Home / Animais / Qual O Tipo de Pele da Baleia? Revestimento do Corpo do Animal

Qual O Tipo de Pele da Baleia? Revestimento do Corpo do Animal

O corpo das baleias é suave e cônico, o que facilita a penetração na água. A barbatana caudal, denominada palete, é horizontal, ao contrário da dos peixes. Proporciona propulsão enquanto as aletas laterais garantem o equilíbrio e a manutenção da trajetória. A asa traseira atua como um estabilizador como a quilha de um barco.

A maioria das baleias tem costas escuras e barriga branca, de modo que presas e predadores quando os vêem de cima confundem-nos com o fundo do mar e quando os vêem de baixo só vêem um reflexo da superfície da água.

Qual O Tipo De Pele Da Baleia? Revestimento Do Corpo Do Animal

A pele é o maior órgão das baleias. É desprovido de pêlos, macio ao toque e sua textura reminiscente é como um ovo duro sem casca. Sob esta pele, dando-lhe uma aparência de borracha, uma camada de gordura mantém o calor do corpo, especialmente vital para as baleias que vivem uma parte de suas vidas em águas geladas polares.

Para algumas espécies, a camada pode ter mais de 30 cm de espessura em alguns lugares. Sendo menos denso que a água, esta gordura, que representa uma grande proporção do animal, permite que flutue mais facilmente. Assim, a espessura da hipoderme das baleias é um elemento essencial para a sua sobrevivência, razão pela qual os bezerros são amamentados em águas quentes para a constituição deste pêlo que será necessário para o grande retorno a águas geladas.

A pele dos cetáceos pode coletar dados científicos importantes, o DNA, o tipo de alimentação, o acúmulo de poluentes presentes no ambiente da baleia são informações que podem ser coletadas graças a um pequeno pedaço de pele e gordura removidas do animal vivo durante uma biópsia.

A Caça a Baleia Também Por Sua Pele

Além de sua carne, a baleia há muito tempo é caçada por seu óleo, ossos, pele ou mesmo barbos , reutilizados para fazer guarda-chuvas e espartilhos “baleias”. Antes do século XX, o petróleo era usado como combustível para lâmpadas a óleo, como cera para velas ou em sabonetes e cosméticos. Pó ósseo foi usado em alguns produtos farmacêuticos. A carne de baleia, proteína e barata, cujo sabor é semelhante ao do atum, tornou-se o prato dos pobres no Japão após a Segunda Guerra Mundial. Em 1947, quase metade da carne consumida no país era carne de baleia.

No Japão, a caça à baleia é uma tradição milenar. Proibir essa prática, que existe há séculos (arpões que datam de milhares de anos), solaparia a cultura japonesa. Atualmente e oficialmente, a única razão para caçar baleias argumentada pelos japoneses é para pesquisas científicas. Um programa de pesquisa científica enquadra essa prática, que deve ser usada para estudar os hábitos e a evolução dos cetáceos.

No entanto, a Corte Internacional de Justiça (ICJ) ordenou que o Japão parasse de caçar baleias no Oceano Antártico. Será que os japoneses ainda caçam tanto as baleias hoje em dia pelos outros motivos proibidos, como por causa de sua pele e outras partes de seu corpo? Existem determinados argumentos que sugerem que não haveria sentido que isso continuasse por esses motivos.

Porque a Caça a Baleia Deveria Declinar

O pretexto científico é, na verdade, uma forma de contornar a moratória internacional, já que a carne de baleia caçada em nome da ciência geralmente acaba em barracas. É precisamente esta caça comercial disfarçada de “pesca científica” que o Tribunal Internacional de Justiça acaba de declarar ilegal. Para ecologistas e cientistas, não há necessidade de massacrar baleias para estudá-las, especialmente na era de novas tecnologias e amostras de DNA. Com o fim da iluminação a óleo em particular, os produtos derivados da baleia caíram em desuso.

Substitutos como o óleo hoje em dia tornam possível fabricar esses produtos de forma diferente. Apenas a Noruega ainda usa baleias em medicamentos (contra doenças cardíacas, artrite e reumatismo). A Islândia também não respeita a proibição. Por trás do orgulho patriótico está também a questão do financiamento. As agências de pesca, ligadas ao Ministério da Agricultura, estão pressionando para continuar a se beneficiar dos créditos dos programas de caça.

É bem verdade que o consumo de carne de baleia diminuiu drasticamente, a ponto de se tornar muito anedótico hoje. Sushi de baleia? Eles raramente aparecem nos menus dos restaurantes japoneses. Um levantamento em 2006 revelou ainda que 95% dos japoneses nunca comeram ou não comem há muito tempo. A carne de baleia já não encontra mais um comprador: as ações congeladas são vendidas com prejuízo em leilão e distribuídas gratuitamente ou vendidas com desconto para escolas, hospitais e grandes cadeias de restaurantes, sendo os comerciantes bastante resistentes à idéia de para atrair a ira das associações de bem-estar animal.

Calosidades Em Peles De Baleia

As calosidades da baleia negra são manchas irregulares de tecido espessado e queratinizado. Esses tecidos são o lar de três espécies de crustáceos anfípodes especialistas em baleias: ovalis cyamis e cyamis gracilis, branco, calos nos indivíduos saudáveis normais e, inversamente, cyamis erraticus, laranja, em feridas de baleias doentes e baleias muito jovens. Estes pequenos crustáceos, também chamados de “piolhos”, se alimentam da pele das baleias. Incapaz de nadar e sobreviver em águas abertas, eles são transmitidos de uma baleia para outra através do contato direto.

Pele De Uma Baleia Vista de Perto
Pele De Uma Baleia Vista de Perto

Aparecendo nas extremidades da tribuna, na parte inferior dos lábios e queixo, na parte superior dos olhos, depois para frente e para trás da abertura, os calos das baleias direitas são congênitos e não são causados pelo ambiente externo, pois são já presente no feto e em diferentes fases pré-natais. No entanto, eles ainda não estão totalmente desenvolvidos ao nascimento e não são colonizados por cianetos até os indivíduos terem vários meses de idade.

A simbiose entre essas espécies de cianetos e a baleia franca é pouco compreendida pelos pesquisadores. Para qualificar uma simbiose, interessa-se o efeito desta sobre as espécies envolvidas. Para os “piolhos”, a vantagem desta simbiose é óbvia, uma vez que essas calosidades proporcionam-lhes recursos de habitat e alimentos.

Baleia Franca
Baleia Franca

Se esses “piolhos” prejudicassem seu hospedeiro, então falaríamos de parasitismo. Se eles não tivessem nenhum efeito em seu hospedeiro, então falaríamos de comensalismo. Finalmente, se eles proporcionassem uma vantagem ao seu hospedeiro, falaria-se de mutualismo.

Como essas calosidades são congênitas, os pesquisadores questionam a vantagem seletiva que a presença de “piolhos” pode ter nas baleias-francas. Alguns pensam que podem estar envolvidos na estratégia de reprodução da espécie. Os machos são conhecidos por terem uma proporção maior de calosidades do que as fêmeas. Então, os machos já foram observados soprando um ao outro através dessas calosidades.

Eles poderiam, portanto, ser usados por machos durante as lutas pelo acesso às fêmeas. No entanto, esta suposição não é unânime porque as mulheres também são dotadas de calos. É por isso que alguns pesquisadores acreditam que seria uma defesa opcional contra predadores para ambos os sexos.

Atualmente, sem poder demonstrar um possível efeito positivo ou negativo dessa simbiose, os “piolhos” são considerados como comensais, ou seja, aproveitam essa simbiose sem enfraquecer ou prejudicar a simbiose. para o seu hospedeiro. Finalmente, a função das calosidades nas baleias francas permanece um mistério. Vale notar que a forma, o tamanho e o lugar dessas calosidades são específicos para cada indivíduo e, portanto, constituem uma impressão digital que permite que os pesquisadores os identifiquem.

Veja também

Saiba Tudo Sobre Cabrito

Tudo Sobre o Cabrito: Características, Nome Científico e Fotos

Cabras, bodes e cabritos são os correspondentes macho, fêmea e filhote do mesmo mamífero ruminante. …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *