mais quente. São variedades mais rústicas, e que por isso mesmo possuem a característica de serem mais resistentes a condições adversas.

1.Ameixa Reubennel

Essa variedade de ameixa é uma dessas que podemos chamar de rústicas, capazes de produzir bem em um clima frio ou mais quente, em um solo arenoso-argiloso ou silico-argiloso, em vasos, canteiros, áreas abertas; além de serem mais resistentes a alguns dos micro-organismos patológicos mais comuns nesse tipo de cultivar.

As ameixas Reubennel apresentam uma coloração externa entre o vermelho e o amarelado, com polpa amarelo-ouro, um sabor da mesma forma intenso e encorpado; e ainda com a característica de ser uma das mais suculentas entre as espécies desse inconfundível gênero Prunus.

2.Prunus Salicina L.

Essa é uma variedade de ameixa típica dos climas mais quentes – também conhecida como “ameixa-japonesa”. E uma curiosidade sobre ela é que tudo indica que seja originária da China – onde tornou-se uma das mais importante nesse gênero – , e que há vários séculos atrás foi exportada para diversos países asiáticos, inclusive o Japão, onde acabou tornando-se, curiosamente, mais famosa, a ponto de ser apelidada de “Japonesa”.

A principal característica da Prunus Salicina L. É não tolerar bem temperaturas muito frias (abaixo de 7°C); sendo, por isso mesmo, uma das mais recomendadas para o cultivo comercial no Brasil, especialmente em estados com regiões mais quentes, como Minas Gerais e São Paulo.

3.Carmesin

A Carmesin é uma daquelas variedades de ameixas que são consideradas as mais produtivas, e apesar de não ser exatamente uma variedade de clima quente, está entre as que toleram temperaturas mais altas – acima dos 10°C.

A espécie é saborosíssima! e possui uma pele vermelho-escuro e uma polpa vermelho-intenso; e ainda é daquelas que desenvolvem-se rapidamente – não necessitando de mais do que 3 meses após a floração para desenvolver-se com abundância.

A variedade Carmesim geralmente é colhida entre o final da primavera e o início do verão (na região Sudeste), e chama a atenção pela sua polpa suculenta, grande quantidade de açúcar, além de ser bem mais encorpada do que outras variedades tão ou mais produtivas do que ela.

4.Roxa-de-Itaquera

A Roxa-de-itaquera apresenta polpa e casca vermelhas. Mas também é da mesma forma suculenta, macia e altamente produtiva.

O que se diz é que ela é a “queridinha” entre as variedades de ameixas plantadas no estado de Minas Gerais, muito em função da sua tolerância a temperaturas mais altas, resistência a parasitas e alta produtividade.

Ameixa Roxa de Itaquera

Mas também é famosa pela abundância de frutos, pois logo que chega a sua floração, não serão necessários mais do que 12 meses para que ela dê ameixas suculentas e saborosas em grande quantidade.

5.Kelsey

A kelsey é outro tipo ou variedade de ameixas para clima mais quente. Ela também está entre as variedades precoces; daquelas que são capazes de produzir entre 3 e 4 meses após a floração – que geralmente ocorre entre junho e julho, para a produção de frutos entre os meses de novembro e dezembro.

Essa é uma variedade com exterior de cor verde, polpa amarelada, com cerca de 5 cm de diâmetro cada fruto; e da mesma forma suculenta, doce e com textura agradabilíssima.

A ameixeira deve ser plantada com outras espécies polinizadoras, a fim de que ela possa produzir com maior vigor nos períodos de frutificação. Mas também responde adequadamente sem essa ferramenta, a depender da região e das características de clima e temperatura do lugar.

Condições de Cultivo Desses Tipos ou Variedades de Ameixas de Clima Quente

Para que essas variedades possam desenvolver as suas principais características, entre as quais, pouquíssimas calorias (cerca de 44 Kcal por 100g), altos níveis de fósforo, cálcio, ferro, carboidratos, proteínas e vitaminas do complexo B e C, é necessário que o produtor atente para algumas condições relacionadas com o seu cultivo.

É preciso saber, por exemplo, que elas preferem um solo silico-argiloso, silico-humífero ou silico-calcário; e de preferência que não retenha muita umidade.

Também será necessário dar preferência ao um plantio no inverno, geralmente entre os meses junho e agosto; cuidando ainda para que as mudas tenham um espaçamento entre 5 e 7cm entre as linhas e no máximo 5 cm entre as plantas.

Outra coisa importante a saber é que o produtor deverá dar preferência a mudas desenvolvidas por processo de enxertia, pois é a técnica que melhor garante o desenvolvimento da planta, de forma mais rápida e com frutificação em tempo recorde.

É importante também que a sua ameixeira seja submetida a podas regulares, começando por uma de formação, para logo após uma de frutificação, que é o que garante um desenvolvimento precoce dos frutos, mas sem perda de qualidade.

E, por fim, separe a colheita em duas fases: a primeira, com os frutos ainda em vias de amadurecimento, que são ideais para a comercialização, e a segunda, com os frutos totalmente maduros, a mais indicada para beneficiamento (produção de sucos, doces, compotas, geleias, entre outros).

E ainda atentar para algumas das principais pragas que acometem a ameixeira, que deverão ser combatidas a tempo, para o bem do desenvolvimento ulterior da planta.

Caso queira, deixe a sua opinião sobre esse artigo e aguarde as nossas próximas publicações.

Veja também

Arroz Selvagem: Pipoca, Calorias: Combina Com o Que?

O arroz selvagem pertence a um gênero de plantas monocotiledôneas da família do poaceae (a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *