Home / Animais / Silky Terrier: Curiosidades E Fatos Interessantes Sobre A Raça

Silky Terrier: Curiosidades E Fatos Interessantes Sobre A Raça

No Brasil, é imensurável o número de cachorros de rua. Praticamente, 99,9% deles são cães sem raça definida, gerados do extenso e constante cruzamento sem controle. Mas, nesse caso, o processo biológico acontece de maneira orgânica, sem a interferência direta do ser humano. Mas há casos, em que raças foram criadas, a partir do planejamento cuidadoso do homem, no cruzamento entre raças de sangue puro. Uma delas é o Silky Terrier. Mas afinal, quais características e fatos interessantes sobre esta raça?

A Origem do Silky Terrier

Silky Terrier
Silky Terrier

Esta raça de cachorro é originada da Austrália, do ano de 1890. É uma mistura do Terrier Australiano com o Yorkshire Terrier. No começo, após muitas tentativas, nasceram crias que se assemelhavam mais ao Terrier, e outras ao Yorkshire. Quando chegaram ao perfil ideal de comportamento e aparência, formou-se o animal ao que hoje conhecemos como o Silky Terrier. 

Somente em 1955, o AKC (American Kennel Club) – reconheceu esse híbrido canino, como uma raça. Ele é identificado por vários nomes, dentre eles: Silky, Sydney Silky Terrier e Australian Silky Terrier (como é conhecido no país oceânico).

Família do Silky Terrier

Além das duas raças das quais o Silky Terrier é descendente, ele também é parente de várias outras raças do tipo Terrier. São algumas delas:

  • Terrier escocês 
  • Kerry blue terrier 
  • Fox terrier 
  • Black and Tan Toy Terrier
  • Staffordshire Bull Terrier
  • Terrier alemão de caça 
  • Bull Terrier
  • West highland white terrier
  • Dandie dinmont terrier
  • Norwich terrier
  • Norfolk terrier
  • Terrier japonês
  • Skye terrier 
  • Manchester terrier 
  • Parson russell terrier
  • Terrier brasileiro (Fox Paulistinha)
  • Border terrier 
  • Bedlington terrier 

Características Morfológicas do Silky Terrier

Este cachorro tem a estatura pequena, geralmente tem entre 23 a 26 cm de comprimento, pesando no em torno de 3 a 4 kg – por isso é classificado como o tipo de cachorro do grupo toy. Ainda que seja pequeno, possui pernas resistentes e fortes, o que lhe dá a capacidade de ser um cão extremamente ligeiro.

Sua cabeça tem o formato semelhante a seus ancestrais Yorkshires: tem um tamanho pequeno, com uma distância considerável entre uma orelha e outra – que são pequeninas e pontudas. Por ter um tamanho reduzido, não apresenta um dorso comprido, mas sim quadris e peito desenvolvidos. Porém, seu focinho é um tanto avantajado, como seu ancestral Terrier Australiano.

Duas características marcantes dessa raça são seus pequenos olhos: estes, que são redondos e com o formato de amêndoas, lhes provocam intensa expressividade. E claro, sua pelagem robusta, lisa e brilhante: apresenta uma coloração incomum para a espécie, pois são uma interessante mistura de castanho-claro (na cabeça e patas) com preto azulado (no dorso, braços e pernas). Ao contrário dos Yorkshires (que tem pelos muito finos, que podem se arrastar ao chão), o Silky tem a sua pelagem mais consistente e curta, que modela ao seu corpo.

Normalmente podem chegar até os 13 anos de vida.

Comportamento do Silky Terrier

Silky Terrier na Grama
Silky Terrier na Grama

O Silky Terrier Australiano é um animal muito ativo e brincalhão – parte desse comportamento foi herdada de seus ancestrais. Por isso, são animais que necessitam de atividades físicas todos os dias para que gastem energia, seja em treinamentos de adestramento ou até mesmo, em brincadeiras com seus tutores. 

Tem como seus ancestrais, o espírito (e instinto) caçador e, evidentemente são exímios cães de guardas. Apreciam sair para caçar (desde pequenos roedores, aves, répteis e insetos), são muito curiosos e costumam “investigar” cavando buracos. É possível que, em nome de seu instinto de guardo, este cachorro lata muito em certas ocasiões que lhes provoquem entranhamento, frustração ou perigo. Por ser um cachorro pequeno, é muito divertido observá-lo ter tamanho temperamento e coragem.

Apesar de sua natureza agitada, são cães perfeitos para ambientes pequenos e para fazer companhia de idosos e crianças, pois são considerados cachorros muito dóceis e que sabem se adaptar a diversas situações, desde as mais tranquilas, até as mais movimentadas. Mesmo carinhosos e períodos de calmaria, não são cães de colo: gostam mesmo de brincar e ter atividades bastante agitadas. 

Curiosidades do Silky Terrier

Apesar de ser um cão ativo e bastante resistente (ainda que pequeno), tem predisposição para adquirir alguns problemas de saúde, como luxação da patela (deslocamento do osso do joelho, a rótula); pedras nos rins e diabetes.

O preço deste animal, por ser considerado de raça, varia entre $1.600 e R$3.000. Isso acontece, pois, depende do abrigo em que vive, da idade ou sexo.

Como são animais de caça, inteligentes e super ativos; tem o costume de participar de várias competições caninas.

Têm o temperamento forte, apesar de muito carinhosos.

De maneira muito fofa, apontam com o focinho para o objeto do qual estão interessados, levantando um de suas patinhas dianteiras.

Cuidados Específicos para o Silky Terrier

Higienização

Como todo cachorro, é necessário que o dono dê banho ao menos uma vez por mês. No caso dessa raça, se atentar às suas orelhas e ouvidos: como o Silky permanece com as orelhas constantemente em pé, a incidência de bactérias e sujeiras neste local é maior. 

Escovação de seus dentes uma vez por semana, a fim de se evitar/eliminar sujeiras e tártaros. Corte de unhas a cada dois meses (com passeios regulares, pode ser que seja dispensável, pois o animal gasta as unhas no solo áspero).

É importante que o dono escove o pelo deste animal com a frequência adequada, sendo desejável que seja um dia sim e um dia não – mesmo que não ocorra tantas quedas dos pelos. O motivo de tamanha frequência, é que quando seus fios começam a crescer, formam-se nós que embaraçam e machucam o cachorro.

Treinamento e Atividades

Cuidados Com o Silky Terrier
Cuidados Com o Silky Terrier

Devido a sua natureza agitada, o dono de todo Silky Terrier deve ter a responsabilidade (caso queira que seu cachorro o obedeça) de treiná-lo desde a mais tenra idade, com disciplina e frequência (o que é bom para o animal e para o próprio dono). Assim, nos momentos em que é provável a latição constante (que vem a ser um tanto irritante), perseguições e capturas de objetos, o animal irá atender aos comandos do dono.

Outra atividade importante a ser feita com este animal, são os passeios. Esta atividade ajuda a que o animal tenha contato com outros ambientes, outros animais e outras pessoas. Um método eficiente para que o animal de sinta mais seguro ao passear com seu dono, é começar a levá-lo para passear ainda filhote, após ter tomado todas as vacinas necessárias.

Vacinas

Em relação às vacinas, não só o Silky Terrier, como todas as raças de cachorro devem ter acesso às primeiras doses de vacina após ser feito exame clínico, através de uma consulta com o Médico Veterinário de sua confiança.

Feito os exames, se comprovado que estejam infectados por alguma doença, seja de origem parasitária, viral, bacteriana ou de pele; devem ser tratadas primeiro. Caso sejam tratadas, ou o animal não tenha nenhum tipo de doenças, podem seguir o cronograma de vacinas.

Após os 45 dias de vida do animal, devem primeiramente, tomar a 1ª  dose do pacote de vacinas polivalentes: óctupla (ou V8), déctupla (V10) e elevencell (V11). Elas protegerão o animal de doenças como a parvovirose, leptospirose, cinomose, coronavirose, adenovírus (do tipo 1 e 2) e parainfluenza.

Casal de Silky Terrier
Casal de Silky Terrier

São três doses, com o espaçamento de 21 dias entre uma e outra. Caso não sejam administradas com o tempo e intervalo corretos, é necessário repetir as três doses do tratamento, para que a proteção tenha efeito. Depois das primeiras doses, o animal deve ser vacinado de ano em ano até o final da vida, a fim de manter a proteção.

Veja também

Meu Cachorro Está Estranhando Todo Mundo. E Agora?

Os cachorros ganharam enorme importância na vida das famílias brasileiras. Esses animais se tornaram tão …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *