Home / Natureza / Alimentação da Arraia, O Que A Arraia Come?

Alimentação da Arraia, O Que A Arraia Come?

Uma coisa curiosa sobre as arraias é que elas meio que “se oferecem” a outros peixes, não pra serem devoradas, mas como se fossem bandejas de alimentos pra outros peixes. Como assim?

É que as arraias visitam as “estações de limpeza”, onde peixes pequenos removem e comem parasitas de seu corpo delgado. Dessa forma, a arraia se livra de parasitas e esses “peixes limpadores” ganham uma refeição servida pela arraia.

Mas não queremos saber aqui da arraia como mordomo, mas sim como cliente faminto, não é mesmo? Qual é o menu de refeição preferido da arraia?

Curiosidade em Alta

Nos últimos anos, muita curiosidade sobre arraias veio à tona, tanto por aparições mais frequentes em filmes e animações de sucesso como pelo surgimento cada vez mais assíduo de espécies de arraias em aquários pelo mundo.

Até recentemente, muito pouco se sabia sobre o comportamento das arraias, já que elas passam a maior parte do tempo escondidas no fundo do mar e se tornam ativas apenas à noite. No entanto, sua crescente popularidade nos aquários resultou em uma maior curiosidade sobre este peixe, especialmente seus hábitos alimentares.

As arraias são peixes marinhos relacionados a tubarões (os chamados elasmobrânquios), e ambos os peixes, apesar de sua reputação temível, na verdade têm um esqueleto cartilaginoso. Na verdade, a arraia tem até dentes cartilaginosos, embora sejam extremamente poderosos, porque são reforçados com diferentes tipos de cartilagem.

Não são dentes afiados. Dependendo da espécie, são como se fossem duas placas duras que usam ou para esmagar ou apenas chupar partes bucais. E como seus olhos estão bem no alto da cabeça, não conseguem ver suas presas, por isso usam o olfato e o senso de campo elétrico comum também a todos os tubarões. A picada venenosa no final da cauda não é usada para pegar comida, mas é puramente para autodefesa.

O Que a Arraia Come?

As arraias comem uma variedade de alimentos. Elas podem comer feixes de vermes marinhos, camarões e moluscos. Elas também podem comer animais com casca mole. Quando elas caçam peixes, caçam na coluna de água superior, nas áreas acima do fundo do mar, a cerca de 10 metros de altura. Suas barbatanas são usadas para remover a camada superior de areia do fundo do mar enquanto procuram por comida enterrada.

Sua dieta inclui predominantemente crustáceos como caranguejos, camarões, lagostas, cracas, krill e lagostins. Elas também consomem moluscos como amêijoas, caracóis, lulas, mexilhões e ostras. Além disso, arraias, especialmente espécies de água doce, consomem insetos como mosquitos e suas larvas. De fato, algumas espécies evoluíram para sobreviver apenas com insetos. Vermes e medusas também fazem parte de sua dieta.

A maioria das arraias são alimentadores bentônicos, o que significa que eles caçam no fundo do oceano. Eles levantam areia no fundo do mar, batendo as barbatanas, ou forçando jatos de água de suas guelras, para descobrir presas escondidas. Eles também estão escondidos sob a areia para emboscar qualquer coisa que chegue perto o suficiente.

Ao identificar qualquer presa, eles sugam formando um vácuo com suas bocas e amassam com suas mandíbulas fortes alinhadas com várias fileiras de dentes largos. Então, a carne macia da presa é engolida, enquanto qualquer parte afiada ou dura é regurgitada.

Algumas arraias pelágicas caçam nas águas superiores dos oceanos para capturar peixes ósseos como sardinha, salmão, anchova, baiacu, cavala e até mesmo plâncton. Algumas espécies foram observadas usando suas barbatanas peitorais para “segurar” os peixes enquanto os consumiam.

Para concluir, pode-se dizer que a dieta das arraias consiste principalmente de invertebrados escondidos no fundo do oceano, ocasionalmente suplementados com peixes. Segundo os cientistas, as arraias desempenham um papel ecológico importante, pois o hábito de perturbar a areia no fundo do mar também revela a presa de outros animais e libera nutrientes presos na areia.

Alimentação em Cativeiro

Em lugares como a ilha de Grand Cayman, as arraias ficaram tão acostumadas com os seres humanos que aceitam diretamente alimentos de turistas em pé na água até a cintura. Mas dependendo da espécie, essa interação não é muito recomendada. Acidentes ocorrem e situações de risco envolvendo a cauda com espinhos (ou o ferrão) de algumas arraias são recorrentes.

Quando criados em cativeiro, eles devem ser alimentados pelo menos duas a três vezes por dia, pois têm uma alta taxa de metabolismo. Arraias jovens podem ser alimentadas com vermes anelídeos da família tubifex. À medida que envelhecem, eles podem ser alimentados com krill, ostras, lulas e peixes.

No entanto, esses itens devem ser fornecidos inteiros, ou seja, sem cortar, eviscerar ou processar, de modo a garantir que eles se assemelhem a dieta natural da arraia. Arraias em cativeiro também devem ser alimentadas com alimentos terrestres como minhocas. As minhocas têm um alto valor nutricional para a arraia, e sendo terrestres, carecem dos parasitas naturais das arraias.

Como as arraias têm uma boca pequena, os vermes devem ser cortados no tamanho certo antes da alimentação. Se a arraia for observada repetidamente ingerindo e cuspindo comida, isso significa que os pedaços estão muito grandes para a boca.

Arraia Comendo em Cativeiro
Arraia Comendo em Cativeiro

É aconselhável fornecer comida congelada, pois o congelamento mata qualquer parasita que possa infectar a arraia. No entanto, esses alimentos devem ser embebidos em um suplemento vitamínico, para descongelá-lo e adicionar nutrientes valiosos. Observe a arraia para ver se consome toda a comida que lhe é dada. Seus espiráculos (aberturas próximas aos olhos) se moverão rapidamente para ejetar a água se ela estiver se alimentando.

Forneça alimentos em quantidades suficientes apenas para evitar o desperdício, pois os alimentos acumulados podem se decompor, liberando resíduos nitrogenados no tanque. Ao alimentar arraias em cativeiro, use um par de fórceps longos de metal para evitar ferimentos causados pelo ferrão. Agora vamos falar um pouco mais sobre como funciona o processo de alimentação da arraia. Como ela come?

Metodologia de Alimentação das Arraias

Até agora, pensava-se que a mastigação como uma forma de processamento de alimentos era realizada exclusivamente por mamíferos, mas a descoberta de que as arraias também se dedicam à mastigação representa um novo caldeirão de peixes para a ciência evolucionária.

Pode não ter modos de mesa particularmente elegantes, mas apesar de mastigar com a boca aberta, a sofisticação surpreendente deixa os cientistas de boca aberta.

De acordo com um artigo científico periódico americano, a mastigação, que os autores caracterizam como “movimentos da mandíbula de cisalhamento e molares de coroa alta”, é pensada para ter permitido a diversificação alimentar dos mamíferos, o que por sua vez facilitou a evolução de capacidades cognitivas e fisiológicas cada vez mais complexas.

No entanto, dado que os peixes carecem do complexo aparelho dentário necessário para a mastigação, os biólogos marinhos sempre supuseram que não podiam alimentar-se da mesma maneira.

Apesar disso, as arraias são conhecidas por caçar espécies de presas complexas, como insetos com exoesqueletos duros, levando os pesquisadores a se perguntarem como as criaturas em forma de panqueca processam sua comida antes de digeri-la.

Arraia Fotografada Com um Peixe na Boca
Arraia Fotografada Com um Peixe na Boca

Para descobrir, eles colocaram quatro espécies pertencentes à potamotrygon motoro em um tanque com fundo de vidro, e usaram câmeras de vídeo de alta velocidade para filmar suas bocas de baixo enquanto se alimentavam de larvas de libélulas.

Os pesquisadores descobriram que, apesar da falta dos molares intricados dos mamíferos, as arraias de fato mastigavam sua comida antes de engolir, com “movimentos mandibulares complexos e assimétricos”, permitindo que elas comprimissem e cortassem suas presas.

Curiosamente, os autores do estudo observam que as bocas das arraias são usadas exclusivamente para este fim, e não são utilizadas como meio de captura de presas em primeiro lugar. Em vez disso, isso é conseguido pela “elevação rápida das barbatanas peitorais”, que suga a presa sob o corpo da arraia.

Com base neste achado, os autores do estudo propõem que a capacidade de usar suas barbatanas para capturar alimentos é o que permitiu que as arraias desenvolvessem esse comportamento mastigatório, pois liberava suas bocas para essa função única, resultando na evolução de uma alta cinética. Isso, por sua vez, permite que as arraias comam uma grande variedade de alimentos, ajudando-as a prosperar em uma série de habitats marinhos e de água doce.

Veja também

O que é uma Infecção Fúngica? Quais os Sintomas?

Infecções fúngicas são infecções causadas pela presença de fungos parasitas no ser humano. Os fungos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *