Home / Plantas / Origem do Mamão e Sua História

Origem do Mamão e Sua História

Do ponto de vista geral, o cultivo da papaia carica é amplamente difundido e em diferentes partes do mundo é cultivado de uma maneira particular, de acordo com os tipos locais de frutas. É uma fruta conhecida em todas as regiões tropicais do mundo, como o sudeste da Ásia (Indonésia, Filipinas), África (Costa do Marfim, Camarões e República da África do Sul), as ilhas da Polinésia, Caribe, Mesoamérica e América do Sul, especialmente o Brasil.

Os aspectos fundamentais que podem variar são os tipos de mamão, a densidade e o mercado. No entanto, como gênero botânico, todos os tipos requerem as mesmas condições de solo, clima, nutrição e proteção fitopatológica.

Origem do Mamão E Sua História

Sua origem está localizada nas terras baixas da América Tropical, especificamente na Mesoamérica ou na região que inclui o sudeste do México até a Costa Rica; Foi descrita pela primeira vez em 1526 pelo historiador Fernández de Oviedo e em sua descrição ele mencionou que os colonizadores espanhóis a chamavam de “figos de mastuerso” e “mamão dos pássaros”.

Através do intercâmbio natural entre os primeiros colonos da América e do Caribe, a fruta conseguiu se espalhar por muitas regiões dessas áreas. Houve também uma grande concentração de espécies de carica na região leste dos Andes, entre Brasil, Bolívia, Colômbia e Venezuela.

A palavra mamão é de origem arahuaco, que foi a língua falada pelos colonos de Antilhas e outras regiões durante a conquista. De fato, o taino, de origem arawak, era a principal língua de Hispaniola e Cuba quando Cristóvão Colombo chegou. Atualmente esta fruta existe em todas as regiões tropicais do mundo, sendo os maiores produtores o Brasil, o México, a Indonésia e as Filipinas.

Graças ao trabalho desenvolvido cientificamente no Havaí, ganha destaque por excelência os tipos havaianos que transformaram seus frutos na realeza do mundo do mamão, por suas características organolépticas marcantes.

A Projeção Do Mamão Havaiano

Mamão Havaiano
Mamão Havaiano

Todas as espécies de carica são nativas da América Tropical. A análise isoenzimática indica que carica papaya é apenas um parente distante de outras espécies de carica. A grande diversidade existe na região de Yucatán-San Ignacio-Peter River Motagua, na América Central, onde uma maior diversidade prevalece na população silvestre do que na domestica.

Os relatos de viajantes e botânicos do século XVIII indicam que as sementes de papaia foram levadas das Caraíbas para as Molucas e daí para a Índia. Das Molucas e das Filipinas, foi distribuído pela Ásia e pela região do Pacífico Sul. Diz-se que o crédito de trazer as sementes para o Havaí, no início de 1800, é devido a Francisco Marín, um explorador e agricultor espanhol, que os obteve nas Ilhas Marquesas.

O papaia havaiano em seus diferentes tipos, como o conhecemos hoje, é o produto de um grande e extenso trabalho de melhoramento de plantas, realizado por pesquisadores da Universidade do Havaí. O material genético original chegou às ilhas no início do século, das ilhas do Caribe. Os espanhóis da época de Cristóvão Colombo viram esta deliciosa fruta pela primeira vez, coincidentemente nestas ilhas. Eles tiveram a oportunidade de observar os múltiplos usos que os nativos deram a essa maravilhosa fruta.

Atualmente, muitos dos usos antigos foram relegados a comunidades primitivas, uma vez que a ciência médica introduziu produtos mais eficazes e eficientes para obter os efeitos anteriormente alcançados com esta fruta. Entre as características mais destacadas do mamão havaiano estão naqueles que são comercializadas.

Estas características fornecidas geneticamente pelo melhoramento são para ter o tamanho adequado para o manuseio e um gosto doce muito desejável. Os tipos de mamão havaiano variam não apenas nos tamanhos e formas, mas também na cor da polpa. Estas características dão oportunidade aos diferentes gostos do consumidor, bem como às diferentes condições de desenvolvimento.

Um aspecto relevante no cultivo desta fruta, como em outras plantas, é o de ter algumas características que lhe conferem tolerância ou resistência a doenças, das quais duas causam grandes perdas econômicas: colletotrichum gloeosporioides (antracnose) e o vírus da o ponto do anel. Alguns tipos têm uma certa resistência natural à antracnose e, recentemente, foi desenvolvido um gene resistente ao vírus, que foi incorporado aos tipos havaianos Sunup e Rainbow, por meio da tecnologia de engenharia genética.

O Mamão Pelo Mundo

Pé de Mamão
Pé de Mamão

Não há instalações em países tropicais, em igualdade de condições de solo e de culturas, comparável ao mamão, quanto à utilidade e usos variados onde ele esteja envolvido, fornecendo alimento abundante em um curto espaço de tempo. A facilidade com que propaga-se por sementes, o seu rápido crescimento, no início e abundante frutificação, a aparência atraente das frutas e carne, o seu valor como alimento refrescante e nutritivo, além da alta estima como um medicamento são razões que fizeram esta planta estabelecer-se em todas as regiões do mundo, entre as isotérmicas de 24 graus Celsius e mais ao norte e ao sul delas.

A partir de sua descoberta nas Américas pelos espanhóis nas ilhas do Pacífico, mamão ocupa um lugar de destaque, abaixo somente das bananas, entre as frutas mais comumente usadas. Em muitos outros países da América em que o mamão não faz parte do cultivo tradicional, Cuba Entre eles, o uso do mamão é confinado quase exclusivamente à sua aplicação em refrigerantes, sorvetes, doces, etc.

Composição e Usos

As frutas, folhas, caule e raízes do mamão contêm um suco ou látex lácteo, onde se encontra a papaína, que emana facilmente quando ferida superficialmente qualquer parte da árvore. Isto é mais abundante nas partes tenras da planta; na casca da fruta, basta tocar levemente com a ponta de um lápis, pode causar a saída de jatos de látex fraco. Por isso, a produção comercial limita-se a extrair essa substância da superfície da fruta, onde atinge sua máxima atividade produtiva.

Várias tentativas foram feitas para mecanizar a extração moendo e espremendo a fruta, mas na maioria das vezes elas falharam. Hoje em dia, o método lento e oneroso de recolhê-lo à mão em potes de porcelana continua. No entanto, existem procedimentos mecânicos mais vantajosos do que os manuais para extrair papaína. Para isso, o fruto é descascado, moído e, após a retirada das sementes, prensado até reduzi-lo a um bolo seco. Neste caso, é costume vender o suco resultante em recipientes herméticos de 20 litros. Com isso, o rendimento é maior e se torna mais econômico.

Suco de Mamão
Suco de Mamão

Presumivelmente, o látex será mais abundante em algumas variedades do que em outras e algumas conterão mais papaína do que outras, o que faz com que uma variedade seja mais valiosa. Alguns frutos de mamão podem conter pouca papaína em seu suco porque é muito aguado. Para extrair látex basta fazer incisões na fruta, a 10 mm de distância entre cada uma delas, utilizando uma espátula não metálica, com no máximo 5 mm de profundidade (o ideal é 3 mm).

Esta operação é melhor feita de manhã, após cada segundo ou terceiro dia e quando chove ou sente muito calor. Também é preferível que as árvores ainda sejam pequenas para facilitar a operação. Observou-se que os frutos de uma planta variam em sua composição em relação a outras plantas, mesmo dentro da mesma variedade, quando são cultivadas em diferentes condições de solo.

Veja também

Quando o Amendoim foi Introduzido no Brasil? Onde Foi?

O amendoim é originário da América do Sul, de países como o Brasil, Bolívia, Paraguai …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *