Home / Natureza / Tipos de Ecossistemas Aquáticos

Tipos de Ecossistemas Aquáticos

Ecossistemas aquáticos é qualquer ambiente baseado em água em que plantas e animais interagem com as características físicas e químicas do ambiente aquático. Os ecossistemas aquáticos são geralmente divididos em dois tipos: O ecossistema marinho e o ecossistema de água doce.

O maior ecossistema aquático é o ecossistema marinho, cobrindo mais de 70% da superfície da Terra. Oceanos, estuários, recifes de corais e ecossistemas costeiros são os vários tipos de ecossistemas marinhos. Os ecossistemas de água doce cobrem menos de 1% da Terra e são subdivididos em zonas lóticas, lênticas e pantanosas.

Ecossistemas Oceânicos

A terra tem cinco grandes oceanos: Oceano Pacífico, Oceano Índico, Oceano Ártico, Oceano Atlântico e Oceano Antártico. Embora os oceanos estejam conectados, cada um deles possui espécies e características únicas.

De acordo com Barbara A. Somerville (Biomas da Terra: Oceanos, Mares e Recifes), o Pacífico é o maior e mais profundo oceano e o Atlântico é o segundo em tamanho.

Os oceanos são o lar de diferentes espécies de vida. As águas do Oceano Ártico e do Sul são muito frias, mas cheias de vida. A maior população de krill (pequenas criaturas marinhas parecidas com camarões) encontra-se sob o gelo do Oceano Antártico.

Vida nos Estuários

Os estuários são locais onde os rios se encontram com o mar e podem ser definidos como áreas onde a água salgada é diluída com água doce. Bocas de rios, baías costeiras, pântanos de maré e corpos de água atrás de praias com barreira são alguns exemplos de estuários.

Eles são biologicamente produtivos, pois têm um tipo especial de circulação de água que retém os nutrientes das plantas e estimula a produção primária.

Um estuário é um corpo de água costeira parcialmente fechada, onde a água doce dos rios e córregos se mistura com a água salgada do oceano. Os estuários e suas terras vizinhas são locais de transição da terra para o mar.

Embora influenciados pelas marés, eles são protegidos da força total das ondas do oceano, ventos e tempestades por formas terrestres, como ilhas de barreira ou penínsulas.

Os ambientes estuarinos estão entre os mais produtivos do planeta, criando mais matéria orgânica a cada ano do que áreas de tamanho comparável de florestas, pastagens ou terras agrícolas. As águas abrigadas dos estuários também suportam comunidades únicas de plantas e animais especialmente adaptados para a vida à beira do mar.

Muitos tipos de habitats diferentes são encontrados em e ao redor de estuários, incluindo águas rasas, pântanos de água doce e salgada, pântanos, praias arenosas, barro e areia, costas rochosas, recifes de ostras, manguezais, deltas de rios, poças de maré e tapetes de ervas marinhas.

Por Que os Estuários são Importantes?

Os estuários nos fornecem um conjunto de recursos, benefícios e serviços. Alguns destes podem ser medidos em dólares e centavos, enquanto outros não podem.

Os estuários fornecem locais para atividades recreativas, estudo científico e prazer estético. Os estuários são um recurso natural insubstituível que deve ser gerido com cuidado para benefício mútuo de todos os que deleitam e dependem deles.

Recifes de Coral

Segundo a Agência de Proteção Ambiental, os recifes de corais são os segundos ecossistemas mais ricos do mundo e possuem uma grande diversidade de plantas e animais. Como resultado, os recifes de corais costumam ser referidos como a floresta tropical dos oceanos.

Porque os recifes de corais são importantes?

Funções dos Recifes de Coral: Os recifes de coral são importantes por muitas razões diferentes, além de supostamente conter os ecossistemas mais diversos do planeta. Entre algumas funções, são:

  • Proteger as costas dos efeitos prejudiciais da ação das ondas e das tempestades tropicais;
  • Fornecer habitats e abrigo para muitos organismos marinhos;
  • São a fonte de nitrogênio e outros nutrientes essenciais para cadeias alimentares marinhas;
  • Auxiliar na fixação de carbono e nitrogênio;
  • Ajuda na reciclagem de nutrientes.

É por isso que um grande número de espécies marinhas vive em recifes. Outras razões pelas quais são tão importantes incluem:

  • A indústria pesqueira depende dos recifes de coral porque muitos peixes desovam e os juvenis passam algum tempo lá antes de se dirigirem ao mar aberto;
  • A Grande Barreira de Corais gera mais de 1,5 bilhões de dólares todos os anos para a economia australiana, da pesca e turismo.

O estudo dos recifes de corais é importante para fornecer um registro claro e cientificamente testável dos eventos climáticos ao longo dos últimos milhões de anos. Isso inclui registros de tempestades e impactos humanos recentes que são registrados por mudanças nos padrões de crescimento de corais.

Uma gama diversificada de espécies fornece um pool genético maior, dando opções de sobrevivência às comunidades naturais quando as condições ambientais e os climas mudam.

Espécies evoluem com o tempo à medida que a seleção natural favorece o “melhor” dessas opções de sobrevivência. Portanto, a extinção representa uma ameaça maior para espécies para as quais há diversidade limitada.

As espécies existentes precisam ser conservadas porque os cientistas não sabem tudo o que há para saber sobre todas as espécies.

Uma espécie pode desempenhar um papel crucial em um ecossistema e, se for removida, todos os organismos dessa comunidade poderão sentir o impacto. Quanto maior o número de espécies e, portanto, a diversidade genética em um ecossistema, menor será o impacto da remoção de espécies individuais.

A saúde, gestão e conservação da biodiversidade, é uma questão fundamental para a humanidade, apresentando um verdadeiro desafio para a biologia hoje. Os principais fatores que afetam a saúde e a função de nossa Grande Barreira de Corais são a mudança climática e a poluição.

Sistemas Costeiros

A terra e a água se unem para criar os ecossistemas costeiros. Esses ecossistemas têm uma estrutura, diversidade e fluxo de energia distintos. Plantas e algas são encontradas no fundo do ecossistema costeiro. A fauna é diversa e consiste em insetos, caracóis, peixes, caranguejos, camarões, lagostas etc.

Ecossistemas Lóticos

Os ecossistemas lóticos são os sistemas com águas correntes que se movem de maneira unidirecional, como rios e córregos.

Esses ambientes abrigam numerosas espécies de insetos, como moscas varejeiras, besouros e besouros, que desenvolveram características adaptadas, como casos ponderados para sobreviver ao meio ambiente.

Várias espécies de peixes como a enguia e a truta encontradas aqui. Vários mamíferos, como castores, lontras e golfinhos do rio habitam ecossistemas lóticos.

Ecossistemas Lênticos

Os ecossistemas lênticos incluem todos os habitats de água parada, como lagos e lagoas. Esses ecossistemas abrigam algas, plantas e invertebrados com raízes e folhas flutuantes, como caranguejos e camarões. Anfíbios como sapos e salamandras e répteis como jacarés e cobras d’água também são encontrados aqui.

Pântanos e Terras Úmidas

As zonas úmidas são áreas pantanosas e são por vezes cobertas de água com uma grande diversidade de plantas e animais.

Pântanos, pântanos e pântanos são alguns exemplos a esse respeito. Plantas como abetos negros e nenúfares são comumente encontrados em áreas úmidas. A fauna é composta por libélulas e libelinhas, aves como Garça Verde e peixes como o Pike do Norte.

Veja também

Camelo Australiano: Características, Nome Cientifico, Extinção e fotos

Você sabia que a Austrália possui um grupo de imigrantes que estão no país desde …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *