Home / Plantas / Cana de Açúcar É Fruta, Caule, Raiz? O Que É?

Cana de Açúcar É Fruta, Caule, Raiz? O Que É?

Existem mais de 400 tipos de gramíneas. Todas as gramíneas são consideradas comestíveis e saudáveis. As gramíneas mais comuns consumidas são aveia, trigo, cevada e outras gramíneas de cereais. Grama contém proteínas e clorofila, que é saudável para o corpo. Muitas gramíneas também contêm magnésio, cálcio, ferro, fósforo, potássio e zinco. A cana-de-açúcar é uma grama comestível que a torna vegetal.

Entretanto a cana-de-açúcar não está classificada nem como fruta, nem como vegetal.  É uma grama. Nem todo o material vegetal que ingerimos precisa ser classificado como fruta ou vegetal. Aqui está uma regra geral:

  • Vegetais: são certas partes das plantas que são consumidas pelos seres humanos como alimento, como parte de uma refeição saborosa;
  • Frutas: no uso comum da linguagem, são as estruturas carnudas associadas a sementes de uma planta que são doces ou azedas e comestíveis no estado bruto.

Existem itens como cana-de-açúcar, xarope de bordo e folhas de besouro, para citar alguns que não se enquadram em nenhuma dessas categorias.

Todas as frutas são vegetais (não animais e não minerais), mas nem todos os legumes são frutas. A cana-de-açúcar é uma grama e a parte doce ingerida não é uma fruta, porque não é a parte que contém as sementes. A cana-de-açúcar produz sementes da mesma maneira que qualquer grama como o grão no topo em plumas.

Cana de Açúcar É Fruta?

Essa pergunta em geral surge porque existe a ideia de que frutas são doces. Não é bem verdade: As azeitonas são amargas e oleosas, não doces, os limões são suculentos, não doces, os frutos de eucalipto são amadeirados e perfumados, os de amêndoa são amargos e não doces, os de noz-moscada (maça) são picantes, não doces.

As cenouras são doces, a beterraba é doce, a batata doce é doce, mas são raízes, não frutas. Mesmo que você possa fazer torta de batata-doce ou torta de abóbora e dificilmente conseguir diferenciá-los, a abóbora é uma fruta.

A cana armazena seu açúcar nos caules. A cana-de-açúcar (a parte que você come) é uma haste, não uma fruta. E assim um vegetal.

Cana de Açúcar – O Que É?

A cana-de-açúcar (Saccharum officinarum) é uma grama perene da família Poaceae, cultivada principalmente pelo suco do qual o açúcar é processado. A maior parte da cana-de-açúcar do mundo é cultivada em áreas tropicais e subtropicais.

As plantas têm muitas folhas longas e estreitas. Através da fotossíntese, essa grande área foliar serve para produzir matéria vegetal, cuja molécula principal é o açúcar. As folhas também são boas forragens para o gado.  O sistema radicular é denso e profundo. É por isso que a cana-de-açúcar protege os solos com eficiência, principalmente contra a erosão devido a fortes chuvas e ciclones.  A inflorescência, ou espigão, é uma panícula que compreende uma infinidade de flores que produzem pequenas sementes, conhecidas como “penugem”.

A cana-de-açúcar é uma grama tropical perene, com caules altos e fortes, das quais o açúcar é extraído. O resíduo fibroso pode ser usado como combustível, em painéis de fibra de vidro e para vários outros fins. Embora a própria cana seja usada para reprodução (vegetativa), ela não é uma fruta. A cana-de-açúcar produz uma fruta , chamada caryopsis. Fruta é um termo botânico; é derivado de uma flor e produz sementes. Vegetal é um termo culinário; qualquer parte de qualquer planta, incluindo gramíneas, pode ser considerada vegetal quando usada como tal.

A Origem da Cana de Açúcar

A cana-de-açúcar teve origem na Papua-Nova Guiné. Pertence à família Graminaceae e ao gênero botânico Saccharum, que compreende três espécies açucareiras – S. officinarum, conhecidas como “cana nobre”, S. sinense e S. barberi – e três espécies não açucareiras – S. robustum, S. spontaneum e S. edule. Na década de 1880, os agrônomos começaram a criar híbridos entre a cana nobre e as outras espécies. As variedades modernas são todas derivadas desses cruzamentos.

A cana de açúcar se originou na ilha de Papua Nova Guiné. Seguiu os movimentos de pessoas na região do Oceano Pacífico, chegando à Oceania, sudeste da Ásia, sul da China e Vale do Indo na Índia. E foi na Índia que a história do açúcar começou … É que os índios já sabiam extrair açúcar de cana e fazer licores a partir de suco de cana, há 5000 anos. Os comerciantes de caravanas viajavam pelo Oriente e Ásia Menor vendendo açúcar na forma de pães cristalizados; o açúcar era uma especiaria, um bem de luxo e uma droga.

No século VI aC, os persas invadiram a Índia e levaram para casa práticas de extração de cana e açúcar. Eles cultivaram cana-de-açúcar na Mesopotâmia e guardaram os segredos da extração por mais de 1000 anos. Os árabes descobriram esses segredos depois de uma batalha contra os persas perto de Bagdá em 637 DC. Eles desenvolveram com sucesso a cana-de-açúcar no Mediterrâneo, até a Andaluzia, graças ao seu domínio das técnicas agrícolas, principalmente a irrigação. Enquanto os povos árabe-andaluzes se tornaram especialistas em açúcar, para outras regiões da Europa, isso permaneceu uma raridade. Não foi até as cruzadas, a partir do século XII, que essas regiões realmente se interessaram por ela.

Beneficiamento da Cana de Açúcar

A extração de sacarose, o açúcar encontrado nas hastes, consiste em isolá-la do restante da planta. Ao entrar na fábrica, cada lote de cana é pesado e seu teor de açúcar é analisado. As hastes são então esmagadas em fibra áspera, usando um moedor de martelos.

Para extrair o suco, as fibras são regadas simultaneamente com água quente e prensadas em um moinho de rolos. O resíduo fibroso deixado após a extração do suco é chamado de bagaço e pode ser usado para abastecer caldeiras para gerar eletricidade.

O suco é aquecido, decantado e filtrado após a adição de limão abatido, e depois concentrado por aquecimento. Isso produz um “xarope” livre de suas impurezas “não açucaradas”, ou escória, que pode ser usado como fertilizante. O xarope é aquecido em uma panela, até se transformar em “massa”, contendo um líquido xaroposo, o licor e cristais de açúcar. Aquele massecuite é então aquecido mais duas vezes, alternado com operações de agitação e centrifugação, de modo a obter o maior volume possível de cristais de sacarose. Os cristais são então enviados para secagem. Os primeiros açúcares obtidos são vários tipos de açúcar mascavo. O açúcar branco é produzido refinando o açúcar mascavo, que é re-derretido, descolorado e filtrado, antes de ser cristalizado e seco. Os açúcares são então armazenados em caixas estanques.

O que resta após a cristalização é o melaço, um líquido açucarado rico em substâncias minerais e orgânicas, que pode ser enviado a uma destilaria para fazer rum.

Veja também

Qual Planta Serve Para Inflamação?

As plantas são usadas, desde muito tempo atrás, para curar diversos problemas de saúde. Assim, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *