Home / Plantas / Tudo Sobre o Cogumelo: Características, Nome Científico e Fotos

Tudo Sobre o Cogumelo: Características, Nome Científico e Fotos

Os cogumelos são um dos alimentos mais amados pela capacidade de cultivá-los e porque são um dos produtos mais utilizados na cozinha. Existem dezenas e dezenas de espécies de cogumelos, mas nem todos são comestíveis. Vamos descobrir quais são as melhores para levar para a mesa e quais propriedades nutricionais elas contêm.

O que São e de Onde Vêm?

Existem muitas variedades de cogumelos, cada um com suas próprias características e seu gosto particular. Mas o que são cogumelos realmente? Também chamados micetos, são um reino de organismos eucarióticos, unicelulares e multicelulares, aos quais também pertencem leveduras e fungos.

Sua classificação científica é incerta porque eles têm características comuns a diferentes tipos de “reinos” (compartimentos taxonômicos usados ​​para classificar elementos naturais), mas fazem parte de um domínio próprio.

Cogumelos em todo o mundo são famosos há séculos, não apenas pelo sabor, mas também como remédio natural para vários problemas, principalmente na medicina natural chinesa. Mas que valores nutricionais eles têm e quais benefícios eles têm para o seu corpo?

Valores Nutricionais do Cogumelo

As calorias e os valores nutricionais dos cogumelos variam de acordo com o tipo. Tomando cogumelos porcino como exemplo – talvez o mais amado de todos – 100 gramas de produto contêm 26 calorias. Além disso, eles têm 92 g de água, 1 g de carboidratos, 3,90 g de proteína, 0,70 g de gordura e 2,50 g de fibra.

Os com menos calorias são cogumelos de campo (20 calorias por 100 gramas) que contêm menos gordura, mas também menos carboidratos, menos proteínas e menos fibras. O mesmo acontece com os champignon (22 calorias ), que, no entanto, têm um nível ligeiramente mais alto de gordura e proteína (0,1 g 2,5 g). De qualquer forma, o nível de gordura é bastante insignificante: são alimentos ideais para quem está em dieta.

No caso de cogumelos porcino, de modo mais geral, eles contêm proteínas que têm um alto valor biológico: são ricos em aminoácidos essenciais, embora não contenham todos eles, como acontece com as proteínas animais. Em particular, eles são ricos em lisina e triptofano , dois aminoácidos muito importantes para a regeneração adequada de suas células.

Importante é a contribuição de sais minerais, incluindo selênio, cálcio, fósforo, magnésio, ferro e potássio. O nível de vitaminas também é bom, principalmente os do grupo B: entre eles, encontra-se a vitamina B3, que serve para manter o sistema nervoso saudável e oxigenar o sangue. Mas eles também são ricos em vitamina B2, essencial para a produção de glóbulos vermelhos e metabolismo.

Propriedades Benéficas dos Cogumelos

Graças às suas propriedades nutricionais, os cogumelos oferecem diferentes benefícios à saúde do seu corpo. Aqui está o que:

Eles são úteis para a saúde do sistema imunológico: Eles sempre foram considerados um antibiótico natural, graças à sua capacidade de reequilibrar o sistema imunológico. Esta função moduladora é realizada, principalmente, pelos polissacarídeos contidos nos cogumelos, capazes de suprimir o sistema imune quando é sobre-estimulada pela alergias ou inflamação ou, inversamente, para estimular a que quando se está em condições de deficiência devido a, por exemplo, infecções crônicas;

É ideal para perder peso, mas também para melhorar sua aparência: Graças ao selênio e antioxidantes que eles contêm, ajudam a melhorar a saúde das unhas, cabelos e dentes. Além disso, o selênio suporta a produção de hormônios da tireoide que controlam o metabolismo;

Melhoram o sistema nervoso e o metabolismo: As vitaminas que eles contêm, em particular B2 e B3, ajudam o sistema nervoso e o metabolismo a funcionar corretamente. Mas os cogumelos também são uma fonte de vitamina D, uma vitamina muito rara , que tende a ser consumida quase exclusivamente com a exposição ao sol.

Um estudo realizado por uma Universidade revela que comer 100 gramas de cogumelos (cerca de três ou quatro), depois de expô-los ao sol por pelo menos uma hora, permite que você tome toda a vitamina D necessária em um dia;

Por fim, graças aos antioxidantes que possuí, o cogumelo ajuda a combater o envelhecimento precoce e a prevenir doenças cardiovasculares e a limitar o acúmulo de colesterol nas artérias.

As Espécies Mais Comuns de Cogumelo

Os cogumelos que podem ser encontrados no mercado podem ser cultivados ou nascidos espontaneamente e depois coletados por entusiastas da micologia (a ciência que os estuda). Existem tantos tipos que você pode usar na cozinha. Entre os cogumelos comestíveis mais utilizados, encontramos:

Cogumelos de campo: Subdivididos em cogumelos de menor porte ( Agaricus campestris ) e maiores em cogumelos de campo ( Agaricus arvensis). Cogumelos cultivados são os mais comuns na cozinha e são chamados champignon;

Agaricus Arvensis

Porcino (boletus edulis): Considerados os “reis” dos cogumelos, porque os mais valiosos de todos são muito comuns na Europa, Ásia e América do Norte, enquanto na parte sul do hemisfério foram introduzidos pelo homem;

Boletus Edulis

Pioppino ou piopparelli (cyclocybe aegerita): Reconhecíveis graças ao seu caule cilíndrico e cônico e à pequena “cabeça”, eles têm uma carne branca, macia na tampa e um pouco mais calejada no caule. É uma espécie bastante adaptável, que se presta muito bem ao cultivo;

Cyclocybe Aegerita

Chiodini ( armillaria mellea): Eles estão talvez entre os cogumelos comestíveis mais conhecidos, graças à carne firme e fibrosa e ao sabor levemente amargo. Nesse caso, é apenas o chapéu que é comestível, pois as hastes são particularmente indigestas, embora não perigosas;

Armillaria Mellea

Óvulos ( amanita caesarea): Estes cogumelos finos, graças à carne tenra e delicada, são frequentemente comidos crus, em saladas;

Amanita Caesarea

Finferli ( cantharellus cibarius): Reconhecíveis pelas lamelas irregulares da mesma cor do chapéu, são frequentemente inseridas na mistura de cogumelos que você encontra no mercado;

Cantharellus Cibarius

Tambores (macrolepiota procera): Chamados assim por causa de seu chapéu levemente achatado, eles não são consumidos por completo: o caule, de fato, é fibroso e não muito saboroso.

Macrolepiota Procera

Estes são apenas alguns dos tipos mais conhecidos. De fato, a caxumba (pleurotus ), a língua de boi (fistulina hepatica), o prugnoli (calocybe gambosa) e muitos outros também estão disponíveis comercialmente e para a floresta.

Cuidados Quanto a Cogumelo

O consumo de cogumelos tem de ser com moderação, impreterivelmente e por uma razão muito importante: todos os cogumelos embora classificados como comestíveis, possuem toxicidade, podem envenenar e até matar  dependendo de alguns fatores e espécies, mas todos possuem um mínimo de toxinas. O efeito vai de indivíduo para indivíduo e alguns podem, inclusive, tornar-se intolerantes.

Não podemos desconsiderar também que sua membrana celular contém quitina, um componente capaz de incomodar uma digestão saudável. Na verdade, até hoje são muito pouquíssimas as espécies de cogumelos que são recomendáveis para um consumo in natura, crus, em saladas por exemplo. No geral, é sempre recomendável o bom cozimento do cogumelo.

Vale enfatizar que, só mesmo com o cozimento adequado desses cogumelos para conseguir minimizar ou mesmo neutralizar suas toxinas. De qualquer outro modo isso não ocorre e o efeito tóxico pode ser devastador pra um desavisado.

Colheita de Cogumelos

Existem muitos curiosos na ciência da micologia: nos melhores dias, se você mora perto de uma floresta, pode vê-los revisando o terreno para procurar essas iguarias. A colheita de cogumelos selvagens deve ser feita cuidadosamente: sem um conhecimento adequado, de fato, você corre o risco de causar muitos danos a saúde.

Inicialmente para seu organismo: o consumo errado de cogumelos pode trazer, no mínimo, uma boa intoxicação alimentar; Além disso a busca desenfreada e indevida de cogumelos pode prejudicar o ecossistema onde o colheu pois nem todos devem ser retirados de onde estão e nem todos muitos menos servem pra ser comidos.

Espécies não Comestíveis de Cogumelos

Existem tantas espécies não comestíveis e seria impossível listá-las. Entre os mais comuns, temos o Amanita: o Amanita muscaria, por exemplo, também chamado de “ovo do mal” ou “cogumelo da Branca de Neve”, é um dos mais bonitos cogumelos venenosos da madeira, devido à cor rosa-avermelhada e coberto com pelotas brancas;

Também tem o amanita pantherina é um cogumelo venenoso muito comum, com uma maior concentração de toxinas em comparação com o muscaria;

Amanita phalloides, também conhecidos como esverdeada amanita, é o fungo mais perigoso entre aqueles conhecidos, devido à sua alta taxa de veneno que causa a morte em quase todos os casos. Muitas vezes é confundido com cesarea amanita, que é ovolo, porque se assemelha a esse tipo de fungo quando ainda está na fase de crescimento;

Também há Amanita verna, igualmente perigoso e facilmente confundido com cogumelos de campo, ou Amanita vitrosa, muito semelhante aos faloides.

É praticamente impossível conhecer todos. Quando você não tem certeza do que coletou, é essencial levar sua cesta de cogumelos a algum ministério da saúde mais próximo para que eles sejam verificados. Os resultados de uma colheita superficial podem ser mortais.

O que Fazer ao Surgir Riscos?

Se é verdade que os benefícios dos cogumelos são muitos, é igualmente verdade que pode haver riscos de comê-los. O mais comum é a intoxicação, mas é bom saber que pode haver duas causas: a ingestão de cogumelos venenosos ou o consumo de cogumelos comestíveis, mas quebrados ou infestados.

Os sintomas são os de uma intoxicação alimentar comum, depois vômitos, diarreia, dor abdominal, náusea, febre, sudorese, manchas vermelhas na pele até alucinações, hipertensão e dores de cabeça. Muitos pensam que o leite tem um poder desintoxicante, mas isso não é verdade.

A coisa a fazer imediatamente é ir a um centro de controle de intoxicações que identificará os cuidados mais adequados. É muito importante trazer os restos do fungo ingerido para permitir que os médicos identifiquem as espécies.

Lembre-se também de que os cogumelos no óleo podem ser igualmente perigosos, pois o armazenamento insuficiente pode causar o desenvolvimento de Botox. Para evitar que isso aconteça, se você quiser experimentar a preparação de cogumelos em óleo, é necessário lavá-los completamente e fervê-los com água e vinagre antes de colocá-los na jarra, que deve ser bem esterilizada.

Tipos de Intoxicação por Cogumelo

O que não falta são situações que resultam em intoxicações por cogumelos. Mesmo os comestíveis podem causar esse efeito dependendo da espécie, do modo que foi preparado ou da quantidade ingerida. É importante estar muito bem equipado de informações sobre o cogumelo que pretende comer para evitar desagradáveis surpresas. Algumas intoxicações clássicas que ocorrem são:

Problemas gastrointestinais: cogumelos podem afetar violentamente o intestino, envenenando-o e atrapalhando o perfeito funcionamento do mesmo. Embora dificilmente seja fatal e resulte em mais do que vômitos e diarreia, é importante dar especial atenção a esse envenenamento em pessoas mais sucetíveis, como crianças e idosos.

Toxicidade neurológica: esses efeitos podem até demorar a acontecer mas serão desastrosos, comprometendo o bom funcionamento do sistema nervoso. Pessoas envenenadas assim podem enfrentar espasmos, dores de cabeça ou outras dores, bem como contrações musculares. Outra situação correspondente é o efeito alucinógeno que ocorre no consumo de alguns destes alimentos, o que pode ocorrer consequências e danos.

Envenenamento citopatológico:  esse é considerado o pior dos casos sintomáticos porque envolve toxinas letais. Determinados cogumelos, especialmente do gênero amanita possuem toxicidade assim capaz de comprometer órgãos vitais como pâncreas, rins e fígado. Há casos que levaram pacientes à morte em poucas horas após a ingestão.

Como Consumir Cogumelo com Segurança

Então, se apesar dos riscos, decidir experimentar, esteja atento aos conselhos de especialistas quando adquirir seus cogumelos para consumo. Compre de fontes confiáveis, mesmo que seja nos pequenos comércios mais próximos a sua residência. Não se deixe seduzir por ofertas promocionais, principalmente de ambulantes que não conhece. O mesmo cuidado e verificação que faz ao comprar legumes, frutas e verduras, é preciso ter ao comprar cogumelos, analisando sua qualidade, textura, etc.

Muitas ofertas no mercado são feitas em embalagens devidamente fechadas e identificadas, e devem possuir bem visível as etiquetas que comprovam a procedência do produto  e certificações de controle exigidos pelo órgão regulador de seu país.

Diferentes de outros produtos alimentícios naturais, os cogumelos sempre precisarão ser cozidos por tempo e calor suficientes para minimizar possíveis toxinas. Não limite-se a apenas fritas ou cozir no vapor, por exemplo. Algumas das toxinas de cogumelos são termoestáveis e o cozimento deve respeitar o tempo e intensidade de calor ideal para neutralizar possíveis efeitos negativos. Acima de tudo, mesmo com todos os cuidados de preparação, não exagere comendo demasiadamente.

Limpeza e Conservação de Cogumelos

O ideal é comprar e consumir logo, de preferência no mesmo dia. É recomendável guardar alimento tão delicado e perecível? Afinal, cogumelos não deixam de ser fungos e, portanto, deterioram, e seu processo degradante multiplicará suas toxinas.

Apesar dos riscos, é possível guardar sim. Faça isso em potes fortes mas ventilados. Guarde em geladeiras idealmente mas não pense que durará muito tempo (no máximo três dias). Insistimos em dizer que o melhor é consumir o quanto antes.

Tudo começa a partir da compra, antes de qualquer coisa. Nunca compre cogumelos com aparência suspeita, velhos, mofados, etc. Repare bem na embalagem onde estiverem acondicionados se não há mofos ou água no fundo. E, como já dissemos antes, não compre de pessoas desconhecidas oferecendo cogumelos sem procedência confirmada. Prefira lugares confiáveis que são certificados como vendedores de produtos de qualidade.

Quando escolher seus cogumelos e levar pra casa, não lave. Existem meios específicos de remover as impurezas de cogumelos, tipo escovinhas. Água apenas se os cogumelos estiverem muitos sujos e, nesse caso, limite-se a um rápido jato d’água. Cogumelos absorvem água com muita rapidez e facilidade e isso não é bom.

Cogumelos na Cozinha

Os cogumelos são muito versáteis na cozinha e podem ser usados ​​de várias maneiras. Alguns podem ser usados ​​crus, como cogumelos ovoli ou champignon, sempre com moderação. A previsão é sempre comprá-los de um revendedor confiável e verificar se estão perfeitamente intactos.

https://www.youtube.com/watch?v=vTm9F_Y8Ru4

Geralmente, são feitos em saladas, marinadas com limão ou com vários tipos de suco cítrico, como na salada de cogumelos, rúcula e parmesão que oferecemos. Mas os cogumelos combinam muito bem com as batatas, para criar sopas e aveludados, com macarrão e risoto, como na receita dos cogumelos, ravioli de espinafre e sálvia.

você pode usá-los também como acompanhamento, grelhando-os ou como prato principal, criando deliciosos pãezinhos.

Mais Tipos de Cogumelo

Coprinus comatus: Seus nomes comuns são “fungo de tinta” ou “tampa fechada”. Vem do grego ‘kòpros’ relacionado ao esterco, para o habitat em que cresce; também tem relação com o latim ‘comatus’: com a coroa, para os grandes flocos peludos.

As lamelas são muito densas, inicialmente brancas, depois na maturidade negra, até que se tornem um líquido semelhante à tinta. A haste é comprida e delgada, de 10 a mais de 30 cm, facilmente separável do chapéu, branca quando está vazia por dentro. Um minuto, anel membranoso branco está presente, que fica preto devido a esporos.

Carne não muito grossa, macia na tampa, fibrosa no caule, branca com um cheiro forte, mas agradável. A Coprinus comatus cresce um pouco em todos os lugares onde há solos fertilizados, jardins, hortas, gramados, estradas, terrenos não cultivados. Frequente em todas as estações, mesmo em grupos de numerosos indivíduos.

É razoavelmente comestível, desde que sejam utilizados apenas chapéus de espécimes jovens, com brânquias ainda completamente brancas.

Observações: é comestível, mas dado o tamanho pequeno da carne, um cozimento prolongado não é recomendado. Amostras maduras não devem ser usadas, pois podem causar distúrbios gastrointestinais.

Cortinarius praestans: seu nome comum é “cortinário bonito”, e o cientíico vem do latim ‘cortina’: cortina, franja, para o véu da cortina; do latim ‘praestans’: imponente, para a aparência do cogumelo.

As lamelas são bastante grossas, barrigudas, acinzentadas, esbranquiçadas, sujas com nuances violetas e depois argila marrom, finalmente cor de ferrugem, com esporos maduros.

O caule é de 7 a mais de 20 cm, muito robusto, cheio, firme, esbranquiçado ou creme; na parte inferior se expande formando uma grande lâmpada. Perto do chapéu é decorado com restos de véu.

Cortinarius Praestans

A carne é muito firme e espessa, branca ou creme, cheiro e sabor agradáveis. Esse cogumelo cresce principalmente em madeiras de folhas largas, em solo calcário; é uma espécie incomum, mas abundante em estações de crescimento. Talvez ele seja o único pátio comestível de qualidade moderada, pouco conhecido.

Observações: sendo um gigante real do gênero Cortinarius, é muito difícil confundi-lo com as espécies tóxicas de seu gênero. Na província de Cuneo, é pouco conhecido e pouco consumido.

Craterellus cornucopioides: nomes comuns e dialetos são “trompete dos mortos” ou “umbigo”. Diminutivo do latim ‘crateris’ que significa copo pequeno; do grego ‘eidos’: semelhança com a Cornucópia.

Sua haste vem de 4 a 10 cm, completamente oca, em forma de funil, elástica, concolor à tampa. E a carne baixa e elástica, fina, acinzentada, odor agradavelmente frutado.

Cresce gregário e em grandes grupos; prefere zonas úmidas decíduas. É comum, especialmente no outono. É um cogumelo considerado comestível, não pode ser trocado por espécies não comestíveis.

Observações: procurado porque é muito adequado para conservação, uma vez bem seco e em pó. Posteriormente, quando embebido em água, deu um sabor decisivo e agradável aos pratos.

Fistulina hepática: seu nome comum é língua de boi. Diminutivo do latim ‘fístula’: tubo, cana; do latim ‘hepar, hèpatis’: fígado, fígado. É composto de formato linguiforme semelhante a uma prateleira, com haste lateral excêntrica curta, de 5 a mais de 20 cm e, geralmente, até 5 cm.

A cor varia de salmão vermelho a laranja-avermelhado, até vermelho-vinoso ou vermelho-acastanhado. A carne é macia, esbranquiçada no início, depois cheiro amarelado e agradecido, gosto amargo.

Fistulina Hepática

Cresce em tocos ou troncos, vivos ou mortos de carvalhos e, em particular, de castanheiros, do final do verão ao outono. Considerado um comestível justo; também pode ser consumido cru, apesar do sabor amargo.

Observações: difícil de confundir com outras espécies não comestíveis. Devido à sua aparência, pode parecer carne de fígado. É um cogumelo rico em vitamina C.

Boletus aestivalis: Seu nome comum é “boletos de verão” ou “porcino reticulado”. Vem do latim ‘aestivalis’: do verão. Os túbulos são longos, finos, brancos e depois amarelados. Poros de branco a amarelado, finalmente esverdeado.

A haste é de 8 à 15 cm e tem forma cilíndrica robusta e regular, ampliada na base. Esbranquiçado, completamente coberto por uma treliça acastanhada em relevo. A carne é branca, tendendo a amarelo, bastante suave ao toque, com odor fúngico e sabor doce. É considerado um dos melhores cogumelos comestíveis.

Observações: cogumelo frequentemente atacado por larvas, numeroso no período sazonal em que cresce.

Clitopilus prunulus: seu nome comum é “espinho negro”. Do grego ‘klitùs’: declive e ‘pìleos’: boné, boné inclinado. Do latim ‘prunum’: ameixa ou ‘prunus’: a planta da ameixa.

Suas lamelas são estreitas, decorrentes do caule, esbranquiçadas, tendendo a rosar quando maduras. A haste é de 2 a 4 cm, bastante curta e irregular, cheia, branca, depois pruinosa e recheada. A carne branca, macia, quebradiça e macia, mais fibrosa no caule com um odor forte e característico de farinha fresca ou massa de pão; sabor agradável.

Muito comum crescer do verão ao outono, em florestas de coníferas e folhas largas. É bem comestível, com sabor delicado e carne muito tenra.

Clitopilus Prunulus

Observações: a cor rosa das lamelas deve ser um bom caráter distintivo; no entanto, é possível confusão com Clitocybi branco, o que é muito tóxico. Portanto, é necessário prestar a máxima atenção durante a colheita desta espécie.

Leccinum scabrum: Seus nomes comuns são “porco cinzento” ou “gravata”. Vem do latim ‘leccinus’: do azinho (Quercus ilex). Do latim ‘scabrum’: áspero.

Túbulos muito longos, cinza esbranquiçado, depois cinza esverdeado. Poros muito pequenos, concolor com os túbulos e depois manchados com marrom amarelado quando maduros, imutáveis ​​ao toque. A haste é de 7 à 15 cm, geralmente cilíndrica, de consistência fibrosa precoce; esbranquiçada ou cinza claro, coberto com escamas marrom-cinza e enegrecido.

A carne é bastante firme na tampa, fibrosa no caule, branca imutável ou ligeiramente tendendo a uma cor rosa-acastanhada fraca. Leve odor, sabor agradecido.

Cresce em florestas úmidas, associadas ao vidoeiro. Do final do verão para todo o outono. Comestibilidade considerada discreta, limitado ao chapéu; a carne do caule é pobre.

Observações: espécimes maduros se deterioram rapidamente, pois a carne logo fica encharcada. Portanto, é aconselhável consumir apenas amostras jovens.

Agaricus campestris: seu nome comum é “Champignon” ou ” cogumelo do campo”. Vem do grego ‘agarikòn’: rural.

Suas lamelas são densas, livres no caule, com coloração variável durante o desenvolvimento, primeiro esbranquiçadas, depois imediatamente rosa avermelhadas, que escurecem e se tornam enegrecidas quando o fungo amadurece.

A haste é cilíndrica, com base mais ou menos bulbosa, atarracada, cheia, branca ou esbranquiçada, apresenta um anel estreito e frágil, branco, com listras na parte superior. E a carne é espessa, branca, que pode se tornar mais ou menos rosada ao ser cortada, com um agradável cheiro e sabor de fungos.

Agaricus Campestris

Cresce – da primavera ao outono – encaminhada para solos adubados e gordurosos, adubos, hortas, parques, jardins etc. É um cogumelo comestível, conhecido e consumido em quase todos os países.

Observações: nasce em qualquer lugar como fungo espontâneo. É preciso ter cuidado, pois existem cogumelos champignon que são tóxicos; os inexperientes poderiam trocar esse fungo, coletado na natureza, com os Amanitas brancos mortais, a saber, o Amanita verna e o Amanita virosa.

Agaricus macrosporus: Outro tipo de “Champignon”. Do grego ‘makròs’: grande e ‘sporà’: semente, para esporos grandes.

Suas lamelas são livres, finas, inicialmente rosa avermelhadas, depois escurecendo e finalmente enegrecidas. A haste é robusta, cheia, apontada para a base, esbranquiçada, lisa. É equipado com um anel típico de rebanho, característico desta espécie. A carne é espessa, branca, ligeiramente rosada se cortada, com cheiro e sabor agradável, cogumelo.

Cresce da primavera ao outono, em parques, jardins, entre a grama dos campos, nos choupos, geralmente também em círculos. É um comestível justo.

Observações : no entanto, é aconselhável não consumir espécimes cultivados em estradas movimentadas ou na cidade, pois são fungos capazes de absorver metais pesados, como o chumbo, tornando-se prejudiciais à saúde.

Agrocybe aegerita: nomes comuns são Pioppini ou Piopparelli. Do grego ‘agròs’: campo e ‘kùbe’: cabeça, cabeça do campo; do grego ‘aìgeiros’: álamo

Suas lamelas são um tabaco espesso, esbranquiçado a acastanhado. O caule vai de 3 a 10 cm, é cilíndrico, cônico na base, branco acastanhado, com um anel membranoso largo. A carne é branca, macia no chapéu, mais forte que a haste; cheiro e sabor agradáveis.

Agrocybe Aegerita

Cresce da primavera ao outono em madeira de folha larga; prefere velhos registros de álamo. Boa para ser considerada comestível; é apreciado e consumido desde os tempos antigos.

Observações: é um fungo que se presta facilmente ao cultivo em escala industrial.

Albatrellus pes-caprae: Seus nomes comuns são “pé de cabra” ou “língua moura”. Vem do latim ‘pes-caprae’: pé de cabra, devido à sua forma.

A haste vai até 10 cm, excêntrica ou lateral, robusta, marrom-amarelada ou esbranquiçada, mais clara na direção da base A carne é compacta, firme, branca a amarela pálida, com um agradável odor fúngico; tem um sabor agradecido que lembra vagamente a avelã.

Ele cresce em madeiras úmidas principalmente de folhas largas, no verão e outono. Está se tornando cada vez mais raro e em nenhum lugar para ser encontrado. É comestível, é muito adequado para preservação em óleo.

Observações: dificilmente pode ser confundido com outros não comestíveis ou tóxicos, o único que pode ser confundido é Polyporus cristatus, couro e não comestível.

Amanita caesarea: Seus nomes comuns são “Bom ovo” ou “cogumelo real”. Vem de ‘Amanos’, montanha entre Cilícia e Síria, ou do grego ‘amanitai’: nome dos fungos em geral. Do latim “caesareus”: de César, o cogumelo dos césares, imperadores de Roma.

Suas lamelas são um amarelo profundo, amarelo-enxofre, livre, denso, com presença de lamela. A haste é de 8 a mais de 15 cm. Amarelo profundo como as ripas, coberto com um leve cotão. Um anel membranoso está presente, largo e flácido, concolor ao tronco. Na base, há uma volva, branca, larga e grossa, membranosa, em forma de saco.

Cogumelo Real

A carne inteiramente branca, amarelada sob a cutícula, cheiro e sabor suave e muito agradável. Ele adora os lugares abertos e iluminados das florestas decíduas limpas, sob castanheiros e carvalhos; presente no verão e início do outono. É um excelente comestível, também pode ser consumido cru.

Observações: é necessário prestar a máxima atenção, pois quando está no ovo, nas primeiras fases de crescimento, pode ser trocado com o Amanita phalloides ou com outros Amanitas mortais.

Armillaria mellea: Nomes comuns são “Chiodini” – Famílias pequenas, boa família. Vem do latim ‘armilla’: pulseira, devido à presença do anel; do latim ‘mellèus’ pertencente ao mel, devido à sua cor semelhante ao mel.

As lamelas não muito espessas, protegidas por um véu fugaz nos espécimes jovens, brancas e depois amareladas, finalmente acastanhadas e manchadas de vermelho com o tempo.

A haste é de 5 a mais de 20 cm. Delgada, fibrosa, com crescimento tuberoso, acastanhado e coberto de escamas brancas ou amareladas. Há um anel membranoso, pendular e esbranquiçado. A carne é branca, firme, coriácea e fibrosa, sobretudo no caule, sabor mais ou menos amargo e adstringente, odor fúngico.

Chiodini

Cresce de parasita em árvores debilitadas e de saprófitas em tocos e raízes de várias essências, de folhas largas e coníferas. É uma espécie bastante tardia que aparece desde o final do outono até o inverno. Muito comum e abundante. Esse cogumelo é comestível, mas deve ser consumido com cautela, pois pode causar distúrbios e envenenamento. Para evitar tais problemas, somente amostras jovens devem ser consumidas, em quantidades modestas e sempre após uma fervura prolongada, jogando a água do cozimento várias vezes.

Observações: podem ser confundidas com espécies tóxicas e não comestíveis, como a unha falsa (Hypholoma fasciculare) e a perigosa Galerina marginata, venenosa e mortal. É aconselhável prestar muita atenção.

Boletus aereus: seu nome comum é porcino negro ou bronze. Vem do latim ‘aes’, ‘aeris’: bronze, devido à sua cor.

Seus túbulos são branco, esbranquiçado, amarelo-oliva quando maduros. Poros pequenos, brancos por muito tempo. depois amarelo esbranquiçado.

A haste vai de 8 à 20 cm Castanho claro, ampliada na base; estreita para cima. Às vezes barrigudo, coberto com uma densa estrutura marrom. A carne é branca, firme e compacta, com um leve odor. Sabor grato.

Seu habitat é o mais termofílico dos porcinos; adora o calor, prefere as madeiras de folhas largas mais abertas, como carvalhos, castanheiros, do verão ao outono. Comestibilidade é excelente.

Observações: é uma espécie difundida principalmente em baixas altitudes, sendo difícil encontrá-la acima de 800 metros. Raro no norte, muito comum no sul e nas áreas mediterrâneas.

Boletus edulis: Um tipo de porcino. Vem do grego ‘bolos’: placa da qual o fungo ‘bolètes’ em geral. Do latim ‘edulis’: comestível.

Os túbulos são do branco ao amarelado, são facilmente separados da carne do chapéu. Poros da mesma cor, pequenos e redondos. A haste vai de 5 à 20 cm e é grande, robusta, cilíndrica, geralmente aumentada na base e diluída no ápice. De branco a castanho claro, a parte superior é adornada com uma treliça fina e densa em relevo.

Edulis

A carne é imutável, branca, compacta e firme. Cheiro de cogumelo e bom gosto.

Seu habitat é em florestas de coníferas e caducifólias, do final do verão ao outono; é a carne de porco outonal por excelência. Comestibilidade excelente.

Observações: é o cogumelo clássico, mais procurado, conhecido e consumido.

Boletus pinophilus: Seu nome comum é porcino vermelho. Vem do latim ‘pinus’: pinheiro e ‘colo’: vivo, hábito, para o suposto habitat do cogumelo.

Os túbulos vão do branco ao verde azeitona. Poros azeitona esbranquiçada a amarela. A haste é robusta, bastante bulbosa na base, até uma cor marrom-avermelhada intensa, decorada com uma grade de malha fina de cor avermelhada. A carne é branca imutável, pouco perfumada e de sabor agradável.

O habitat desse cogumelo é em florestas de coníferas e caducifólias. Geralmente produz frutos duas vezes por ano, no final da primavera e do final do verão até o final do outono. E é considerado um bom comestível.

Observações: cogumelo de ampla disseminação, é o porcino típico que não perde a cor da cutícula durante o cozimento.

Calocybe gambosa: seus nomes comuns são “espinheiro-negro” ou “cogumelo S. Giorgio”. Vem do grego ‘kalòs’: bonito e ‘kùbe’: cabeça, cabeça bonita; do latim ‘perna’: jarrete (com uma haste grossa), devido à forma da haste.

Suas lamelas são creme muito espesso, branco ou claro. A haste é de 3 a mais de 7 cm, cilíndrica, carnuda, aumentada na base. Branco ou concolor ao chapéu. A carne é de sabor branco, compacto e agradável, com um forte cheiro a farinha fresca.

Calocybe Gambosa

É um cogumelo encontrado em prados e clareiras, tanto nas colinas quanto nas montanhas, em fileiras ou em círculos mais ou menos regulares; em estações de crescimento é abundante. É considerado bom comestível, muito apreciado em algumas áreas.

Observações: este cogumelo, juntamente com alguns outros, tem uma aparência de primavera e, nos anos mais quentes e temperados, abre a temporada já em março.

Cantharellus cibarius: seus nomes comuns são chanterelle, galletto, garitole ou finferlo. Vem do grego ‘kàntharos’: coppa, diminutivo de piccolo coppa e do latim ‘cibus’: comida, comida relacionada, comestível.

Suas lamelas são irregulares, semelhantes a dobras ou veias, da mesma cor do chapéu. A haste vai de 2 a 8 cm, cheia, firme, concolor à tampa ou mais leve. A carne é espessa, esbranquiçada ou amarelada, odor frutado muito característico, como damascos ou ameixas; sabor doce e agradável.

Chanterelle

Esse cogumelo como muitos outros cresce do verão ao outono, tanto na folha larga como nas coníferas; abundante em períodos de chuva após chuvas prolongadas. É um cogumelo comestível, procurada e apreciada em todos os lugares. É excelente em condimentos e cogumelos mistos.

Observações: pode ser confundida com outras espécies semelhantes, incluindo o tóxico Omphalotus olearius, que no entanto é inodoro e possui lamelas reais.

Hydnum repandum: Seu nome comum é “cogumelo medalhão de ouro”. Vem do grego ‘hùdnon’: trufa; do latim ‘repandum’: dobrado para trás, dobrado para cima.

Seu caule é de 3 a 7 cm, frequentemente excêntrico, esbranquiçado pálido, atarracado e bastante irregular; fica amarelo quando manuseado, fica marrom-alaranjado na base.

Carne de gosto branco, depois amarelado, às vezes amarelo-alaranjado, consistente, doce ou levemente amargo, odor agradecido e acentuado, mais ou menos frutado.

Hydnum Repandum

Seu habitat é onipresente em florestas de folhas largas e coníferas, do verão ao outono, em grupos de numerosos espécimes. O cogumelo é comestível discreto que se presta à conservação. A preparação requer cozimento prolongado devido à carne, que é muito semelhante a couro.

Observações: devido às suas características hímen com espinhos brancos, é uma espécie que não pode ser confundida com outras tóxicas ou não comestíveis.

É um cogumelo com espinhos muito grossos, de até meio centímetro de comprimento, pálido, esbranquiçado, muito frágil e facilmente separável, levemente recorrente no caule.

Hydnum rufescen: Seu nome comum é aperto de laranja. Vem do grego ‘hùdnon’: trufa e do latim ‘rufescens’: que fica loiro ou avermelhado.

Com espinhos densos e frágeis, não recorrentes no caule, de cor creme amarelo, ocre amarelo, com maturidade amarelo-laranja. Seu caule é de 2 a 7 cm, delicado, esbelto, cheio, esbranquiçado, amarelo-laranja.

A carne não é muito grossa, frágil, pálida ou carnuda clara, amarelada; sabor amargo, odor fraco.

Seu habitat é em florestas de folhas largas e coníferas, do verão ao final do outono, raramente com indivíduos em grupos. É um comestível justo, adequado para preservação em óleo.

Observações: distingue-se do Hydnum repandum pela aparência mais esbelta e pela cor da tampa, mais avermelhada e marcada.

Veja também

Como Usar a Canela Para Emagrecer?

A canela, assim como o cravo, noz-moscada, gengibre, açafrão, pimenta-do-reino, cúrcuma e outros, é considerada …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *