Home / Plantas / Araçá do Cerrado: Pé, Características, Benefícios e Nome Científico

Araçá do Cerrado: Pé, Características, Benefícios e Nome Científico

A fruta inteira pode ser consumida tanto como a pele fina e interior suculenta são macias e saborosas. Também pode ser usado para fazer geleia. A pele é frequentemente removida para um sabor mais doce. As sementes são pequenas e brancas e podem ser torradas para substituir o café. Suas folhas podem ser preparadas para o chá. Esta descrição pode se referir a praticamente qualquer uma espécie do gênero psidium.

Compreendendo o Gênero

Psidium é um gênero de pelo menos 60 espécies e talvez até 100, variando do México e do Caribe até a Argentina e Uruguai. Psidium é um dos cerca de 50 gêneros na tribo myrteae, que inclui todos os gêneros nativos americanos e espécies excepto metrosideros stipularis (tepualia stipularis) do sul da América do Sul.

Estudos moleculares recentes de myrtaceae indicam que psidium pode ser um grupo monofilético e colocá-lo em clados com gêneros como acca, amomyrtus, campomanesia, legrandia, mosiera small, myrrhinium e pimenta. Todos estes são membros da subtribo morfologicamente myrtinae (ou seja, aqueles gêneros com embriões com cotilédones relativamente pequenos e um grande hipocótilo), que parece ser um grupo basílico, parafilético maior na tribo myrteae. Estudos taxonômicos de psidium foram numerosos nos últimos anos com várias novas espécies sendo descritas e com o esclarecimento dos limites das espécies em alguns grupos.

Distribuição Geográfica do Gênero

O maior número de espécies (cerca de 50) é encontrado na América do Sul e os da América Central e do México são um subconjunto desse grupo. Presumivelmente então, as espécies da América Central são geologicamente recentes chegadas da América do Sul porque eles não divergiram de seus parentes sul-americanas.

As ilhas caribenhas abrigam um número desconhecido de espécies, talvez 20 ou mais, a maioria das quais endêmicas para o Caribe, e podem, devido à sua diversidade e distinção das espécies continentais representar múltiplas colonizações geologicamente antigas.

Cerca de metade das espécies sul-americanas de psidium são encontradas na Bahia, Brasil e vários (por exemplo, psidium bahianum, psidium ganevii, psidium rotundidiscum, psidium schenckianum) são endêmica ou quase endêmica a esse estado. A Floresta Costeira Atlântica e as adjacentes (o cerrado e a caatinga) podem ser considerados um centro de diversidade para o psidium.

Podemos especular, pelo menos, que por causa dessa diversidade e endemismo psidium tem uma longa história na Floresta Costeira Atlântica e áreas adjacentes. Psidium está presente mas menos localmente diversificada no resto do Brasil, nos países andinos (excluindo o Chile) e nas Guianas. O Istmo do Panamá foi datado em cerca de 2,8 milhões de anos. Então, antes dessa data, a migração direta sem dispersão sobre barreiras de água pode ter sido impossível para a América Central e além.

Psidium oligospermum, pelo menos, é claramente capaz de atravessar barreiras de água significativas, tendo algumas ilhas oceânicas (por exemplo, Galápagos). Colonização de ilhas, especialmente quando são novos, relativamente desabitados e com reduzida competição biológica, seriam mais prováveis do que a colonização de um continente com muitas espécies já crescendo lá.

Por causa de seus frutos comestíveis, algumas espécies de psidium na América Central podem ter sido introduzidas lá por seres humanos. Não há qualquer evidência fóssil de psidium na América Central e México, além dos achados arqueológicos de psidium guajava, que são aproximadamente 2000 anos de idade no Vale do Tehuacán do México.

Araçá Espécie Psidium

Três espécies de psidium na Bahia parecem ter distribuições disjuntivas semelhantes: psidium appendiculatum e psidium brownianum são encontrados na Bahia e estados adjacentes e no norte da Venezuela; psidium amplexicaule é encontrado na Bahia e em Sergipe e em várias ilhas do Caribe. Isso pode ser um padrão de disjunção encontrado em outros grupos de plantas.

Araçá do Cerrado: Características e Nome Científico

O araçá do cerrado é a planta cujo nome científico é psidium firmum, mas pode ser conhecida também por várias outras sinonímias como: myrtus grandifolia, psidium macedoi, psidium minense ou guajava firma. O araçá do cerrado é uma árvore frutífera arbustiva do gênero psidium, da família myrtaceae. Como o nome diz, é endêmica no cerrado brasileiro, sendo encontrada no Nordeste (Bahia), Centro-Oeste (Distrito Federal, Goiás) e Sudeste (Minas Gerais, São Paulo). Há uma variação considerada subespécie da planta: P firmum var. subcordatum.

O araçá do cerrado é uma arvore arbustiva cauducifolia com cerca de 2 m de altura, com folhas com cerca de 7 a 9 cm, de textura semelhante a couro, porém quebradiças, sem tricomas em sua superfície. A inflorescência é de pétalas brancas cujos pedicelos são inseridos em diversos níveis a partir de um eixo comum, se desenvolvendo de forma variada, com as flores crescendo sucessivamente conforme o ramo vai emergindo. Os frutos são bagas de formas globular a ovaladas, suaves ao toque, com polpa carnuda muito suculenta embora tenha um sabor com certa acidez.

O araçá do cerrado nos prestigia com suas flores geralmente nos meses de outubro e novembro, e seus frutos podem ser apreciados a partir de novembro ou dezembro. Apesar de sua exuberância e sabor, essa árvore raramente é cultivada em jardins domésticos ou apreciada como planta frutífera em pomares particulares. Suspeita-se que psidium firmum, ou araçá do cerrado, possa existir com uma boa quantidade de variações devido as possibilidades de hibridização natural entre as espécies, um processo comumente ocorrido entre as plantas do gênero psidium.

Hibridizações Naturais

A maioria dos estudos de myrtaceae foram principalmente de herbário, espécimes conduzidos longe das populações naturais. Existem muitos tipos de estudos que pode ser mais convenientemente feito por pesquisadores que trabalham perto de populações vivas.

Estes tipos de estudos incluem: filogenética molecular, estudos de polinização, estudos comparativos citologia e tamanho do genoma, hibridização natural, estreito e amplo estudos populacionais de espécies variáveis, estudos etnobotânicos/de uso medicinal, análise de óleos e avaliação do estado de conservação. Para todos esses tipos de estudos, é imperativo que sejam feitos bons espécimes de vales para que qualquer resultado seja rastreado até os espécimes reais.

Postar imagens de comprovantes na internet torná-los especialmente úteis. A identificação dos vales pode mudar, mas os resultados de experimentos ou observações particulares estarão sempre ligados a eles e nunca perde sua importância. Estudos de campo particularmente úteis podem ser feitos de propagação variável e ampla espécies tais como psidium australe, psidium grandifolium, psidium guineense, psidium nutans, psidium oligospermum, psidium salutare, psidium striatulum e psidium firmum.

Baseado no exame de numerosos espécimes de herbário e alguns trabalho de campo, pode se constatar que a hibridação ocorre entre os diversos pares de espécies, incluindo psidium oligospermum, psidium firmum e psidium schenckianum; psidium appendiculatum e psidium schenckianum; psidium brownianum e psidium ganevii; e psidium brownianum e psidium schenckianum.

Veja também

Como Podar a Planta Clúsia, Plantar e Cultivar Passo a Passo

Para quem ainda não conhece, clúsia é aquela planta com folhas arredondadas, em forma de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *