Home / Animais / Tatu Gigante Pré-Histórico já Extinto

Tatu Gigante Pré-Histórico já Extinto

O glyptodon pode parecer apenas um grande tatu, mas era do tamanho de um carro e podia esmagar humanos primitivos com sua cauda batida.

Nos tempos pré-históricos, parece que cada animal era maior que seu equivalente moderno. Os mamutes eram mais altos, peludos e mais pesados ​​que os elefantes. Preguiças antigas cresceram do tamanho de elefantes modernos. Jacarés e crocodilos cresceram rotineiramente até o comprimento de um ônibus da cidade.

E as cobras eram tão grandes que podiam comer jacarés! Uma dessas criaturas pré-históricas enormes que supera seu equivalente moderno — e uma criatura com a qual nossos ancestrais entraram em contato — foi o glyptodon, um tatu gigante do tamanho de um Fusca.

A Descoberta do Glyptodon

Glyptodon reapareceu em cena em 1823, quando um naturalista uruguaio ficou chocado ao descobrir o que era um fêmur de 25 centímetros de espessura e 4 quilos, diferente de tudo que ele já vira antes.

A descoberta de fragmentos ósseos maiores na área levou os especialistas a supor que eles pertenciam a uma enorme preguiça terrestre, mas quando uma estranha coleção de placas ósseas apareceu, uma nova teoria foi apresentada: em algum momento da história, um tatu gigante tinha andado pela terra.

Todo mundo tinha uma ideia diferente sobre como a nova descoberta deveria ser chamada — e com todos os diferentes nomes espalhados pela literatura científica, muitos não perceberam que estavam falando sobre a mesma criatura. O biólogo inglês Richard Owen apontou o que estava acontecendo e, como ele resolveu a confusão, foi o nome dele que ficou preso: glyptodon, que significa “dente estriado”.

As cortinas pontiagudas das duas espécies de Glyptodon parecem ter sido estruturas defensivas. Eles teriam dificultado aos predadores atacar o pescoço e os membros anteriores dos gliptodontes sem correr o risco de se machucar,  propõem que espinhos adicionais fossem uma adaptação estimulada por novos carnívoros na paisagem.

A origem das franjas das espigas, o aumento no tamanho do gliptodonte e a adição de osteodermas extras em outras partes do corpo seguem o intercâmbio de mamíferos americanos. Antes desse período, os mamíferos predadores eram menores e não tão diversos; portanto, era de se esperar que novos predadores do norte influenciassem a evolução dos herbívoros nativos da América do Sul.

Quando Glyptodon Andou na Terra?

Como um tatu, o glyptodon tinha uma cabeça e cauda que se projetavam de uma grande concha. Ele também possuía uma parte traseira blindada composta por mais de 1.000 placas ósseas que se encaixavam firmemente, o que fazia as costas do glyptodon parecerem mais com uma tartaruga do que com um tatu moderno.

Mas, diferentemente de qualquer uma dessas criaturas, as amostras de glyptodon cresciam regularmente até 3 metros de comprimento e pesavam uma tonelada. Os glyptodons viveram de aproximadamente 5,3 milhões a 11,700 anos atrás, o que significa que os primeiros humanos coexistiram com essas grandes criaturas.

Mas, nossos ancestrais tinham pouco a temer porque esses herbívoros não eram caçadores; eles comiam principalmente plantas enquanto vagavam pelas atuais Américas do Norte e do Sul.

Assim como os seres humanos se adaptaram a uma ampla gama de climas e ecossistemas na Terra, os glyptodons fizeram a mesma coisa. Alguns prosperaram em áreas tropicais, enquanto outros se adaptaram à vida nas pradarias. Alguns conseguiram morar em climas frios. Porém, a maioria dos fósseis dessas criaturas vem de uma faixa da América do Sul que se estende da bacia do rio Amazonas até as vastas planícies da Argentina.

Forma Corporal

O tamanho e as placas traseiras duras não foram as únicas características que fizeram essa criatura se destacar. Seu rabo tinha um taco ósseo, às vezes com espinhos, que a criatura poderia exercer com resultados mortais. Se você se aproximasse demais de um glyptodon protegendo seus filhotes, um rápido chicote da cauda poderia esmagar seu crânio instantaneamente.

De fato, suas caudas eram tão fortes que podiam quebrar as placas ósseas de outros gliptodontes. A imagem que começa a surgir parecerá familiar para os fãs de dinossauros, que reconhecerão muitas das características distintivas do anquilossauro: um grande corpo pesado, um manto ósseo e uma cauda de taco mortal.

As semelhanças não são uma coincidência, mas também não apontam nenhum vínculo entre esses mamíferos gigantes e o famoso dinossauro ornitísquico. O que realmente está em ação aqui é a evolução convergente, um mecanismo pelo qual espécies não relacionadas desenvolvem estruturas semelhantes porque são úteis em um ambiente específico.

Ilustraçao do Glyptodon Em Preto e Branco
Ilustraçao do Glyptodon Em Preto e Branco

Em resumo, problemas semelhantes — como ser um tratador grande e lento, com a necessidade de se defender durante o combate interespécies — resultaram em soluções evolutivas semelhantes. E que soluções formidáveis ​​elas eram. Humanos e outros animais não foram rápidos em mexer com essas criaturas — pelo menos não sem um plano.

Caça e Extinção Subsequente

Embora não seja páreo para a força e o tamanho do glyptodon, os humanos foram capazes de enganar esses animais e às vezes caçá-los. Embora suas costas e caudas fossem fortes e resistentes, seus halteres eram macios. Se um grupo de caça pudesse virar um glyptodon de costas, poderia lançar lanças afiadas na parte de baixo do animal para matá-lo.

Ou seja, se eles evitassem a cauda espetada e impedissem a criatura de se enroscar na maior bola medicinal do mundo. Mas, se os humanos conseguissem matar, a carne de uma criatura tão grande teria sido um recurso valioso.

E não apenas as evidências fósseis de carne encontradas na América do Sul levaram alguns paleontologistas a concluir que os humanos primitivos usavam as conchas vazias como abrigos da chuva, neve e intempéries. Sim, essas criaturas eram tão grandes que as conchas dos mortos poderiam servir como abrigos improvisados ​​para os primeiros seres humanos.

Ilustração da Caça do Glyptodon
Ilustração da Caça do Glyptodon

Imagine nossos ancestrais amontoados sob uma gigantesca concha de tatu durante intensas tempestades tropicais ou fortes nevascas!

Em última análise, no entanto, a caça é o que provavelmente levou à queda do glyptodon. Os cientistas acreditam que os últimos glyptodons morreram logo após a última Era do Gelo, devido à caça excessiva pelos seres humanos e às mudanças climáticas.

Mas suas conchas notáveis ​​permanecem preservadas no registro fóssil, e às vezes aparecem nos lugares mais improváveis ​​— um lembrete das estranhas e maravilhosas criaturas de um mundo perdido.

Veja também

Língua Roxa

Chow Chow Curiosidades e Fatos Interessantes Sobre a Raça

Ter um cachorro é uma excelente maneira de aprender ainda mais sobre os diversos tipos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *