Home / Natureza / Árvores Em Extinção No Brasil

Árvores Em Extinção No Brasil

Pela primeira vez, uma pesquisa universal de árvores foi realizada. Graças à Botanic Gardens Conservation International , especializada na proteção da biodiversidade, sabemos agora que nosso planeta abriga 60.065 espécies diferentes de árvores.

Enquanto a Conservação Internacional de Jardins Botânicos (BGCI) identificou mais de 60.000 diferentes espécies de árvores, qual país tem mais? Brasil!

Uma Estatística Desmazelada

O país que mais conta é, sem muita surpresa, o Brasil , com 8.715 espécies. Sua localização geográfica, no coração da floresta amazônica, explica esse resultado. Segue-se a Colômbia e a Indonésia , com respectivamente 5.776 e 5.142 espécies.

Daqueles em território brasileiro, 4.333 não são encontrados em nenhum outro lugar! Infelizmente, esse ranking pode evoluir. De fato, com base em dados da Divisão de Estatística das Nações Unidas, o jornal argentino La Nación revela que o Brasil é o campeão mundial de desmatamento.

Segundo relatos, perdeu 531.670 km² de área florestal nos últimos 25 anos. A Indonésia vem em segundo lugar, com 275.350 km² a menos, e a Colômbia em décimo, com 59.153 km² de madeira perdida. Uma observação perturbadora, quando se descobre que 9 600 espécies de árvores estão em processo de extinção, das quais 300 em situação crítica, com menos de 50 exemplares.

O objetivo do censo do BGCI é preservar essas espécies ameaçadas. O trabalho titânico dos botânicos permitiu criar um vasto banco de dados de mais de 500 fontes! Esta informação deve permitir estimar o risco de cada espécie, e talvez tomar medidas para protegê-las e limitar o desmatamento e a exploração excessiva das florestas.

Quase 10.000 Variedades de Árvores Ameaçadas de Extinção

Sabíamos que mais de 200 espécies de aves que pousam em seus galhos estavam ameaçadas de extinção, também descobrimos que 60% das espécies de macacos que sobem em seu tronco estavam em perigo, mas hoje são as próprias árvores que estão preocupando.

Das 20.000 espécies avaliadas, 300 delas são muito críticas, com uma escassa população de 50 árvores. Em uma tentativa de preservá-los, os botânicos coletam rotineiramente as sementes que eles replantam ou conservam, a fim de evitar novas ameaças de extinção do desmatamento ou sobre exploração de florestas.

De acordo com cenários de desmatamento, de 36 a 57% das espécies amazônicas podem desaparecer. Isso é até 8.700 espécies, dentre as 15.000 estimadas durante o primeiro inventário da bacia amazônica publicado há dois anos.

Espalhados pelo mundo, esses resultados geram temores de que 40.000 espécies de árvores tropicais sejam expostas ao mesmo risco de extinção e aumentem a proporção de plantas ameaçadas no planeta para um quinto.

A Amazônia, descrita como o pulmão verde do planeta, está no centro das preocupações ambientais. O desmatamento acelerado das últimas décadas preocupa todos os observadores do aquecimento global. No Brasil e nos países vizinhos, o desmatamento é visto como uma consequência do desenvolvimento e melhoria de um espaço nacional que precisa ser protegido.

Swietentia Macrophylla

A maioria do que é conhecido no comércio como “mogno” na verdade pertence à espécie de swietenia macrophylla. Mas o mogno é um conjunto de árvores tropicais da família meliaceae. A principal característica desta família é ter uma madeira rosa ou vermelha pálida que a torna tão preciosa.

O mogno é uma árvore de um crescimento bastante rápido. Sendo capaz de medir mais de 50 metros de altura, essa espécie muito grande emerge acima do dossel amazônico. Suas folhas decíduas são bastante oblongas e lanceoladas.

Pode chegar a mais de 40 cm, com folhetos em pares opostos, suas folhas são geralmente verde-escuras no topo e verde-claro abaixo. Sua casca é marrom escuro e escamosa com um cheiro doce. Suas flores são brancas e pequenas, mas seus frutos lembram grandes cápsulas de cor cinza claro a marrom.

É uma das árvores mais comercializadas na Amazônia. Superexploração de outras espécies da família meliaceae levou à extinção comercial. Mahogany (conhecido como o “mogno” na América Latina, “mogno” no Brasil, “mara” na Bolívia e “ahuano” no Equador) é desigualmente distribuída do sul do México, América América Central para a Bolívia e Brasil via América do Sul.

Apesar da proteção internacional (CITES), a árvore ainda é e sempre será saqueado dramaticamente, pelo visto. O nível de extração ilegal de madeira e a falta de controle sobre seu comércio internacional estão levando a espécie à extinção.

As florestas em que crescem o mogno de folha larga são os locais de habitação de muitas espécies de animais, incluindo o criticamente em perigo ariranha (pteronura brasiliensis), que opera principalmente em rios, córregos, lagos e zonas úmidas de Amazônia e em outros rios da América do Sul. Derrubar folhas de mogno e outras espécies de árvores leva à erosão do solo que destrói o habitat das lontras, entre outras coisas.

Os espanhóis foram os primeiros a comercializar a swietentia macrophylla durante o século XVI. Irremediavelmente, a população de árvores na América Central e do Sul diminuiu gradualmente ao longo dos séculos.

Altamente valorizada por sua paleta de cores em torno do vermelho, suas características técnicas reconhecidas, sua beleza e força, a swietentia macrophylla sempre foi muito valorizado. É comercializado e utilizado para a fabricação de móveis, instrumentos musicais e outros produtos de madeira, bonitos e de qualidade.

A população de swietentia macrophylla diminuiu em mais de 70% na América Central desde 1950. A espécie já é relatada como comercialmente extinta em El Salvador, Costa Rica e partes da América do Sul como Mato Grosso no Brasil e o Beato na Bolívia.

Caesalpinia Echinata

Caesalpinia echinata é uma leguminosa. É fácil identificar porque grandes crescimentos, semelhantes aos espinhos, se formam em sua casca. Na idade adulta, atinge uma altura de dez metros e sua densidade, muito maior que 1, é o dobro da de carvalho.

Espécimes de grande diâmetro tornaram-se extremamente raros devido à superexploração desta árvore. Hoje em dia, o abate é feito após trinta anos de crescimento, o que significa que operamos tambores de pequeno diâmetro.

A madeira de Pernambuco, ou caesalpinia echinata, está ameaçada por três razões: de um lado, a floresta amazônica está desmoronando devido ao desmatamento e essa madeira cresce apenas em áreas costeiras; por outro lado, porque é uma matéria prima valiosa; e finalmente porque, devido à sua densidade excepcional (o dobro da do carvalho), seu crescimento é muito lento. Nosso mundo aprecia ganhos de capital financeiro, mas odeia a lentidão.

A família cesalpinaceae inclui outras árvores apreciadas pelos marceneiros. Amarante (Brasil), Angélique (Brasil), Courbaril (Brasil), etc… Muitas são árvores valiosas usadas apenas para verniz. Hoje, apenas um décimo dos arcos comercializados são feitos da madeira de pernambuco. O preço corresponde à escassez do material e à qualidade do trabalho realizado. Um novo arco pode custar várias centenas de euros.

Veja também

Leão Sentado Deitado

Top 5 felinos Com as Maiores Presas do Mundo

Ser um predador de ponta é difícil e, para muitas espécies, a maioria das atividades …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *