Home / Plantas / Cactos Mammillaria: O que são? Quais as Espécies?

Cactos Mammillaria: O que são? Quais as Espécies?

Mammillaria é um gênero de planta suculenta da família de cactaceae. É o gênero mais rico da família. O número exato de espécies reconhecidas varia de acordo com a classificação usada. Na classificação moderna, reconhece-se 181 espécies, embora outras distinguam somente 145 espécies.

Nas classificações taxonômicas mais antigas distinguem-se cerca de 300 espécies. Mammillaria predomina especialmente no México e nos estados do sul dos EUA. O gênero de algumas espécies se estende às ilhas do Caribe e mais ao norte da América do Sul, incluindo Colômbia e Venezuela.

Cactos Mammillaria: O que são? Quais Espécies Pertencem ao Gênero?

Mamilaria são plantas relativamente pequenas, de cultivo no solo, com caule oval. Elas crescem individualmente ou em grupos. Mamilaria é o gênero básico para cultivadores de cactos e também é a base da oferta de cactos em lojas para o público em geral. Elas são relativamente fáceis de cultivar. É proibida a coleta de plantas na principal terra natal do México, como em todos os cactos. Várias espécies estão incluídas na lista da CITES. Elas crescem individualmente ou se ramificam até formarem aglomerados baixos. O caule é esférico, alongado apenas na velhice ou cilíndrico desde a juventude.

O diâmetro comum de caules individuais de espécies esféricas é de 2 a 15 cm (sem espinhos) e a altura para espécies cilíndricas é de cerca de 30 cm, várias espécies atingem 60 cm de altura. Dimensões maiores são raras, com um diâmetro de 25 a 30 cm atingindo mammillaria grusonii e mammillaria winterae. As espécies menorzinhas podem florescer tão pequenas quanto 1 cm. Muitas espécies na parte inferior do caule caem ou crescem tufos. Os tufos podem ter até 1 m de diâmetro. O conhecido mammillaria gracilis forma ramificações na parte superior do caule.

A superfície do corpo é dividida em saliências cônicas, mamilos. Eles são completamente separados um do outro (o que difere das costelas desintegradas nas protuberâncias, por exemplo, em rebeldes) e são dispostas em espiral. Logo, elas podem ser cônicas, consideravelmente alongadas, curvas ou espessas, mais largas no final.

Cactos Grupo Mammillaria Cruciger
Cactos Grupo Mammillaria Cruciger

Os menores têm apenas alguns milímetros (grupo mammillaria cruciger), o mais largo até 2 cm e o maior até 5 cm (mammillaria longimamma). A menor forma representa apenas uma pequena parte do volume do caule na superfície, ao contrário no subgênero dolichothelemamma, longa forma na maior parte do caule. No topo de cada família há um ponto de vegetação chamado aréola.

Características de Mammillarias

Espinhos: eles são muito diversos e frequentemente muito decorativos. Em uma planta, pode haver até três tipos de espinhos, marginais, que são mais numerosos, mais fracos, brilhantes e distintos, os espinhos centrais coloridos, um dos quais pode ser ainda mais forte e mais pronunciado ou fazer crochê.

Os espinhos centrais podem ter cores diferentes na ponta, centro e base e podem ter três cores diferentes de comprimento. Os espinhos podem ser muito fortes, duros, mas esparsos, frequentemente complementados com algodão grosso. Ou eles podem ser fracos, mas numerosos, e envolvem consideravelmente a planta. Os espinhos podem ser transformados em cabelos e a planta envolvida em uma bola peluda, por exemplo, na mammillaria bocasana.

Flores dos Cactos
Flores dos Cactos

Flores: as axilas crescem em simples flores simétricas com um grande número de estames. As flores crescem em círculos. A cor e a forma da flor são muito diferentes: branco, creme, rosa, vermelho ou roxo. Várias espécies florescem mesmo em amarelo.

Frutas: são formados e amadurecem no caule. Após atingirem a maturidade ou após um período de descanso no início da próxima estação de crescimento, eles são empurrados para a superfície. É apenas no segundo ano que os frutos de mammillaria bombycina são espremidos. Os frutos são alongados, cilíndricos, raramente ovais, às vezes pequenos, às vezes relativamente grandes.

A fruta mais longa tem mammillaria bocasana, com até 4 cm de comprimento, fina, roxa. Os frutos são nus, sem pêlos e escamas. No topo fica o resto da flor. Eles têm uma parede espessa e carnuda, às vezes secando, dentro de uma cavidade com suco e sementes.

Os frutos da maioria das espécies são pintados de vermelho por antocianinas vermelhas, alaranjadas, violetas e rosadas. Poucas espécies permanecem verdes sem tons de vermelho, a maioria delas no subgênero dolichothele. Frutas verdes têm mammillaria baumii, mammillaria brachytrichion, mammillaria carmenae, mammillaria carretii, mammillaria decipiens, mammillaria melaleuca, mammillaria heidiae, mammillaria longiflora, mammillaria surculosa, a esverdeada mammillaria backebergiana e mammillaria vetula, mammillaria solisioides e fruta amarela tem mammillaria longimamma.

Sobrevivendo em Condições Extremas

Estas são plantas que têm os respiradouros fechados durante o dia, o que lhes permite evitar a perda de água por evaporação. À noite, os respiradouros se abrem e as mammillarias (como outras suculentas) recebem dióxido de carbono. É ligado a um composto de malato que é clivado para piruvar no ciclo de Calvin durante o dia.

Esses ciclos fazem parte da fotossíntese e permitem que a planta produza energia. CAM significa (em português) metabolismo ácido crassuláceo, ou seja, ácidos metabólicos observados pela primeira vez em plantas crassulaceae. Há variação do ciclo de CAM do ciclo Hatch-Slack, as chamadas plantas C-4.

Além do ciclo CAM, a pele espessa e os tecidos embebidos em água protegem contra o calor e o vapor. Além disso, a articulação de sua superfície, incluindo espinhos e lã, permite que as mammillarias criem um microclima diferente nas proximidades de sua superfície. Como resultado, elas são capazes de sobreviver às altas temperaturas comuns nos habitats onde ocorrem.

Como observado em algumas mammillarias (por exemplo, mammillaria pectinifera, mammillaria napina, mammillaria hernandezii, mammillaria cruciger, mammillaria dixanthocentron e mammillaria supertexta) no vale de Tehuacánno México, a temperatura do solo onde as plantas crescem chega a 52° C. Também foi descoberto que as plantas que crescem verticalmente nas rochas são protegidas contra temperaturas tão altas e a temperatura do solo ao redor é em média 14° C mais baixa.

Ocorrências de Mammillarias

Como já dito, o foco de mammillarias é o México e a parte sul dos EUA. Com menos espécies, o resort continua até as ilhas do Caribe e poucas espécies, mammillarias colombiana, mammillarias mammillaris, mammillarias nivosa, chegam até a América do Sul nas costas da Colômbia e da Venezuela.

Mamilaria habitava habitats muito diversos, desde falésias costeiras até alturas acima de 3000 m de altitude (mammillarias deherdtiana subsp. dodsonii) Eles crescem em brotos de rochas abertas, em fissuras nas paredes de rochas, em depósitos de rochas em decomposição, mas mais em coberturas de arbustos ou cactos maiores, em florestas esparsas de pinheiros, ou mesmo em barracas de musgo.

Mammillarias Deherdtiana
Mammillarias Deherdtiana

Habitam restos de calcário desintegrados alcalinos, solos úmidos ácidos e lixo da floresta. A maioria das espécies possui um habitat relativamente pequeno ou alguns locais isolados e pode ser descrita como espécie endêmica.

Uma minoria de espécies (por exemplo, mammillarias compresa, mammillarias mystax, mammillarias parkinsonii) possui uma grande área de ocorrência, onde possui variação, diferentes formas (por exemplo, mammillarias prolifera) ou microespécies policlonais (por exemplo, mammillarias celsiana). As espécies que crescem em ilhas do Caribe (por exemplo, mammillarias colombiana) têm uma grande área de ocorrência cresce do México através de Honduras, Guatemala, Jamaica, Colômbia e Venezuela.

Veja também

Papel de Fibra de Algodão: Vantagens e Desvantagens

O papel é famoso pela sua origem através da madeira, ou melhor, das fibras de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *