Home / Plantas / Lista de Tipos de Bambu: Espécies com Nomes e Fotos

Lista de Tipos de Bambu: Espécies com Nomes e Fotos

O bambu é considerado um vegetal tropical renovável, capaz de produzir anualmente sem necessidade de replantio. É bastante versátil, detém grande velocidade de crescimento e aproveitamento por área; contudo, ainda é pouco utilizado no Brasil, em razão do escasso conhecimento técnico em relação às espécies, características e aplicações.

Infelizmente, a aplicabilidade do vegetal no Brasil ainda se restringe ao artesanato, apesar de também ser empregado, mesmo que em pequena escala, na construção civil. Todavia, em países como a China, esta planta vem sendo utilizada desde a década de 1980 na área industrial, com destaque para a fabricação de papel, indústria alimentícia, assim como em aplicações na química e na engenharia. No entanto, esta grande empregabilidade poderá conduzir ao manejo predatório, desta forma, uma alternativa seria utilizar o bambu processado.

A estimativa é de que existam pelo menos 1250 espécies de bambu no mundo, as quais estão distribuídas em 90 gêneros presentes em todos os continentes, exceto na Europa. Esta vasta distribuição é decorrente da grande capacidade de distribuição climática (envolvendo tanto zonas tropicais quanto temperadas), assim como a grande capacidade de distribuição em variadas condições topográficas (as quais também envolvem o nível do mar acima de 4.000 metros).

No Brasil, existem inúmeras florestas de bambu, principalmente no estado do Acre, local no qual recobrem cerca de 35 % do estado e as imagens podem ser vistas através de satélites, com representação de grandes manchas em verde-claro.

Neste artigo, você conhecerá um pouco mais sobre este vegetal, mas especificamente sobre os tipos de bambu existentes e suas características, assim como outras informações adicionais.

Então venha conosco e boa leitura.

Bambu Características Importantes

Além das informações descritas na introdução do artigo, é importante ter em mente que os bambus são vegetais de caule lenhificado ou lignificado, ou seja, compostos pela macromolécula tridimensional amorfa chamada de lignina. Esta macromolécula se associa à celulose presente na parede celular para proporcionar rigidez, impermeabilidade, assim como resistência mecânica e resistência microbiológica aos tecidos vegetais.

A rigidez do caule lenhificado dos bambus proporciona excelente utilização comercial, seja na construção civil ou fabricação de objetos (tais como instrumentos musicais).

Uma curiosidade é que os edifícios construídos com bambus possuem resistência a terremotos.

Este caule é do tipo colmo, o mesmo encontrado na cana-de-açúcar, milho e arroz. Neste caule, os nós e entrenós são bastante visíveis. No caso do bambu, os colmos são ocos; já para a cana-de-açúcar, os colmos são cheios.

A fibra de bambu extraída a partir de uma pasta celulósica é considerada homogênea e pesada, além de não amassar e ser suave e reluzente como a seda. Esta fibra possui propriedades bacterianas e favoráveis ao sistema respiratório.

Fibra de Bambu
Fibra de Bambu

No bambu não ocorre uma desfolhação, tal como nos outros vegetais. Mesmo assim, no outono e na primavera, ele já adquire novas folhas que o substituirão.

Também possuem rizomas subterrâneos. Quando estes rizomas crescem, se afastam horizontalmente e, dessa forma, aumentam e expandem a superfície de alimentação do vegetal. A cada ano, novos brotos vão surgindo nos rizomas, expandindo-os. Contudo, quando os rizomas atingem a idade de 3 anos ou mais, não produzem novos brotos.

O processo de desenvolvimento ocorre da seguinte forma: a cada novo entrenó brota um pedaço de bambu, o qual recebe a proteção de uma fola caulinar. Tal pedaço de bambu surge a partir de uma gema dormente anterior. Individualmente, as gemas dormentes podem evoluir para um rizoma, ou um colmo, ou um galho.

Em relação à floração do bambu, há controvérsias até mesmo dentro da comunidade científica. No entanto, chegou-se a conclusão de que o processo leva até 15 anos para acontecer ou ainda 100 anos no caso de algumas espécies. A floração pode ser dispendiosa para o bambu e até mesmo resultar na sua morte, pois o vegetal faz um grande esforço para retirar do solo os nutrientes necessários.

As demais folhas do vegetal são consideradas uma extensão laminar das folhas que protegem um recém-formado novo pedaço de bambu (as chamadas folhas caulinares). Estes executam a fotossíntese naturalmente.

A Lenda Japonesa do Bambu e Suas Grandes Metáforas

Conta a sabedoria popular que dois agricultores estavam andando pelo mercado, quando avistaram algumas sementes que não conheciam, logo perguntaram sobre elas ao vendedor, o qual respondeu que as sementes eram nativas do Oriente, mas não explicou que sementes eram essas.

Apesar das respostas evasivas, o comerciante falou aos agricultores que a verdade só seria revelada de fato quando estes plantassem as sementes, oferecendo apenas fertilizantes e água.

Os agricultores plantaram essas sementes, de acordo com as recomendações recebidas, contudo passou-se algum tempo e nada acontecia.

Um dos agricultores resmungou sobre a demora e alegou ter sido enganado pelo vendedor, descuidando-se de seus cuidados necessários. No entanto, o outro agricultor continuou insistindo em regar as sementes e fertiliza-las até que brotassem.

Bambu no Japão
Bambu no Japão

Passado mais algum tempo, mesmo o agricultor mais dedicado e persistente também começou a desaminar e quis desistir, até que um belo dia viu finalmente um bambu aparecendo.

Depois de brotar, as plantas chegaram a altura de até 30 metros em 6 semanas. Esse crescimento acelerado ocorreu porque durante o período de inatividade, o bambu estava criando um sistema forte de raízes no solo, sistema que tornaria o vegetal mais forte e resistente, e com uma vida útil mais duradoura.

O que Essa História nos Ensina?

Sem estabelecer raízes estaríamos perdidos. Estas estruturas constituem uma base sólida e forte, mas que ao mesmo tempo é flexível ao lidar com as ventanias da vida.

Ainda aproveitando as metáforas, o bambu pode ser um grande exemplo de humildade, uma vez que, diante de tempestades e ventos fortes, enverga, mas não quebra.

Internamente, o bambu é vazio, e essa característica proporciona leveza para balançar sem quebrar. Considerando a adaptação para a condição humana, manter em nosso interior pesos desnecessários (tais como mágoas do passado ou excesso de pensamentos sobre o presente ou futuro), torna a nossa rotina muito mais dificultosa. O vazio interno do bambu é muito reverenciado dentro da filosofia budista.

O Bambu no Brasil e América Latina

O Brasil possui um grande número de gêneros e espécies de bambu. As espécies mais famosas por aqui são de origem asiática. Conforme a região de ocorrência, essas espécies podem ser conhecidas pelos nomes de taboca, taquara, taquaraçú, taboca-açu e jativoca.

De certa forma, pode-se afirmar que a descoberta dos bambus de grande parte encontrados na Costa da Mata Atlântica é de certa forma recente. Atualmente, também são encontrados nos biomas do Pantanal e Floresta Amazônica.

No caso de outros países da América do Sul , tais como Equador e Colômbia, o bambus já eram empregados para construção muito antes da chegada dos colonizadores espanhóis. Esse ‘conhecimento ancestral’ teria sido cada vez mais aprimorado com a chegada de novas tecnologias e equipamentos mais adequados para processar o bambu. Recentemente no Equador, foi desenvolvido um programa social que visa construir casas de bambu para populações de baixa renda. Para a construção dessas casas, as esteiras de bambu são produzidas na mata, secadas em depósitos e posteriormente fixadas em marcos de madeira; criando dessa forma, as paredes. A fundação das casas, geralmente é de concreto e madeira. As esteiras de bambu devem ser recobertas com argamassa de areia e cimento, de modo a garantir maior durabilidade da construção.

Bambu na Mata Atlântica
Bambu na Mata Atlântica

No Brasil, nos últimos anos, muitos eventos científicos vem sendo realizados de modo a discutir acerca das aplicações do vegetal. Alguns financiamentos para pesquisa já vem, inclusive, sendo realizados.

No ano de 2011, o governo federal sancionou a lei 12484 de incentivo ao plantio de bambu. Na década de 1960, uma iniciativa similar buscou incentivar o plantio de eucalipto no país.

No ano de 2017, o Brasil se afiliou ao INBAR (International Network for Bamboo and Rattan).

Das muitas organizações presentes no país voltadas a este vegetal, destacam-se a RBB (Rede Brasileira do Bambu), BambuBr (Associação Brasileira do Bambu) e Aprobambu (Associação Brasileira dos Produtores de Bambu); assim como algumas organizações estaduais, a exemplo da Bambuzal Bahia, Bambusc (Rede do Bambu de Santa Catarina), Agambabu (Rede Gaúcha do Bambu) e Rebasp (Rede do Bambu de São Paulo).

Outras ações de sensibilização promovidas por estas instituições visam rever os critérios adotados para o plantio de bambus e escolha da espécie, assim como avaliar o impacto que as operações de corte causam nas futuras brotações.

Considerações Sobre o Plantio de Bambu

Este vegetal possui adequação às regiões tropicais e subtropicais, logo seu desenvolvimento ocorre de modo muito satisfatório no Brasil. Por outro lado, climas mais frios, com ocorrência de geadas, são extremamente desfavoráveis ao seu desenvolvimento, uma vez que mata os brotos novos e queima as folhas.

O desenvolvimento do bambu demanda um percentual mínimo de umidade, de modo a haver certa disponibilidade de água e de elementos nutritivos.

Os locais de plantio devem ser abrigados do frio e das variações de temperatura; com índice pluviométrico compreendido entre 1.200 a 1.800 milímetros anuais, que, no entanto, não deixe o solo encharcado. O ideal é que o clima seja quente e as chuvas bem distribuídas. Os tipos mais indicados de solo são os leves e arenosos. Estes solos também precisam ser profundos, férteis e úmidos, porém drenáveis. A época ideal para plantio é durante o período chuvoso.

O espaçamento ideal entre bambus de grande porte é de 10 x 5 metros. No caso dos bambus de porte inferior, as medidas de 5 x 3 metros são ideais. Mas, caso a plantação de bambu seja destinada à produção de matéria-prima celulósica, é importante seguir parâmetros de maior densidade (no entanto, com linhas contínuas espaçadas), tais como 1 x 1 metro ou 2 x 2 metros.

Plantio de Bambu
Plantio de Bambu

Este vegetal pode se multiplicar através de mudas obtidas pelo desmembramento de touceiras ou através do enraizamento de gemas ou pedaços de colmos.

É importante analisar bem o solo para conhecer as suas deficiências e recomendações de fertilização. Para auxiliar na formação dos brotos, a adubação potássica pode ser bastante favorável, assim como a adubação completa e a calagem também pode ser muito útil em outras etapas.

Nos dois primeiros anos do plantio de bambu, o vegetal poderá ser intercalado com outras culturas.

Em relação a outros cuidados básicos durante a colheita, os colmos mais velhos podem ser colhidos de 4 a 5 anos após o plantio. Para brotos comestíveis, é válido deixar de 10 a 25% dos colmos e colher os demais, quando estes atingirem entre 20 a 30 centímetros- esse corte deve ser bem rente ao rizoma. No caso do plantio de bambu destinado à produção de celulose e papel, o corte deve ser rasante e realizado após 3 anos de plantio, com repetição após.

No que diz respeito à exposição solar, algumas espécies possuem mais necessidade do que outras. No entanto, é importante ter cautela mesmo para aquelas que precisam mais do sol, uma vez que podem ressecar quando expostas ao sol intenso durante horas. Logo, alguns períodos de sombra preservam o vegetal da desidratação.

O bambu possui certa vulnerabilidade a algumas doenças e pragas, tais como a seca-do-bambu, caruncho-do-bambu e broca do bambu.

No caso da broca do bambu (nome científico Rhinastus latisternus/ Rhinatus sternicornis), é possível realizar o controle através da remoção manual da praga no estágio adulto (as quais se alojam mais frequentemente no caule das plantas), assim como através da destruição das larvas novas (as quais são visíveis nos gomos furados). Caso essas medidas de controle manual não tenham resultado, a sugestão é recorrer para o controle químico, sendo através de um técnico especializado-de modo a evitar intoxicação. Uma dessas indicações de controle químico é a solução química Lorsban concentrada emulsionável a 48% (utilizando 1 ml para cada litro de água).

No caso da seca-do-bambu, esta praga é causada por um microorganismo pertencente à família Thelephoraceae. Os sintomas incluem ressecamento do caule e crescimento dificultoso e/ou inexistente para novos brotos, contudo o sintoma mais característico gerado por este fungo é o crescimento farináceo branco-acinzentado.

Já o carunchu-do-bambu é considerado por muitos como uma praga que ataca apenas o vegetal quando é cortado, de modo a inutilizar totalmente os seus caules. Especialistas recomendam o controle desta praga através do uso de uma solução de óleo diesel misturada a um inseticida, todavia , em razão da toxicidade, essa mistura é de uso restrito e demanda a autorização de um agrônomo.

Remover as folhas de touceira que portem algum sinal de doença, assim como aplicar calda bordalesa em seguida são medidas consideradas profiláticas para todas essas pragas.

O Bambu na Alimentação Humana e Seu Valor Nutricional

Uma das espécies de bambu mais utilizadas para a alimentação é o Dendrocalamus giganteous, o qual cada broto pesa em média 375 gramas. Essa espécie é bastante comum e utilizada para estes fins no estado de São Paulo, assim como a espécie Phyllostachys bambusoides.

No caso de oferecer o vegetal a consumidores domésticos, a recomendação é cortar os brotos, descascá-los e remover as suas bainhas (de modo a eliminar as partes rígidas). Em seguida, esses brotos devem ser cortados em fatias e fervidos duas vezes, sempre lembrando de trocar a água periodicamente. Cada fervura deve ter uma duração média compreendida entre 30 a 60 minutos. O ideal é adicionar uma colher de sal e uma pitada de bicarbonato de sódio (ou um pouquinho de vinagre) para cada litro de água.

O broto de bambu pode ser utilizado em saladas, recheios de empada e refogado na manteiga, sendo um bom substituto para o palmito ou aspargo.

Em relação à composição nutricional para cada broto de 100 gramas, este contém 28 calorias; 2,5 gramas de proteína; 17 miligramas de Cálcio; 47 miligramas de Fósforo; 2 mmg de vitamina A; 0,9 miligramas de Ferro; 9 miligramas de vitamina C; 0,09 miligramas de vitamina B2; e 0,11 miligramas de vitamina B1.

Melhores Variedades de Bambu de Acordo com a Finalidade

Para confecção de celulose, as espécies indicadas são o Dendrocalamus giganteous e Phyllostachys bambusoides. No caso da confecção de álcool, as indicações são Guadua flabellata e Bambusa vulgaris.

Entre as espécies utilizadas para a alimentação estão o Dendrocalamus giganteus, o Dendrocalamus asper, o Dendrocalamus latiflorus, Bambusa tuldoides e Phylloslaces bambusoides.

Para construção civil, as espécies são Phyllostachys sp., Guadus sp., Bambusa tuldoides, Bambusa tulda, Dendrocalamus asper e Dendrocalamus giganteus.

As espécies consideradas ornamentais são Bambusa gracillis, Phyllostachys nigra, Phyllostachys purpurara e Thyrsostachys siamensis.

Lista de Tipos de Bambu: Espécies com Nomes e Fotos- Bambu Chinês

Esta espécie possui o nome científico Phyllostachys edulis, podendo também ser encontrado nas denominações mao Zhu, tartaruga bambu ou moso bambu. É nativa do Oriente, mais precisamente da China e de Taiwan, sendo que também já foi naturalizada em outras áreas tais como o Japão, país no qual a maior distribuição do vegetal ocorre ao sul da ilha de Hokkaido. Possui amplo emprego na indústria têxtil da China, especialmente no que diz respeito à produção de rayon (tipo de fibra manufaturada).

O termo edulis encontrado em seu nome científico é de origem do latim e faz referência aos seus rebentos comestíveis.

Pode atingir a incrível marca de até 28 metros de altura. Propaga-se através de reprodução assexuada e sexuada, sendo a modalidade assexuada a mais comum. Esta ocorre no momento em que a planta envia novos colmos a partir de rizomas subterrâneos, e os colmos crescem com relativa rapidez. É comum que nos vegetais mais jovens os colmos cresçam mais em comparação aos vegetais mais maduros, e este crescimento é notado tanto no comprimento quanto no diâmetro. O primeiro colmo não ultrapassa alguns centímetros de comprimento, assim como apresenta um diâmetro muito pequeno (média de 2 milímetros), todavia, a cada estação a altura e o diâmetro tendem a aumentar.

Esta espécie floresce e produz sementes dentro do prazo de meio século, contudo este prazo pode oscilar, uma vez que a espécie não segue uma frequência dita como sincronizada das outras espécies.

Nos Estados Unidos (mais precisamente na Flórida no ano de 2016), foi iniciada a agricultura comercial em larga escala dessa espécie. A instituição responsável pela prática, a OnlyMoso USA tornou-se a primeira organização a realizar cultivo de bambu no país.

Lista de Tipos de Bambu: Espécies com Nomes e Fotos- Bambu Gigante

O bambu gigante (nome científico Dendrocalamus giganteus) possui colmos que podem atingir até 36 metros. As flores inicialmente são verdes e depois se convertem na cor amarela ou pardo-clara. Estas flores se dispõem na forma de espigas paniculadas, ou seja, inflorescências formadas por um conjunto de racemos nos quais há um decrescimento da base em direção ao ápice (contribuindo para uma conformação cônica ou piramidal). Em relação às folhas, estas possuem formato acuminado ou agudo.

O vegetal como um todo pode alcançar até 46 metros de altura e é uma das espécies mais altas do seu gênero (composto por até 85 representantes e prevalência na Ásia, Pacífico e África).

Esta espécie é originária da Malásia e floresce a cada 30 anos. Os seus grandes colmos favorecem que o vegetal seja cultivado como espécie ornamental. Esses largos colmos, quando cortados, funcionam muito bem como vasos

e baldes, podendo inclusive serem empregados na construção civil e por essa razão receberem a denominação de bambu-balde.

Lista de Tipos de Bambu: Espécies com Nomes e Fotos- Bambu Imperial

O bambu imperial (nome científico Phyllostachys castillonis) é uma espécie cultivada como planta ornamental. Possui colmos de cor amarela, os quais também apresentam listras em cor verde-clara. Suas folhas são verdes, mas com algumas estrias em cor branca.

As largas listras verdes em sua cana contribuem para o seu diferencial estético.

Um vegetal adulto apresenta entre 9 a 12 metros de altura. Suas canas possuem diâmetro compreendido entre 4 a 7 centímetros.

Algumas literaturas referem que esta espécie é nativa do Japão. No entanto, também é possível achar citações que apontam o bambu como originário da China, tendo sido levado ao Japão posteriormente e bem próximo a sua data de origem.

No final do século XIX, a espécie teria chegado à França, mais precisamente entre os anos de 1875 e 1886, sendo levado à Argélia em seguida. O seu grande crescimento permitiu que no fim dos anos 70 fosse maciçamente difundido na Europa.

O bambu imperial gosta de ser plantado em pequeno grupo de forma isolada, ou de fazer parte da composição de um pequeno bosque ou pequena sebe. Gosta de solo fresco e profundo, porém recomenda-se evitar solos com excesso de calcário.

Esta espécie também pode ser chamada de bambu verde-amarelo, ou ainda bambu brasileiro (embora seja originário da Ásia), em razão da sua coloração. Estudos indicam que a espécie teria sido introduzida no Brasil por portugueses.

Lista de Tipos de Bambu: Espécies com Nomes e Fotos- Bambu Maciço

Esta espécie possui características peculiares em relação às outras espécies, uma vez que os seus colmos são maciços, no entanto, a cavidade no interior ainda existe, embora reduzida.

Esses colmos também se caracterizam por serem flexíveis e elásticos. As folhas são lanceloadas e se dispõem na forma de espiguetas no prolongamento do caule (panícula). O fruto é caracterizado como carióptico, hirsuto e pardo.

Pode atingir um comprimento estimado entre 8 a 20 metros; assim como um diâmetro estimado entre 2,5 a 8 centímetros.

É uma espécie originária da Índia e da Birmânia (país ao Sul da Ásia Continental, limitado ao Norte e Nordeste pela China). Outros nomes para este bambu incluem bambu cheio chinês, bambu de caniço, bambu macho e bambu de pescador.

Suas sementes e raízes são comestíveis. Como fornece uma madeira bastante resistente, pode ser empregado na construção de pontes. Esta madeira também é utilizada na confecção de papel.

Lista de Tipos de Bambu: Espécies com Nomes e Fotos- Bambu Trepador

Esta espécie possui certo diferencial ao ser nativa e endêmica do Brasil, sendo encontrada nas regiões Sul e Sudeste. Seu nome científico é Chusquea capituliflora.

Também pode ser chamada pelos nomes taquarinha, taquari, criciúma, guriximina e quixiúme.

O seu colmo é áspero e sólido com comprimento que pode chegar a até 6 metros.

Em relação às folhas, os ramos são em formato de leque. As folhas são de formato agudo, oblongolanceloado, e com disposição de estrias.

As flores se dispõem em capítulos terminais.

Este bambu é frequentemente utilizado para confecção de cestarias. Sua folhas são utilizadas como forrageiras, ou seja, revestimento do local em que dormem os animais.

Lista de Tipos de Bambu: Espécies com Nomes e Fotos- Bambu Japonês

Para algumas literaturas este bambu é nativo da China para outras, do Japão. Também pode ser chamado pelo nome de madake ou bambu gigante de madeira. Seu nome científico é Phyllostachys bambusoides.

Pode chegar à altura de até 20 metros, assim como ao diâmetro de 20 centímetros.

Seus colmos são de cor verde escuro e possuem uma parede naturalmente fina, a qual engrossa com a maturidade. Esses colmos também são retos possuem entrenós longos, assim como dois anéis distintos no nó.

Em relação às folhas, estas também são de cor verde escura, assim como possuem bainhas fortes e sem pêlos.

Caules novos costumam surgir ao final do período da primavera, com uma taxa de crescimento de 1 metro ao dia.

Entre uma floração e outra, há um longo intervalo estimado em 120 anos.

Esta espécie é considerada um dos bambus favoritos na Ásia para fabricação de móveis e construção civil. O madake também é bastante empregado em ofícios que fazem partem da tradição japonesa, tais como fabricação de flautas do tipo shakuhachi; fabricação de ferramentas de impressão e xilogravura japonesa; assim como cestas tradicionais, a partir de seus entrenós longos.

Nas zonas temperadas do globo, a espécie vem sendo cultivada como planta ornamental. A capacidade de crescimento exagerada torna estes vegetais excelentes para cultivo no espaço de parques e grandes jardins.

Lista de Tipos de Bambu: Espécies com Nomes e Fotos- Bambu de Dragão

O bambu de dragão (nome científico Dendrocalamus asper) também pode ser conhecido como bambu gigante. É uma espécie tropical e nativa da porção sudeste da Ásia, mas que já foi introduzida com excelência na África e na América Latina.

Possui comprimento máximo estimado entre 15 a 20 metros. A média de diâmetro está entre 8 a 12 centímetros. Alguns países nos quais é prevalente incluem o Sri Lanka, Índia, assim como o sudoeste da China. Além de ser encontrado na América Latina, a espécie também está presente em áreas quentes dos Estados Unidos.

O aspecto reto e de grande diâmetro dos colmos propicia que a espécie seja empregada para construção pesada.

Seus colmos são de cor verde-acinzentado e tendem a adquirir coloração marrom no processo de secagem. Em colmos jovens, os brotos são de cor preto-acastanhado, tendendo a possuir pêlos dourados nos nós inferiores.

A floresce acontece em intervalos de tempo superiores a 60 anos. A semente gerada é extremamente frágil e, com isso, as mudas possuem alta mortalidade.

Lista de Tipos de Bambu: Espécies com Nomes e Fotos- Bambu Chinês

Esta espécie de nome científico Dendrocalamus latiflorus também é conhecida como Bambu Gigante de Taiwan. Como o próprio nome indica, é nativa de Taiwan e do Sul da China. Possui rebentos comestíveis e é empregado em construções leves.

Os colmos são lenhosos e as paredes consideradas espessas, uma vez que a espessura fica entre 5 a 30 milímetros. No caso da altura, esta encontra-se entre 14 a 25 metros; e no caso do diâmetro, de 8 a 20 centímetros.

A cor dos internódios da espécie é verde-pálida, e estes possuem entre 20 a 70 centímetros de comprimento.

Suas folhas possuem formato de lança; com 25 a 70 milímetros de largura; e 15 a 40 centímetros de comprimento.

Nas áreas nativas, a espécie é encontrada em regiões subtropicais úmidas, com altitudes de até 1.000 metros. É capaz de tolerar temperaturas muito baixas, de até -4°C para ser mais preciso. O bambu chinês possui maior desenvolvimento em solos férteis, com barro arenoso e úmido.

No caso dos trópicos, a espécie pode ser cultivada tanto em terras altas quanto em terras baixas. Contudo, solos alcalinos, argila pesada e ácidos de cascalho não são elementos favoráveis para gerar brotos que sejam comestíveis.

No caso das construções leves, a madeira estrutural dos colmos auxilia na construção de casas, canos de água, implementos agrícolas, móveis, balsas para pesca, cestaria; sendo também empregada para fabricação de papel.

Não apenas os colmos, como também as folhas podem ser aproveitadas para cozinhar arroz, confeccionar chapéus, produzir material para embalagem e fazer telhados que serão utilizados em barcos.

Lista de Tipos de Bambu: Espécies com Nomes e Fotos- Bambu de Buda

Essa espécie é nativa do Vietnã e do Sul da China, mais especificamente da província de Guangdong.

É muito cultivado nas regiões subtropicais ao longo do globo terrestre, principalmente com a finalidade de gerar colmos bulbosos e ornamentais. A espécie é muito utilizada no bonsai, técnica japonesa que utiliza técnicas de cultivo para produzir pequenas árvores que, em contêiner, imitam a forma de árvores em tamanho real.

Também pode ser chamado de bambu de barriga de buda. Seu nome científico é Bambusa ventricosa.

Lista de Tipos de Bambu: Espécies com Nomes e Fotos- Bambuzinho de Jardim

O bambuzinho de jardim (nome científico Bambusa gracilis) também pode ser chamado de bambuzinho amarelo ou bambuza. Possui folhagem de cor e textura bastante fina.

Seu ciclo de vida é perene; e sua coloração é verde-limão.

Seu cultivo pode ser realizado à meia-sombra ou em sol pleno. O solo precisa ser fértil e enriquecido com compostos orgânicos. Possui boa tolerância ao frio.

Lista de Tipos de Bambu: Espécies com Nomes e Fotos- Bambu Mosteiro

Esta espécie de nome científico Thyrsostachys siamensis também pode ser chamada pelos nomes bambu guarda-chuva, Thai bambu ou bambu longa bainha.

É nativo de países como Tailândia, Mianmar, Vietnã, Laos e Yunnan. Tornou-se naturalizado em Bangladesh, Malásia e Sri Lanka.

O colmo jovem possui coloração verde-brilhante. Na maturação, se torna verde-amarelado; e quando seca, adquire coloração marrom. Possui enternódios com comprimento entre 15 a 30 centrímetros, e diâmetro entre 3 a 8 centímetros. Esses colmos possuem paredes espessas e com pequeno lúmen.

Curiosidades Adicionais Sobre os Bambus- Informações que Provavelmente Você Não Sabia

Algumas literaturas referem que existe cerca de 4.000 uso catalogadas para o bambu.

É possível extrair etanol do bambu. O vegetal ainda contém 10% de amido e 55% de celulose. O rendimento anual em carvão de uma plantação de bambu chega a ser bem parecido ao rendimento de um plantio de eucalipto. O carvão de bambu possui inclusive uma densidade superior à madeira do eucalipto.

Um bambuzal pode atuar como elemento de proteção contra catástrofes naturais, tais como terremotos e vendavais.

Na Índia, aproximadamente 70% do papel utilizado no país é confeccionada a partir de espécies de bambu. Aqui no Brasil, mais precisamente no Nordeste (citando estados como o Maranhão, Pernambuco e Paraíba) existem milhares de hectares de bambu plantados especificamente com a finalidade de produção de papel.

Como são considerados vegetais de caule bastante resistente, a resistência à compressão de uma peça pequena feita à base de bambu pode ser superior à resistência à compressão verificada pelo concreto, por exemplo.

Bambu Trançado
Bambu Trançado

O mais surpreendente é que cabos de bambu trançados são equivalentes ao aço CA25. Anteriormente, à segunda guerra mundial, o bambu era utilizado como reforço ao concreto. O bambu picado pode, inclusive, substituir a areia ou brita dentro do processo de confecção do concreto leve.

Na Tanzânia, o bambu é empregado para irrigação de grandes plantações. O país contra com cerca de 700 Km de tubulação (feita com bambu) para este propósito.

A estrutura dos barcos modernos teria sido baseada na anatomia do bambu.

Após o bombardeio nuclear de Hiroshima, o bambu teria sido uma das primeiras manifestações e vida.

Dentro os gêneros do vegetal, o gênero Sasa contém algumas espécies cujo rizoma pode alcançar até 600 Km/há. Este gênero contém cerca de 488 espécies descritas, contudo, apenas 61 aceitas para registro.

*

Agora que você já conhece um pouco mais sobre os variados tipos de bambu existentes, nossa equipe o convida a continua conosco para visitar outros artigos do site.

Aqui há muito material de qualidade nos campos da botânica, zoologia e ecologia de um modo geral.

Sinta-se à vontade para digitar um tema de sua escolha em nossa lupa de pesquisa e, caso o seu tema não seja encontrado, você poderá sugeri-lo em nossa caixa de diálogo abaixo deste texto.

Divirta-se e até as próximas leituras.

REFERÊNCIAS

APUAMA. História do Bambu no Brasil. Disponível em: < http://apuama.org/historiabambu/>;

ARAÚJO, M. Infoescola. Bambu. Disponível em: <https://www.infoescola.com/plantas/bambu/>;

AUR, D. Green Me. A história japonesa do bambu que nos ensina a superar as adversidades da vida. Disponível em: < https://www.greenme.com.br/viver/segredos-para-ser-feliz/8446-fabula-japonesa-do-bambu/>;

AUSTIN, R.; UEDA, K. BAMBU (Nova York: Walker / Weatherhill, 1970) p. 193;

BESS, NANCY MOORE; WEIN, BIBI (2001). Bambu no japão (1ª ed.). Nova York: Kodansha International. p. 34);

BRICKELL, CHRISTOPHER, ed. (2008). A Royal Horticultural Society AZ Enciclopédia de plantas de jardim . Reino Unido: Dorling Kindersley. p. 811;

Flora of China. Dendrocalamus asper. Disponível em: < http://www.efloras.org/florataxon.aspx?flora_id=2&taxon_id=242317340>;

Flora of China. Phyllostachys edulis. Disponível em: <http://www.efloras.org/florataxon.aspx?flora_id=2&taxon_id=242445237>;

G1. Terra da Gente- Flora. Bambu-verde-amarelo. Disponível em: < http://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/terra-da-gente/flora/noticia/2014/12/bambu-verde-amarelo.html>;

“FLORIDAGRICULTURE Edição de outubro de 2017, página 10” . mydigitalpublication.com;

Panflor. Viveiros e Centro de Jardinagem. Bambu Phyllostachys b. Castillonis. Disponível em: <https://www.planfor.pt/comprar,bambu-phyllostachys-b-castillonis,9296,PO>;

SALGADO, A. L. B. IAC. Líder Agronomia. Bambu. Disponível em: < http://www.lideragronomia.com.br/2016/04/bambu.html>;

SCHRODER, S. Guadua Bamboo. Disponível em: < https://www.guaduabamboo.com/species/dendrocalamus-latiflorus>;

The Plant List. Phyllostachys castillonis (Marliac ex Carrière) Mitford. Disponível em: < http://www.theplantlist.org/tpl/record/tro-25525297>;

Tropicos. Phyllostachys castillonis. Disponível em: <http://legacy.tropicos.org/Name/25525297>;

U.S. National Plant Germplasm System. Phyllostachys edulis. Disponível em: <https://npgsweb.ars-grin.gov/gringlobal/taxonomydetail.aspx?id=28158>;

VELLER, CARL; NOWAK, MARTIN A .; DAVIS, CHARLES C. (julho de 2015). “Carta: intervalos de floração estendidos de bambus evoluíram por multiplicação discreta” (PDF) . Cartas de ecologia . 18 (7);

Wikipédia. Bambu-Maciço. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Bambu-maci%C3%A7o>;

Wikipedia in English. Dendrocalamus asper. Disponível em: < https://en.wikipedia.org/wiki/Dendrocalamus_asper>;

Wikipedia in English. Phyllostachys bambusoides. Disponível em: < https://en.wikipedia.org/wiki/Phyllostachys_bambusoides>;

Wikipedia in English. Phyllostachys edulis. Disponível em: <https://en.wikipedia.org/wiki/Phyllostachys_edulis>;

Wikipedia in English. Thyrsostachys siamensis. Disponível em: < https://en.wikipedia.org/wiki/Thyrsostachys_siamensis>.

 

Veja também

Jasmim Real

Tudo Sobre A Flor De Jasmim: Características, Nome Científico E Fotos

Seja você um admirador de jardinagem com traços profissionais, ou um simples apaixonado pelas belas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *