Home / Natureza / Ocorre Desmatamento na Caatinga?

Ocorre Desmatamento na Caatinga?

Informações consistentes sobre a cobertura vegetal, e mais especificamente sobre a cobertura florestal, e sua dinâmica ao longo do tempo são críticas para o manejo e proteção da floresta e apoio às decisões políticas relacionadas.

Na América do Sul, historicamente, a maioria dos esforços para estimar as mudanças na cobertura florestal foi focada nas florestas tropicais, com muito menos atenção dedicada às regiões sazonais menos úmidas.

Embora os neotrópicos abranjam áreas consideráveis ​​de savanas e florestas tropicais sazonalmente secas, os esforços de pesquisa e conservação focados nesses ecossistemas sazonais tropicais ainda são muito limitados.

Os biomas brasileiros Cerrado e Caatinga, que, juntos, cobrem uma área de cerca de 2,8 milhões de km2 (IBGE, 2004) ou aproximadamente 35% do território brasileiro, estão entre as eco-regiões mais ameaçadas do planeta devido às altas taxas de conversão e poucas áreas protegidas.

Outros Biomas Afetados

O Cerrado (savana brasileira) é o segundo bioma mais extenso da América do Sul e foi identificado como um dos mais importantes, quando se refere à biodiversidade do mundo.

Desde a década de 1970, esta região sofreu grandes perdas de vegetação natural devido à expansão agrícola. As áreas desmatadas no Cerrado brasileiro excedem em muito a derrubada da floresta amazônica.

A Caatinga é um bioma heterogêneo constituído por um mosaico de arbustos e áreas de floresta sazonalmente seca, ocorrendo principalmente em condições semiáridas.

A Caatinga engloba as maiores áreas da América do Sul. Independentemente das mudanças de cobertura da terra e do uso insustentável de seus recursos terrestres, a Caatinga tem sido apontada como uma das menos conhecidas e mais negligenciadas dos biomas brasileiros.

Uma vasta savana tropical formada por pastos e florestas intercaladas, o Cerrado brasileiro está sendo convertido para fins agrícolas em um ritmo alarmante, descobriram os pesquisadores.

  • Os pesquisadores usaram dados de satélite para determinar que a área cultivável dentro de uma área de estudo de 45 milhões de hectares dobrou na última década, aumentando de 1,3 milhão de hectares em 2003 para 2,5 milhões de hectares em 2013;
  • As plantações estão substituindo a vegetação natural do Cerrado tão rapidamente que, na verdade, os cientistas dizem que isso pode afetar o ciclo da água na região.

O Cerrado do Brasil é a segunda maior ecorregião do país depois da floresta amazônica — e está enfrentando tanta pressão de atividades humanas quanto a Amazônia, de acordo com novas pesquisas.

A destruição da Amazônia diminuiu acentuadamente na última década e meia, mas acontece que grande parte da expansão agrícola que não ocorreu na maior floresta tropical do mundo mudou para o Cerrado – e isso pode acabar impactando a Amazônia em todo o mundo. Mesmo.

Uma vasta savana tropical formada por pastos e florestas intercaladas, o Cerrado está sendo convertido para fins agrícolas em um ritmo alarmante, descobriram os pesquisadores.

As culturas estão substituindo a vegetação natural do Cerrado tão rapidamente que os cientistas, que publicaram os resultados de seus estudos na revista Global Change Biology, dizem que isso pode afetar o ciclo da água na região.

Estudos Científicos e Seus Resultados Sobre o Desmatamento nos Biomas Brasileiros

“Este é o primeiro estudo a mostrar a intensidade do desmatamento e da expansão agrícola no Cerrado na última década”, disse Gillian Galford, da University of Vermont, co-autor do estudo, em um comunicado. “É claramente um novo ponto de acesso para o desmatamento tropical”.

Galford fez parte de uma equipe de pesquisadores da Universidade de Vermont, Brown University e Woods Hole Research Center, que estudou dez anos de dados de satélite para examinar as mudanças no uso da terra na região do Matrado, onde a maioria da recente expansão agrícola ocorreu.

A equipe descobriu que a área cultivável dentro da área de estudo de 45 milhões de hectares dobrou na última década, aumentando de 1,3 milhão de hectares em 2003 para 2,5 milhões de hectares em 2013. Os pesquisadores determinaram que quase três quartos dessa expansão agrícola significassem a destruição da vegetação nativa do Cerrado.

Isso poderia impactar o ciclo da água no Cerrado e além, disseram os pesquisadores. Durante a estação de crescimento, as culturas reciclam aproximadamente a mesma quantidade de água que a vegetação nativa, mas durante a estação seca as terras agrícolas geralmente reciclam cerca de 60% menos água.

Se a expansão agrícola continuar, o que o governo brasileiro está promovendo, isso poderia levar a menos chuvas e até mesmo um atraso no início da estação chuvosa crítica.

“À medida que a agricultura se expande, isso pode afetar o regime de chuvas que suporta tanto a vegetação natural quanto a produção agrícola – não apenas no Cerrado, mas também na Amazônia”, disse a principal autora, Stephanie Spera, da Brown University.

Mais Dados Relevantes da Pesquisa

Metade das chuvas da Amazônia é água reciclada, disse Spera, em grande parte devido aos ventos dominantes que transportam as massas de ar do Cerrado para o oeste, em direção à Amazônia.

Menos umidade nessas massas de ar poderia resultar em diminuição das chuvas na Amazônia, que já está projetada para experimentar secas mais severas e generalizadas à medida que as temperaturas globais sobem.

O co-autor Jack Mustard, também da Brown University, acrescentou que o momento da estação das chuvas tem impactos abrangentes, tanto para o Cerrado quanto para a Amazônia, bem como para as próprias operações agrícolas. “Esta é quase toda a agricultura de sequeiro nesta região”, disse ele. “Se você começar a atrasar o início das chuvas, isso tem implicações para o que você pode crescer”.

Chuva na Amazônia
Chuva na Amazônia

De acordo com os pesquisadores, no entanto, as políticas que incentivam o cultivo duplo poderiam ajudar a mitigar os impactos da expansão agrícola no ciclo da água do Cerrado.

Eles descobriram que a terra com duas colheitas é plantada no mesmo campo durante uma única estação de crescimento. , faz com que ele se comporte mais como a vegetação nativa, estendendo a estação de crescimento, que é quando a evapotranspiração das terras cultivadas rivaliza mais com a vegetação nativa.

Apenas dois por cento da terra agrícola estudada foi dobrada em 2003, comparada a mais de 26 por cento em 2013. Sem esse aumento, a redução da reciclagem de água nas terras cultiváveis ​​provavelmente teria sido até 25 por cento pior, os pesquisadores disseram.

Destaques

Mudanças na cobertura da terra foram avaliadas para os biomas brasileiros Cerrado e Caatinga. Estima-se que estas mudanças ocorreram entre as décadas de 1990–2000 e 2000–2010 de forma consistente.

Uma contínua perda líquida de vegetação natural foi observada em ambos os biomas. A taxa anual global de mudança da cobertura da terra de 1990 a 2010 foi maior no Cerrado.

Veja também

Camelo Australiano: Características, Nome Cientifico, Extinção e fotos

Você sabia que a Austrália possui um grupo de imigrantes que estão no país desde …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *