Home / Animais / Tudo Sobre o Esquilo: Características, Nome Cientifico e Fotos

Tudo Sobre o Esquilo: Características, Nome Cientifico e Fotos

Os esquilos são membros da família Sciuridae, uma família que inclui roedores pequenos ou médios. A família de esquilos inclui esquilos, esquilos terrestres, esquilos, marmotas (incluindo marmotas), esquilos voadores entre outros roedores. Os esquilos são indígenas das Américas, Eurásia e África e foram introduzidos por seres humanos na Austrália. Os primeiros esquilos fossilizados conhecidos datam do período do Eoceno e estão mais intimamente relacionados ao castor da montanha e ao arganaz, entre outras famílias de roedores vivos.

Significado do Nome

O termo “esquilo” vem do grego “skioúros”. Outro nome que pode ser dado ao esquilo é “caxinguelê”, que vem do termo quimbundo (dialeto de Angola) kaxinjiang’elê, cujo significado é “rato de palmeira”. O esquilo também pode ser chamado de “quatimirim”, que significa quati pequeno.

Características Gerais

Os esquilos geralmente são pequenos animais, variando em tamanho, desde o esquilo pigmeu africano e o esquilo menos pigmeu de 10 a 14 cm de comprimento total e apenas 12 a 26 g de peso, até o esquilo voador gigante do Butão com até 1,27 m de comprimento total, e várias espécies de marmota, que podem pesar 8 kg ou mais.

Esquilos normalmente têm corpos esbeltos, com caudas espessas e olhos grandes. Em geral, seu pelo é macio e sedoso, embora muito mais espesso em algumas espécies do que em outras. A cor da pelagem dos esquilos é altamente variável entre – e geralmente até dentro – das espécies.

Na maioria das espécies de esquilos, os membros posteriores são mais longos que os anteriores, enquanto todas as espécies têm quatro ou cinco dedos em cada pata. As patas, que incluem um polegar frequentemente pouco desenvolvido, têm almofadas macias na parte inferior e garras versáteis e resistentes para agarrar e escalar.

Os esquilos das árvores, ao contrário da maioria dos mamíferos, podem descer uma árvore de cabeça para baixo. Eles fazem isso girando os tornozelos 180 graus, permitindo que as patas traseiras apontem para trás e, assim, segurem a casca da árvore na direção oposta.

Os esquilos vivem em quase todos os habitats, da floresta tropical ao deserto semiárido, evitando apenas as altas regiões polares e os desertos mais secos. São predominantemente herbívoros, subsistindo em sementes e nozes, mas muitos comem insetos e até pequenos vertebrados.

Como seus olhos grandes indicam, os esquilos têm um excelente senso de visão, o que é especialmente importante para as espécies que habitam as árvores.

Olhos dos Esquilos
Olhos dos Esquilos

Muitos também têm um bom senso de toque, com vibrissas nos membros e na cabeça. Os dentes dos esquilos seguem o padrão típico dos roedores, com grandes incisivos (para roer) que crescem ao longo da vida e dentes da bochecha (para triturar) que ficam atrás de uma grande fenda, ou diastema.

Muitos esquilos juvenis morrem no primeiro ano de vida. Esquilos adultos podem ter uma vida útil de 5 a 10 anos na natureza. Alguns podem sobreviver de 10 a 20 anos em cativeiro. A morte prematura pode ser causada quando um ninho cai da árvore; nesse caso, a mãe pode abandonar seus filhotes se a temperatura do corpo não estiver correta.

Muitos desses filhotes de esquilos foram resgatados e promovidos por um reabilitador profissional da vida selvagem até que pudessem ser devolvidos com segurança à natureza, embora a densidade das populações de esquilos em muitos lugares e os cuidados constantes exigidos pelos esquilos prematuros façam com que poucos reabilitadores estejam dispostos a gastar seus recursos e seu tempo fazendo isso, esses animais são rotineiramente sacrificados.

Modo de Agir

Casal de Esquilos
Casal de Esquilos

Os esquilos acasalam uma ou duas vezes por ano e, após um período de gestação de três a seis semanas, dão à luz uma série de filhotes que variam de acordo com a espécie. Os jovens são altriciais, nascendo nus, sem dentes e cegos. Na maioria das espécies de esquilos, a fêmea sozinha cuida dos filhotes, que são desmamados de seis a dez semanas e tornam-se sexualmente maduros até o final do primeiro ano.

Em geral, as espécies de esquilos que vivem no chão são sociais, geralmente vivendo em colônias bem desenvolvidas, enquanto as espécies que habitam as árvores são mais solitárias. Esquilos terrestres são geralmente diurnos ou crepusculares, enquanto os esquilos voadores tendem a ser noturnos – exceto os esquilos voadores em lactação e seus filhotes, que têm um período de diurnidade durante o verão.

Alimentação

Esquilo se Alimentando - Amendoim
Esquilo se Alimentando – Amendoim

Como os esquilos não conseguem digerir a celulose, eles devem confiar em alimentos ricos em proteínas, carboidratos e gorduras. Nas regiões temperadas, o início da primavera é a época mais difícil do ano para os esquilos, porque as nozes enterradas estão começando a brotar, o que significa que elas ainda não estão totalmente desenvolvidas para consumo. Além disso, muitas das fontes habituais de alimentos ainda não estão disponíveis.

Durante esses tempos, os esquilos dependem muito dos brotos das árvores. Os esquilos, sendo principalmente herbívoros, comem uma grande variedade de plantas, além de nozes, sementes, cones de coníferas, frutas, fungos e vegetação verde. Alguns esquilos, no entanto, também consomem carne, especialmente quando confrontados com a fome. Sabe-se que os esquilos comem pequenos pássaros, cobras jovens e roedores menores, além de ovos e insetos. De fato, algumas espécies de esquilos tropicais mudaram quase inteiramente para uma dieta de insetos.

O comportamento predatório foi observado em várias espécies de esquilos terrestres, em particular no esquilo terrestre de treze linhas. Por exemplo, Bernard Bailey, um cientista da década de 1920, observou um esquilo terrestre de treze quilos atacando uma galinha jovem. Wistrand relatou ter visto essa mesma espécie comendo uma cobra recém-morta.

Algumas Espécies de Esquilos

Esquilo Vermelho

O esquilo vermelho americano (Tamiasciurus hudsonicus) pertence a família Tamiasciurus e faz parte dos três tipos de esquilos que estão associados à essa família, chamados de esquilos de pinheiro. Outro nome que identifica esse roedor é chickaree.

Esse mamífero é diurno, pesa entre 200 e 250 gramas e costuma habitar o mesmo território durante aproximadamente um ano. Ele gosta de comer as sementes das árvores coníferas e pode ser visto com muita frequência na América do Norte, com exceção da costa do Pacífico, onde o esquilo de Douglas é mais predominante.

Esquilo Vermelho
Esquilo Vermelho

É difícil encontrar o esquilo vermelho americano em locais como as Grandes Planícies ou a região sudeste dos Estados Unidos, pois as árvores coníferas não são tão encontradas nesses locais. Os esquilos têm invadido as florestas com madeira de lei, talvez isso tenha a ver com o fato dessa madeira ser resistente a umidade e aos ataques de insetos.

Estrutura Física

Em relação aos seus “parentes” da América do Norte, os esquilos vermelhos são fáceis de distinguir. Eles têm um tamanho menor (comprimento entre 28 e 35 cm), se comportam de forma territorial e possuem pelos avermelhados e uma barriga branca.

Os esquilos de cor vermelha possuem um porte físico maior que o dos outros esquilos. O esquilo de Douglas é parecido com os esquilos americanos vermelhos, mas sua barriga tem uma tonalidade enferrujada e está restrito à região sudoeste da Colúmbia Britânica (Canadá) e ao noroeste da Costa Oeste dos Estados Unidos.

Locais de Habitação

Os esquilos vermelhos americanos são vistos com muita facilidade na América do Norte. Seu alcance inclui: grande parte do Canadá, a metade sul do Alasca; a região das Montanhas Rochosas dos Estados Unidos e a parte norte do leste dos Estados Unidos.

Os esquilos vermelhos americanos predominam e seu estado de preservação não preocupa, já que esse animal não está em extinção. Entretanto, no estado do Arizona, uma população de esquilos vermelhos sofreu uma queda considerável em seu número de indivíduos. Essa população isolada foi listada como espécie em extinção em 1987.

Alimentação do Esquilo Vermelho

Os esquilos vermelhos americanos preferem uma dieta granívora, apesar de incorporarem outras opções de alimento em suas refeições ocasionalmente. No território de Yukon (Canadá), vários relatórios comportamentais mostraram que metade da dieta de um esquilo é composta pelas sementes de abeto-branco. Além das sementes, esses relatórios apontaram que brotos, agulhas, cogumelos, folhas de salgueiro, além de materiais de origem animal como ovos também fazem parte da dieta desses roedores.

Os cones de abeto-branco amadurecem na parte final de julho e a colheita pelos esquilos acontece entre agosto e setembro. Esses roedores armazenam os cones colhidos em suas tocas e assim garantem uma fonte de nutrientes e energia para todo o inverno e para o período de reprodução na primavera.

O abeto-branco avermelhado alterna seus ciclos de produção entre dois e seis anos, onde um bom ano de produção de cones é sucedido por vários anos em que poucos cones são produzidos. Os esquilos vermelhos americanos consomem vários tipos de cogumelos, incluindo alguns que podem matar o ser humano.

Reprodução do Esquilo Vermelho

As fêmeas dos esquilos vermelhos são ovuladoras espontâneas e entram no cio por apenas um dia. Quando isso acontece, as fêmeas são perseguidas por um grande grupo de machos em uma extensa “caçada”. Os machos brigam entre eles por uma oportunidade de acasalar com a fêmea que está no cio. Uma única fêmea pode acasalar com vários machos de uma vez, podendo variar entre quatro e 16 indivíduos. Acredita-se que a gestação varia entre 31 e 35 dias.

Filhote de Esquilo Vermelho
Filhote de Esquilo Vermelho

Essas fêmeas conseguem procriar logo no primeiro ano de vida, mas algumas podem chegar nesse estágio com dois ou três anos de idade. Grande parte delas produz uma leva de crias por ano, mas existem anos onde o período de reprodução é inexistente e outros onde essas roedoras se reproduzem duas vezes.

As ninhadas podem variar entre um e cinco filhotes, mas geralmente elas têm três ou quatro filhos. Os filhotes possuem uma cor rosada, pesam aproximadamente 10 g e nascem sem pelos. Os filhotes crescem muito rápido, cerca de 1,8 g por dia durante o período de amamentação e chegam ao tamanho adulto depois de 125 dias. Eles saem de seus ninhos com 42 dias de vida, mas continuam amamentando até os 70 dias.

Geralmente, os ninhos são mais construídos com grama e também com os galhos das árvores e são escavados nas cavidades dos troncos de abetos, álamos e nogueiras. Os esquilos vermelhos não gostam de fazer ninhos abaixo do solo. Cada esquilo pode possuir vários ninhos em seu território e se move entre eles acompanhado de sua fêmea e de seus filhotes.

Durante três anos, foi feito um estudo no sudoeste de Yukon (Canadá) e foi relatado que as fêmeas dos esquilos vermelhos apresentaram altos níveis de acasalamento com um grande número de machos, inclusive com aqueles quem tinham um parentesco genético com elas. Esse “incesto”, por assim dizer, não afetou em nada a sobrevivência dos filhotes que nasceram desses acasalamentos.

Sobreviventes

Esquilo Vermelho Correndo
Esquilo Vermelho Correndo

Os esquilos vermelhos jovens devem adquirir um território e montar a sua toca antes do inverno, pois precisam sobreviver. Para que isso aconteça, esses roedores podem competir por um território vago, podem criar um novo território ou podem herdar algum terreno de suas mães. Esse comportamento das mães é raro (15% das ninhadas) e é chamado de dispersão de reprodução. É uma forma das mães investirem em seus filhotes.

Os esquilos vermelhos costumam morrer de forma precoce: apenas 22% completam o primeiro ano de vida. Depois dessa fase, a probabilidade de sobrevivência aumenta para três anos, mas depois disso recua novamente. As fêmeas que completam um ano de idade têm, em média, de dois a três anos de vida e possuem uma vida útil de oito anos.

Entre os principais predadores desse esquilo estão: o lince canadense (Lynx canadensis), o lince (Lynx rufus), o coiote (Canis latrans), a coruja-grande (Bubo virginianus), o açor do norte (Accipiter gentilis), entre outros.

Esquilo Raposa

O esquilo raposa (Sciurus niger), notório como esquilo raposa oriental ou esquilo raposa de Bryant, é uma típica espécie de esquilo natural da América do Norte. Por causa das semelhanças de altura e cor, às vezes eles são confundidos com os esquilos vermelhos americanos ou com os esquilos cinzentos do leste em locais onde ambas as espécies habitam.

Descrição Física

O tamanho do corpo do esquilo raposa mede entre 45 e 70 cm, o da cauda mede entre 20 e 33 cm e o peso varia entre 500 g e um quilo. Diferentemente de outros animais, não há um dimorfismo sexual tão grande entre o macho e a fêmea.

Existem três fases distintas na coloração desses mamíferos: em grande parte das áreas, a coloração varia entre o marrom-cinza e o marrom-amarelo com uma parte inferior marrom-alaranjada. Nas regiões inferiores, eles possuem tons de marrom que podem variar, além de faixas brancas no rosto e na cauda.

Esquilo Raposa
Esquilo Raposa

No sul podem ser encontradas comunidades isoladas com uma pelagem preta uniforme. Para ajudar na escalada, esses roedores usam suas garras afiadas, extensores e flexores de seus antebraços e músculos abdominais. Os esquilos raposas têm ótima visão e sentidos bem apurados no que diz respeito à audição e olfato.

Eles usam o cheiro característico como rastro para conseguirem se comunicar com outros de sua espécie. Os esquilos raposas têm um grande número de vibrissas, cabelos e bigodes que são utilizados ​​como receptores de toque para sentir o ambiente. Eles são encontrados acima e abaixo dos olhos, no queixo e no nariz e nos dois antebraços.

Países Onde Ficam

O esquilo raposa costuma habitar grande parte do leste dos Estados Unidos, em áreas que vão do norte do país até as províncias do sul canadense, passando por lugares como Dakota, Colorado e Texas. Além disso, esses mamíferos também foram introduzidos em locais como Oregon, Idaho, Montana, Washington e Novo México. Os locais onde eles estão ausentes são: Nova Inglaterra, Nova Jersey, grande parte de Nova York, norte e leste da Pensilvânia, Ontário, Quebec e as províncias atlânticas do Canadá.

Apesar de sua versatilidade na hora de escolher um habitat, esses animais geralmente são vistos em florestas que possuem mais de 40 hectares, em pequenos bosques abertos ou até mesmo em áreas urbanizadas que tenham árvores.

Esquilo Raposa Em Cima de um Muro de Madeira
Esquilo Raposa Em Cima de um Muro de Madeira

Eles se dão melhor com os carvalhos, com as nozes, com as nogueiras e com os pinheiros, pois eles veem essas árvores como bons lugares para armazenarem suas nozes durante o inverno. Regiões como as Grandes Planícies (Kansas-EUA), são muito lembradas por causa de seus corredores ribeirinhos com choupos (uma espécie de planta) ao seu redor.

Locais de Habitação

Os esquilos raposas são predominantes em áreas florestais abertas de pouca vegetação rasteira. Por outro lado, quando a esse tipo de vegetação é abundante, esses animais não aparecem com muita frequência. O melhor habitat para eles é o pequeno estande de uma árvore grande, de preferência mesclado com uma terra agrícola. O diâmetro e o espaço dos pinheiros e carvalhos estão entre os itens mais importantes para o habitat de um esquilo raposa.

As atuais espécies de pinheiros e carvalhos nem sempre podem ser consideradas quando se fala em habitats dos esquilos raposas. Esses mamíferos são frequentemente observados procurando alimentos no solo e sempre andam centenas de metros para isso.

Existem dois tipos de abrigos para os esquilos raposas: ninhos de folhas, conhecidos como dreys, e as tocas das árvores. Esses animais podem ter duas moradas nas cavidades das árvores ou então revezar a sua moradia entre a cavidade das árvores e o ninho de folhas. Quando estão cuidando de seus filhotes, os esquilos raposas preferem viver nas tocas das árvores, especialmente no inverno. Se esses esquilos não conseguirem se acomodar nas árvores por conta da escassez, eles formam ninhos de folhas durante todo o ano. Esses ninhos são construídos durante a estação mais quente do ano e normalmente ficam a 9 m do solo.

Ninho de Esquilo Raposa
Ninho de Esquilo Raposa

Os esquilos de raposa gostam de usar as cavidades e os galhos bifurcados das árvores para se abrigar. As árvores de Ohio (EUA) mediam aproximadamente 53 cm no diâmetro, enquanto quase todas as árvores do leste do Texas (88%) tinham um diâmetro de 30 cm ou mais. Os buracos nessas árvores costumam ter 15 cm de largura e algo entre 36 e 40 cm de profundidade.

Os esquilos podem criar suas tocas em árvores ocas fazendo cortes em seu interior; entretanto, eles preferem usar as cavidades naturais ou os buracos feitos pelo famoso pica-pau-de-cabeça-vermelha e por uma ave chamada cintilação do norte. Alguns esquilos raposa também usaram ninhos de corvos para fazerem os seus ninhos.

As áreas florestais dominadas por árvores maduras fornecem mais cavidades e favorecem os esquilos, pois geram muitos locais de abrigo para esses animais. Fazer ninhos de folhas é muito mais fácil para eles em locais com essas características.

Esses esquilos não se importam muito com a proximidade dos seres humanos e são capazes de sobreviver em ambientes urbanos e suburbanos sem dificuldades. Os esquilos raposa gostam de explorar as habitações humanas para buscar alimentos e abrigos; eles conseguem viver em um sótão da mesma forma que vivem em um buraco de árvore.

Alimentação do Esquilo Raposa

A alimentação desse esquilo varia conforme a localização geográfica. No geral, esses mamíferos consomem brotos de árvores, insetos, bulbos, tubérculos, sementes de pinheiros, mastros, entre outras coisas. Além disso, eles também gostam de comer as frutas das árvores e alguns grãos como milho, soja, aveia e trigo.

O mastro consumido pelo esquilo de raposa normalmente vem de árvores como: carvalho vermelho do sul (Quercus falcata), carvalho de bluejack (Quercus incana), carvalho de pós (Quercus stellata) e carvalho de peru (Quercus laevis).

Em algumas regiões dos Estados Unidos como Illinois, os esquilos raposa dependem muito de uma planta da família Carya para se alimentar, pois é dela que vêm as nozes. O melhor período para essa planta se proliferar é entre agosto e setembro. Com relação ao outono, os melhores alimentos para esse esquilo são as nozes-pecã, as nozes pretas, as laranjeiras-de-osage e o milho. Quando a primavera chega, a prioridade alimentícia passa a ser o broto e as sementes de olmo. Por fim, o verão é marcado pelo leite de milho, algo que esses esquilos buscam muito na estação mais quente do ano.

Alimentação do Esquilo Raposa
Alimentação do Esquilo Raposa

No inverno do Kansas, a laranjeira-de-osage é um item básico para esses esquilos. Eles combinam essa fruta com sementes de café do Kentucky. Além disso, eles também podem consumir milho, trigo, choupo oriental e bagas de cedro vermelho. Na estação das flores, esses esquilos se alimentam de brotos de olmo e de alguns carvalhos, além de comerem larvas de insetos e folhas recém-brotadas.

Se analisarmos o estado de Ohio, os esquilos raposas têm a preferência pelas nozes de nogueira, pelo milho e pelas nozes pretas. Se não houver pelo menos dois dos itens citados desta lista em um determinado local, os esquilos se ausentam de forma rápida. Esses roedores também gostam de castanhas, sementes e brotos de olmo, avelãs, cascas de árvores e amoras.

No mês de março, eles comem muito as sementes de olmos e de salgueiros. Os esquilos raposas do leste têm uma lista prioritária para seus alimentos: bolotas de carvalho branco, bolotas de carvalho preto, bolotas de carvalho vermelho, nozes e milho.

No leste do Texas, os esquilos gostam muito das bolotas de carvalho, da noz-pecã, do carvalho vermelho do sul e do carvalho de sobreposição. Na Califórnia, os esquilos comem nozes inglesas, laranjas, abacates, morangos e tomates. No inverno, eles comem sementes de eucalipto.

Esquilo Comendo Nozes
Esquilo Comendo Nozes

No estado de Michigan, os esquilos raposas consomem uma enorme variedade de alimentos o ano todo. Na primavera, esses alimentos costumam ser: insetos, sementes de bordo vermelho, olmos e bordos prateados. Na estação mais quente do ano, os esquilos raposas consomem várias frutas e vegetais: frutos de basswood, bolotas de carvalho preto, sementes de bordo-açucareiro e de bordo preto. Além disso, eles também se alimentam de grãos, de insetos e de nozes e castanhas. Se pensarmos no outono, os esquilos raposas de Michigan sempre consomem castanhas, nozes brancas e avelãs.

Modo de Agir

Esses esquilos são totalmente diurnos, não têm atitude territorial e gostam de ficar mais no chão do que a grande maioria dos outros esquilos, que preferem as árvores. Apesar dessa preferência, os esquilos raposas sabem escalar como muita agilidade e rapidez. Eles podem construir dois tipos de ninhos, dependendo da estação. Os ninhos de esquilos podem ser chamados de “dreys”.

No verão, os ninhos de esquilos raposas costumam ser feitos entre os galhos das árvores, enquanto que as tocas de inverno normalmente são escavadas nas cavidades das árvores ao longo dos anos. Não é incomum os esquilos raposas dividirem suas casas dentro das árvores com outros da mesma espécie, especialmente se forem casais reprodutores.

Esquilo Raposa no Chão
Esquilo Raposa no Chão

Esses mamíferos gostam de formar esconderijos onde enterram alimentos para consumirem posteriormente. Geralmente, eles armazenam alimentos gordurosos e sem casca, como nozes e castanhas. Eles gostam de alimentos gordurosos por causa da alta quantidade de energia que podem repor ao consumir esses itens.

Os esquilos raposas são poucos sociáveis, não gostam de brincar e, normalmente, levam uma vida solitária. Esses roedores se unem apenas na época de reprodução. Eles têm um vocabulário amplo e podem emitir sons como cacarejar e berrar, além de emitirem gritos angustiados quando percebem algum tipo de ameaça.

Esses animais tem uma enorme capacidade de salto e podem atingir incríveis 4,6 m em saltos horizontais e 6 m de altura em saltos verticais, sempre com uma aterrissagem suave.

Expectativa de Vida

A maioria dos esquilos raposas morre antes de chegar à fase adulta, mas se forem criados em cativeiro, podem viver até os 18 anos. A expectativa de vida desse animal é de 12,6 anos para as fêmeas e 8, 6 anos para os machos. Por causa da caça excessiva e da destruição das florestas, muitas subespécies desse esquilo podem desaparecer (esquilo Delmarva é um bom exemplo disso). Outra coisa que pode colaborar para o desaparecimento desse esquilo é o clima severo do inverno norte-americano, que tem capacidade para matar muitos animais desse tipo.

No geral, poucos predadores são capazes de matar um esquilo raposa adulto. E mesmo aqueles que conseguem essa façanha, só o fazem de forma esporádica. A lista de predadores desse esquilo inclui: falcões de cauda vermelha (Buteo jamaicensis), corujas barradas (Strix varia), linces (Felis rufus), raposas (Vulpes spp. E Urocyon spp.), falcões de ombros vermelhos (Buteo lineatus), cães (Canis lupus familiaris) entre outro.

Tanto na infância quanto na adolescência são muito vulneráveis a predadores que sabem escalar (guaxinins, gambás, cobras de rato e cobras de pinheiro). Em estados onde não há uma legislação que proteja esses animais, eles são considerados alvos para a caça. Nos séculos XVII e XVIII, os esquilos raposas serviam como fonte de alimento para os colonos europeus daquela época. Esses roedores ainda são caçados em muitos locais e os estados norte-americanos que se destacam nesse quesito são Ohio, Michigan e Indiana.

Esquilo Cinzento

Esquilo Cinzento
Esquilo Cinzento

O esquilo cinzento (Sciurus carolinensis), também conhecido como esquilo cinza dependendo da região, é um esquilo de árvore do gênero Sciurus. É nativo do leste da América do Norte, onde é o regenerador de florestas naturais mais prodigioso e ecologicamente essencial. Amplamente introduzido em alguns lugares do mundo, o esquilo cinza oriental da Europa, em particular, é considerado uma espécie invasora.

Cidadão do Mundo

Sciurus carolinensis é nativo do leste e centro-oeste dos Estados Unidos e das partes sul das províncias do leste do Canadá. A área nativa do esquilo cinza oriental se sobrepõe à do esquilo raposa (Sciurus niger), com a qual às vezes é confundida, embora o núcleo da área do esquilo raposa esteja ligeiramente mais a oeste. O esquilo cinza oriental é encontrado em New Brunswick, no sudoeste de Quebec e no sul de Ontário, além do sul de Manitoba (Canadá) e também entre o sul e o leste do Texas e da Flórida.

Os esquilos cinzentos orientais de reprodução são encontrados na Nova Escócia, mas não se sabe se essa população foi introduzida ou se originou da expansão natural. Esse animal também foi introduzido na Irlanda, Grã-Bretanha, Itália, África do Sul e Austrália (onde foi extirpado em 1973).

Os esquilos cinzentos do leste da Europa são uma preocupação porque eles deslocaram alguns dos esquilos nativos de lá. Em 1966, esse esquilo também foi introduzido na ilha de Vancouver, no oeste do Canadá, na área de Metchosin, e se espalhou amplamente a partir daí. Eles são considerados altamente invasivos e uma ameaça ao ecossistema local e ao esquilo vermelho nativo.

Espécie prolífica e adaptável, o esquilo cinzento oriental também foi introduzido e vive em várias regiões do oeste dos Estados Unidos. O esquilo cinza é uma espécie invasora na Grã-Bretanha; espalhou-se por todo o país e deslocou amplamente o esquilo vermelho nativo.

Na Irlanda, o esquilo vermelho foi deslocado em vários condados do leste, embora ainda permaneça comum no sul e oeste do país. É preocupante que esse deslocamento ocorra na Itália, pois esquilos cinzentos podem se espalhar para outras partes da Europa continental.

Descrição Física

O esquilo cinzento oriental tem uma pelagem predominantemente cinza, mas que também pode ser acastanhada. Possui uma parte inferior branca usual em comparação com a parte inferior laranja-acastanhada típica do esquilo raposa. Tem uma grande cauda espessa. Particularmente em situações urbanas onde o risco de predação é reduzido, indivíduos de cor branca e preta são frequentemente encontrados.

Os esquilos mais escuros parecem exibir uma tolerância mais alta ao frio do que o esquilo cinza comum; quando expostos a -10 ° C, os esquilos pretos apresentaram uma redução de 18% na perda de calor, uma redução de 20% na taxa metabólica basal e um aumento de 11% na capacidade de termogênese sem tremores, quando comparados com o esquilo cinza comum. As variações genéticas desses animais incluem indivíduos com caudas pretas e esquilos de cor preta com caudas brancas.

Esquilo Cinzento de Pé na Grama
Esquilo Cinzento de Pé na Grama

O comprimento da cabeça e do corpo é de 23 a 30 cm, a cauda de 19 a 25 cm e o peso adulto varia entre 400 e 600 g. Eles não exibem dimorfismo sexual, o que significa que não há diferença de gênero em tamanho ou cor.

As trilhas de um esquilo cinza oriental são difíceis de distinguir do esquilo raposa e do esquilo de Abert, embora o alcance deste último seja quase inteiramente diferente do cinza. Como todos os esquilos, o cinza oriental mostra quatro dedos nos pés da frente e cinco nos traseiros. O apoio para os pés traseiros geralmente não é visível na pista. Os dentes desses animais crescem de forma consistente ao longo da vida.

Atitudes e Comportamentos

Como muitos membros da família Sciuridae, o esquilo cinzento oriental é um acumulador de dispersão; acumula alimentos em numerosos pequenos caches para recuperação posterior. Alguns caches são bastante temporários, especialmente aqueles feitos perto do local com uma repentina abundância de alimentos que podem ser recuperados em horas ou dias para serem enterrados em um local mais seguro. Outros são mais permanentes e não são recuperados até meses depois.

Estima-se que cada esquilo faça milhares de caches a cada temporada. Os esquilos têm memória espacial muito precisa para os locais desses caches e usam pontos de referência distantes e próximos para recuperá-los. O cheiro é usado parcialmente para descobrir caches de comida e também para encontrar comida nos caches de outros esquilos. O perfume pode não ser confiável quando o solo está muito seco ou coberto de neve.

Os esquilos às vezes usam comportamentos enganosos para impedir que outros animais recuperem alimentos armazenados em cache. Eles fingirão enterrar o objeto se sentirem que estão sendo observados. Eles fazem isso preparando o local como de costume, por exemplo, cavando um buraco ou alargando uma fenda, imitando a localização dos alimentos, enquanto os escondem na boca e, em seguida, encobrindo o “esconderijo” como se tivessem depositado o objeto.

Eles também se escondem atrás da vegetação enquanto enterram comida ou a escondem no alto das árvores (se o seu rival não for arbóreo). Um repertório tão complexo sugere que os comportamentos não são inatos e implica teoria do pensamento da mente. O esquilo cinzento oriental é uma das poucas espécies de mamíferos que pode descer uma árvore de cabeça. Faz isso girando os pés para que as garras das patas traseiras apontem para trás e possam agarrar a casca da árvore.

Os esquilos cinzentos orientais constroem um tipo de ninho, conhecido como drey, nos galhos das árvores, consistindo principalmente de folhas e galhos secos. Os dreys são aproximadamente esféricos, com cerca de 30 a 60 cm de diâmetro e geralmente são isolados com musgo, vegetação rasteira, grama seca e penas para reduzir a perda de calor. Machos e fêmeas podem compartilhar o mesmo ninho por períodos curtos durante a estação reprodutiva e durante períodos frios de inverno. Esquilos podem compartilhar um drey para se aquecer.

Eles também podem aninhar-se no sótão ou nas paredes externas de uma casa, onde podem ser considerados pragas. Esses roedores podem aumentar os riscos de incêndio devido ao hábito de roer cabos elétricos. Além disso, os esquilos podem habitar um covil permanente de árvores escavado no tronco ou em um grande galho de uma árvore. Os esquilos cinzentos orientais são crepusculares ou mais ativos durante as primeiras e tardias horas do dia e tendem a evitar o calor no meio de um dia de verão. Eles não hibernam.

Reprodução

Filhote de Esquilo Cinzento
Filhote de Esquilo Cinzento

Os esquilos cinzentos do leste podem se reproduzir duas vezes por ano, mas mães mais jovens e menos experientes normalmente têm uma ninhada por ano na primavera. Dependendo da disponibilidade de forragem, fêmeas mais velhas e mais experientes podem procriar novamente no verão. Em um ano de comida abundante, 36% das fêmeas carregam duas ninhadas, mas nenhuma o fará em um ano de comida ruim.

Suas estações de reprodução são de dezembro a fevereiro e de maio a junho, embora isso seja um pouco atrasado em mais latitudes do norte. A primeira ninhada nasce em fevereiro ou março, a segunda em junho ou julho, porém, novamente, o rolamento pode ser avançado ou atrasado por algumas semanas, dependendo do clima, temperatura e disponibilidade de forragem. Em qualquer estação reprodutiva, uma média de 61 a 66% das fêmeas são jovens.

Se uma mulher falha em conceber ou perde seus filhotes devido ao clima ou predação incomumente frio, ela entra novamente no estro e tem uma ninhada posterior. Cinco dias antes de uma fêmea entrar no cio, ela pode atrair até 34 machos de até 500 metros de distância. Os esquilos cinzentos orientais exibem uma forma de poliginia, na qual os machos competidores formarão uma hierarquia de dominância, e a fêmea acasalará com vários machos, dependendo da hierarquia estabelecida.

Esquilo Cinzento Oriental
Esquilo Cinzento Oriental

Normalmente, um a quatro filhotes nascem em cada ninhada, mas o maior tamanho possível de ninhada é oito. O período de gestação é de cerca de 44 dias. Os jovens são desmamados por cerca de 10 semanas, embora alguns possam desmamar até seis semanas depois na natureza.

Eles começam a deixar o ninho após 12 semanas, com os filhotes nascidos no outono, muitas vezes invernando com a mãe. Apenas um em cada quatro filhotes de esquilo sobrevive até um ano de idade, com mortalidade em torno de 55% no ano seguinte. As taxas de mortalidade diminuem para cerca de 30% nos anos seguintes, até que aumentem acentuadamente aos oito anos de idade.

Em casos raros, as fêmeas cinzentas do leste podem entrar no cio aos cinco meses e meio de idade, mas, no geral, as fêmeas não são férteis até pelo menos um ano de idade. A idade média do primeiro cio é de 1,25 anos.

Os esquilos cinzentos machos são sexualmente maduros entre um e dois anos de idade. A longevidade reprodutiva das fêmeas parece ter mais de 8 anos, com 12,5 anos documentados na Carolina do Norte. Esses esquilos podem viver até os 20 anos de idade em cativeiro, mas na natureza vivem vidas muito mais curtas devido à predação e aos desafios de seu habitat. No nascimento, sua expectativa de vida é de 1 a 2 anos, um adulto normalmente pode viver até os 6 anos, com indivíduos excepcionais chegando a 12 anos.

Veja também

O Que Acontece Se Quebrar o Casco da Tartaruga?

Os répteis são muito especiais e despertam a curiosidade nas pessoas. Assim, lagartos, camaleões, crocodilos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *