Home / Natureza / Vulcão Santa Helena Placas Tectônicas

Vulcão Santa Helena Placas Tectônicas

Geralmente um vulcão é como o bico de um bule. Pra o bico começar a fumegar e assoviar daquele jeito, é preciso que o líquido dentro do bule tenha sido aquecido a uma temperatura que dê início a esse resultado de ebulição. Entendeu? Pois é, então sem a temperatura quente no bule, o bico não vai soltar a fumaça, certo? É um problema semelhante a esse, mal comparando, que vinha esquentando a moleira e arrancando os fios de cabelo dos cientistas por muito tempo em relação ao vulcão Santa Helena.

O Vulcão Santa Helena

O vulcão Santa Helena ou Monte Santa Helena é um estratovulcão em atividade existente em Washington, no Condado de Skamania, EUA. O vulcão está localizado na Cordilheira das Cascatas e como parte do Arco Vulcânico, um segmento do Anel de Fogo do Pacífico que inclui mais de 160 vulcões ativos. O vulcão Santa Helena é bem conhecido por suas explosões de cinzas e fluxos piroclásticos.

Tal como acontece com a maioria dos outros vulcões na Cordilheira das Cascatas, o Monte Santa Helena é um grande cone eruptivo constituído por rocha de lava intercalada com cinzas, pedra-pomes e outros depósitos. A montanha inclui camadas de basalto e andesito através das quais várias cúpulas de lava dacita entraram em erupção. A maior das cúpulas de dacito formou a cúpula anterior, e ao lado de seu flanco norte ficava a menor cúpula de Goat Rocks. Ambos foram destruídos na erupção de 1980.

Configuração Geográfica e Histórica do Vulcão

O Monte Santa Helena fica a 55 km a oeste de Monte Adams, na parte oeste da Cordilheira das Cascatas. Estas montanhas vulcânicas de “irmã e irmão” estão a aproximadamente 80 km do Monte Rainier, o vulcão mais alto da Cascata. Monte Hood, o maior pico vulcânico mais próximo de Oregon, fica a 100 km a sudeste do Monte Santa Helena.

O Monte Santa Helena é geologicamente jovem em comparação com os outros grandes vulcões da Cascata. Formou-se apenas nos últimos 40.000 anos, e o cone da cúpula anterior a 1980 começou a subir há cerca de 2.200 anos. O vulcão é considerado o mais ativo nas Cascatas dentro do Holoceno, ou seja, nos últimos 10.000 anos.

A potência da erupção de 1980 levou as cinzas a 11 Estados americanos
A potência da erupção de 1980 levou as cinzas a 11 Estados americanos

O vulcão Santa Helena iniciou seu crescimento no Pleistoceno há mais de 37.000 anos atrás com erupções de dacita e andesita de pedra-pomes e cinzas quentes. Mil anos depois, um grande fluxo de lama desceu pelo vulcão e as correntes de lama foram forças significativas em todos os ciclos eruptivos do Santa Helena. Esse período eruptivo terminou cerca de 35.000 anos atrás e foi seguido por 17.000 anos de relativa calma. Partes deste cone ancestral foram fragmentadas e transportadas por glaciares de 14.000 a 18.000 anos atrás durante o último período glacial da atualidade.

A Grande Atividade de 1980

Em 1980, o Monte Santa Helena teve um terremoto de magnitude 4,2 e em seguida a ventilação do vapor começou. Um segundo terremoto de magnitude 5,1 desencadeou um colapso maciço da face norte da montanha. Foi a maior avalanche de detritos conhecidos na história registrada. O magma no monte Santa Helena explodiu em um fluxo piroclástico em grande escala que achatou a vegetação e os edifícios ao longo de 230 quilômetros quadrados. Mais de 1,5 milhão de toneladas métricas de dióxido de enxofre foram liberadas na atmosfera. Na escala do Índice de Explosividade Vulcânica, a erupção foi classificada como de nível cinco de risco.

O colapso do flanco norte do monte Santa Helena misturado com gelo, neve e água criou lama vulcânica que fluíram por muitos quilômetros pelos rios Toutle e Cowlitz, destruindo pontes e campos de madeira. Um total de 3.000.000 metros cúbicos de material foi transportado por 27 km ao sul até o Rio Columbia pelas correntes de lama.

Rio Columbia Nos Dias Atuais
Rio Columbia Nos Dias Atuais

Uma pluma vigorosa de cinzas entrou em erupção, chegando entre 20 a 27 km acima do nível do mar. A pluma moveu-se para leste a uma velocidade média de 100 km por hora com cinzas atingindo Idaho. Cinzas da erupção foram encontradas em cima de carros e telhados até a cidade de Edmonton, em Alberta, no Canadá.

A erupção matou 57 pessoas, quase 7 mil animais de caça entre cervos, alces e ursos e cerca de 12 milhões de peixes de uma incubadora.Destruiu ou danificou extensivamente mais de 200 casas, 298 km de rodovias e 24 km de ferrovias.

E Quanto ao Segredo?

Lembra da questão levantada no início? Pois é, desde a grande erupção de 1980, os caminhões de satélite e os repórteres de notícias já se foram há muito tempo. A multidão de turistas aventureiros querendo ver atividade intensa diminuiu. Mas a pulga atrás da orelha permaneceu atormentando os cientistas.

A montanha surpreende por seus contrastes. A erupção cataclísmica de 1980 explodiu os 1.300 pés da montanha, destruiu milhares de hectares de floresta e matou dezenas de pessoas. As erupções subsequentes foram silenciosas, mas são erupções vulcânicas. Não mostra sinais de se tornar violento, nenhuma explosão, nenhuma cinza jogada no céu. Não há nem mesmo lava.

Em vez disso, o que está saindo do solo é um tubo de rocha que, embora ainda quente, solidificou no subterrâneo e, em seguida, tem sido empurrado para cima. O processo é um pouco como segurar um tubo de pasta de dente verticalmente e espremer a pasta de dentes para fora. O novo magma das profundezas da terra tende a ser cheio de gases vulcânicos, então a falta de gases vulcânicos sugere que o vulcão está apenas esvaziando a rocha derretida dos anos 80, como o refrigerante que perdeu seu gás.

A questão é por que o magma que esteve silenciosamente no subsolo por quase duas décadas iria começar a entrar em erupção novamente agora. Os cientistas dizem que o novo magma pode ter surgido do manto, empurrando o velho magma para cima. Talvez fortes chuvas que invariavelmente caem, atinjam as rochas quentes sob o vulcão e transformam em vapor que enfraquece e quebra as rochas, permitindo que a lava suba novamente.

O Que Revela as Placas Tectônicas

Placas Tectônicas - Monte Santa Helena
Placas Tectônicas – Monte Santa Helena

Pesquisadores do US Geological Survey, da Oregon State University e da Universidade de Canterbury usaram um método chamado magnetotelúrica para medir a condutividade elétrica de rochas profundas abaixo da superfície do vulcão. Em duas temporadas de campo, os pesquisadores implantaram sensores em torno do Monte Santa Helena para fazer as medições.

Diferentes tipos de rochas têm condutividade diferente, permitindo aos pesquisadores reconstruir um mapa das rochas que sustentam essas montanhas e cordilheiras. O projeto fazia parte de uma colaboração maior voltada para a compreensão do “encanamento” do magma abaixo do vulcão. Eles descobriram que o Monte Santa Helena fica a oeste de um grande pedaço de rocha ígnea, vulcânica, resfriada, chamada batólito que suprime o magma que, de outra forma, poderia subir à superfície.

Enquanto a área a oeste do Monte Santa Helena é relativamente livre de jovens aberturas vulcânicas, a própria montanha fica em um pedaço do antigo fundo do mar que foi subduzido sob o continente norte-americano por forças tectônicas. Esta rocha permite que o magma suba à superfície. Um mapa da crosta terrestre sob o Monte Santa Helena e seus arredores demonstraram que as rochas do fundo do mar sob o vulcão foram transformadas sob pressão quando as placas tectônicas colidiram de 40 a 50 milhões de anos atrás.

Veja também

Cadeia Alimentar da Baleia e o Ecossistema Marinho

Cerca de 300.000 espécies marinhas são conhecidas pela ciência – cerca de 15% de todas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *