Home / Animais / Raposa do Ártico Está em Extinção?

Raposa do Ártico Está em Extinção?

A raposa do Ártico vive principalmente nas regiões costeiras do Atlântico. Ela também habita as tundras do Alasca, Canadá, Groenlândia, Escandinávia e Rússia. A raposa do Ártico pode suportar uma temperatura de -50° Celsius.

A Raposa do Ártico

Sua pele dobra em volume durante o inverno, para protegê-lo efetivamente contra o frio. Em seu estilo natural, tudo é projetado para evitar a perda de calor: orelhas pequenas, narizes curtos e cabelos lanosos sob as pernas.

A raposa polar pode ser de duas cores: algumas, marrons no verão tornam-se brancas no inverno; as outras, cinza azuladas, ficam mais claras no inverno. Na mesma ninhada, podemos encontrar os dois tipos.

A raposa do Ártico (alopex lagopus) é um pequeno carnívoro que vive em um clima frio, mas com a habilidade de viajar longas distâncias. Pode, portanto, migrar por um longo tempo e, como resultado, difere de muitas outras espécies restritas a áreas de refúgio durante a Idade do Gelo.

Sua pele espessa, reservas de gordura e sistema de troca de calor para limitar a perda de energia em suas pernas permitem que ele sobreviva nessas áreas com condições climáticas extremas.

A raposa do Ártico se alimenta principalmente de pequenos roedores ou felinos, e pássaros. Também come insetos, bagas, cadáveres ou carcaças de focas deixadas por ursos polares. Quando os recursos alimentares são abundantes, muitas crias de raposas e ninhadas são grandes (até 16 ou até 18 raposas por ninhada). Quando a comida é escassa, as raposas se reproduzem pouco, e as ninhadas raras têm apenas algumas raposas.

Está Ou Não Em Extinção?

A sobrevivência da raposa do Ártico não é globalmente ameaçada, mas duas subespécies estão em perigo: De um modo mais geral, as raposas polares perdem terreno contra as raposas vermelhas, maiores.

Historicamente, as populações de raposas vermelhas nessas latitudes eram muito baixas porque eram caçadas por lobos. O extermínio dos lobos permitiu que eles prosperassem às custas das raposas polares.

As raposas polares da Escandinávia, em primeiro lugar, não seriam mais do que 120. A proteção que lhes foi concedida durante décadas nos três países em questão (Suécia, Noruega, Finlândia) não parece ser suficiente para elevar os números.

As raposas do Ártico das Ilhas Komandorski, no Mar de Bering, são apenas cerca de 90. As raposas dessas ilhas são vítimas de uma doença transmitida por cães desde a década de 1970.

Se a espécie não está ameaçada em todo o Ártico, a mudança climática é uma nova ameaça. Enquanto o Ártico se aquece, o habitat da raposa polar está mudando. A tundra está sendo lentamente substituída pela floresta boreal.

A raposa vermelha vai para o Ártico – onde ele caça a raposa polar e sua presa. O número de carcaças deixadas pelos ursos polares, um importante recurso alimentar para as raposas do Ártico durante o inverno, está diminuindo.

O Caso do Extremo Norte

Raposa do Ártico, se não mais sob ameaça a extinção nas regiões do norte, através de muitas medidas de proteção, ainda precisa de ajuda para que sua espécie sobreviva a longo prazo. É particularmente ameaçado pela mudança climática. O Projeto Polar Fox, um projeto conjunto com a Suécia, Finlândia e Noruega, dobrou o número de raposas desde sua criação em 1998, de acordo com o relatório.

Raposa do Ártico Sentada na Neve
Raposa do Ártico Sentada na Neve

“Conseguimos salvar a raposa polar e fazê-la crescer”, disse o professor Anders Angerbjorn, que lidera o projeto. Mas com quase 140 animais individuais na Suécia e 215 na região nórdica, a população local ainda é considerada muito limitada para a sobrevivência a longo prazo. “A população de raposas polares ainda é muito limitada para uma espécie que já existiu em grande parte da região”, observa o relatório.

Hoje, o aquecimento global é um fator adicional de ameaça, embora a população mundial de raposas polares tenha ultrapassado 100.000 indivíduos. “Nossas urzes exclusivas na Suécia, que abrigam raposas polares e outros animais e plantas únicos, só podem ser lembradas se não reduzirmos as emissões de dióxido de carbono”, disse Tom Arnbom. World Wildlife Fund (WWF) na Suécia.

“O apoio ativo é necessário para aumentar a capacidade da raposa do Ártico de encontrar comida suficiente”. Um clima mais quente, como outras coisas, ajudou na disseminação das raposas vermelhas, que, com um peso de cerca de 10 g, são duas vezes maiores que seus primos polares e competem com elas por comida e território.

A Questão do Aquecimento Global

Pesquisadores noruegueses estudaram a história e a estrutura genética das populações de raposas polares através do DNA mitocondrial. Esse DNA é transmitido apenas pela mãe e é relativamente estável, permitindo voltar muito longe na reconstrução da evolução de uma espécie. Eles mostraram a existência de um fluxo contínuo de troca genética em todo o Ártico, com exceção das populações islandesas.

Esta ilha é de fato continuamente cercada por águas abertas (que não congelam durante o inverno), impedindo qualquer comunicação com o continente europeu. As análises também revelam que as populações de raposas polares de repente explodiram cerca de 118.000 anos atrás. Esta anomalia reconstruída na história da raposa polar coincide com o fim do último episódio interglacial.

Estes resultados sugerem que os ciclos glaciais registrados na história recente da Terra podem ter conseqüências muito diferentes na expansão e extinção das espécies de acordo com sua capacidade de adaptação e aclimatação. Uma ameaça adicional pesa sobre as espécies do Ártico com a atual tendência de aquecimento global.

Embora as raposas polares aproveitem o resfriamento climático para ampliar seu alcance, ao contrário de muitas outras espécies confinadas a zonas temperadas, o aquecimento global é sinônimo de isolamento geográfico, o que aumenta muito o risco de extinção de populações, em função de eventos climáticos imprevisíveis e a consanguinidade dos indivíduos.

Os cientistas estão bem cientes do caráter dominante da raposa vermelha, uma vez que já eliminou seu concorrente ártico na Escandinávia, enquanto nenhuma mudança climática estava em jogo, no entanto, se essas duas espécies vierem a ocupar o mesmo território em No norte do Quebec, poderíamos testemunhar a mesma tragédia deste lado do Atlântico.

“Não temos evidências de que a raposa vermelha esteja migrando para o norte e esteja no processo de suplantar a raposa do Ártico”, disse o biólogo da Universidade de Quebec em Rimouski. Mas todas as condições estão em vigor para que isso aconteça.

“Além disso, o pesquisador encontrou alguns intrusos de pele alaranjada durante seus estudos de campo no norte de Quebec. Das cem tocas de raposa examinadas, duas eram agora habitadas por esses invasores do sul.”

Veja também

Curiosidades Sobre o Gato Mourisco e Fatos Interessantes

A fauna é a parte da Ecologia que engloba todos os animais existentes na natureza, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *