Home / Plantas / Tudo Sobre a Sapatinho de Judia: Características e Nome Científico

Tudo Sobre a Sapatinho de Judia: Características e Nome Científico

Transforme seu jardim com esta linda planta trepadeira sempre verde. O sapatinho de judia, ou thunbergia mysorensis, produz espigas penduradas de flores marrom avermelhadas com uma garganta amarela. Adicione charme ao seu quintal com esta planta indiana. É ideal para escalar treliças, mandris ou cercas, por exemplo.

Tudo sobre a sapatinho de judia: Características e nome científico

A planta sapatinho de judia, cujo nome científico é thunbergia mysorensis, é uma planta da família acanthaceae. É uma planta trepadeira sinuosa, de até 10 metros de comprimento. As folhas são opostas, elípticas a alongadas e 7 a 15 por 2,5 a 9 centímetros de largura. Três veias poderosas brotam da base da folha.

As flores crescem em talos pendurados em cachos pendentes de até 90 centímetros de comprimento. Muitas vezes, existem apenas duas ou três flores abertas ao mesmo tempo em um cluster. O tempo de floração demora muito tempo. As flores são mais altas que largas. O cálice é delimitado por 2 a 2,5 centímetros de comprimento, geralmente brácteas roxas. O tubo da coroa foi erguido. A corola tem até 6 cm de altura e até 4 cm de largura e cor predominantemente amarela. Somente a parte superior dos cinco lábios da coroa batida para trás costuma ser vermelha.

Quatro estames e um estilo curvo sobressaem da flor. As flores produzem muito néctar do que os pássaros de mel em sua variedade natural atraem-se como polinizadores. As frutas têm aproximadamente 1 centímetro de tamanho e são esféricas, com bico de até 2 centímetros de comprimento. A sapatinho de judia é endêmica no sul da Índia. A planta precisa de muito calor e já se danifica em a 10° C. É cultivada principalmente em pérgulas.

Sumário da sapatinho de judia

Nome científico: thunbergia mysorensis.
Nomes comuns: thunbergia orange, candelabro vine, mysore clock vine, sapatos de boneco, brick and butter vine, etc.
Nomes nativos populares: marathi, zumber thumbergia, kannada, kamanabillu balli, etc.
Categoria: plantas alpinistas, trepadeiras e videiras.
Família: acanthaceae ou crossandra ou thunbergia.
Luz: Sol crescente, semi sombra.
Água: normal, pode tolerar algum excesso relativo.
Objetivo popular de cultura: pela floração
Estação de floração: janeiro, fevereiro e março no hemisfério norte; outubro, novembro e dezembro no hemisfério sul.
Cor da flor ou da inflorescência: várias flores coloridas disponíveis, sendo amarelo, laranja e vermelho os tons básicos.
Cor da folhagem: verde.
Altura ou comprimento da planta: 6 a 8 metros, podendo ultrapassar 10.
Forma da planta: subir ou crescer com suporte.
Caractere especial: indiana (nativa da Índia), pode crescer em cercas de treliça ou elos de corrente, atrai pássaros e/ou abelhas,
Dicas adicionais: recomendado para criar sombra, ideal em casas de fazenda ou grandes jardins, geralmente disponível na Índia em quantidades abundantes (mais de centenas).

Dicas de cultivo para sapatinho de judia

Sapatinho de judia é facilmente cultivada como uma planta doméstica em áreas quentes e umidificadas. Prefere luz indireta brilhante. As plantas são melhor cultivadas em gazebos, pérgulas, arcos ou armações para permitir que grandes ramificações se pendurem e assim exibam sua bela floração.

Evite plantar em cercas, pois não se mostram bem com suas lindas e perfumadas flores clássicas que lembram sapatinhos pequenos e delicados. Evite variar o tempo em climas quente e seco. As plantas ficam melhor em locais parcialmente sombreados, se necessário.

Cultivo Para Sapatinho De Judia
Cultivo Para Sapatinho De Judia

As plantas sapatinho de judia preferem solos ácidos bem drenados. Regue regularmente durante a estação de crescimento, mas reduza a irrigação do outono ao final do inverno. Dê a elas fertilizantes nitrogenados 3 a 4 vezes por ano.

Generalidades sobre o gênero thunbergia

Thunbergia é um tipo de planta flor da família da acanthaceae como já dissemos. São nativas das áreas leste e sul da África, freqüentemente cultivadas e naturalizadas em todas as áreas mais quentes da Terra.

O gênero é, em geral, um alpinista herbáceo, com flores cuja cor varia de branco a amarelo escuro. A garganta das flores pode ser vermelha ou roxa. Foi espalhada pelo homem em países tropicais e subtropicais por seu valor decorativo.

No Quênia, é usado como forragem para reprodução e as folhas são comidas pelos homens como vegetais. Na Índia e na Malásia, as folhas são aplicadas nos templos para curar dores de cabeça. Em Tanganika, algumas gotas de linfa são aplicadas nos olhos em caso de inflamação (provavelmente conjuntivite). A seiva de outras espécies é bebido como um remédio para a constipação e casos de câncer do cólon. As frutas lembram pequenas abóboras e, portanto, são usadas pelas crianças quenianas para brincar.

Existem cerca de 90 a 300 espécies no gênero thunbergia e foi estabelecido em 1776 por Anders Jahan Retzius. O nome deste gênero tropical é uma homenagem a Carl Peter Thunberg, um botânico sueco apelidado de Pai da botânica sul-africana.

Espécies do gênero consideradas invasoras

Como acontece com muitas plantas nativas, quando introduzidas em outros habitats, podem com o tempo ultrapassar os limites teoricamente definidos pelo homem e passar a serem consideradas não mais um ornamento mas uma praga. Vejamos a seguir dois exemplos assim no gênero thunbergia:

Thunbergia grandiflora: endêmica das regiões temperadas do sul da Ásia (Índia, Indochina, Myanmar, China, Nepal). Excelente para paredes, pérgulas, etc. pelo tamanho e cor de suas flores. É facilmente enraizada e cresce muito rapidamente. Uma planta que precisa de sol ou semi sombra. É sensível à geada, não suporta menos de 0° C. E prospera melhor em solo ligeiramente ácido. No início, sua orientação é essencial. Reinicia bem e rapidamente a partir das raízes, quando toda a parte aérea morre de geada. É multiplicado pelo corte e pela semente.

Esta espécie é invasora nas margens e clareiras de certas florestas úmidas na Austrália, bem como na Nova Caledônia e no Havaí. Na Nova Caledônia, o Código Ambiental da Província do Sul proíbe a introdução na natureza dessa espécie, bem como sua produção, transporte, uso, comercialização, transferência, venda ou compra.

A espécie tornou-se uma erva daninha ambiental grave na Austrália, em terras perturbadas ao longo dos cursos de água e nos trópicos úmidos, onde abafa outras vegetações. É comumente visto ao norte de Sydney, onde é cultivado por muitos anos.

Thunbergia alata: é nativa da África Oriental. É muito popular como planta ornamental e, portanto, é usada em áreas urbanas como planta de jardim, em parques e para decorar grades e paredes. Esta planta também mostra um comportamento invasivo e escapou das culturas, naturalizando-se em florestas tropicais e temperadas, especialmente nas ilhas do Caribe e Pacífico, assim como do México à Colômbia. Além de seus usos ornamentais, no México existem usos registrados relacionados ao xamanismo (é usada, por exemplo, para curar o mau-olhado, o ar ruim e o medo).

Porém, no México mesmo, é considerada uma espécie muito agressiva que afeta ecossistemas e espécies nativas, dominando os estratos mais baixos, colonizando rapidamente o solo e impedindo o crescimento de ervas ou pastagens; enquanto também está enredado em arbustos e árvores, cobrindo o sol e impedindo-os de fazer fotossíntese, além de duplicar os espécimes jovens em peso. Esta planta também pode ser encontrada no Cerrado do Brasil, no Havaí, na Austrália e no sul dos Estados Unidos.

Veja também

Morangos

Qual é o Tipo de Morango Mais Doce?

Difícil encontrar alguém que não ame morangos, não é verdade? Mais difícil ainda é encontrar …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.