Home / Plantas / História da Ervilha

História da Ervilha

Você Conhece a Ervilha?

Essas pequenas bolinhas verdes dividem opiniões, uns adoram, outros detestam; mas o fato é que as ervilhas estão presentes entre os humanos há mais ou menos 7000 a.C., existem registros de que foram encontradas restos carbonizados em diferentes lugares do período neolítico (período de grande desenvolvimento de sociedades agrícolas).

Não podemos afirmar com toda certeza do mundo, mas os registros dizem que elas tiveram origem entre a Ásia Ocidental e a Europa Oriental, na região do Cáucaso; teve sua difusão por toda a Ásia em meados de 2000 a.C., a partir do momento em que chego à Índia, logo foi introduzido em território chinês, onde agradou a todos e difundiu-se  com facilidade. Na Europa, a ervilha foi introduzida a partir da Palestina e do Egito em regiões do Mediterrâneo.

Esses pequenos legumes sempre agradaram diferentes povos e culturas. Já foram encontrados registros de sua presença nas pirâmides do Egito, em Troia e em Halicat, povoado existente em 5500 a.C., mais especificadamente onde localiza-se hoje a Turquia; ainda em 4 a.C foram descritas e citadas em registros por gregos e por romanos, que demonstraram suas variedades, características e as formas de cultivo do povo romano; também foi encontrada em escavações na cidade da Antiga Pompéia.

Sendo importantíssima para as civilizações humanas, a ervilha já foi citada na Bíblia e em diversos registros antigos da Grécia, do Egito e de Roma. Foi também citada no livro Regimen Sanitatis (A Regra da Saúde), um importante livro da Idade Média, que foi produzido pela Escola Médica de Salerno, por volta de 1480.

Ervilhas de Vagem Comestível
Ervilhas de Vagem Comestível

Em meados de 1600, a ervilha já estava difundida por grande parte da Europa e também da Ásia, foi quando o Rei Louis XIV, da França decidiu atribuir-lhe e divulgar os benefícios da ervilha, o que acabou virando moda e todos queriam comer o legume, o que aconteceu foi o contrario, como a demanda era muito grande e a oferta não conseguia atender a todos, o que aconteceu foi que o preço do alimento subiu e acabou por ficar restringido ao consumo dos mais nobres; ainda que passaram a ser vistas como símbolos da sorte e da prosperidade, sendo suas flores utilizadas em coroas de noivas e em casamentos.

Até esse período, as ervilhas eram consumidas em grãos secos e em folhagens, a partir deste século descobriram que ela fica muito mais saborosa quando consumida fresca, então passaram a consumi-las desta maneira e nunca mais pararam. Hoje apesar de serem vendidas congeladas, muitos preferem elas ainda frescas.

Mendel e a Ervilha: Genética

Mas foi em meados de 1855 a 1865 que ela deu sua maior contribuição para nós humanos; ela foi utilizada em uma experiência pelo monge cientista Gregor johann Mendel, hoje conhecido como “o pai da genética”, ele buscou estudar a genética que era passada de pai para filho, a chamada “herança genética”; para isso, ele estudou a herança genética de sete características variadas de ervilha, onde altura, cor, formato, cor da flor estavam presentes na pesquisa; ele estabeleceu linhagens de ervilhas com duas diferentes formas de uma característica (alta x baixo, arredondada x oval), ele chegou a cultiva-las por uma geração inteira até que estivem puras, após isso, fez o cruzamento entre elas e pode-se observar as diferentes características que foram herdades de uma para outra.

Gregor Mendel
Gregor Mendel

Foi possível notar os padrões de herança similares nas diferentes características de estudo. A genética hoje é importantíssima para compreendermos nossas heranças genéticas, nossas características, o que foi passado dos nosso antepassados e que estão em nós até os dias de hoje; essa incrível descoberta partiu de Mendel através da ervilha, se não fosse por estes dois, dificilmente saberíamos algumas próprias características da nossa família.

No fim do estudo, em 1865, Gregor Mendel chegou a estudar 30.000 ervilhas, aponto para a Sociedade de História Natural, seu resultado, e foi este:  Chegou a conclusão de que algumas características (flor, formato, altura) dependiam de pares de herança, o “dominante” e o “recessivo”, sendo que é possível um esconder o outro, por possuir em maior quantidade; estes eram separados quando havia a produção de gametas, aleatoriamente, cada um recebia um fator, sendo que estes fatores eram herdados de forma independente, não dependiam do outro para estarem presentes nos gametas.

A Ervilha no Brasil

No Brasil, elas foram introduzidas a partir da chegada dos portugueses, onde já possuíam o costume de cultivar e comer o alimento; como o Brasil possui um território muito extenso e um sólo muito fértil, além de um clima agradável, em 1940, ela difundiu-se bem por parte do território, por preferir regiões mais frias, ela adaptou-se muito no Rio Grande do Sul, sendo cultivada em grande extensão, porém, a produção vem reduzindo ao passar dos anos,  caiu em 70% nos últimos 20 anos, mas existe um bom motivo por trás disso, a Embrapa (Empresa Brasileira  de Pesquisa Agropecuária) vem se esforçando para desenvolver espécies melhores, mais fortes e resistentes do que as que são importadas hoje.

Um Alimento Rico em Energia

A ervilha está presente na nossa alimentação a muito tempo, isso é fato, mas você sabe por que? Será que é só pelo seu gosto ou pelo tanto de benefícios à saúde que ela proporciona? Na verdade, o fator principal da ervilha é que elas são ótimas fontes de energia, possuem um valor energético considerável, chegando a nos fornecer 80 calorias em 100 gramas,  além de possuir um alto teor de carboidratos (13%) e uma quantidade muito grande de fibras (5%) e também possui proteínas em valor considerável (6%), e ainda está presente em sua composição, um baixo nível de água comparado a outras hortaliças, apenas 75%.

Além destas qualidades, podemos destacar a importante presença dos minerais, fósforo, zinco, cálcio, magnésio, ferro e potássio, estes que são importantíssimos ao corpo humano; devido a esses fatos e qualidades, os especialistas recomendam o consumo da ervilha, pois além de tudo isso, ainda não possuem sódio, deixando-as ainda mais interessante

Lembre-se, tamanho não é documento; apesar de pequenininhas e as vezes quase imperceptíveis por nós, as ervilhas tem uma história incrível, passando por diversos povoados e culturas, sendo registrada em livros e escritos, e até utilizada em experimentos científicos que nos deram resultados satisfatórios e que utilizamos até hoje para entendermos a genética,

Veja também

Hibiscus Sabdariffa

Qual é o Hibisco Comestível? Qual Serve Para Fazer Chá?

Muitas flores são muito boas para a produção de chás e de outros produtos naturais, …

Um comentário

  1. Artigo muito esclarecedor. Depois de muitos aprendi a historia da ervilha. Parabéns

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *