Home / Animais / Respiração da Estrela do Mar e Fisiologia. Pode Pegar?

Respiração da Estrela do Mar e Fisiologia. Pode Pegar?

Dos pólos ao equador, da zona das marés das marés às profundidades mais profundas, as estrelas do mar habitam todos os mares do globo. você provavelmente já deve ter visto uma bem pertinho de você, não? Já tentou pegar? Será que é perigoso? Vamos conhecer um pouco da fisiologia da estrela do mar.

Estrela Do Mar E Fisiologia

A espécie tem um disco central, cinco braços flexíveis, inchados na base, afilados no final. Na derme espessa estão incluídas placas calcárias com estrutura reticulada: é o esqueleto da estrela do mar. Nestas placas são inseridos os grânulos, espinhos e curiosas pinças microscópicas, os pedicelos, cujo papel parece ser garantir a limpeza do corpo. A superfície dorsal é amarelo-bege ou laranja para vermelho-arroxeado. O lado ventral é mais claro. No centro do disco, o ânus, muito pequeno, geralmente não é funcional.

Em um intervalo entre dois braços, uma placa de calcário perfurada, madreporita, permite o suprimento de água do sistema aquífero, ou ambulacral, e atua como filtro. A presença desta placa determina um plano de simetria bilateral que se sobrepõe à simetria penta radiada (5 ramos). Entre as placas esqueléticas, pápulas, sacos de respiração, são visíveis no tegumento da parte dorsal do animal (disco e braço).

A boca se abre no centro do lado ventral. Deixa cinco alinhadores ambulacrais cavando sulcos o aspecto ventral dos braços. A parte inferior da calha de cada braço é forrada com duas fileiras de placas ambulacrais; há quatro filas de pódios. Cada podion é um tentáculo hidráulico terminado por um otário. Em ambos os lados dos sulcos, os espinhos retrocedem na forma de um pente quando as calhas se fecham novamente, protegendo assim os piões não retrácteis.

A estrela do mar não tem órgãos dos sentidos estritamente falando. O final de cada braço, terminado por um tentáculo táctil, carrega um ponto fotossensível que lhe dá informações sobre a luz ambiente, mas não é um olho. Cada braço contém dois ovários ou dois testículos conectados a gonóforos, pontos de emissão de gametas que são colocados entre os braços, perto de sua base, na superfície dorsal.

Em um esôfago curto segue um estômago muscular, que ocupa no disco quase todo o espaço. Quando a estrela está se alimentando, o estômago é impulsionado para fora do disco: é “desembuchado”. Dez cecos de um marrom esverdeado, alojados nos braços, abertos no estômago. Seu papel é acumular reservas de lipídios e proteínas antes da época de reprodução. E seu volume varia, ao contrário do das gônadas.

O sistema nervoso, muito difuso e descentralizado, inerva a musculatura localizada na parede do corpo e associado ao esqueleto da sarjeta ambulacral. O sistema aquífero se abre no nível da madreporita, ele mesmo conectado por um canal aquífero a outro canal em forma de anel. Do anel vão cinco canais ambulacrais que, em cada braço, alimentam os pódios e os bulbos.

A estrela não tem um sistema circulatório individualizado, mas uma cavidade geral preenchida com um líquido que contém células capazes, como os glóbulos brancos, de destruir germes e tecidos desgastados, por fagocitose.

Será Que Podemos Pegar? a Questão Da Respiração

Para responder a esta pergunta, selecionamos a experiência de um viajante ecoturista muito conceituado. Acreditamos que ouvir o relato de alguém tão antenado com a natureza e acostumado a explorar a diversidade ecológica pelo mundo seja fundamentado o suficiente para convencê-lo sobre a maneira certa de se comportar diante de estrelas do mar em seu caminho. Eis o que ele nos conta:

“Foi na Ilha Siquijor (Ilha das Bruxas) nas Filipinas e eu não estava realmente ciente do que estava fazendo. No entanto, eu sou geralmente muito cuidadoso para não impactar o ambiente durante minhas viagens, mas isso foi um fracasso. Mas uma vez que um amigo que conheci nas Filipinas me explicou as conseqüências do meu gesto, me senti muito mal.”

“Mesmo que sua forma e a textura de sua pele não tornem as coisas óbvias, a estrela do mar é um animal e não uma planta. Esta é uma distinção importante porque significa que a estrela do mar respira debaixo d’água e que seu organismo é projetado para uma vida exclusivamente subaquática.”

“Como você já sabe, a estrela do mar tem 5 braços e é na maioria dos casos muito colorida. É provavelmente por isso que atrai tanta atenção. Também possui incríveis capacidades de regeneração. De fato, algumas espécies conseguem empurrar os braços para trás em caso de ablação e até reconstituir todo o corpo a partir de apenas um braço!”

“Antes de abordar a questão da estrela do mar fora da água, também acho importante ressaltar que, mesmo hoje, as pessoas estão recuperando muitas estrelas do mar para secar e usar para a decoração. Isto é obviamente inaceitável e todos nós entendemos porquê.”

“Mas mesmo tirar estrelas do mar da água pode afetar seriamente sua saúde. Primeiro, porque são animais que respiram debaixo d’água e só podem fazê-lo na água. Remover uma estrela do mar da água significa que ela não será capaz de respirar enquanto estiver fora da água. Como resultado, ela corre o risco de asfixia facilmente compreensível.”

“Isso não é tudo porque, mesmo que você o faça rapidamente, ser exposto diretamente ao ar livre causa danos significativos à sua pele. E, finalmente, o outro risco de tocar uma estrela-do-mar e passar-lhe produtos inofensivos para nós, mas prejudiciais à sua espécie. Eu acho que especialmente aqui os protetores solares podem ser muito tóxicos para a estrela do mar.”

“A conclusão é simples, evite ao máximo todas as interações e contato físico com a estrela do mar É verdade que é um animal intrigante, mas nunca será tão belo quanto em seu ambiente natural.” Sendo assim, acho que está aí a resposta: você pode pegar uma estrela do mar? Bom, se você é um insensível e irresponsável que está pouco se importando com o risco de matar o animal só pra alimentar sua vaidade, sim, você pode pegar!

A História Evolutiva Da Estrela Do Mar

Nas estrelas do mar, 5 canais de aquíferos passam seus braços e se ramificam para alimentar pequenas vesículas contráteis. De cada um desses vem um canal fino, que atravessa a parede do corpo e se estende até uma pequena expansão erétil emergindo na superfície: o “ambulacral do pé”. Este plano de organização já era semelhante ao das mais antigas estrelas do mar conhecidas, o cambraster, para o corpo pentagonal.

Os fósseis foram encontrados no Cambriano Inferior (530 milhões de anos atrás) de Black Mountain, na França, bem como na Tasmânia Cambriano Médio (Austrália) e cadeias ibéricas, no nordeste da Espanha. No Ordoviciano (470 milhões de anos atrás), as primeiras verdadeiras estrelas do mar são pequenas e já muito diversificadas. Até o devoniano (380 milhões de anos), o grupo está florescendo e se espalhando pelo mundo.

Então, no Carbonífero (230 milhões de anos), a estrela do mar declina. Nas trias (230 milhões de anos), apenas o gênero trichasteropsis sobrevive. Ele está na origem de todos as estrelas do mar, do Jurássico até hoje. Do Jurássico, há 170 milhões de anos, as estrelas do mar são diferenciadas novamente. Animais comparáveis aos da fauna atual aparecem.

A evolução da estrela do mar é pouco conhecida, as placas calcárias de seu esqueleto se dissociam rapidamente após a morte; e os paleontólogos estudam mais freqüentemente elementos esqueléticos isolados em sedimentos, como placas de borda de braço e disco, do que esqueletos completos. No entanto, as terras que datam do Ordovícico nos Estados Unidos, o Devoniano na Alemanha, o Jurássico na Suíça, o Cretáceo na bacia Anglo-Parisiense e o Eoceno no Egito forneceram estrelas do mar lindas e completas.

No geral, o grupo mudou pouco desde o Jurássico e está evoluindo lentamente. Atualmente, compreende cerca de 1.745 espécies de estrelas do mar, divididas em 38 famílias e 342 gêneros. Eles vivem em todos os oceanos do mundo, em todas as profundidades da zona intertidal para o abismo, e substrato duro ou mole, onde alguns toca. Seu tamanho varia de alguns milímetros a 1 metro. O número de braços, normalmente 5, pode ser de 6, 7, 10, ao longo de 10 ou superior a 50. A sua forma é finalmente estrelado, pentagonal ou, mais raramente, esférica ou subesférica.

Veja também

Dois Golfinhos-De-Commerson

Golfinho-De-Commerson: Características, Nome Científico e Fotos

Os golfinhos são conhecidos por serem animais amigáveis, belos e brincalhões. Neste artigo, conheça as …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *