Home / Animais / Cervos Classificações Inferiores, Espécies e Tipos

Cervos Classificações Inferiores, Espécies e Tipos

A família taxonômica Cervidae é formada por animais ungulados, artiodáctilos e ruminantes. Na qualidade de ungulados e artiodáctilos, possuem cascos nas patas e um número par de dedos.

Os ruminantes de modo geral são herbívoros adaptados para a digestão de matéria vegetal, através de intestinos longos, cecos bem desenvolvidos e uma cavidade extra no estômago. No entanto, os cervídeos se distinguem dos demais ruminantes, por apresentarem galhadas, e não cornos. Essas galhadas são estruturas ósseas, consideradas extensões do próprio crânio, e que podem ser encontradas apenas nos machos.

A família Cervidae possui uma ampla distribuição, sendo encontrada em todos os continentes, exceto na Austrália e na Antártida. Apresenta uma ampla variedade de espécies e gêneros, sendo que dentro da própria família também há categorizações menores em subfamílias e tribos.

Os cervídeos ainda possuem o simbolismo histórico e cultural de serem reconhecidos como animais de caça, no qual possuem a cabeça empalhada e exibida na sala de estar.

Neste artigo, você conhecerá um pouco mais sobre esses animais, com a descrição de algumas espécies e suas particularidades.

Então venha conosco e boa leitura.

Subfamílias de Cervos

Na família Cervidae, estão distribuídas duas subfamílias: a Cervinae e a Capreolinae.

Na subfamília Cervinae, há as tribos Muntiacini (conhecida como os cervos-de-topete ou muntjacs), formada por 2 gêneros e 13 espécies; e a tribo Cervinini (conhecida como os cervos-verdadeiros), formada por 11 gêneros e 35 espécies, sendo que 17 já foram extintas.

Sub Familia de Cervo Cervinae

Na subfamília Capreolinae, estão inclusas as espécies encontradas nas américas, a exemplo do cervo-do-pantanal e do veado-catingueiro. Possui duas tribos: a Capreolini (formada por 3 gêneros e 5 espécies) e a Rangiferini (formada por 7 gêneros e 32 espécies).

A tribo Rangiferini é bem mais abundante e abrange os chamados cervídeos e renas do Velho Mundo.

Cervos Classificações Inferiores: Hydropotes Inermis

Essa espécie pode ser chamada de hidrópote ou veado-d’água chinês. Possui pequena altura ao nível da cernelha (ou seja, de aproximadamente 45 a 55 centímetros); comprimento entre 75 a 100 centímetros; cauda de 6 a 7,5 centímetros; e peso variando entre 9 a 14 quilos.

Uma das características que os distinguem dos demais cervídeos é que o macho não possui galhadas. No entanto, há outras estruturas utilizadas para sua defesa, como é o caso de dentes caninos superiores bastante compridos que chegam a ultrapassar o maxilar inferior, podendo chegar até mesmo ao queixo. Esses caninos também são utilizados para luta no período do acasalamento.

Apresenta a pelagem corporal predominantemente castanha, com exceção do ventre e contorno dos olhos e focinhos, os quais apresentam pelagem branca.

Apresentam uma expectativa de vida estimada em 10 a 12 anos. São animais nativos da China e da Coréia, embora estejam atualmente em situação de vulnerabilidade.

Cervos Classificações Inferiores: Dicrocerus elegans

Essa espécie já está extinta, desde o período do Plioceno. Seus registros fósseis foram encontrados na França. Acredita-se que sua origem seja asiática, visto que os cervos ancestrais teriam surgido e se desenvolvido neste continente.

O Dicrocerus e. habitava as florestas existentes no cinturão temperado e na Europa, durante o Mioceno (período estimado em 10 a 5 milhões de anos atrás).

Cervo Dicrocerus Elegans
Cervo Dicrocerus Elegans

Possuía 70 centímetros de altura ao nível do ombro (tamanho correspondente ao encontrado em muitos cervídeos da atualidade). Os chifres eram bastante primitivos e com uma base muito espessa.

Cervos Classificações Inferiores: Mazama temama

Esta espécie é um cervídeo sul-americano encontrado em toda a América Central e na faixa que se estende do Sul do México ao Noroeste da Colômbia.

Por muito tempo essa espécie foi considerada como uma subespécie da Mazama americana; no entanto, um estudo comparativo em relação à quantidade de cromossomos apontou que a M. temama possui 50 cromossomos, enquanto que a M. americana possui entre 68 e 70.

É uma espécie que está ameaçada em decorrência do desmatamento e da caça.

Cervos Classificações Inferiores: Elaphodus cephalophus

Esta espécie é conhecida pelo nome de cervo-de-topete, e está restrita às florestas montanhosas situadas acima de 4.500 metros ao nível do mar.

Uma característica marcante da espécie é o tufo de pêlos pretos situados na testa, além dos dentes caninos proeminentes que podem ser encontrados nos machos.

Mesmo sendo vítima da caça e perda de hábitat, esta espécie não está em risco de extinção.

Possui quatro subespécies reconhecidas, as quais se distinguem pelo tamanho e padrão de coloração na pelagem, são elas: o Elaphodus cephalophus cephalophus (considerada a maior de todas), o Elaphodus cephalophus michianus, o Elaphodus cephalophus ichangesis e o Elaphodus cephalophus forciensus.

Cervos Classificações Inferiores: Gênero Muntiacus

Esses pequenos cervos, também conhecidos como cervos-latidores ou muntjacs, são os veados mais antigos do planeta. Seus fósseis datam do Mioceno, e já foram encontrados na Polônia, Alemanha e França.

As espécies atuais são nativas o Sul da Ásia, podendo ser encontradas em Taiwan, na Índia, no Sri Lanka, na Indonésia, no Myanmar, em algumas áreas do Japão e do Himalaia inferior.

Uma pequena população de muntjacs está presente na Inglaterra, sendo constituída por descendentes de fugitivos.

Uma particularidade do gênero é que não há período de cio, logo o acasalamento pode ocorrer em qualquer época do ano. Essas espécies possuem entre si uma drástica variação cromossômica. O menor número de cromossomos é registrado para o muntjac-indiano (o qual possui 7 cromossomos, no caso do macho; e 6 cromossomos, no caso das fêmeas).

Os chifres dos machos são considerados curtos, e possuem a capacidade de regredir ainda mais durante a vida.

*

Agora que você já conhece bastante sobre os cervídeos, a ampla categorização taxonômica da família e a listagem de algumas espécies (especialmente de algumas evolutivamente inferiores), continue conosco e visite também outros artigos do site.

Aqui há muito material de qualidade nos campos da zoologia, botânica e ecologia de modo geral, especialmente dedicado aos apaixonados pelas ciências biológicas.

Então, divirta-se e até as próximas leituras.

REFERÊNCIAS

BENES, J. Prehistoric Animals and Plants. Pg. 240. Prague: Artua, 1979;

GRUBB, P. (2005). WILSON, D.E.; REEDER, D.M. (eds.), ed. Mammal Species of the World 3 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press. pp. 652–661;

Wikipédia. Cervidae. Disponível em: < https://pt.wikipedia.org/wiki/Cervidae>;

Wikipédia. Elaphodus cephalophus. Disponível em: < https://pt.wikipedia.org/wiki/Elaphodus_cephalophus>;

Wikipédia. Muntiacus. Disponível em: < https://pt.wikipedia.org/wiki/Muntiacus>.

 

 

Veja também

Quais São os Primeiros Sintomas de Parvovirose?

Parvovirose é o pior pesadelo de qualquer cachorro, especialmente filhotes. Em questão de dias, um …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *