Home / Animais / Quais São Os Predadores da Ariranha e Seus Inimigos Naturais?

Quais São Os Predadores da Ariranha e Seus Inimigos Naturais?

A ariranha, a ariranha gigante brasileira ou a ariranha sul-americana, também conhecida como lontra gigante é um mamífero carnívoro originado aqui na América do Sul. Ele é o maior representante da ordem dos mustelídeos e o único representante do gênero pteronura.

É a espécie de lontra mais barulhenta e usa gritos distintos para sinalizar perigo, mostrar agressividade ou afastar inimigos. A lontra gigante pode ser encontrada em toda a parte central e norte da América do Sul. Está particularmente bem presente ao longo da Amazônia e no Pantanal.

Predadores Da Ariranha E Ameaças

Este animal tem que enfrentar várias ameaças, principalmente de seus predadores mais predominantes: os humanos. A caça furtiva tem sido o maior problema para a preservação da espécie. As estatísticas mostram que entre 1959 e 1969, 1.000 a 3.000 peles foram coletadas apenas na parte brasileira da Amazônia. A espécie foi dizimada e esse número era de apenas 12 em 1971.

Além de que, em 1973 reduziu significativamente a caça furtiva, mesmo que a demanda não tenha desaparecido completamente: na década de 1980, o preço de uma pele era de 250 dólares no mercado europeu. Essa ameaça foi exacerbada pelo comportamento feroz da lontra, que naturalmente tende a estar mais próxima dos seres humanos. A ariranha é, portanto, extremamente fácil de matar. Mas a maturidade sexual tardia desse animal e seus complexos comportamentos sociais tornam a caça particularmente desastrosa para a manutenção das populações.

Mais recentemente, a destruição e degradação de seu habitat tornou-se o principal perigo para as espécies, e deve-se temer uma diminuição no número de lontras de cerca de 50% em vinte anos a partir de 2004. Normalmente, os madeireiros chegam primeiro na floresta, cortando a vegetação ao longo das margens. Os agricultores seguem, esgotando o solo e criando habitats inadequados.

À medida que as atividades humanas se expandem, o alcance da ariranha se torna menor. O vôo de sub-adultos para encontrar novos territórios torna impossível a formação de grupos familiares clássicos da espécie. Ameaças mais específicas relacionadas às atividades humanas incluem a exploração de mogno em seu habitat, e o aumento da concentração de mercúrio, um subproduto da atividade de mineração, no peixe que alimenta.

A exploração do ouro intensifica a quantidade de sedimentos na água do rio, que os tornam inadequados para a sobrevivência dos peixes e lontras. A poluição da água proveniente de mineração, extração de petróleo e agricultura é um grave perigo: a concentração de pesticidas e outros produtos químicos aumenta em todos os níveis da cadeia alimentar e pode envenenar super-predadores como a ariranha.

Outras ameaças a esta espécie incluem a competição com os pescadores, que muitas vezes percebem essa espécie como um incômodo. Os impactos do ecoturismo também; apesar da proposta ser de levantar dinheiro e conscientizar o público sobre esses animais e sua preservação, aumenta a interação negativa de seres humanos sobre essa espécie, ajudando a torná-la viva perto dos seres humanos e perturbando-a em seu ambiente natural.

Interação Com Humanos

Ariranha Com a Cabeça Fora Da Água
Ariranha Com a Cabeça Fora Da Água

Em toda a sua extensão, a ariranha interage com os povos indígenas da América do Sul, que costumam praticar caça e pesca tradicionais. Um estudo de cinco comunidades indígenas na Colômbia sugeriu que as práticas nativas representam uma ameaça para as espécies: as ariranhas são frequentemente consideradas pragas porque competem na pesca e às vezes são mortas por esse motivo. Mesmo ao mencionar a importância das espécies no ecossistema e o perigo de sua extinção, as entrevistas mostraram que as populações locais não mostraram interesse em salvar essa espécie. Alunos, no entanto, têm uma visão mais positiva deste animal.

No Suriname, a ariranha não é um alvo de caçadores, um pesquisador que sugeriu que ela foi expulsa como um último recurso devido ao seu sabor horrível. Este animal é por vezes apanhado em redes esticadas ao longo dos rios, e vestígios de facões são visíveis em alguns exemplares. No entanto, o homem é bastante tolerante em relação a este animal no Suriname. Uma mudança de comportamento foi observada neste país durante um estudo em 2002: as normalmente gigantescas ariranhas evitavam os barcos, mostrando algum pânico. A derrubada da floresta, caça e captura de lontras gigantes jovens levou os animais a se tornar muito mais cuidadosos com os homens.

As populações indígenas às vezes capturam os filhotes do animal para alimentar o comércio de animais exóticos e animais de estimação, mas à medida que crescem esses animais rapidamente se tornam incontroláveis. Este animal é raro em cativeiro, e em 2013 havia apenas 60 indivíduos detidos.

Esta espécie tem um lugar importante na cultura local. Assim, ela desempenha um papel na mitologia Achuar (população indígena da Amazônia), na qual as lontras gigantes são espíritos da água chamados Tsunki: eles são uma espécie de “povo da água” se alimentando de peixes. Os Bororos (povo indígena do estado de Mato Grosso) têm uma lenda sobre a origem da prática de fumar tabaco: aqueles que usaram as folhas indevidamente por engoli-la foram punidos ao serem transformados em ariranhas gigantes.

Há uma lenda do idioma indígena ticuna (povo indígena localizado em Manaus) que diz que um dia a ariranha gigante e o jaguar trocaram de lugar: de acordo com esta história, jaguar se originou da água e lontra gigante veio à terra para comer. Os povos indígenas Kichwa da parte amazônica do Peru acreditavam em um mundo aquático onde Yaku runa reinava como mãe da água e era responsável por cuidar de peixes e animais. As ariranhas serviram como canoas para Yaku runa.

Comportamento Selvagem Da Ariranha

Grupo de Ariranha Deitados a Margem de um Rio
Grupo de Ariranha Deitados a Margem de um Rio

A ariranha gigante é um animal muito social, vivendo em grandes grupos familiares. O tamanho destes grupos varia entre 2 e 20 membros, mas eles geralmente têm entre três e oito membros. Os animais do mesmo grupo são muito próximos uns dos outros: as lontras dormem, brincam, viajam e se alimentam juntas.

Porém, ataques entre animais da espécie foram observados. A defesa do território em relação aos intrusos parece ser assegurada tanto por machos quanto por fêmeas dentro do casal dominante no grupo de ariranhas. Uma luta foi observada diretamente no Pantanal aqui do Brasil, em que três animais atacaram violentamente um outro limite de seu território.

Além disso, descobriu-se, também no Brasil, uma carcaça com traços claros de ataques violentos causados por outras ariranhas, com mordidas nos órgãos genitais, uma prática que tem sido observado em animais em cativeiro. Embora tais ataques não sejam incomuns em grandes predadores, esses ataques intraespecíficos são incomuns entre outras espécies de lontras.

Acham que esse comportamento pode estar relacionado aos fortes elos sociais dessa espécie, enquanto são raros entre outras lontras. Este comportamento agressivo não é muito comum na ariranha, e os pesquisadores descobriram que a maioria das vezes os animais tentam evitar o conflito direto. Dentro dos grupos, os animais são extremamente pacíficos e cooperativos.

Veja também

Quais São os Sintomas da Doença do Carrapato?

Carrapatos, um parasita amplamente distribuído em muitos ambientes naturais e com o qual os caminhantes …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *