Home / Natureza / Qual o Tipo de Rocha Permite a Fossilização? O Que é?

Qual o Tipo de Rocha Permite a Fossilização? O Que é?

A fossilização consiste em inúmeros processos de transformação aos quais os fósseis são submetidos. Fósseis podem ser de duas origens distintas: animal ou vegetal.

Se você não está familiarizado com esse termo, ou quer saber mais sobre a fossilização, e qual o tipo de rocha permite esse processo, continue lendo que daremos todos os detalhes.

Processo de Fossilização
Processo de Fossilização

O Que é Fossilização e Como Ela Acontece?

O processo de fossilização dura milhares de anos, resultando na formação de fósseis por meio da ação de vários agentes físicos, químicos e biológicos, impedindo que ocorra a decomposição total dos restos orgânicos dos seres vivos.

Considera-se como fóssil, todo vestígio originário de resto animal, que tenha vivido no passado, que pode ser um osso, uma folha de alguma árvore, um dente ou, até mesmo, a marca de alguma pegada.

Na realidade, o processo de fossilização é considerado como algo raro. Para que ele ocorra, é preciso que haja a combinação de vários fatores, os quais são bem improváveis. Entretanto, há várias espécies de animais, que já são extintos hoje em dia, e que foram descobertos em forma de fósseis.

A fossilização acontece da seguinte forma: o corpo de uma determinada espécie, após a sua morte, começa a passar por um processo de decomposição, que é provocado pela ação de bactérias e de fungos. Depois disso, o corpo pode ser levado e, em seguida, soterrado, por sedimentos, que vêm em camada, e que se assenta por meio da ação do vento e da água.

Rocha com Marcação
Rocha com Marcação

Com o tempo, a camada de sedimento que se forma, se solidifica e dá origem a um processo que se denomina diagênese. Esse processo consiste na cimentação na compactação dos sedimentos, até eles se transformarem nas rochas sedimentares.

Dessa forma, quando os restos de organismos se formam dentro das rochas, significa que houve a consolidação do processo de fossilização.

Que Tipo de Rocha Permite a Fossilização?

A fossilização encontra-se diretamente ligada com a sedimentação do solo. É por esse motivo que os fósseis só podem ser encontrados em rochas sedimentares.

As rochas sedimentares se caracterizam como formações naturais, que se originam da consolidação dos fragmentos de sedimentos (ou rochas), ou também da precipitação dos minerais salinos, que são dissolvidos nos ambientes aquáticos.

Como os Fósseis se Formam
Como os Fósseis se Formam

Normalmente, as rochas sedimentares são mais macias que as demais, e cuja formação geológica também é mais recente, apesar de que o fato de existirem indica que o relevo daquela região é antigo.

As rochas sofrem um desgaste natural. Devido a isso, elas acabam se transformando em inúmeros sedimentos. Podemos citar como exemplo a água do mar. De tanto ela se chocar com rochas litorâneas, ela acaba por desgastá-las. Esse processo é o que origina a areia da praia.

Dessa forma, os sedimentos provenientes das rochas que sofreram erosão são levados até outras áreas, por meio do vento da água. Geralmente, eles vão para o fundo do mar.

Depois que esses sedimentos são depositados, a tendência é haver um acúmulo devido à sobreposição, no fundo do oceano, de inúmeras camadas dos sedimentos, de maneira que a pressão e o peso aumentam sobre camadas superiores.

Todo esse processo dá origem ao que chamamos de litificação ou de diagênese. Através desse processo, acontece a união dos sedimentos, que se consolidam, originando as rochas sedimentares.

Por se tratar de um algo com uma ocorrência ininterrupta, formam-se novas camadas de rochas sobrepostas sedimentares sobre o solo. É por isso que, em regiões onde há a concentração dessas formações rochosas, que são conhecidas como bacias sedimentares, é fácil perceber como as suas camadas são formadas, que também são chamadas de extratos.

Quais Fatores Levam à Formação de Um Fóssil?

Etapas de Formação do Fóssil
Etapas de Formação do Fóssil

Confira abaixo todos os fatores necessários para a formação de um fóssil:

  • É preciso que os sedimentos que dão origem à camada superior de fósseis sejam finos. E, por isso, eles são menos propensos aos processos erosivos.
  • É necessário que o solo tenha uma temperatura baixa, e que tenha pouco oxigênio. Isso dificulta que micro-organismos decompositores permaneçam no local.
  • É necessário que a camada de sedimentos cubra o organismo mais rapidamente, antes que ele se decomponha, devido à ação dos micro-organismos.

Quais São os Tipos de Fossilização?

O processo de fossilização é extremamente lento. Ele pode durar de milhões a bilhões de anos. Além do mais, trata-se de um processo bem complexo, uma vez que ele envolve vários fatores, como agentes físicos, químicos e biológicos, condições climáticas, e até mesmo a morfologia daqueles organismos que se encontram envolvidos no processo.

Fóssil de Dinossauro
Fóssil de Dinossauro

Dessa forma, dependendo de todos os fatores que estiveram presentes e agindo no organismo, quando este já se encontrava morto, e que se transformou em um fóssil, podemos classificar diferentes tipos de fossilização, conforme abaixo:

  • Mineralização: que também é conhecida como “permineralização”. O qual acontece devido ao envolvimento de minérios em organismos, e que resulta na mudança da matéria orgânica por sílica, calcário, dentre outros. Dessa forma, são mantidos preservados por um longo período de tempo.
  • Mumificação: ou “conservação”, como também é chamada. Esse processo de fossilização é considerado como o mais raro de todos. Ele é capaz de manter tanto as partes duras, quanto as partes moles.

O processo de mumificação acontece por meio de uma resina vegetal, chamada âmbar, que tem a capacidade de conservar restos de animais. Ou também através de congelamento, assim como acontece com mamutes da era glacial.

  • Marcas: onde são demonstrados os vários tipos de vestígios que os seres vivos deixaram, como túneis, fezes, rastros, ovos ou pegadas.
  • Restos rígidos: consiste em um processo de fossilização mais comum, diante das partes rígidas e das ossadas que são encontradas dos seres.
  • Moldagem: esse processo é equivalente à mineralização. Porém, os organismos somem no processo da moldagem de fósseis. No entanto, o molde permanece (tanto da estrutura interna, quanto da estrutura externa), o que equivale à reprodução da parte rígida.

Esse processo é bem comum, e costuma ser encontrado em rochas e em pedras. O processo de contramoldagem, em contrapartida, acontece por meio do preenchimento de minério, que acontece no interior do molde.

Veja também

Ácido Linoleico

Quais os Benefícios do Ácido Linoleico Para a Saúde?

Quando se fala em ácido linoleico, se fala em ômega-6, e provavelmente você já ouviu …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *