Home / Plantas / Tipos de Begônia: Espécies e Classificações Inferiores com Fotos

Tipos de Begônia: Espécies e Classificações Inferiores com Fotos

As mais de 1.000 espécies de begônia fazem parte de um complicado sistema de classificação baseado em flores, método de propagação e folhas. Algumas begônias são cultivadas apenas pela cor e forma fantásticas de sua folhagem e não florescem ou a flor é insignificante.

Classificação de Begônias

As begônias são encontradas selvagens na América do Sul e Central e são plantas nativas na Índia. Eles podem ser encontrados em outros climas tropicais e se propagam com uma variedade de meios. A grande variedade de begônias ajudou a torná-las preferidas pelos clubes e colecionadores de jardins. Cada uma das seis subclasses da begônia possui uma folha única que pode ser usada para facilitar a identificação.

A begônia tuberosa é cultivada por suas flores vistosas. Podem ser pétalas duplas ou simples, folhos e uma variedade de cores. As folhas de uma begônia tuberosa são ovais e verdes e crescem cerca de 20 cm de comprimento. Eles têm um hábito compacto como um pequeno arbusto bonsai e crescem de caules inchados e macios. As folhas são brilhantes e morrem quando a temperatura diminui ou a estação muda. As folhas devem ser deixadas acesas para que a planta possa encher novamente o tubérculo para o crescimento da próxima estação.

A begônia do caule da cana-de-açúcar é cultivada principalmente para folhas em forma de coração e verde-cinza. As plantas são geadas macias e ovais, com cerca de quinze centímetros de comprimento. As folhas são sempre-verdes e as partes inferiores serão manchadas de prata e marrom. As folhas são transportadas em caules do tipo bambu que podem atingir uma altura de três metros e podem precisar ser empilhados. Este tipo inclui begônias “Asa de anjo”, com folhas verdes brilhantes em forma de asas delicadas.

A begônia rex-cultorum também são begônias de folhagem que são quase uma variedade de casas quentes. Eles se saem melhor a uma temperatura de 21 a 24 C.  As folhas são em forma de coração e são os produtores de folhagem mais surpreendentes. As folhas podem ser vermelho brilhante, verde, rosa, prata, cinza e roxo em combinações e padrões vívidos. As folhas são levemente peludas e ásperas, acrescentando interesse à folhagem. As flores tendem a estar escondidas na folhagem.

Begônia Rex-Cultorum
Begônia Rex-Cultorum

As folhas das begônias rizomatosa são sensíveis à água e precisam ser regadas por baixo. A água ferve e descolora as folhas. As folhas do rizoma são peludas e levemente verrugas e podem ter formas diferentes. As folhas multipontas são chamadas estrelas de begônias. Existem alguns que possuem folhas muito estruturadas e folhas muito semelhantes às folhas de alface, como a begônia de bife. As folhas podem variar em tamanho de uma polegada a quase um pé.

A begônia semperflorens também é chamada de begônia anual ou cera por causa de suas folhas carnudas e cerosas. A planta cresce em uma forma espessa e cresce como um ano. Semperflorens está prontamente disponível para jardineiros e é apreciada por sua floração constante e prolífica. A folhagem pode ser verde, vermelha ou bronze e alguns tipos são variados ou têm novas folhas brancas. A folha é lisa e oval.

Begônia Semperflorens
Begônia Semperflorens

A begônia arbustiva é um conjunto compacto e compacto de folhas de 10 cm. As folhas geralmente são verde-escuras, mas podem ter manchas coloridas. A umidade e a luz intensa no inverno aumentam o brilho da cor da folhagem. As begônias são conhecidas por serem pernaltas, então a folhagem pode ser removida para incentivar a forma do arbusto. As folhas arrancadas (com um caule pequeno) podem ir para um leito de turfa ou outro meio de cultura e empurrarão as raízes a partir do ponto do caule para produzir uma nova planta.

Descrição e Cultivo das Begônias

A begônia é um arbusto de origem tropical do Brasil. É uma planta perene, que pode ser mantida em vasos ou no jardim , e é usada como planta ornamental. Seu nome remonta a Michel Bégon , governador de Saint-Domingue que viveu em 1600. Além de ser uma espécie perene, também faz parte da categoria de plantas monoicas, isto é, possui flores masculinas e femininas que crescem na mesma planta, mas são diferentes umas das outras.

As flores masculinas geralmente caduques, são vistosas e constituídas por quatro pétalas de forma oval, das quais duas mais longas e as outras mais curtas; as femininas, por outro lado, têm quatro pétalas idênticas, com um ovário para a cápsula de frutas aladas, de forma triangular, com muitas sementes finas. As begônias são divididas em três grupos: rizomatosos, tuberosos e com raízes fasciculadas.

Eles são úteis para fazer canteiros, bordas de flores ou para decorar varandas e janelas. Eles se adaptam a solos frescos e a qualquer exposição, mas requerem algumas precauções em seu cultivo. Existem híbridos de muitas variedades, aquelas com flores brancas ou rosa e vermelhas, com folhagem verde brilhante, bronzeada ou avermelhada. As begônias podem ser catalogadas dependendo do tipo de raiz ou tubérculo. No entanto, sua classificação também varia de acordo com a técnica de cultivo.

Begônias na Janela
Begônias na Janela

Isso requer solo úmido e macio, cheio de matéria orgânica, como húmus e poroso, uma mistura de folhas e turfa que nunca deve estagnar. Crescem na sombra, com exposição a alta umidade e sua multiplicação ocorre por sementes ou por estacas (com raízes fibrosas), por divisão por tubérculos ou por rizoma ou corte de folhas. Begônias rizomatosas perenes são geralmente cultivadas devido à beleza das folhas e, portanto, devem ser gerenciadas em espaços interiores, como a decoração de apartamentos. Eles são processados em estufas porque, sendo plantas de vegetação rasteira, não toleram a luz solar direta.

Algumas espécies, como as originárias das florestas, exigem menos iluminação do que as florestas tropicais, que quando as árvores são despidas, durante o inverno, ficam mais expostas à luz. Begônias requerem muita água no verão, através de rega constante e frequente, que deverá ser reduzida à medida que a estação fria se aproxima. Para espécies de tubérculos, a rega deve ser suspensa para permitir um período fisiológico de descanso vegetativo.

Regando Begônias
Regando Begônias

No entanto, todas as espécies requerem uma certa quantidade de umidade, desde que sejam mantidas em um ambiente bem ventilado, mas longe de correntes de ar e não estagnadas para não ocorrer doenças fúngicas. Dependendo da espécie, a temperatura de exposição também varia, o que não deve ser inferior a 13 graus. Durante o período vegetativo, é aconselhável suplementar a rega com um fertilizante líquido, a ser usado a cada duas semanas.

Begônias perenes como semperflores têm um cultivo anual, devem ser semeados no outono, abrigados ou envidraçados, mas também na primavera, seguindo a técnica de corte no verão e inverno nas estufas. Esta última técnica permite ter plantas semelhantes à mãe. Porções de folhas são colhidas, escolhendo entre as mais saudáveis, produzidas há algumas semanas, e pequenas partes das veias das folhas grandes são usadas.

Fatos Interessantes e Curiosidades Sobre a Begônia

Para poda em espécies rizomatosas e fasciculadas, os galhos agora extintos devem ser cortados no início da primavera e depois proceder ao repotting. Nas variedades mais luxuriantes, é aconselhável cortar o topo para evitar que os galhos fiquem mais finos ou muito longos.

Sensíveis ao ataque de fungos, vírus e bactérias, os inimigos das begônias são principalmente os socos, que se alimentam das raízes e perfuram os tubérculos. O galligan, por outro lado, é um parasita que afeta o alimento da planta até que seja privado dela. Muitas vezes acontece que os ácaros atingem suas espécies, atacando os mais jovens e causando a deformação das folhas, causando enfraquecimento e comprometimento dos brotos.

O mofo cinza é outra das doenças mais comuns. Quando ocorre, folhas e flores têm manchas escuras e manchas brancas nas hastes. E ainda, oídio ou mal branco? forma uma camada branca e empoeirada nas folhas e brotos. Finalmente, deve-se lembrar que as raízes das begônias podem apodrecer, até adquirir uma cor escura. O uso de métodos naturais pode revelar-se uma solução eficaz.

Existem cerca de mil deles, incluindo herbáceos, perenes, sempre-verdes e decíduos. Entre eles, lembramos a begônia masoniana, originária da China, com folhas peludas verde-escuras, com listras marrons roxas em forma de cruz. O caule é vermelho, carnudo e coberto de pelos brancos.

O Begonia rex, da Índia, tem folhas coloridas diferentes, que também são cobertas com um cabelo fino. Raramente floresce no período de junho a setembro, com pequenas flores brancas decorativas. La claronia begonia e a begônia pearcei são da América do Sul. Eles têm flores cor de rosa que florescem no verão.

Begonia Rex
Begonia Rex

A begônia socotrana, da ilha de Socotra no Oceano Índico, tem 40 cm de altura, possui flores muito grandes e coloridas que florescem no inverno. O evansiana begônia, do leste da Asia, tem folhas verdes, intenso, com flores rosa de Junho até Setembro na região. A begônia metálica do Brasil deve seu nome à sua cor metálica. Os semperflores begônia, do leste brasileiro, floresce de junho a outubro na região, com flores brancas, vermelhas e cor de rosa.

Foi em homenagem ao intendente de Santo Domingo, Michel Bégon, que essa planta recebeu esse nome; uma planta que já de suas origens tropicais nos leva a considerar características como calor, otimismo, alegria e brilho. Suas formas, então, confirmam: folhas vistosas para algumas espécies, em forma de coração para outras, de um verde intenso, flores coloridas e caules eretos.

Begonia no Vaso
Begonia no Vaso

Até pense que não cresce bem quando é atingido por raios lunares muito fortes; pelo contrário, ele gosta de exposições em pleno sol. Em suma, uma beleza radiante e adorável. Virgílio (o grande poeta), associou a forma desta flor a um enxame de abelhas que nasce da carcaça de um intestino morto, enfatizando como a espécie humana é renovada através deste milagre. Portanto, é uma associação positiva de renascimento, ressurreição.

Em alguns países da América do Sul, begônia ainda significa hoje riqueza e prosperidade. No entanto, também é dado para proteger a casa, e é um sinal de boa sorte. É também um símbolo de atenção, ou seja, convida você a tomar cuidado e olhar por cima do ombro. Dar, de fato, uma begônia é sem dúvida um símbolo de riqueza, de energia positiva que você deseja transmitir, auspiciosamente, um bom presságio em casa.

Mas outra coisa também é verdadeira. Concentre-se novamente em suas formas, onde suas pétalas podem ser lisas e crespos, as flores simples, mas também duplas, as hastes duplas e ramificadas. Você pensaria em características de “dupla personalidade”? De vontade de tramar, de tecelagem de telas, de algo escondido e intrincado ao qual prestar atenção, mascarado por uma beleza, de fato, viva e positiva?

Portanto, atribui-se o sexto chackra (o do Terceiro Olho) a esta flor, sobretudo pelas últimas características descritas, do processamento de pensamento mais alto e mais sábio. Se positivo, o indivíduo procede à elaboração do pensamento nas formas mais manifestas e harmônicas, em plena consciência, em um mundo material que não tem mais segredos. Se negativo, como a duplicidade apenas descrito, está em desarmonia, uma imensa importância é dada ao mundo material e a mente não é mais capaz de elaborar seu próprio pensamento de maneira harmoniosa, perdendo assim o contato efetivo com a realidade.

Mulher Segurando a Begonia na Mão
Mulher Segurando a Begonia na Mão

Dada a dualidade que esta flor transmite, preste atenção em como dar de presente. A begônia nasce como uma flor de ornamento nas varandas, nos jardins, mas também em casa, por exemplo, nas salas de estar. Colocá-lo quando você é convidado para almoçar ou jantar ou quando visita a casa de alguém, seja ele amigo ou familiar, é um bom presságio, especialmente se você estiver lidando com pessoas vivas, alegres, entusiasmadas e otimistas.

Generoso, alegre, tolerante, que gosta de se cercar de pessoas positivas e belas amizades. Pouco recomendado como um presente entre os jovens casais: você poderia passar a mensagem para a pessoa que a dá (amada) de que a achamos de “personalidade duvidosa”, ou que ainda não confiamos o suficiente, ou que talvez desejemos “disfarçar”, “encobrir”, algum tipo de comprometimento de caráter ou compromisso.

Begonia possui propriedades refrescantes e calmantes. Suas flores são comestíveis e utilizadas em algumas receitas de carne ou salada: olho porque possui um sabor amargo e azedo. Além disso, está incluído na lista compilada pela NASA no estudo das plantas e flores “anti-poluentes” que têm efeitos particulares de purificação do ar em ambientes fechados: é capaz de eliminar vapores nocivos.

Tipos de Begônia: Espécies e Classificações Inferiores com Fotos

Tipos de Begônia
Tipos de Begônia

O gênero begônia agrupa muitas espécies, as plantas cobrem uma vasta área, a maioria delas vem da América Latina, mas também existem espécies de origem sul-africana e asiática. Todas essas espécies são unidas pelo tipo de clima em que crescem, na verdade elas são incluídas em áreas tropicais ou subtropicais.

Em geral, são plantas monoicas, o que significa que flores masculinas e femininas podem ser encontradas na mesma planta; em geral, flores masculinas tendem a cair, mas isso depende em particular das espécies examinadas, enquanto as flores femininas são persistentes. em todas as espécies. Todas as variedades têm características muito diferentes, algumas com alguns centímetros de altura, outras com mais de dois metros e meio de altura, utilizadas para o cultivo em vasos, estufas e jardins, tanto para flores quanto para beleza e beleza, estrutura de folhas e galhos.

Como já mencionado, as plantas da Begônia são muito diferentes umas das outras: algumas podem ter um hábito de cair, outras têm formas e tamanhos completamente diferentes, mas essa grande diversidade é simplificada pelo tipo de agrupamento usado para distingui-las ou com base no tipo de raízes que elas produzem. exposição. Graças à sua difusão e ao crescente desenvolvimento de estudos e tecnologias, com o passar do tempo, foram difundidos híbridos que combinam várias características de espécies diferentes, isso levou a uma diversificação muito ampla e, por esse motivo, alguns híbridos, por exemplo, têm semi-raízes tuberosa em vez de totalmente tuberosa, obviamente esses recursos também se estendem ao tamanho, cor e forma das folhas e flores.

Dependendo da aparência, portanto, podemos preferir algumas espécies a outras. Por exemplo, Begonia semperflorens tem flores pequenas e é muito adequada para o plantio em canteiros; também possui um bom grau de resistência, o que a torna uma planta muito rústica. Algumas begônias, como a variedade Begonia rex, são consideradas pela beleza e singularidade de sua folhagem, são muito atraentes com suas formas e cores particulares, que variam de branco prateado a verde profundo, vermelho roxo e laranja.

Variedade de Begônias com Raízes Agrupadas

Begonia coccinea: é uma espécie de planta da família begoniaceae. As hastes bambusiformes e glabras verdes, às vezes avermelhadas, podem atingir 3 m de altura. Esta espécie é originária do Brasil.

Begonia Coccinea
Begonia Coccinea

Cultivares recomendadas: Begonia coccinea ‘Sinbad’: Folhagem com brilho prateado e flores rosa.

Begonia coccinea ‘Flamingo Queen’: Esta cultivar possui folhas verde-escuras com tamanhos variados de manchas prateadas e margens prateadas com flores rosa.

Begonia coccinea ‘Torch’: Esta é uma cultivar com flores vermelhas durante todo o ano em clima quente. Folhas cerosas em forma de ponta de flecha são verde escuro por cima e marrom por baixo. Crescimento vertical do caule com folhas e flores pendentes. Grande cesto suspenso ou planta de contêiner.

Begonia fuchsioides: é uma planta arbustiva, perene e ramificada de até 60 cm de altura, com caules finos e ovados oblongos para folhas em forma de foice, dentadas, brilhantes e verde-esverdeadas de até 2,5 cm de comprimento. Tem flores fúcsia, de rosa a vermelho, com até 3 cm de largura. É nativa do México.

Begonia Fuchsioides
Begonia Fuchsioides

Begonia metálica: na verdade o nome científico é begonia aconitifolia, uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa do Brasil e o epíteto específico, aconitifolia, significa “folha de acônito (aconitum)”. A altura pode chegar a um metro, enquanto as flores são índigo.

Begonia Metálica
Begonia Metálica

Begonia semperflorens: ou begonia cucullata, uma espécie de planta da família do begoniaceae. Esta begônia é nativa da América do Sul. Possui folhas quase simétricas, ovais e glabras de 4-8 cm. longa, com margens fechadas, as flores são vermelhas, rosa ou brancas, os frutos têm três asas.

É nativa do norte da Argentina, Paraguai e Brasil (no Cerrado e Mata Atlântica, distribuídos pela Bahia, Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul).

Begonia Semperflorens
Begonia Semperflorens

Begonia venosa: é uma begônia arbustiva com folhas carnudas e forrada com cabelos brancos. As hastes são cobertas com estípulas com veias e as flores brancas são perfumadas. Esta begônia requer mais calor e luz do que outras espécies. Esta begônia é nativa do Brasil.

Begonia Venosa
Begonia Venosa

Variedades de Begônias com Raízes Rizomatosas

Begonia rex: uma espécie de planta da família do begoniaceae distribuída na China, Índia, e cultivada também em outros lugares. É nativa do norte da Índia (Himalaia) e foi descoberto em Assam por volta de 1850. A cultura desta espécie requer muita luz e umidade média. As flores devem ser removidas para favorecer a folhagem.

Seu cruzamento com espécies asiáticas vizinhas está na origem de muitas cultivares que formam o grupo Begonia × rex -cultorum. Entre os híbridos destes cruzamentos temos: Begonia × clementinae, Begonia × conspiqua, Begonia × gemmata, Begonia × inimitabilis, Begonia × leopardinus, Begonia × margaritacea, Begonia × punctatissima, Begonia × splendidissima, etc.

Begonia manicata: esta begônia é nativa da América Central, distribuída nos seguintes países: Guatemala, Honduras, México e Nicarágua. O epíteto específico manicata significa “mangas compridas”. Principais híbridos conhecidos: Begonia × erythrophylla, Begonia × phyllomaniaca, Begonia × pyramidalis e Begonia × verschaffeltii.

Begonia x feastii: cuja sinonímia atribuída é begonia erythrophylla, é uma espécie de planta da família begoniaceae, uma rizomatosa com folhas carnudas arredondadas de cor avermelhada abaixo. Nativa de regiões tropicais da América do Sul.

Begonia x Feastii
Begonia x Feastii

Begonia strigillosa: uma espécie de planta da família do begoniaceae cujo epíteto específico strigillosa significa “finamente coberto por pêlos curtos e rígidos”. Esta espécie é nativa dos países de Costa Rica, El Salvador, Guatemala, México, Nicarágua e Panamá. Também conhecida pela sinonímia begonia daedalea.

Begonia boweri: esta begônia rizomatosa vem de Oaxaca, México, e seu epíteto específico, ‘bowerae’, significa “Bower”, em homenagem a Constance Bower, uma produtora de begônias que obteve na década de 1920 muitos cultivares bem-sucedidos, incluindo a begonia bowerae ‘tiger’. Esta planta é a base de mais de 130 cultivares.

Variedade de Begônias com Raízes Tuberosas

Begonia x tuberíbrida: é uma espécie de grupos de híbridas tuberosas considerados como alguns dos mais espectaculares cruzamentos do gênero. Um dos primeiros híbridos produzidos foi begonia sedenii em 1870, um cruzamento entre begonia boliviensis, coletado pelo botânico Richard Pearce e uma espécie dos Andes. Outra espécie do Peru, begonia davisii, também foi usada no início da criação.

Begonia socotrana: uma espécie de planta da família do begoniaceae. Esta begônia vem do Iêmen e seu epíteto específico da socotrana significa “de Socotra”, com referência a esta ilha localizada no Mar da Arábia, perto do Iêmen.

Begonia Socotrana
Begonia Socotrana

Begonia evansiana: a begonia evansiana, ou diploclinium evansianum, refere-se em especial a uma variedade de begonia grandis, uma espécie de planta herbácea perene da família da família begoniaceae. Esta begônia é nativa da vegetação rasteira do leste temperado da Ásia (China e Japão). Produz bulbos no outono das axilas de suas hastes que permitem acelerar sua propagação. Existem muitas subespécies e formas desta espécie resistente, incluindo uma variedade de flores brancas begonia grandis var. alba.

Outra Lista de Espécies e Classificações de Begônias

Begônias hibridizam com facilidade na natureza, por isso é difícil se identificar apenas com critérios morfológicos. No século 21, também se baseia na análise de ADN e experiências para determinar se é espécies completas ou híbridas.

Como resultado, o número de espécies válidas no gênero ainda está evoluindo. Descobrindo novos espécimes de tipo durante expedições de campo ou pelo progresso da pesquisa. Os botânicos agora podem identificar com mais facilidade espécies distintas, onde seus predecessores apenas descreveram uma espécie ou, pelo contrário, destacam a hibridização.

Sendo assim, quaisquer listas sobre a espécies serão provisórias e deficientes de dados definidos, até porque muitas begônias ainda desconhecidas correm o risco de desaparecer em seu habitat natural, criticamente ameaçadas. Muitas não possuem pesquisas e análises suficientes, o que retarda qualquer definição completa das espécies.

Vamos destacar abaixo pelo menos dez espécies com um resumo de informações usando a ordem alfabética de suas classificações científicas para facilitar as identificações. Por se tratarem de milhares de espécies, limitaremos a dez ou menos para não se tornar um artigo muito longo e enfadonho.

Begonia abbottii: esta espécie é originária do Haiti, e foi descrita em 1922. Seu epíteto específico foi escolhido em homenagem ao naturalista e colecionador americano William Louis Abbott.

Begonia Abbottii
Begonia Abbottii

Begonia acaulis: esta begônia tuberosa é nativa da Papua Nova Guiné e foi descrito em 1943 pelos botânicos americanos Elmer Drew Merrill e Lily May Perry. O epíteto específico, acaulis, significa “que quase não tem caule”.

Begonia acetosa: esta begônia rizomatosa galopante é nativa do Brasil . Tem folhas arredondadas e peludas. As flores são brancas. É uma planta cultivada por seu aspecto decorativo. Foi descrito em 1831 pelo botânico brasileiro José Mariano da Conceição Velloso e seu epíteto específico, acetosa, significa “vinagre”, referindo-se à leve acidez da folhagem.

Begonia altamiroi: esta espécie é endêmica no Brasil, principalmente no Espírito Santo. A espécie foi descrita em 1948 por Alexander Curt Brade e seu epíteto específico altamiroi é uma homenagem a Altamiro, um dos colhedores do isotipo em 1946.

Begonia Altamiroi
Begonia Altamiroi

Begonia ampla: esta begônia rastejante ou de escalada é nativa da África. O epíteto específico ‘ampla’ significa “grande”, em referência à sua ampla folhagem. Esta espécie é nativa dos seguintes países: Camarões, Congo, Guiné Equatorial, Gabão, São Tomé e Príncipe, Uganda e Zaire.

Begonia anodifolia: uma espécie de planta da família do begoniaceae descrita em 1859 por Alphonse Pyrame de Candolle. Esta espécie é originária do México.

Begonia areolata: uma espécie de planta da família do begoniaceae que foi descrita em 1855 por Friedrich Anton Wilhelm Miquel.Esta espécie é originária da Indonésia.

Begônia argentea: esta begônia é nativa da Índia e foi descrito em 1859 por Jean Linden. O epíteto específico argentea significa “prateado”.

Begônia Argentea
Begônia Argentea

Begonia assurgens: esta begônia é nativa de El Salvador e foi descrita em 1963 por Focko HE Weberling. O epíteto específico assurgens significa “ascendente”. Esta espécie é originária de El Salvador.

Begonia azuensis: uma espécie de planta da família do begoniaceae descrita em 1930 por Ignaz Urban e Erik Leonard Ekman. Esta espécie é originária da República Dominicana.

Begonia bagotiana: esta begônia vem de Madagascar e foi descrita em 1971 por Gérard-Guy Aymonin e Jean Bosser, seguindo o trabalho de Henri Jean Humbert. É nativa de Madagascar e possui variedades como begonia bagotiana var. acutialata e begonia bagotiana var. bagotiana.

Begonia balansana: uma espécie de planta da família do begoniaceae descrita em 1919 por François Gagnepain. Esta espécie é nativa da China e Vietnã e possui variedades como begonia balansana var. balansana e begonia balansana var. rubropilosa.

Begonia baronii: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa de Madagascar e descrita em 1887 por John Gilbert Baker.

Begonia Baronii
Begonia Baronii

Begonia berhamanii: uma espécie de planta da família do Begoniaceae nativa da Malásia e descrita em 2001 por Ruth Kiew.

Begonia bidentata: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa do Brasil e descrita em 1820 por Giuseppe Raddi. Possui variedades como begonia bidentata var. bidentata e begonia bidentata var. insularum.

Begonia biserrata: esta espécie foi descrita em em 1847 por John Lindley. O epíteto específico biserrata significa “folhas com dentes de serra”. Esta espécie é nativa dos seguintes países: El Salvador, Guatemala, Honduras, México. Neste último país, está presente em Chiapas, Colima, Durango, Guerrero, Jalisco, México, Michoacan, Morelos, Nayarit, Oaxaca, Puebla, Sinaloa e os Zacatecas. Possui varieades como begonia biserrata var. biserrata e begonia biserrata var. glandulosa.

Begonia boissieri: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa do México e descrita em 1859 por Alphonse Pyrame de Candolle.

Begonia brachypoda: uma espécie de planta da família do begoniaceae descrita em 1911 por Otto Eugen Schulz. Esta espécie é nativa da República Dominicana e do Haiti e possui variedades como begonia brachypoda var. pílula.

Begonia Brachypoda
Begonia Brachypoda

Begonia brandisiana: uma espécie de planta da família do begoniaceae descrita em 1871 por Wilhelm Sulpiz Kurz. Esta espécie é nativa de Mianmar e Tailândia.

Begonia brevilobata: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa do Brasil e descrita em 1953 por Edgar Irmscher. Possui variedades como begonia brevilobata var. brevilobata e begonia brevilobata var. subtomentosa.

Begonia calcarea: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa de Malásia e descrita em 1906 por Henry Nicholas Ridley.

Begonia candollei: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa do México e descrita em 1969 por Rudolf Christian Ziesenhenne.

Begonia capillipes: uma espécie de planta da família do begoniaceae e descrita em 1904 por Ernest Friedrich Gilg. Esta espécie é nativa de Camarões, Guiné Equatorial e Gabão.

Begonia Capillipes
Begonia Capillipes

Begonia chlorosticta: esta begônia arbustiva, com folhagem manchada de verde pálido, é nativa da Malásia. Foi descrita em 1981 pelo botânico Martin Jonathan Southgate Sands. O epíteto específico chlorosticta, de chloros (verde) e sticta (corado), significa “manchas verdes” e refere-se às manchas arredondadas verdes pálidas que adornam as folhas.

Begonia ciliobracteata: uma espécie de planta da família do begoniaceae e foi descrita em 1895 por Otto Warburg. Esta espécie é nativa dos Camarões, Guiné Equatorial, Gana, Nigéria e Zaire.

Begonia congesta: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa da Malásia e descrita em 1906 por Henry Nicholas Ridley.

Begonia convallariodora: esta espécie arbustiva é nativa dos seguintes países: Costa Rica, Guatemala, México, Nicarágua e Panamá. Foi descrita em 1895 por Casimir Pyrame de Candolle. O epíteto específico convallariodora significa “cheirar a lírio do vale”, de odoriffera, o tipo de Lilly de 4 de maio.

Begonia Convallariodora
Begonia Convallariodora

Begonia cowellii: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa de Cuba e descrita em 1916 por George Valentine Nash.

Begonia cornuta: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa da Colômbia e descrita em 1946 por Lyman Bradford Smith e Bernice Giduz Schubert.

Begonia cymbalifera: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa da Colômbia e descrita em 1946 por Lyman Bradford Smith e Bernice Giduz Schubert. Possui variedades como begonia cymbalifera var. cymbalifera e begonia cymbalifera var. ver.

Begonia daweishanensis: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa da China e descrita em 1994 por Shu Hua Huang e Yu Min Shui.

Begonia Daweishanensis
Begonia Daweishanensis

Begonia decaryana: esta begônia vem de Madagascar e foi descrita em 1971 por Gérard-Guy Aymonin e Jean Bosser, seguindo o trabalho de Henri Jean Humbert. O epíteto específico decaryana significa “do decário”, em referência ao naturalista francês Raymond Decary, colecionador do holotipo e quem administrou as colônias em Madagascar por 27 anos.

Begonia densiretis: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa da Malásia e descrita em 1954 por Edgar Irmscher.

Begonia descoleana: esta begônia é nativa da Argentina e do Brasil, e foi descrita em 1950 por Lyman Bradford Smith e Bernice Giduz Schubert. O epíteto específico descoleana é uma homenagem ao botânico argentino Horacio Raul Descole.

Begonia digyna: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa da China e descrita em 1927 por Edgar Irmscher.

Begonia Digyna
Begonia Digyna

Begonia dinosauria: esta begônia rasteira de Sarawak, na ilha de Bornéu, na Ásia tropical, foi descrita em 2017. Esta begônia rasteira tem flores brancas e folhagem verde brilhante, com veios fortes, veios com vermelho, carregados por hastes vermelhas com cabelos densos. É vivaz e monoica e o epíteto específico dinosauria é uma referência à folhagem densamente gravada da planta, que evoca a aparência irregular da pele de dinossauro.

Begonia divaricata: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa da Indonésia e descrita em 1953 e publicado em 1954 por Edgar Irmscher. Possui variedades como begonia divaricata var. divaricata.

Begonia dodsonii: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa do Equador e descrita em 1979 por Lyman Bradford Smith e Dieter Carl Wasshausen.

Begonia donkelaariana: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa do México e descrita em 1851 por Charles Lemaire.

Begonia dux: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa de Myanmar e descrita em 1879 por Charles Baron Clarke.

Begonia Dux
Begonia Dux

Begonia eberhardtii: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa do Vietnã e descrita em 1919 por François Gagnepain.

Begonia edmundoi: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa do Brasil e descrita em 1945 por Alexander Curt Brade.

Begonia elatostemma: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa da Malásia e descrita em 1906 por Henry Nicholas Ridley.

Begonia elianeae: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa do Brasil e descrita em 2015 pelos botânicos Bernarda De Souza Gregório e Jorge Antonio Silva Costa.

Begonia epipsila: esta begônia é nativa do Brasil e foi descrita em 1948 por Alexander Curt Brade. O epitélio epithila específico é formado a partir do epi grego, que significa acima, e psilo glabro, significando “sem pêlos acima”, com referência à folhagem suave na superfície.

Begonia erminea: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa de Madagascar e descrita em 1788 por Charles Louis L’Héritier de Brutelle. Possui variedades como begonia erminea var. erminea e begonia erminea var. obtusa.

Begonia Erminea
Begonia Erminea

Begonia esculenta: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa das Filipinas e descrita em 1911 por Elmer Drew Merrill.

Begonia eutricha: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa de Brunei e descrita em 1996 por Martin Jonathan Southgate Sands.

Begonia everettii: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa das Filipinas e descrita também em 1911 por Elmer Drew Merrill.

Begonia extranea: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa do México e descrita em 1939 por Lyman Bradford Smith e Bernice Giduz Schubert.

Begonia fabulosa: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa do Brasil e descrita em 1983 por Lyman Bradford Smith e Dieter Carl Wasshausen.

Begonia fasciculiflora: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa das Filipinas e descrita em 1911 por Elmer Drew Merrill.

Begonia fimbribracteata: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa da China e descrita em 2005 por Yu Min Shui e Wen Hong Chen.

Begonia flacca: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa da Indonésia e descrita em 1953 e publicado em 1954 por Edgar Irmscher.

Begonia Flacca
Begonia Flacca

Begonia formosana: esta begônia é nativa do Japão (Ilhas Ryukyu) e Taiwan. Foi descrito em 1961 pelo botânico japonês Genkei Masamune, seguindo seu colega Bunzo Hayata. O epíteto específico formosana significa “de Formosa” (nome antigo da ilha de Taiwan).

Begonia fractiflexa: esta begônia rasteira, nativa de Sarawak (Bornéu), na Ásia tropical. Foi descrita em 2016 pelos botânicos Sang Julia e Ruth Kiew. O epíteto específico fractiflexa vem do latim, fractiflexus (zig-zag), referente à forma da coluna vertebral da inflorescência masculina.

Begonia fuchsiiflora: esta begônia vem do Equador e do Peru. Foi descrito em 1859 por Alphonse Pyrame de Candolle, sob o basiônimo de casparya fuchsiiflora, depois recombinado no gênero begonia em 1973 por AI Baranov e Fred Alexander Barkley. O epíteto específico fuchsiiflora significa “Flor fúcsia”, em referência à inflorescência reminiscente de fúcsia.

Begonia fuscisetosa: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa de Brunei e descrita em 1996 por Martin Jonathan Southgate Sands.

Begonia Fuscisetosa
Begonia Fuscisetosa

Begonia fusicarpa: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa da Libéria e descrita em 1954 por Edgar Irmscher.

Begonia fusibulba: uma espécie de planta da família do begoniaceae nativa do México e descrita em 1925 por Casimir Pyrame de Candolle.

Veja também

O que Fazer para Tirar o Amargo da Berinjela? Dicas de Como Fazer

A berinjela é um fruto — sim, fruto, e não legume — que provoca um …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *