Home / Animais / Raposa Tibetana ou Raposa da Areia Características e Fotos

Raposa Tibetana ou Raposa da Areia Características e Fotos

A raposa de areia tibetana (também conhecida como raposa tibetana ou raposa de areia), é uma espécie de raposa endêmica do planalto tibetano e das regiões vizinhas. Eles são caracterizados por sua face quadrada única, em oposição à face alongada da maioria das outras espécies de raposa. Eles têm uma população estática, mas são frequentemente caçados pelos habitantes locais por causa de sua pele.

Descrição Física e Características

O comprimento é de 50 a 70 cm, com comprimento de cauda de 29 e 40 cm. Eles pesam entre 3 e 6 kgs. Pés robustos e musculosos, ajudando-os a correr rapidamente quando necessário. O par de olhos é grande, longo, escuro e amendoado. Como a maioria das outras espécies, a cauda desta raposa é longa, espessa e toca o chão quando está de pé.

Diferentemente da maioria das outras espécies, essa raposa tem uma face quadrada bastante ampla e, portanto, o focinho também é relativamente mais curto do que muitas outras espécies. Seus crânios são projetados principalmente para o carnívoro. Os sexos parecem quase semelhantes, com os machos sendo um pouco mais encorpados do que suas contrapartes femininas.

Este animal é freqüentemente confundido com a raposa das estepes (vulpes corsac) e a raposa de Rüppell (Vulpes rueppellii), mas não pela aparência. Mas sim pela denominação popular porque todas as três espécies são comumente conhecidas como a “raposa-da-areia”. E tanto a raposa vulpes corsac como essa nossa raposa do artigo, vulpes ferrilata, também são ambas conhecidas como raposas tibetanas.

Altamente adaptada ao clima rigoroso de sua casa, a raposa está envolta em luxuosa pele cinza-dourada. (Seu nome em latim significa “lado cinza-ferro”.) É tão peludo, na verdade, que parece quase caricatural. A vida útil da raposa ainda não foi confirmada. No entanto, os pesquisadores acreditam que eles vivem por cerca de 8 a 10 anos na natureza.

As raposas de areia do Tibete estão amplamente distribuídas em todo o planalto tibetano, no planalto de Ladakh e em partes da China, Sikkim, Butão e Nepal. Essas raposas vivem em tocas em torno da base de grandes rochas, nas antigas linhas de praia, declives moderadamente baixos dos planaltos, estepes e áreas semi-desérticas.

Às vezes chamado de “teto do mundo”, o planalto tibetano é cercado por montanhas, incluindo o Himalaia, e sustenta uma população relativamente pequena de nômades pastoris. É significativo para os seres humanos que abriga as cabeceiras de muitos dos principais rios da Ásia, incluindo o Brahmaputra, o Yangtze e o Mekong.

Dieta e Comportamento

Filhotes de Raposa Tibetana
Filhotes de Raposa Tibetana

Sua principal presa da raposa tibetana é a pika do planalto (pika do platô, um lagomorfo). Eles também comem roedores, lebres lanosos, marmotas, lebres, coelhos, lagartos e pequenas aves terrestres. As raposas também vasculhariam as carcaças de diferentes animais. No entanto, eles também foram vistos consumindo frutas quando a comida é escassa. Eles comem até mesmo carniça deixada por lobos e ursos.

É a relação da raposa com a pika, especificamente a pika do platô (ochotona curzoniae), que é melhor estudada. De fato, a maioria das raposas tibetanas foi encontrada nas proximidades de colônias de pika.

Esses lagomorfos, parentes de coelhos, parecem ser suas espécies de presas preferidas, com estudos de fezes de raposa encontrando pika em quase todos eles. Quando os pikas são escassos, eles também comem eospalax fontanierii.

Assim como seu parente próximo (a raposa do Ártico), segue os ursos polares, as raposas-da-areia tibetana são conhecidas por seguir ursos-pardos (ursus arctos). No entanto, eles não esperam sua vez geralmente após a carniça, que é um último recurso para eles. Em vez disso, eles atacam os pikas que fogem dos ursos, que os desenterram suas tocas.

Esse relacionamento fica na fronteira entre o cleptoparasitismo e o mutualismo, pois o urso não ganha nada com o isso mais também não perde porque ele sabe que não pegaria os pikas fugindo de qualquer maneira.

As raposas de areia tibetanas não são muito territoriais. Muitas vezes é visto que vários pares estão vivendo em áreas próximas e compartilhando áreas de caça. Principalmente, um macho e uma fêmea saem para caçar juntos e compartilhar qualquer alimento que consigam pegar. Eles raramente são vistos desperdiçando sua comida, consumindo quase toda a presa. Se eles se sentirem ameaçados, eles retornarão aos seus esconderijos.

A combinação da cor amarelada e cinzenta do seu casaco ajuda-os a camuflar-se facilmente na vegetação do seu ambiente árido, rochoso e semidesértico. As orelhas triangulares e pontiagudas proporcionam uma melhor capacidade de audição para localizar qualquer perigo que se aproxime.

Curiosamente, a raposa-da-areia tibetana compartilha grande parte do seu alcance com a raposa vermelha de tamanho similar (vulpes vulpes). No entanto, como a raposa vermelha é um predador mais generalista e prefere caçar à noite, ao contrário dos hábitos crepusculares e ocasionalmente diurnos da raposa tibetana, parece haver pouca competição entre as duas espécies.

Reprodução e Ciclo de Vida

Raposa Tibetana Andando no Mato
Raposa Tibetana Andando no Mato

Pares que um dia acasalaram vivem juntos por toda a vida. No entanto, ainda não se sabe se um indivíduo procura outro parceiro quando um dos parceiros morre. Após um acasalamento bem-sucedido e um período de gestação de 50 a 60 dias, a fêmea dá à luz dois a quatro filhotes dentro da cova da família.

Os jovens filhotes ficam com o pai e a mãe até atingirem a idade de 8 a 10 meses. As tocas em que vivem as raposas da areia tibetana, muitas vezes têm quatro entradas, cada uma com 25 a 35 cm de diâmetro. À medida que as raposas crescem, elas deixam a toca dos pais para procurar seus parceiros, assim como seus próprios lares.

Ameaça de Extinção

Enquanto a IUCN lista as espécies como sendo de “menor preocupação”, sugerindo populações relativamente estáveis, e a CITES não se incomoda com uma menção, a raposa-da-areia tibetana está realmente em algum risco devido à sua dependência da pika.

Desde 1958, extensas campanhas do governo têm procurado envenenar o pika devido à noção de que seus hábitos de escavação degradam a pastagem usada para pastar gado. Felizmente, como a maioria desses esforços de envenenamento é realizada a pé por trabalhadores inexperientes, eles têm sido esporadicamente efetivos.

Embora possam ocasionalmente ser atacados por lobos e aves de rapina, uma de suas outras ameaças principais também parece estar relacionada com os seres humanos. Sabe-se que cachorros vadios e selvagens tomam raposas, que são substancialmente menores e, portanto, presas fáceis. Como se isso não bastasse, esses cães podem transmitir uma infestação fatal para os assentamentos humanos.

Raposas-das-areias tibetanas são as principais hospedeiras do parasita Echinococcus multilocularis ; pikas também podem servir como hospedeiros intermediários. Este céstodo causa a equinococose alveolar (AE) , uma doença na qual as tênias infectam o fígado e outros órgãos, danificando-as além do reparo, se não detectadas precocemente.

Pode ser fatal. Apesar de nenhum programa visar especificamente o controle de raposas devido ao risco que representam para os humanos como um vetor zoonótico, é uma situação que vale a pena ser monitorada.

Com sua incomum falta de territorialidade e tendência a acasalar por toda a vida, esse canídeo adorável é a matéria prima perfeita para uma produtora estilo Pixar, e está apenas esperando para ser “descoberta”.

Não vamos deixar que o que aconteceu com a quase extinta ararinha azul (cyanopsitta spixii), estrela da animação carioca desta produtora, aconteça com a raposa-da-areia tibetana. Seria uma pena precisar quase perder totalmente essa espécie antes que seus hábitos, e sua importância para o ecossistema, sejam totalmente conhecidos.

Veja também

História do Guepardo e Origem do Animal

Um dos felinos mais conhecidos do mundo, conhecido especialmente por sua velocidade, é o guepardo. …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *