Home / Natureza / Cobras D’Água São Venenosas?

Cobras D’Água São Venenosas?

Já falamos aqui no blog de cobras do mar. E explicamos que o risco de encontrar uma nos mares brasileiros são de quase zero. Mas e as cobras d’água? Será que essas existem aqui no Brasil? E, se existem, será que são venenosas? Quais são elas e que cuidados precisamos ter?

O Que são Cobras D’Água?

A maioria das cobras d’água conhecidas por todo o mundo não são, na verdade, cobras da água realmente. São espécies consideradas semi aquáticas porque se adaptam a ambientes úmidos, pantanosos ou de algum modo margeando fontes de água doce onde encontrarão mais facilmente suas presas preferidas. A única espécie realmente aquática existente são as que pertencem a família acrochordidae, cobras vulgarmente conhecidas como cobras verruga. Este é um grupo de cobras aquáticas primitivas encontradas na Austrália e na Ásia tropical. Aparentemente, só existem três dessa espécie catalogadas atualmente: a cobra tromba de elefante (acrochordus arafurae, comum no norte da Austrália e em Papua Nova Guiné), a cobra de arquivo (acrochordus granulatus, encontrada pelo  sudeste asiático, desde a Índia até as Ilhas Salomão) e a cobra verruga ou arquivo de java (acrochordus javanicus, encontrada em vários pontos no sudeste da ásia, incluindo Cingapura, Camboja, Vietnã, Tailândia, várias ilhas indonésias, etc). Estas sim são cobras totalmente adaptadas para viver debaixo d’água tanto que seu corpo não pode suportar seu peso fora da água e deixar a água pode causar-lhes ferimentos graves.

Cobra Dentro D'Água
Cobra Dentro D’Água

Já as que comumente são chamadas cobras d’água reconhecidas no Brasil pertence a uma classificação que inclui uma lista enorme de cobras que são capazes de nadar e até mergulhar, mas não sobrevivem totalmente na água. Seria difícil apresentar uma lista completa dessas espécies nesse artigo mas podemos listar algumas.

As Falsas Cobras D’água

Pela família colubridae, uma grande conhecida é a cobra da grama ou cobra anelada (natrix natrix). É uma cobra verde escura ou marrom com um colar amarelo característico por trás da cabeça.é amplamente distribuída na Europa continental, variando entre a Escandinávia ao sul da Itália. Também é encontrado no Oriente Médio e no noroeste da África e foi exportada para a Grã Bretanha; as nerodias (nonvenomous nerodia) envolvem nove espécies, todas conhecidas por seu comportamento aquático.

Estão amplamente espalhadas por toda a metade sul e leste dos Estados Unidos, ao norte no Canadá e ao sul no México, bem como à ilha de Cuba; a cobra ribeiro de Kikuzato (opisthotropis kikuzatoi) é uma espécie de serpente endêmica no Japão, encontrada nas Ilhas Ryukyu; sinonatrix percarinata, vulgarmente conhecida como a serpente de água oriental é endêmica de Taiwan, onde ocorre em todo o país; a quilha quadriculada ou serpente de água asiática (xenochrophis piscator) é uma espécie comum na Ásia, podendo ser realmente vista em diversos países como Afeganistão, Bangladesh, Paquistão, Sri Lanka, Índia, Myanmar, Nepal, Tailândia, Laos, Camboja, Vietnã, China, Taiwan, Indonésia, etc.

Pela família dipsadidae, podemos mencionar a serpente de água de cauda marrom (helicops angulatus), uma espécie de serpente encontrada na América do Sul tropical e Trinidad e Tobago; a vulgarmente conhecida como a serpente de mangue (liophis Cobella) vive em várzea floresta tropical e costeiras de mangue pântanos e pode ser encontrada no norte da América do Sul a leste dos Andes, nas Guianas, no leste da Venezuela e em Trinidad e Tobago; o coral de alta floresta (liophis reginae) é endêmica no norte da América do Sul, encontrada na Venezuela, no Peru e em Trinidad e Tobago.

Pela família homalopsidae, mencionamos a cobra com cara de cachorro (cerberus rynchops), uma espécie colúbrida nativa da Ásia e da Austrália. É comumente encontrada em manguezais, lodaçais, riachos, lagoas, poças de maré, em manchas de algas, e foi até encontrado escavando na lama. Também é uma das poucas que tolera bem a água salgada; a serpente de água do arco-íris (enhydris enhydris) é uma das poucas exceções que possuem veneno. Endêmica na Ásia, pode ser encontrada no sudeste da China, Indonésia, Bangladesh, Camboja, Índia central e oriental, Laos, Malásia, Mianmar, Nepal, Paquistão, Cingapura, Sri Lanka, Tailândia e Vietnã; a serpente de arroz (hypsiscopus plumbea) também é uma das pouco venenosas comumente vista na Índia, Birmânia, Camboja, Indonésia, Laos, Malásia, sudeste da China, Tailândia e Vietnã; a buccata homalopsis, vulgarmente conhecida como cobra água sopro de rosto varia do norte de Sumatra à Ilha Salanga, Indonésia e Bornéu e também na península da Malásia, bem como no extremo sul da Tailândia.

Pela família viperidae, destacamos apenas os venenosos mocassins americanos (agkistrodon piscivorus). Víboras venenosas, cuja mordida é muito dolorosa e potencialmente fatal. São vistas particularmente em lagos, córregos e pântanos lentos e rasos. É uma forte nadadora e até foi vista nadando no oceano, apesar de não ser uma cobra marinha mas sim uma semi aquática. Esta espécie é encontrada no leste dos EUA, no sudeste da Virgínia, sul da Flórida e oeste de Arkansas, leste e sul de Oklahoma e oeste e sul da Geórgia mas também já foi visto no Alabama, Geórgia, Illinois, Indiana, Kentucky, Louisiana, Missouri, Carolina do Norte, Oklahoma, Carolina do Sul e Texas. Parece ter colonizado com sucesso as ilhas ao largo das costas do Atlântico e do Golfo.

Cobras D’Água do Brasil

Semelhante a muitos países do mundo, Brasil também abriga diversas espécies que se adaptam bem aos ambientes de água doce pelo território, e não são muito poucas. Para não se estender demais, destacamos quatro das mais conhecidas:

Cobra lisa brasileira (hydrodynastes gigas), também conhecida por surucucu-do-pantanal, vibora ladradora e outros nomes pela América do Sul, é uma cobra colúbrida que pode passar de 3 metros de comprimento e, no Brasil, pode ser vista principalmente no Amazonas, Pará, Amapá, Ilha Marajo, Rio Grande do Sul, Paraná, Rondônia e Goiás.

Surucucu do Pantanal
Surucucu do Pantanal

Helicops modestus é uma víbora que não detém nenhum nome popular que não seja cobra d’água mesmo. Umas das venenosas semi aquáticas que pode ser encontrada no Brasil pelos estados de Goiás, Distrito Federal, Bahia e Minas Gerais. É frequente acidentes entre ela e pescadores de água doce, atraídas pelos peixes.

Também conhecida como jararaca do tabuleiro ou trairaboia, a cobra lisa liophis miliaris tem seu habitat natural desde o sul da Guiana até Buenos Aires, na Argentina. No Brasil, pode ser vista na mata atlântica do sul da Bahia, na mata atlântica do litoral de São Paulo e na mata atlântica do Paraná.

E como poderia deixar de mencionar as famosas anacondas brasileiras.

Pertencente a família boidae, o gênero eunectes é vulgarmente conhecido por diversos nomes e são nativas da América do Sul. Das quatro espécies, uma está extinta e as outras três espécies são frequentadoras das águas doces do território brasileiro. Araribóias, boiaçus, boitiapóias, boiunas, sucuriús, sucurujubas são apenas alguns dos nomes dados as temidas sucuris. As três espécies existentes aqui são: a sucuri malhada (eunectes deschauenseei), vista somente na Ilha de Marajó; a sucuri amarela (eunectes notaeus), muito comumente vista apenas na região do Pantanal e a grande sucuri verde (eunectes murinus), as que metem mais medo pelo tamanho impressionante, habitante do cerrado e da amazônia.

Sucuri Verde
Sucuri Verde

Cobras D’Água São Venenosas

Resumindo, não há razões para se preocupar com isso. Algumas das espécies desta cobras são venenosas, mas a maioria não possuem glândulas de veneno, e as poucas que as possuem não carecem de um aparelho eficaz de injeção durante a mordedura. Ou seja, se morderem ou picarem, não será uma injeção de veneno suficiente para causar algum mal significativo. Mas isso nãos nos dá o direito de provocar, manusear ou molestar a cobra.

Veja também

Cadeia Alimentar da Baleia e o Ecossistema Marinho

Cerca de 300.000 espécies marinhas são conhecidas pela ciência – cerca de 15% de todas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *