Home / Animais / Tigre de Java: Características, Fotos e Nome Científico

Tigre de Java: Características, Fotos e Nome Científico

No nível cultural, o tigre de java é, ou era, um animal simbolicamente forte na sociedade javanesa. Estava associado à realeza, às forças da natureza, ao xamanismo e ao culto dos ancestrais. Por todo o Sudeste Asiático, o tigre é um animal com uma alma humana, que pode ser maléfica, especialmente com a figura do tigre lobisomem. A subespécie foi associada a uma cerimônia sacrificial, o rampog macan… é desse tigre que falaremos um pouco agora.

Tigre de Java – Nome Científico

Panthera tigris sondaica, esse é o nome científico atribuído ao tigre de java. A linha de panthers, os pantherinae, divergiu há 10,8 milhões de anos do ancestral comum felidae. Panthera palaeosinensis, que viveu no início do Plioceno, forma a base do clado de panthera. Os fósseis mais antigos de tigres são fragmentos de mandíbula datados do Pleistoceno médio e descoberto na China.

Panthera Zdanskyi foi descoberto em 2004 na Longdan depósito fóssil na província de Gansu na China. Este fóssil é datado de 2,55 a 2,16 milhões de anos atrás (início do Pleistoceno). A análise cladística mostra que o zdanskyi é o táxon irmão do tigre e levados a pensar que o local de nascimento do tigre moderno está no início do Pleistoceno, no noroeste da China.

Da China, o território do tigre teria então se espalhado pelas Ilhas Sunda e depois para a Índia. Entre o fim do Plioceno e o começo do Pleistoceno, o tigre é uma espécie amplamente distribuída na Ásia. As populações, no entanto, variaram fortemente durante as diferentes glaciações do quaternário. Há cerca de 73 000 anos, esses tigres entraram em extinção por causa da erupção do vulcão Toba em Sumatra, o que pode explicar a baixa diversidade genética das espécies presentes.

A primeira descrição do tigre foi feita por Linnaeus em 1758 em seu livro Systema Naturae. O tigre de java é descrito por Temminck em 1844 a partir de um único holotipo, juntamente com o tigre siberiano (panthera altaica). As subespécies de tigre foram tradicionalmente definida pelo tamanho do corpo, a morfologia do crânio e a cor e o padrão do vestido. Assim, no começo, Temminck diferenciou o tigre siberiano do de Java pelo comprimento de sua pelagem.

No entanto, as primeiras descrições de subespécies foram baseadas em um número muito pequeno de indivíduos, sem levar em conta a variabilidade morfológica natural entre espécimes da mesma espécie. Vários modelos tendem a reduzir o número de subespécies e são para separar os tigres continentais (tigre siberiano, tigre de Bengala, tigre malaio, tigre oriental, tigre da Indochina e o tigre cáspio) dos tigres da ilha de Java (Tigres de Bali e Sumatra).

Panthera Tigris Sondaica
Panthera Tigris Sondaica

Em 2006, Groves e Mazak propuseram aumentar o tigre de Sumatra e o tigre de Java na classificação de espécies (respectivamente Panthera sumatrae e panthera sondaica) de acordo com um estudo com base nas dimensões do crânio. O Tiger de Bali, também é proposto como uma subespécie de tigre de Java (sl. balica). O tigre de Java é no entanto mais comumente considerado uma subespécie do tigre.

Tigre de Java – Características e Fotos

O tigre de Java foi caracterizado por longas e finas listras, um pouco mais numerosas que as do Tigre de Sumatra (panthera tigris sumatrae). O focinho era longo e estreito, o plano occipital era visivelmente estreito e os carnassiados longos em comparação com o tamanho do crânio. O diâmetro das impressões foi maior que o do tigre de Bengala (panthera tigris).

Menor que subespécies continentais, o tigre de Java era um pouco maior que o tigre de Bali (panthera tigris balica) e era sobre o tamanho do Tigre de Sumatra. O macho mediu 2,48 m de comprimento total “entre as estacas” e não há dados para a fêmea. O comprimento do crânio foi de 30,6 a 34,9 cm para o macho e 27,0 a 29,2 cm para o sexo feminino. O peso variou de 100 a 141 kg para o macho e de 75 a 115 kg para a fêmea.

O pequeno tamanho dos tigres das Ilhas Sunda, em geral, segue a regra de Bergmann, que correlaciona a massa de animais endotérmicos com a temperatura externa: quanto maior a temperatura, mais leve o animal é, o que facilita a termorregulação. Além disso, o tamanho da presa disponível em Java, que é menor do que veados e gado na Ásia continental, também é um fator que limita o tamanho dos predadores. A influência da insularidade pode ser um dos fatores de encolhimento.

Tigre de Java – Comportamento e Habitat

O tigre de Java costumava comer cervo rusa timorensis, bos javanicus e javali sus scrofa e, por vezes, aves aquáticas e répteis. É provável que o veado vermelho e o javali tenham originalmente formado sua principal presa. A análise dos restos de refeições em um covil e fezes mostra que o tigre de Java também caiu em presas menores, especialmente após a modificação de seu habitat: macacos, pássaros, porcos-espinhos e até arctogalidia trivirgata compôs a sua dieta.

Nada se sabe sobre a biologia reprodutiva e o ciclo de vida em geral. O tigre de Java é uma das três subespécies cujo alcance é restrito a uma ilha, a ilha de Java. Seu habitat é difícil para um grande predador como o tigre: as chuvas são muito abundantes, a biomassa terrestre é fraca e a ilha está fora das áreas de habitat dos grandes cervídeos. Toda essa dificuldade tornou-se ainda pior à medida que o ser humano começou a tomar conta da Ilha.

Tigre de Java – Extinção

No final do século 18, tigres estão presentes na maioria da ilha de Java. Em 1822, no leste da ilha, os tigres eram tão numerosos entre Panarukan e Banyuwangi que eles passaram a representar um perigo para o gado, segundo os nativos. Além disso, o desmatamento no meio do século 19 está envolvida na migração interna de milhares de camponeses em Java Central e Madura. Os recursos florestais e faunísticos então passam a ser rapidamente esgotados por seres humanos: o tigre começa a cair para trás sobre o gado e os homens.

Pesquisadores inventariaram trinta histórias de ataques causados por tigres entre 1633 e 1687 e quarenta outras histórias entre 1812 e 1869. A análise dessas histórias mostra que algumas eram flagrantemente plagiadas ou embelezadas de tal modo que oferecesse veracidade, para manter o interesse público na legalização da caça ao tigre. Criou-se uma impressão de flagelo, dando a entender que tigres atacavam o gado e pessoas nas áreas rurais, promovendo o terror.

No entanto, de acordo com Peter Boomgaard, o tigre de Java serviu na verdade como um bode expiatório para explicar o desaparecimento de gado ou populações em movimento naquela época. Assim, a causa foi amplamente debatida até que o Parlamento holandês admitisse que aldeões cortavam e queimavam o gado e os agricultores foram forçados a deixar suas casas, levantando o falso testemunho do falso tigre comedor de homens, mas o interesso escuso era repovoar os campos de arroz abandonados.

Também tornou-se muito comum usar as expressões de que determinada área está infestada de tigres como um pretexto para desmatar e povoar a região. Com efeito, a desfragmentação das florestas javanesas começou a limitar as áreas de atividade do tigre e, com efeito, os animais começaram mesmo a aparecer em zonas urbanas. Foi o pretexto que faltou pra legalizarem a caça e o extermínio começar de modo avassalador. Estima-se que entre 1830 e 1860, cerca de 1.250 tigres e leopardos foram mortos a cada ano em Java.

Até meados da década de 1960, o tigre de Java sobrevivia em três áreas protegidas fundadas nas décadas de 1920 e 1930: os Parques Nacionais Ujung Kulon e Baluran e a Reserva Leuweung Sancang. No final dos anos 1960, ainda era possível traçar tigres entre Banyuwangi e o leste de Java. Após as insurreições civis de 1965, nenhuma outra observação foi relatada. Apesar de ainda hoje existirem meros boatos não comprovados da aparição de tigres de Java, esses depoimentos nunca foram confirmados. Além disso, o ambiente atual da ilha, fortemente modificado, não oferece mais o habitat necessário para uma possível sobrevivência da espécie.

Veja também

Lista De Tipos De Carpas: Espécies Com Nome E Fotos

Existem muitos tipos de carpas e muitas espécies estão entre os peixes mais valiosos disponíveis …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *