Home / Natureza / Cadeia Alimentar Produtores

Cadeia Alimentar Produtores

Todo ecossistema é formado por três componentes principais: produtores, consumidores e decompositores. Todos os ecossistemas dependem das atividades dos produtores. Estes organismos – plantas em terra e algas na água – transformam luz solar e matéria inorgânica em comida.

Produtores – Base do Ecossistema

Produtores são espécimes que geram alimentos através de substâncias biológicas. Os principais tipos de produtores são vegetais, associações simbióticas e algas, causando a transmutação de água, luz solar e dióxido de carbono em carboidratos.

Consumidores são espécimes incapazes de produzir sua própria alimentação. Com efeito, eles sucumbem a alimentação fornecida por produtores ou exaurem de outras espécimes que, em contra partida, comem os produtores.

Muitos insetos e animais são consumidores. Os decompositores fragmentam elementos biológicos esmarrido ou falecido. Entre os tipos de decompositores estão consumidores de resíduos descartados, tais como minhocas e percevejos, incluindo também fungos e bactérias. Animais tipicamente “faxineiros” enquadram-se nessa classificação decompositores também.

Os produtores são a base de qualquer ecossistema. Eles criam a matéria, ou biomassa, que sustenta o resto do ecossistema. Produtores são, por definição , autotróficos, o que significa que eles são auto-alimentados.

Este tipo de espécime utiliza-se do efeito solar através da fotossíntese ou mesmo da quimiossíntese (uma reação menos assídua), gerando assim alimentos corpúsculos cheios de energia, os carboidratos. Nessa circunstância, a essência do dióxido de carbono inserido aos elementos biológicos, resulta no que é chamado produção primária e de alguma forma influencia na conservação de toda a vida terrestre.

O Papel das Plantas e Líquens nos Ecossistemas Terrestres

Vegetais e associações simbióticas são os mais significativos produtores terrestres. Toda a flora praticamente forma esse importante grupo de produtores em quase todo o ecossistema terrestre. Sendo no Ártico a única exceção, diante da escassez da flora,  e onde os líquens é quem desempenham a maior parte dessa função.

Em quase todo o ecossistema terrestre o ciclo já conhecido: existe a vegetação qual produtor que serve de alimentação pra algum animal herbívoro que surge no papel de consumidor primário, animal este que geralmente é vítima da predação de algum outro animal carnívoro que o caça.

Este último é o consumidor secundário que invariavelmente está no topo da cadeia alimentar por não ter nenhum predador natural para sua espécie. Entretanto, esse consumidor ao falecer tende a se decompor e passa ele mesmo a fornecer alimento pra o ciclo inicial da cadeia, onde os decompositores o consomem e são em seguida absorvidos como nutrientes para os vegetais dando início ao ciclo novamente.

Os estágios desse ciclo na cadeia é padrão em todo ecossistema, à exceção do Ártico onde os estágios da cadeia tendem a ser mais curtos.

O Papel das Algas nos Ecossistemas Aquáticos

Algas é um amplo agrupamento de plantas aquáticas ou organismos vegetais que contêm clorofila. Eles são a base de todas as teias de vida aquáticas. Embora as algas frequentemente se assemelhem a plantas terrestres, elas não possuem estruturas como caules, folhas e raízes.

Além disso, as algas podem variar de pequenos organismos unicelulares, como diatomáceas (microalgas) a grandes organismos multicelulares, como algas (macro algas).

Na cadeia alimentar marítimas, as algas são basicamente quem sustentam o ciclo. Suas variações unicelulares podem servir de alimento também pra outras diversidade diatomáceas que, por conseguinte, alimentarão seres marinhos em geral menores, que também acabarão servindo de alimentos pra outros animais marinhos geralmente maiores. Estes últimos podem ou não também se tornarem vítimas na cadeia alimentar, principalmente se a ameaça for o homem.

Em qualquer ecossistema, os produtores estão na base de toda a cadeia alimentar. Todos os outros organismos dependem das atividades de criação de alimentos dos produtores primários.

Energia nos Ecossistemas

Linda Imagem do Sol Prestes a Ir Embora
Linda Imagem do Sol Prestes a Ir Embora

A maior fonte de energia para um ecossistema é o sol. Energia que não é usada em um ecossistema é eventualmente perdida como calor. Energia e nutrientes são passados ??pela cadeia alimentar, quando um organismo come outro organismo.

Qualquer energia remanescente em um organismo morto é consumida pelos decompositores. Nutrientes podem ser reciclados através de um ecossistema, mas a energia é simplesmente perdida com o tempo.

Um exemplo de fluxo de energia em um ecossistema começaria com os autotróficos que tiram energia do sol. Herbívoros, em seguida, alimentam-se dos autotróficos e mudam a energia da planta para energia que eles podem usar. Os carnívoros subsequentemente se alimentam dos herbívoros e, finalmente, outros carnívoros atacam os carnívoros.

Em cada caso, a energia é passada de um nível trófico para o próximo nível trófico e cada vez que alguma energia é perdida como calor para o ambiente. Isso se deve ao fato de que cada organismo deve usar alguma energia que recebeu de outros organismos para sobreviver. O principal consumidor de uma cadeia alimentar será o organismo que recebe a menor quantidade de energia.

Quando se trata do fluxo de energia nos ecossistemas, existem dois tipos de organismos: produtores e consumidores . As plantas são um exemplo comum de produtores em todas as populações. Eles são capazes de converter dióxido de carbono em oxigênio e glicose, um açúcar comum consumido pela maioria dos organismos.

Eles fazem isso através de um processo chamado fotossíntese, que permite que as plantas usem a luz solar como fonte de energia. Os produtores convertem energia do meio ambiente em energia química na forma de carbono para ligações de carbono. Um exemplo clássico é o mencionado anteriormente, onde as plantas convertem CO 2 em O 2 e glicose.

O segundo tipo de organismo é o consumidor. Os consumidores são incapazes de produzir energia química do jeito que as plantas fazem e precisam usar processos metabólicos para obter energia de carbono para ligações de carbono, o que é chamado de respiração.

A respiração quebra o carbono em ligações de carbono e as combina com oxigênio para produzir dióxido de carbono. A energia liberada é usada para ajudar os organismos a mover seus músculos ou como calor. A energia não pode ser reutilizada depois de perdida.

O Que Acontece Quando Algo Em Uma Cadeia Alimentar é Extinto?

Imagem Exemplificando uma Cadeia Alimentar
Imagem Exemplificando uma Cadeia Alimentar

Uma rede alimentar, em termos básicos, é “quem come o quê”. Também chamada de cadeia alimentar, a cadeia alimentar descreve a série de relacionamentos que ocorrem entre predadores e presas em um ecossistema.

Você é um membro da cadeia alimentar se comer animais que tenham comido outros animais ou plantas. Como as formas de vida em uma cadeia alimentar dependem umas das outras, a extinção de uma espécie pode significar problemas para outras formas de vida no ecossistema.

Vários tipos de formas de vida formam a cadeia alimentar. Plantas verdes que podem fazer sua própria comida através da fotossíntese são os produtores da web. Eles formam o fundo da cadeia. Animais que recebem comida de outros animais e plantas são consumidores.

Os decompositores se alimentam de plantas e animais mortos porque os decompositores não podem produzir seus próprios alimentos. Todos os membros da cadeia alimentar são predadores, presas ou ambos. Por exemplo, um predador pode se tornar a presa de outro predador.

Se uma espécie na teia alimentar deixar de existir, um ou mais membros do resto da cadeia também deixariam de existir. Uma planta ou animal não precisa nem se extinguir para afetar um de seus predadores.

O peixe sugador de harelip, por exemplo, costumava comer caracóis no século XIX. Após o desperdício, o solo superficial e outros detritos invadiram os rios onde os peixes viviam, a população de caracóis diminuiu. O US Geological Survey observa que esse declínio provavelmente causou a extinção do peixe.

Inter-relações dentro de uma teia alimentar podem ser tão complexas que uma cadeia de eventos disruptivos pode ocorrer quando um componente do ecossistema muda. Ursos polares, por exemplo, dependem de selos para alimentação.

A população de focas pode diminuir se o bacalhau do Ártico, um importante suprimento de alimentos para focas, diminuir. O bacalhau come zoo plâncton e o zoo plâncton come algas congeladas. Se a mudança climática faz com que o gelo do mar derreta, a população de algas congeladas cai, criando um efeito cascata que reduz a população de ursos polares.

A urbanização e a industrialização em torno de um habitat natural podem ter ajudado a levar ao desaparecimento do peixe sucker. Os seres humanos também afetam a teia alimentar de outras formas. A sobrepesca ocorre quando as pessoas pegam muita comida dos oceanos, e as espécies não podem se substituir. O bacalhau do Atlântico quase se extinguiu em 1900, quando pescadores retiraram muitos desses peixes do mar.

Enquanto o debate sobre se os humanos afetam a temperatura da Terra continua, as mudanças climáticas causam efeitos negativos na cadeia alimentar. À medida que a temperatura da água sobe, a oferta de corais diminui. Como outras formas de vida marinha vivem em recifes de coral, menos recifes levarão a interrupções na rede alimentar para criaturas que vivem no oceano.

Veja também

Onça-Parda

Tamanho do Território da Onça-Parda e da Onca Pintada

Com que freqüência as onças e pumas se encontram na natureza? Raramente nariz a nariz, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *