Home / Animais / Sapo Branco Espécie: Ele É Venenoso?

Sapo Branco Espécie: Ele É Venenoso?

Não sou especialista no assunto mas, até que se prove o contrário, não há uma espécie distinta de anfíbio que seja exclusivamente branco em sua característica, a não ser em casos possíveis de leucismo ou  albinismo. Mas é importante ressaltar aqui dois espécies extremamente venenosos que podem sim serem encontrados com essa variedade de coloração.

Adelphobates Galactonotus

Adelphobates galactonotus é uma espécie de sapo venenoso. É endêmica da floresta tropical do sul da Bacia Amazônica no Brasil. Seus naturais habitats são planície tropicais úmidas florestas. Os ovos são colocados no chão, mas os girinos são levados para piscinas temporárias.

Embora permaneça disseminada e localmente comum, ela é ameaçada pela perda de habitat e já desapareceu de algumas localidades devido ao desmatamento e inundações causadas por barragens. A espécie é relativamente comum em cativeiro e regularmente reproduzida, mas as populações selvagens ainda correm risco de coleta ilegal.

As variantes melhor conhecidos desta espécie são preto abaixo e amarela, laranja ou vermelha acima, mas a sua cor é extremamente variável com algumas tendo um verde menta esbranquiçado ou azul vivo brilhante,algumas tendo um padrão mosqueado ou manchado acima, e algumas sendo quase todos esbranquiçado (popularmente conhecido como “moonshine” entre os detentores de sapos em cativeiro), amarelo-laranja ou preto.

Especulou-se que alguns morfos eram espécies separadas, mas os testes genéticos não revelaram virtualmente nenhuma diferença entre eles(incluindo uma variante distinta do Parque Estadual de Cristalino com um padrão de rede amarelo-e-preto) e as distribuições dos morfos não seguem um padrão geográfico claro como esperado caso fossem espécies separadas. Esta espécie venenosa relativamente grande tem um comprimento de abertura de até 42 mm.

Phyllobates Terribilis

Phyllobatesterribilis é um sapo venenoso endêmico na costa do Pacífico da Colômbia. O habitat ideal de phyllobates terribilis é a floresta tropical com altas taxas de chuvas (5 m ou mais por ano), altitudes entre 100 e 200 m, temperaturas de pelo menos 26 °C e umidade relativa de 80 a 90%. Na natureza, phyllobates terribilis é um animal social, vivendo em grupos de até seis indivíduos; no entanto, em cativeiro, os espécimes podem viver em grupos muito maiores. Estes sapos são muitas vezes considerados inócuos devido ao seu pequeno tamanho e cores brilhantes, mas os sapos selvagens são letalmente tóxicos.

Phyllobates terribilis é a maior espécie de sapo venenoso, e pode atingir um tamanho de 55 mm como adultos, com fêmeas tipicamente maiores que os machos. Como todos os sapos venenosos, os adultos são coloridos, mas não possuem as manchas escuras presentes em muitos outros dendrobatídeos. O padrão de cor do sapo apresenta aposematismo (que é uma coloração de aviso para alertar os predadores de sua toxicidade).

O sapo tem pequenos discos adesivos nos dedos dos pés, o que ajuda a escalada de plantas. Ele também tem uma placa óssea na mandíbula inferior, que lhe dá a aparência de ter dentes, uma característica distintiva não observada nas outras espécies de phyllobates. O sapo é normalmente diurno e ocorre em três variedades de cores diferentes ou morfos:

A maior morfologia de phyllobates terribilis existe na área de La Brea, na Colômbia, e é a forma mais comum vista em cativeiro. O nome”verde menta” é na verdade um pouco enganador, já que os sapos dessa metamorfose podem ser verde-metálico, verde-claro ou branco.

A metamorfose amarela são encontrados em Quebrada Guangui, Colômbia. Estes sapos podem ser amarelos pálidos até dourar de cor amarela profunda.  Embora não sejam tão comuns quanto os outros dois morfos, exemplos laranjas da espécie também existem na Colômbia. Eles tendem a ter uma cor laranja metálica ou amarelo-laranja, com intensidade variável.

As Variações de Cor dos Sapos

A pele dos sapos varia de um indivíduo para outro, seja em termos de cores ou desenhos. Graças às cores da pele , os sapos podem se misturar ao ambiente. Seus tons estão em harmonia com os dos ambientes em que vivem,com os substratos, o solo ou as árvores em que vivem.

As cores são devido aos pigmentos armazenados em certas células dérmicas: pigmentos amarelos, vermelhos ou laranja, branco, azul, preto ou marrom (armazenados em melanóforos , em forma de estrela). Assim, a  cor verde de algumas espécies vem de uma mistura de pigmentos azuis e amarelos. Os iridóforos, contem cristais de guanina que refletem a luz e dão uma aparência iridescente para a pele.

A distribuição das células pigmentares na epiderme é variável de uma espécie para outra, mas também de um indivíduo para outro: o policromismo (variantes de cor na mesma espécie) e o polimorfismo (desenhos variantes) são comuns nos sapos.

A perereca geralmente tem um dorso verde-claro e uma barriga branca. Arborícola, adota a cor da casca ou das folhas, passando despercebida nos galhos das árvores. Sua pele, portanto, varia de verde a marrom, não apenas de acordo com o substrato, mas também de acordo com a temperatura ambiente , a higrometria e o “humor” do animal.

Por exemplo, um clima frio torna-o mais escuro, seco e claro, mais claro. A variação de cor das pererecas é devida às mudanças de orientação dos cristais de guanina . As rápidas mudanças na coloração são hormonais, especialmente graças à melatonina ou à adrenalina, secretadas em resposta a fatores externos.

Anormalidades de Pigmentação

O melanismo é devido a uma anormalmente elevada proporção de melanina: o animal é preto ou muito escuro na cor. Até seus olhos são escuros,mas isso não altera sua visão. Ao contrário do melanismo, o leucismo é caracterizado pela cor branca da pele. Os olhos têm íris coloridas, mas não vermelhas como nos animais albinos.

O albinismo é devido a uma ausência total ou parcial de melanina. Os olhos das espécies albinas são vermelhos, sua epiderme é branca. Esse fenômeno raramente ocorre na natureza. O albinismo causa deficiências funcionais, como muita sensibilidade à luz ultravioleta e visão prejudicada. Além disso, o animal se torna muito identificável por seus predadores.

O “xantocromismo”, ou xantismo, é caracterizado pela ausência de outros cores que não castanhos, pigmentos laranja e amarelo; os anuros que são afetadas têm olhos vermelhos.

Existem também outros casos de pigmentação alterada.Eritrismo é abundância de coloração vermelha ou laranja. O axantismo é o que faz com que algumas espécies de rãs de árvore apresentem uma coloração azul impressionante, em vez de serem verdes.

Veja também

Chihuahuas

Qual é a Menor Raça de Cachorro do Mundo?

Não é a toa que os cães são considerados os maiores amigos dos homens. Não …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *