Home / Plantas / Como Fazer Chá de Folha de Crajirú?

Como Fazer Chá de Folha de Crajirú?

O crajirú (nome científico Arrabidaea chica) é uma planta medicinal que também pode ser conhecida pelo nome de pariri, cipó-cruz, carajuru, cipó-pau, puca panga, oajuru, carajuru, entre outros. É um vegetal encontrado com abundância na Floresta Amazônica, mas que também é encontrado na Mata Atlântica e Cerrado. Fora do Brasil, cresce na África, América Central e nos países latinos vizinhos.

O chá de pariri (ou crajirú) é muito famoso dentro dos tratamentos alternativos e complementares, contudo, não é destinado apenas ao consumo oral, uma vez que pode ser utilizado em banhos e lavagens nos locais com afecções específicas, podendo ser utilizado até mesmo na região íntima.

Mesmo sendo de coloração verde escura, as folhas após cortadas liberam um tom avermelhado/vinho, o qual é transferido ao chá. Para o preparo do chá são utilizados as folhas e os talos. Caso, tais estruturas estejam secas, os efeitos do chá poderão ser potencializados.

Neste artigo, você vai aprender o passo a passo do preparo deste chá, além de conhecer algumas características sobre o crajirú e seus benefícios.

Então venha conosco e boa leitura.

Crajirú: Classificação Botânica

A classificação científica para o crajiru obedece à seguinte estruturação:

Reino: Plantae;

Divisão: Magnoliophyta;

Classe: Magnoliopsida;

Ordem: Lamiales;

Família: Bignoniaceae;

Gênero: Arrabidaea;

Espécie: Arrabidaea chica.

Arrabidaea Chica

Características e Curiosidades Sobre o Crajirú

O crajirú é uma planta medicinal (ou erva) classificada como arbustiva e trepadeira, uma vez que pode desempenhar este papel caso esteja muito próximo a outro vegetal.

Os ramos que contém as folhas podem ser classificados como subtetragonos. Em relação às folhas, estas são a verdadeira característica representativa do vegetal. As folhas são compostas e trifoliadas, também possuem fólios oblongos lanceloados. A coloração é verde escuro, no entanto, após secas podem adquirir coloração avermelhada.

As flores são extremamente discretas e podem passar despercebidas. São campanuladas, apresentando cores rosa e lilás. Tais flores estão dispostas em panículas terminais medindo entre 18 a 20 centímetros de comprimento.

Uma peculiaridade envolvendo a coloração vermelho-escuro (verificada após o corte das folhas) é que tais folhas responsáveis por liberar a coloração, podem ser submetidas a um processo de fermentação, e o resultado pode ainda ser manipulado com anileira. O produto final destas duas etapas cria um corante bastante pigmento e com boa fixação utilizados na pintura corporal dos índios, bem como na pintura de seus utensílios. Esta propriedade corante foi, inclusive, citada na obra “Iracema” de José de Alencar.

Tal corante confeccionado pelos índios ainda é exportado em pequena escala (no nome de vermelho-americano) e utilizado para tingir algodão.

Benefícios do Crajirú

Um dos principais benefícios do crajirú, inclusive confirmado por meio de estudos científicos, é o aumento da concentração de hemácias ou plaquetas para indivíduos que estejam sendo submetidos a quimioterapia ou radioterapia (e naturalmente possuem um declínio destes elementos). O crajirú também é capaz de reduzir a toxicidade da quimioterapia, consequentemente atenuando seus efeitos adversos.

Outros benefícios incluem o alívio de ulcerações em pacientes diabéticos, bem como a redução da psoríase e até mesmo auxílio a pacientes imunodeprimidos.

Pode ajudar na cicatrização de úlceras gástricas, assim como aliviar quadros de diarreia. A ingestão oral do chá também pode demonstrar eficácia contra a conjuntivite.

A alta concentração de Ferro torna o vegetal um grande aliado no combate à anemia.

O princípio ativo do vegetal está concentrado no antioxidante antocianina, presente nas folhas e no talo, o qual traz mais um benefício: eliminar os radicais livres, e , dessa forma, prevenir o aparecimento de doenças de modo geral. A ação anti-tumoral e de prevenção de vários tipos de câncer ainda está sendo estudada.

Outras literaturas apontam para a ação anti-parasitária do vegetal (particularmente contra leishmania e trypanossoma). Há um estudo inusitado que inclusive relata que o extrato de Crajirú teria inibido em atá 92,52% ação do veneno da cobra Crotalus, 6 horas após a exposição.

Além do chá, os benefícios do vegetal podem ser aproveitados por meio de banhos para tratamento de variados quadros dermatológicos (dentre eles, ferimentos, psoríase e até mesmo picadas de inseto). Banhos de assento com o chá de crajirú, mantendo a água um pouco morna (não fria), pode aliviar quadros de corrimento vaginal. Há quem prefira, para este último caso, aplicar uma mistura (feita de folhas de crajirú batidas no liquidificador com um pouco de água) diretamente nas partes íntimas (no caso no interior dos pequenos lábios) com algodão.

A mesma mistura descrita acima pode ser aplicada diretamente sobre ferimentos na pele (deixando-a agir durante 30 minutos e na frequência de 3 vezes ao dia).

Como Fazer Chá de Folha de Crajirú?

Recomenda-se que no preparo do chá as folhas não sejam fervidas junto com a água, mas adicionadas à água pós a fervura.

Antes de adicionar as folhas na água, a sugestão é que estas sejam cortadas em pedaços pequenos- de modo que as suas propriedades sejam plenamente absorvidas pela água.

Caso sejam utilizados 250 ml de água fervente, deve adicionar um colher (sopa) de folhas de crajirú cortadas. No caso de ser utilizado 1 litro de água fervente, a medida de 1 colher destas folhas permanece.

Chá de Folha de Crajirú

Após colocar as folhas, deve-se tampar o chá deixando em repouso por mais de 5 minutos, ou até esfriar. O próximo passo é coar.

Existe ainda uma etapa extra, segundo o qual é possível potencializar o extrato da erva. Neste caso, a etapa consiste em deixar o chá em repouso por um período de 12 horas após ser coado.

Em relação à sugestão de consumo, recomenda-se que o chá seja ingerido 3 vezes ao dia em uma quantidade média de 250 ml em cada dose.

Contraindicações e Efeitos Adversos do Consumo de Crajirú

O consumo oral de crajirú parece ter um efeito indesejado caso durante o tratamento com a erva, o individuo consuma carne vermelha, bebidas alcoólicas e refrigerantes, bem como faça uso de cigarro.

Pessoas com pressão naturalmente baixa devem evitar o consumo de derivados do vegetal. A mesma recomendação e válida para gestantes e mulheres que estejam amamentando, neste caso, não por contraindicação necessariamente, mas por falta de estudos que atestem que o consumo neste período é seguro.

Depois de conhecer um pouco mais sobre as propriedades do crajirú, que tal continuar por aqui para visitar também outros artigos do site.

Garanto que por aqui também há outros temas de seu interesse.

Sinta-se à vontade e até as próximas leituras.

REFERÊNCIAS

Naturais em Casa. Chá de Crajiru. Disponível em: < https://www.naturaisemcasa.com/cha-e-flores/cha-de-crajiru>;

Oficina de ervas. Crajiru ou Pariri: para que serve e como tomar. Disponível em: < https://www.oficinadeervas.com.br/conteudo/crajiru-ou-pariri-para-que-serve-e-como-tomar>;

Wikipédia. Crajiru. Disponível em: < https://pt.wikipedia.org/wiki/Crajiru>.

Veja também

Ficha Técnica da Folha da Fortuna Saião: Raiz, Folhas e Caules

O saião é um vegetal pertencente ao gênero botânico Kalanchoe, com diversas espécies correspondentes. Também …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *