Home / Natureza / Cor, Porosidade e Textura do Solo Arenoso

Cor, Porosidade e Textura do Solo Arenoso

Um solo arenoso é um solo composto por mais de 60% de areia. Do ponto de vista químico e mineralógico, a fração granulométrica prevalente, a areia, é representada por minerais de difícil desintegração, como quartzo, feldspato ou outros tectossilicatos. Em solos relativamente jovens, a presença de solo arenoso também pode ser relevante.

Cor, Porosidade E Textura Do Solo Arenoso

O adjetivo solto, atribuído a esse terreno, deve-se à baixa incidência das forças de coesão e à ausência de estrutura, que parece substancialmente inconsistente. A luz adjetiva é derivada da facilidade com que esta terra é processada. Na realidade, a densidade de solos arenosos, tanto aparentes como reais, é maior do que a dos chamados “solos pesados”, os solos argilosos, tanto pela menor porosidade total como pela natureza química e mineralógica das partículas primárias.

Exceto em condições especiais, onde um alto teor de areia é acompanhado por uma presença apreciável de partículas muito finas, da classe de argila (pelo menos 5 a 10% em terra fina), os solos arenosos são caracterizados pela ausência de estrutura (estrutura inconsistente) devido ao conteúdo coloidal muito baixo.

A consequência de uma estrutura do tipo incoerente é a falta de manifestação dos fenômenos associados ao poder coloidal do solo, tais como coesão e adesividade, cuja manifestação geralmente tem implicações negativas, mas também o baixo poder de absorção, que é essencialmente identificado com o significado mais difundido do conceito de fertilidade do solo.

Devido à ausência de uma estrutura real, as propriedades físicas e mecânicas dos solos arenosos são substancialmente determinadas pelo tamanho das partículas primárias e sua estrutura geométrica. Da combinação desses fatores, há um desenvolvimento limitado da superfície de massa, que no máximo pode atingir valores da ordem de 20 m² por grama de solo.

As dimensões das partículas e seu arranjo mútuo em condições de estrutura incoerente determinam baixos valores da porosidade total, geralmente menor que 50%, e um desequilíbrio da razão entre microporosidade e macroporosidade a favor desta última. As conseqüências diretas desta condição são a baixa capacidade de solos arenosos e, acima de tudo, a limitada capacidade de retenção de água e a alta permeabilidade.

Todos estes aspectos tem reflexões muito importantes sobre as propriedades físico-químicas do solo. O valor limitado da porosidade é acompanhado por um alto valor da densidade aparente, da ordem de 1,6-1,8 t/m³, pouco afetado pelo trabalho devido à ausência de estrutura.

A Questão Da Porosidade

A porosidade expressa o volume dos espaços vazios do solo como uma razão percentual no volume total. Esta propriedade física influencia diretamente a dinâmica das fases líquida e aeriforme no solo e, indiretamente, a fertilidade química. Tem uma estreita correlação com a estrutura e os processos.

Por porosidade total entende-se a porosidade total do solo, dentro da qual existe uma microporosidade e uma macroporosidade. Por convenção, aqueles com diâmetro maior que 8 μm são considerados macroporos, microporos com diâmetro menor que 8 µm.

Porosidade do Solo
Porosidade do Solo

A porosidade total determina a capacidade do solo de invadir e está relacionada à textura. Em geral, aumenta com o conteúdo em partículas finas e muito finas, atingindo os maiores valores nos solos argilosos trabalhados e os menores nos solos arenosos. Os solos não processados ​​têm porosidade total geralmente variável de 40% (solos arenosos) a 50-55% (solos argilosos e turfosos). Após o processamento, pode aumentar para valores de 50 a 70%.

A microporosidade tem reflexos na capacidade de retenção de água e está correlacionada tanto à textura quanto à estrutura. Em geral, aumenta com o conteúdo em partículas finas e muito finas, atingindo os maiores valores em solos argilosos e lamacentos, compactados ou mal estruturados.

A macroporosidade tem reflexos na permeabilidade e nos movimentos do ar e da água no solo. Está relacionada principalmente à tecelagem, atingindo os maiores valores em solos arenosos, mas também é condicionada pelo estado estrutural e processamento. Este último pode aumentar significativamente a macroporosidade em solos coloidais, melhorando a relação entre micro e macroporos em favor do último.

Macroporos E Microporos

A proporção ideal entre microporos e macroporos deve ser 1:1. Nessas condições, o solo pode hospedar uma relação equilibrada entre a fase líquida e a fase aeriforme, permitindo o acúmulo de reservas de água significativas nos microporos e a presença de um suprimento adequado de ar, que ocupa os macroporos. Este último também facilita o movimento da água no solo, permitindo a infiltração e drenagem sub-superficial do excesso de água.

Macroporos E Microporos
Macroporos E Microporos

Finalmente, uma relação equilibrada entre macro e microporos determina um bom equilíbrio da substância orgânica com um equilíbrio entre os processos de humificação e mineralização. Em última análise, os solos excessivamente macroporosos tendem a ser muito permeáveis ​​e bem arejados, mas são facilmente sujeitos à seca e à mineralização excessiva da matéria orgânica, com a consequente redução da fertilidade química. Solos excessivamente microporosos tendem a ser impermeáveis ​​e asfixiados devido à dificuldade de drenar o excesso de água.

Propriedades Agronômicas Do Solo Arenoso

Do que foi dito anteriormente, está claro que as propriedades agronômicas dos solos arenosos são essencialmente determinadas pela modesta superfície de massa, baixa porosidade e alto grau de macroporosidade, características que derivam da combinação de textura grosseira e ausência de estado estrutural. Estas propriedades representam uma situação vantajosa, no que diz respeito aos solos finos ou de textura muito fina, no que diz respeito às propriedades físico-mecânicas em geral, exceto pela modesta capacidade de retenção de água, e uma situação desvantajosa em relação às propriedades química.

Os defeitos intrínsecos dos solos arenosos só podem ser superados em alternativa à disponibilidade de água de irrigação e com o uso de meios técnicos capazes de compensar a modesta fertilidade química. A remoção desses limites torna possível melhorar seus méritos, tornando-os, para todos os efeitos, terras de alta fertilidade, valorizadas com o destino de culturas intensivas de alta renda.

As intervenções necessárias para melhorar a vocação agronômica dos solos arenosos devem ser aplicadas sistematicamente e comprometer recursos na forma de capital de giro. Uma vez que esses limites sejam excedidos, no entanto, os solos arenosos têm vantagens indiscutíveis e podem ser explorados para a agricultura dinâmica com culturas de alta renda, capazes de aumentar o maior comprometimento dos recursos financeiros.

Deste ponto de vista, a importância das condições logísticas e infraestruturais não deve ser negligenciada, pois elas podem afetar o resultado econômico com os custos de transporte e comercialização. Na ausência de tais condições e na presença de fatores limitantes, tais como a disponibilidade de água de irrigação, os solos arenosos têm limites estruturais que são difíceis de resolver.

Veja também

O que é uma Infecção Fúngica? Quais os Sintomas?

Infecções fúngicas são infecções causadas pela presença de fungos parasitas no ser humano. Os fungos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *