Home / Natureza / Erupção do Vulcão Sinabung na Indonésia

Erupção do Vulcão Sinabung na Indonésia

Em 2018, o vulcão Monte Sinabung, na ilha indonésia de Sumatra, permanece em erupções violentas, lançando cinzas por quilômetros no ar. O estratovulcão tem sido esporadicamente ativo desde 2010, após quatro séculos de silêncio.

O monte Sinabung é um estratovulcão Pleistoceno para Holoceno de andesito e dacito no planalto Karo de Karo Regency, Sumatra do Norte, Indonésia, a 40 km do supervulcão do lago Toba. Ele está localizado em uma área relativamente fria em um planalto fértil com montanhas que limitam o norte.

Conhecendo o Vulcão

A cratera do topo do vulcão tem uma forma complexa e mais longa devido a aberturas migratórias na linha norte sul. A 2460 metros de altitude, o vulcão de alta densidade andesítica para dacítica vem da Sonda Arco, que é criada pela subducção da placa Indo-australiana sob a placa da Eurásia.

As Ilhas Andaman estão no limite norte-noroeste do arco, enquanto oBanda Arc está no leste. Sinabung tem um total de quatro crateras vulcânicas, sendo uma delas ativa atualmente. Muitos velhos fluxos de lava estão em seus flancos e a última erupção conhecida, antes dos tempos recentes, ocorreu no ano de 1600. As atividades de rachaduras onde se emitem vapor, gás e lava foram observadas pela última vez no topo em 1912.

Histórico Recentes de Erupções

Em agosto de 2010, o vulcão experimentou uma pequena erupção após vários dias de estrondo. Vomitou cinzas na atmosfera por até 1,5 km de altura e lava foi visto transbordando da cratera. 6.000 dos 30.000 moradores que tinham sido evacuados retornaram para suas casas. Na Indonésia, o vulcão foi designado para a categoria “B”, já que estava inativo há mais de 400 anos (vulcões na categoria “A”, deve ser monitorado freqüentemente). A Cruz Vermelha e o Ministério da Saúde da Indonésia enviou médicos e remédios para a região. A Agência Nacional de Gestão de Desastres forneceu máscaras faciais e comida para ajudar os evacuados.

No mês seguinte de 2010, mais duas erupções foram notadas, forçando mais aldeões a deixar suas casas. As erupções de setembro vieram acompanhadas com terremotos que puderam ser notados a uma distância de 25 quilômetros ao redor do vulcão. Uma das erupções emitiu sons que foram ouvidos a 8 quilômetros de distância. Teve fumaça a 5.000 metros no ar. Chuva pesada misturada com a cinza formou revestimentos lamacentos, com um centímetro de espessura, em prédios e árvores. A eletricidade em uma vila foi cortada, mas apenas uma pessoa foi declarada morta devido à erupção por ter tido problemas respiratórios enquanto fugia de casa.

No ano de 2013 mais três eventos vulcânico do monte Sinabung ocorreram. Em setembro, mais de 3.700 pessoas precisaram ser evacuadas de áreas dentro de um raio de 3 km do vulcão, e cinco salas normalmente usadas para cerimônias culturais tradicionais foram convertidas em abrigos com pelo menos 1.500 pessoas temporariamente alojadas. Em novembro, milhares foram novamente evacuados e a erupção afetou as pessoas que vivem ao redor do vulcão em mais de uma maneira, pois plantações morreram devido à queda de cinzas levando a uma mudança econômica na área. Em dezembro, uma cúpula de lava chegou a se formar no cume.

Em fevereiro de 2014 ocorreu uma nova erupção que enviou nuvens de cinzas quentes a 2 quilômetros no ar e engoliu aldeias próximas. Pelo menos 16 pessoas morreram como resultado dessa erupção, incluindo um jornalista de televisão local e quatro estudantes do ensino médio, juntamente com seu professor, que estava visitando a montanha para ver as erupções de perto. Outras sete vítimas eram membros do Movimento dos Estudantes Cristãos da Indonésia, que morreram enquanto tentavam salvar os residentes locais enquanto fluxos piroclásticos varriam o Monte Sinabung.

Ainda em 2014, em outubro, outras séries de erupções ocorreram na mesma violenta proporção de fevereiro, obrigando o governo local a evacuar aldeias próximas, pois até pequenas avalanches ocorreram. Interessante que o turismo a essa região, ao invés de diminuir, aumentou significativamente devido as atividades vulcânicas recentes. Povo doido esses turistas!

Em 2016 voltou a eclodir em maio, matando pelo menos sete pessoas e ferindo gravemente outras. A atividade continuou e as cinzas foram observadas ao longo de todo o ano. Permaneceu registrando atividade no ano seguinte, aumentando a força a partir de abril de 2017 e mais uma vez em agosto. Em dezembro de 2017, apresentou novas erupções e permanece em atividade recorrente até hoje.

Os Prejuízos das Erupções

Cultivos de várias aldeias foram danificados por cinzas vulcânicas do Monte Sinabung. O coordenador da Agência de Mitigação de Desastres disse que muitas plantações estão ameaçadas de fracasso. Dados sobre perdas potenciais estão sendo coletados, mas é certo que a maioria das terras agrícolas de moradores de várias aldeias foi danificada por cinzas vulcânicas.

Milhares de residentes ao redor do monte Sinabung precisam desesperadamente de água limpa, depois de resistir aos efeitos das erupções do vulcão em suas casas. A Comunidade Voluntária da Indonésia afirma que muitos dos moradores afetados estavam passando fome, já que começaram a ficar sem comida e os moradores não têm mais dinheiro para comprar alimentos porque suas plantações agrícolas foram afetadas por cinzas vulcânicas.

Além disso, visto que as aldeias ficam cobertas de cinzas, todos precisam urgentemente de máscaras e são aconselhados a permanecer em ambientes fechados devido à qualidade do ar potencialmente perigosa. Vulcanologistas explicam que respirar cinzas vulcânicas é um perigo significativo para a saúde, pois as cinzas são realmente pequenos pedaços de vidro. Por isso pode rasgar os pulmões e formar uma espécie de “cimento” no organismo.

A Loucura de Morar Perto de Vulcão Ativo

Com todos esses riscos em potencial, uma questão grita em nossos pensamentos: porque existem pessoas que escolhem viver perto de um vulcão ativo?

Pode parecer contraditório morar perto de uma montanha que pode lançar cinzas e lava sobre sua casa e prejudicar sua família, mas viver perto de um vulcão ativo também traz muitos benefícios. O solo próximo aos vulcões ativos é rico em depósitos minerais e oferece excelentes oportunidades de cultivo. Suas cinzas contêm nutrientes que convertem o solo onde são depositados em terras muito férteis.

A energia geotérmica de um vulcão pode alimentar sistemas tecnológicos para comunidades próximas. Alguns lagos e certas terras circundantes podem ser afetados pela influência do vulcão, seja com saídas de vapor ou a existência de gases em suas águas. O uso desses gases para produzir energia é uma maneira sustentável de aproveitar o poder dos vulcões.

Pedras Vulcânicas
Pedras Vulcânicas

Os vulcões fornecem materiais muito úteis. Pedra vulcânica é usada para fazer argamassas na construção e para polir metais. A perlita, na construção, na elaboração de cerâmica e na horticultura. Diabásio e basalto triturado são usados ​​em estradas, como lastro para ferrovias, em grânulos para telhados ou em quebra-mares.

E, por incrível que pareça, mais e mais pessoas estão interessadas em visitar vulcões durante suas férias. Um espetáculo natural que atrai milhares de visitantes todos os anos para ver como o planeta funciona. Este interesse em vulcões gera trabalho perto destas montanhas com hotéis, restaurantes, lojas de presentes e empregos como guias turísticos.

Veja também

Reprodução do Macaco: Filhotes e Período de Gestação

Hoje vamos conhecer um pouco mais sobre a reprodução dos macacos, entender como funciona a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *