Home / Plantas / Beneneficios e Maleficios da Cana-de-açucar

Beneneficios e Maleficios da Cana-de-açucar

A cana-de-açúcar foi exportada para todo o mundo através do comércio. Entre os séculos XVII e XVIII, o açúcar tornou-se uma matéria-prima popular e o Caribe se tornou a principal fonte mundial, graças ao trabalho fornecido pela escravidão. Até o início do século 19, eles eram a única fonte importante de açúcar. A Era do Iluminismo foi o século do domínio francês. O açúcar se tornou o principal elemento da economia e, portanto, da política européia. A seguir demonstraremos a história da cana-de-açúcar, com seus beneficios e maleficios.
O controle do comércio de açúcar foi um fator significativo na eclosão de certos conflitos, como o ocorrido entre a Inglaterra e a França, onde não hesitará em desistir do Canadá em benefício dos ingleses, em vez de perder seu ” preciosas ilhas açucareiras “, especialmente Guadalupe.

A exploração da cana-de-açúcar não se desenvolveu realmente até o século XVIII. De fato, o progresso do progresso técnico permitiu extrair da cana um açúcar utilizável na forma de xarope. Além disso, a mão-de-obra abundante e barata fornecida pela África permitiu lucros consideráveis. Em 1815, a primeira destilaria é criada. A idade de ouro da cana-de-açúcar começou no início do século XIX, com a descoberta da cristalização, e durou mais de um século. A escassez de açúcar neste momento deu a ele um alto valor que permite a Guadalupe e a Reunião experimentar uma riqueza rápida, com algumas crises transitórias relacionadas ao clima, especialmente por causa de tornados e outros desastres naturais.

A abolição da escravidão em 1848 não pôs em causa a saúde econômica de Guadalupe. Um sistema salarial foi criado, graças à criação em 1851 do Banco de Guadalupe, então o Crédit Foncier colonial. Essas agências emprestaram dinheiro aos proprietários para pagar os funcionários e modernizar a ilha. Plantas foram montadas em toda a ilha, o que melhorou bastante a produção de cana de açúcar. Além disso, após a abolição da escravidão, uma grande força de trabalho foi importada da Índia. Mal pago, ela ainda permitia grandes lucros.

Relação da Cana-de-Açúcar com os Escravos

De fato, no início do século XVII, as Índias Ocidentais francesas eram assentamentos. As primeiras plantações de cana não surgiram até 1643, após o fracasso do cultivo de tabaco. Foi no final do século XVII que a França realmente entrou no comércio de escravos através do Atlântico, assim como seu estabelecimento nas Índias Ocidentais se fortaleceu. Os doces se multiplicaram tão rapidamente na Martinica, Guadalupe e Santo Domingo. O trabalho servil foi introduzido nas colônias para o cultivo intensivo de açúcar. Implantada pelos espanhóis em Cuba em 1517, a cana-de-açúcar iniciou sua expansão em Santo Domingo por volta de 1700.

As grandes plantações cultivavam apenas para exportação. O cultivo da cana-de-açúcar exigiu grandes investimentos que só poderiam ser rentáveis ​​a partir de uma determinada escala. Isso exigia uma força de trabalho grande e eficiente. A plantação típica de 375 hectares consistia em 120 escravos, 40 bois, uma casa grande, alojamentos comuns e cabanas de escravos.

Colheita no Passado

A grande maioria da população foi destinada à produção de açúcar. Em Santo Domingo, onde as fazendas são as maiores, um em cada três escravos trabalhava nas plantações de açúcar. Em 1720, eram cerca de 75 em média por doces; quase 200 em 1790. Os outros escravos viviam em plantações de café e indigoteries. A cana-de-açúcar, onde a produtividade e a lucratividade podiam ser levadas ao limite, era a colheita que consumia mais escravos e os usava o mais rápido possível. Os plantadores afetaram os escravos mais jovens com boa saúde. Eles foram açoitados quando a produtividade diminuiu.

De todas as culturas coloniais, o açúcar foi sem dúvida o mais difícil, em parte por causa do trabalho noturno imposto durante a colheita. A maioria dos homens e quase todas as mulheres estavam ocupadas nos campos. Os escravos cortam a cana com um facão antes de transportá-la em carros de bois para os moinhos. O trabalho era geralmente organizado em equipes ou “oficinas”: a “grande” oficina é destinada ao trabalho mais difícil e a “pequena”, em conjunto, a mais jovem e a mais fraca.

Colheita no Passado
Colheita no Passado

Nas colônias, alguns colonos cederam um pedaço de jardim a seus escravos: eles podiam, portanto, cultivar por si mesmos. Esses espaços foram considerados espaços de liberdade para os escravos. Sua produção também poderia ser usada para resgatar seu direito à liberdade, mas essa prática se desenvolveu principalmente no século XIX.
Foi com a revolução do açúcar na América que o comércio de escravos experimentou uma magnitude tão grande. Segundo um historiador, “entre 60 e 70% de todos os africanos que sobreviveram à travessia do Atlântico acabaram em uma das colônias de açúcar”. De fato, essas travessias eram mortais para muitos escravos, pois as condições durante esse transporte eram monstruosas e apavorantes. Então, aqueles que conseguiram sobreviver foram “arranjados” para serem levados ao mercado de escravos.

Nos mercados de escravos, os compradores eram proprietários de grandes plantações. Por causa da revolução do açúcar e dos lucros que ela gerou, o tráfico foi enormemente difundido. Na véspera da Revolução de 1789, mais de 600.000 escravos trabalhavam nas plantações de açúcar das Índias Ocidentais francesas, enquanto os metropolitanos saboreavam a comida cultivada.

De fato, o açúcar é um produto que entrou nas práticas médicas e alimentares na Idade Média. O papel das cortes reais e principescas, juntamente com o dos médicos, os primeiros a usarem açúcar em suas preparações medicinais, foi sem dúvida decisivo no crescimento da produção e consumo deste produto. Até o final do século XIV, o açúcar era considerado um tempero da mesma maneira que pimenta, gengibre ou canela, também contados entre os produtos de luxo exigidos por hotéis aristocráticos e tribunais reais e principescos. O açúcar era um produto raro, encontrado apenas entre os farmacêuticos parisienses. Tratava-se de um produto exótico e muito pouco conhecido, mesmo nos círculos mais ricos.

Açúcar

Açúcar
Açúcar

No final do século XIV, a rota do açúcar se dissociou gradualmente da das especiarias, pelo menos no Mediterrâneo. A ascensão de novos centros de produção na bacia ocidental completou essa distinção do estágio das especiarias para o de um produto de consumo, embora ainda seja caro, mas circulando em uma escala maior. O açúcar era então um remédio simples; suas múltiplas variedades foram incluídas nos manuais farmacêuticos e tratados médicos entre os remédios para curar muitas doenças. Ele também fazia parte de um grande número de medicamentos compostos, como excipiente, adoçante e conservante, o que lhe permitiu ganhar terreno às custas do mel, a ponto de se tornar um produto indispensável na fabricação de uma vasta gama de medicamentos. Sua presença foi especialmente evidente na composição dos xaropes, onde ele sem dúvida se torna o elemento básico. Foi assim que o açúcar rompeu a indústria de alimentos, primeiro na preparação de doces e geleias, que saíram do campo médico estrito para serem consumidos por pessoas saudáveis.

Se durante o século XIV, os cozinheiros da aristocracia francesa consumiram muito pouco açúcar em suas receitas, a situação mudou a partir do final do século XIV. De fato, o açúcar parecia ter superado as últimas resistências. A moda do açúcar então tomou as cozinhas; o sabor doce foi cada vez mais recomendado nas preparações culinárias. É também um dos elementos que separava a cozinha dos ricos e a dos pobres. Esses doces adornavam cada vez mais as mesas das cortes principescas e agora eram objeto de atenção especial. Por sua vez, a função do farmacêutico evoluiu rapidamente, ele empregou seus talentos e tornou-se não apenas um fabricante de drogas, mas também mestre em açúcar e confeiteiro, daí a constante expansão de produtos de açúcar, como drageias e frutas cristalizadas.

No século XVII, o açúcar ainda era tão raro que o açúcar colocado sobre a mesa estava trancado. Só o chefe da família possuía a chave e distribuía os pedacinhos, as migalhas de açúcar para a sobremesa. Ele foi cobiçado por todos. Mesmo na corte de Luís XIV, o costume era muito limitado, e a honra era grande para os cortesãos e os convidados se o rei do sol pegasse a chave e fizesse a distribuição com as próprias mãos, parcimoniosamente.
Na época de Luís XV, as senhoras adoravam doces, café doce e chocolate matinal, bebida que havia entrado em moda algumas décadas depois do café e era absolutamente indescritível sem açúcar. Naquela época, as mulheres não eram convidadas a serem magras, e a robustez devido ao consumo considerável de açúcar estava muito bem escondida por suas roupas. Os hotéis aristocráticos eram, portanto, consumidores pesados ​​de produtos exóticos e caros, incluindo açúcar e especiarias. Esse consumo obedece a uma lógica hierárquica; quanto maior a hierarquia social, maiores as compras de açúcar e os muitos usos. A parcela da cozinha era baixa em comparação com as compras de confeitaria e temperos, que deliciavam as categorias sociais mais ricas. Por um efeito de moda, mas também pela mania de sabor doce, esses livros de doces se espalharam gradualmente e se tornaram um sinal de distinção social.

Plantação de Cana de Açúcar
Plantação de Cana de Açúcar

No final da Idade Média, mesmo que a atração por esse produto de luxo na França se estendesse a categorias sociais menos ricas, ele permaneceu, ainda assim, um produto de luxo e um marcador social por excelência, era o símbolo da sociabilidade , simpatia, riqueza e também poder.

Beneficios e Maleficios

A cana-de-açúcar possui o maior benefício de não engordar. No século XVIII, o consumo de açúcar aumentou e o hábito de tomar café entrou em moda no Ocidente. Obviamente, esse produto muito caro consumia a maior parte do orçamento doméstico. Além disso, o comércio triangular anunciou um declínio futuro e depois trocaria açúcar com ele. A partir disso, procuramos açúcar mais barato. A experiência demonstrou que a cana-de-açúcar não entrou na zona temperada e, no entanto, deveria ser possível produzir açúcar na Europa. Por não conter açúcares perigosos, pode ser degustado com tranquilidade. Mas cuidado! Apesar de não engordar, pode trazer problemas como diabetes. Então lembre-se sempre da responsabilidade e bom apetite!

Veja também

Qual a Matéria Prima do Algodão? Onde Ele é Produzido ?

A matéria-prima do algodão é o próprio algodão, ou seja, a fibra produzida pelo algodoeiro. …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *