Home / Natureza / Ostra Plana do Pacífico: Caracteristicas, Nome Cientifico e Fotos

Ostra Plana do Pacífico: Caracteristicas, Nome Cientifico e Fotos

Molusco bivalve não nativo, que vive preso a substratos duros na zona entremarés. O cultivo de ostras é realizado em ambientes marinhos costeiros na zona norte, principalmente nas regiões III e IV Y no sul do país, região X. 412 centros agrícolas autorizados estão registrados no Registro Nacional de Aqüicultura, com uma média de 10 ha.

A ostra é um molusco bivalve. Seu ambiente natural está preso às rochas ou enterrado na areia ou cascalho da zona infralitoral até 80 m. Alimenta-se de fitoplâncton e de matéria orgânica particulada. Uma ostra filtra 250 litros de água por dia. Nas Rias galegas, as ostras atingem o tamanho comercial (6-7 cm.) Após 18 a 24 meses, enquanto em outros países europeus são necessários mais de 4 anos para atingir esse tamanho.

O diâmetro máximo da concha é de 15 cm. e a vida máxima de uma ostra é de cerca de 30 anos, atingindo a maturidade sexual no primeiro ano. Um detalhe significativo é que, ao longo de sua vida, ele faz sexo masculino e feminino alternadamente. Isso é chamado de “hermafrodismo não simultâneo”. A desova ocorre entre os meses de junho e julho. O leigo é de mais de um milhão de larvas por indivíduo, mas há uma alta mortalidade. As ostras encontradas no mercado, como mexilhões, provêm do cultivo.

Cultivo

A agricultura de ostras é praticada em muitos países. Na Galiza, eles são cultivados há muito tempo em morcegos e praias e, devido à qualidade de nossas águas, são considerados de grande qualidade.

A forma de cultivo na batedura é semelhante à dos mexilhões. As ostras imaturas, também chamadas de sementes de ostras, são colocadas em cestas circulares, uma em cima da outra e submersas para maior crescimento e coleta.

Outra forma de cultivo é em parques localizados na zona entremarés das praias. As sementes são introduzidas em sacos de malha que são colocados em estruturas metálicas elevadas.

A grande maioria das ostras encontradas no mercado provém do cultivo. Embora muitos jovens que chegam à Galiza para o cultivo sejam estrangeiros, ao desenvolverem o crescimento em nossas águas, adotam as características e o sabor de nossos melhores frutos do mar, sendo estes muito citados.

Na Galiza, são produzidos dois tipos de ostras: plana ou européia e japonesa, espécie para a qual os produtores galegos registraram o nome comercial de “Ostra Rizada”.

Devido aos hábitos gastronômicos existentes na Galiza, a ostra japonesa ou encaracolada, atualmente, tem pouca aceitação no mercado galego, de modo que esse tipo de ostra não chega à Galiza de outras latitudes.
Pelo contrário, a degustação de ostras planas tem uma grande tradição, valorização e consumo na Galiza. Nesse caso, juntamente com as ostras planas nativas, as de outras fontes são muito abundantes no mercado galego, especialmente da Grécia e da Turquia.

Gastronomia

Existem poucos prazeres do paladar tão sublimes quanto tomar uma ostra crua, acompanhada por um bom vinho branco fresco, galego, se possível, depois de uma noite inquieta em líquidos evocativos e quentes. Este almoço tradicional nas Rias Baixas, depois das noites de festa, conseguiu penetrar até se tornar uma norma.

A ostra é crua, aberta por quem sabe fazê-lo com uma ligeira torção do pulso no músculo que une o corpo à concha. Algumas pessoas os acompanham com limão, um contraponto saboroso de ótimo sabor. As ostras devem ser tomadas com calma, uma de cada vez, porque são uma iguaria grata, que, se forem de mau gosto, existem algumas, nos avisa com o tempo e nos permite separá-las sem causar maiores danos. Empanado na farinha de milho e frito, ou em conserva. Seu sabor fino e delicioso é complementado com um alto valor nutricional. A ostra é rica em proteínas, vitaminas A, D e B e sais minerais.

Curiosidades Sobre a Ostra Plana do Pacífico

  • Nome comum
    Ostra japonesa ou do Pacífico
  • Nome científico
    Crassostrea gigas
  • Nome comercial em inglês
    Ostra do Pacífico
  • Regulamento
    Cultivo não sujeito a regulamentos específicos.
  • Tamanho médio
    11,5 cm
  • Principais mercados de destino
    República Popular da China, Singapura, Taiwan, África do Sul.
  • Tipo de frota extrativa

Receitas

Ostras Gratinadas

Duas dúzias de ostras planas são abertas, deixando a carne presa ao folheto inferior e à maior parte do suco. Eles são colocados em uma assadeira e, em cada um deles, uma porção de manteiga trabalhada com uma pitada de alho, suco de limão e salsa. Eles são polvilhados com migalhas de pão ralado e peneirados e um pouco de gruyère também ralado. Eles assam a 165 graus por alguns minutos até dourar levemente.

Ostras Gratinadas
Ostras Gratinadas

História

Como testemunham os antropólogos, com base nas enormes pilhas de conchas encontradas nas cavernas e abrigos habitados pelo homem das cavernas, nossos ancestrais pré-históricos eram muito mais amantes de ostras do que carne de mamute. Desde então, comem com ostras com prazer em todos os países do mundo ao longo da história.

Sem entrar nas profundezas científicas, impróprias para esta seção, existem dois tipos de ostras: planas e côncavas, também chamadas de portugueses ou souks, devido à sua forma semelhante à de um sapato. Os últimos, nossos vizinhos do norte os conhecem como huitres creuse, que poderíamos traduzir por ostras ocas.

Com ostras planas, os gregos votaram em sua democracia primitiva e os epicuristas romanos organizaram seus banquetes. Sabe-se que na Idade Média eles eram transportados protegidos pela neve, dos estuários galegos até a corte de Leão. Mais tarde, na Era Moderna, chegaram a Madri em conserva.

A mesma coisa que aconteceu com o caranguejo, as vinhas e a batata, uma importação descontrolada, estava prestes a nos deixar sem ostras no final do século passado. O culpado, neste caso, era uma ostra gigante vinda do Japão, que escondia um assassino mortal para espécies européias. O inimigo era um pequeno caracol marinho, chamado eurosalpinx cineresa, que perfurava as conchas e devorava a carne do suculento molusco.

 

O nome ostra é um termo que designa espécies diferentes: fundamentalmente, existem três tipos de ostras nos mares do mundo: Ostrea Edulis – o tradicional francês -, Crassostrea Gigas – o japonês, o mais difundido – e Crassostrea Virginica – tão típico da costa leste americana que foi jogada aos porcos. A ostra portuguesa, com um nome tão bonito, foi erradicada por doenças nos anos setenta do século passado e foi substituída pela ostra japonesa, que é o que costumamos encontrar em toda a Europa e tem uma forma côncava. A ostra francesa, muito mais escassa, é uma ostra plana.

Seu sabor é intenso e caracteristicamente iodado. Na França, um país líder no amor por ostras na Europa, a classificação das ostras é complexa e responde à relação entre a massa de carne e o peso total do molusco. Entre as ostras côncavas – ou japonesas -, as mais preciosas são as espirais de claire e as pousadas em claire. Os spéciales duram cerca de dois meses e as pousadas cerca de quatro, dobrando os spéciales em peso. No entanto, o tamanho grande não é tudo nas ostras: os pequenos boudeuses são muito populares hoje em dia.

Veja também

Mulher ao Lado das Bananas

Quantas Bananas se Pode Comer por Dia?

Se você adora comer bananas e esse título chamou a sua atenção, fique conosco até …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.